O Grandela dos Armazéns

PENTAX Image

Placa Tipo II  (Foto: José Carlos Batista)

Francisco Grandela criou os Armazéns Grandela à imagem dos Printemps de Paris e, mostrou preocupações sociais ao construir no sítio de Benfica, entre 1902 e 1904, um bairro para os operários das suas fábricas de fiação, tecidos e móveis de ferro implantadas na Quinta dos Loureiros: o Bairro Grandela. E foi no arruamento desse bairro vulgarmente conhecido como Avenida dos Empregados dos Armazéns Grandela que foi atribuída a Rua Francisco Grandela, por Edital de 19 de junho de 1976, quarenta e dois anos após o falecimento deste comerciante que foi também vereador da Câmara Municipal de Lisboa e amante da cultura.

Francisco de Almeida Grandela (Aveiras de Cima/23.06.1852 – 20.09.1934/Foz do Arelho), filho de um médico de província, veio aos 11 anos de idade para ser marçano em Lisboa e, aos 27 anos estabeleceu-se por conta própria na Baixa lisboeta, com a loja Fazendas Baratas na Rua da Prata. Depois abriu a Loja do Povo (1881) na Praça de Dom Pedro (vulgarmente, conhecido como Rossio), e mais tarde, o Centro Comercial na Rua Áurea  que mudará de nome depois para Novo Mundo e, finalmente, em 1914, para Armazéns Grandela, na esquina da Rua Áurea com a Rua da Assunção. Este empresário construiu um dos maiores impérios comerciais da viragem do século XIX para o século XX, com técnicas comerciais assentes nas promoções diárias de um único artigo, na publicidade e no preço fixo.

Grandela foi também uma figura dedicada à cultura enquanto fundador do Teatro da Rua dos Condes (no final do séc. XIX) e do Clube dos «Makavenkos» (1884), que funcionava na cave do Teatro, uma sociedade gastronómica com fins de solidariedade e beneficência, onde se incluíam D. Caetano de Bragança, o duque de Lafões, Rafael Bordalo Pinheiro ou Bulhão Pato e, cuja história aliás recordou no seu livro «Memórias dos Makavenkos» (1919).

Francisco Grandela fundou ainda o jornal O Domingo, no qual defendia a prática do descanso dominical e a jornada das 8 horas de trabalho, ideias então muito pouco em voga e, foi um dos vereadores com que os republicanos conquistaram a Câmara de Lisboa nas eleições municipais de 1 de Novembro de 1908, nas quais elegeram todos os seus candidatos, sendo os restantes Augusto José Vieira, Braamcamp Freire, Cardoso de Oliveira, Carlos Ferreira Alves, Cunha e Costa, Filipe da Mata, Miranda do Vale, Veríssimo de Almeida e Ventura Terra.

Refira-se ainda que o Bairro Grandela, que só ficou terminado em 1910, para além das 70 habitações incluía uma creche e uma escola, tal como na Foz do Arelho, terra que Francisco Grandela adotou, e na qual também construiu uma escola primária. E entre 1906 e 1918 pagou ainda a construção de mais 4 escolas, em Aveiras de Cima, Lameira de S. Pedro, Nadadouro e Tagarro.

Freguesia de Benfica (Foto: José Carlos Batista)

Freguesia de São Domingos de Benfica
(Foto: José Carlos Batista)

Anúncios

4 thoughts on “O Grandela dos Armazéns

  1. Pingback: Comércio e comerciantes na toponímia de Lisboa no mês de maio | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: A Rua dos três Condes e dos três Cinemas | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: A Avenida do professor e político António Augusto de Aguiar | Toponímia de Lisboa

  4. Pingback: A Rua do vereador republicano Tomás Cabreira | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s