Miguel Verdial um dos participantes do 31 de Janeiro numa Travessa de Benfica

Travessa Miguel Verdial

Placa Tipo II

Constituída pelo troço do Beco da Saúde que tinha os prédios com os nºs 2 a 30 e por uma parte do largo de Dona Amélia que tinha os prédios com os nºs 4 e 6, foi denominada esta artéria por Travessa Miguel Verdial, pelo Edital municipal de 18 de Junho de 1926, o mesmo que também na zona do Calhariz de Benfica fixou na toponímia lisboeta, todos em Travessas, os nomes de outros dois intervenientes na primeira tentativa de implantação da República, o 31 de Janeiro de 1891 – o Sargento Abílio e o Abade Pais –, bem como do republicano General Sousa Brandão.

Miguel Henriques Verdial (Peso da Régua – S. Faustino/15.10.1849 – 04.06.1922/Porto), foi quem no 31 de Janeiro, numa janela dos Paços do Concelho do Porto, leu a composição do Governo Provisório presidido por Rodrigues de Freitas. Gorado este movimento revolucionário foram os seus participantes levados a conselho de guerra, a bordo de um navio fundeado no Porto de Leixões, como sucedeu a Miguel Verdial, ao Capitão Leitão, ao jornalista João Chagas, a Santos Cardoso, ao tenente Coelho e a Aurélio da Paz dos Reis. Miguel Verdial foi condenado ao degredo em Angola, tal como o Capitão Leitão e aí, ambos construíram um caixote para se esconderem e regressarem a Portugal como se fossem mercadoria. Foram porém descobertos e só mais tarde conseguiram escapar e chegar a Paris onde Miguel Verdial continuou exilado enquanto o Capitão Leitão partiu para o Brasil. Amnistiado em 1893, Miguel Verdial voltou ao nosso país para então se dedicar a actividades de cariz cooperativista.

Enquanto actor, Miguel Verdial estreou-se no palco do Teatro Baquet aos 20 anos, em 1869, na peça «O 1º de Dezembro de 1640 ou A restauração de Portugal» e foi também no Baquet que se tornou empresário teatral. Trabalhou também no Teatro Trindade do Porto, e curiosamente, ao estrear-se em Lisboa, em 1876, foi também no Trindade, onde ficou até 1880 em várias óperas cómicas e burlescas. Regressado ao Porto funcionou nos palcos do Baquet e do Chalet. Quando do Ultimato Inglês, Miguel Verdial contribuiu com a realização de um espectáculo para a Liga Patriótica do Norte, no Teatro do Príncipe Real do Porto. Refira-se ainda que Miguel Verdial é bisavô do cantautor Sérgio Godinho.

Anúncios

4 thoughts on “Miguel Verdial um dos participantes do 31 de Janeiro numa Travessa de Benfica

  1. Pingback: As quietas Travessas de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: Os Becos ou Vielas de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: O Dia Mundial do Teatro pelas ruas de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  4. Pingback: A Rua Paulo Renato no 90º aniversário deste homem de teatro | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s