A Rua do benemérito Mantero Belard

PENTAX Image

Placa Tipo II

Onze anos após o seu falecimento foi o benemérito Mantero Belard consagrado na Rua Principal, no estudo de Urbanização da Quinta da Pailepa, compreendido entre a Estrada Militar e a Rua A , a partir de um pedido da Administração da Herança de Enrique Mantero Belard a que a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa deu parecer favorável em 24/05/1985, sendo a Rua Mantero Belard instituída pelo Edital de 25/06/1985.

Enrique Mantero Belard (Lisboa/18.02.1903 – 26/05/1974/Lisboa), filho de Maria Amélia Muller Belard  e de Francisco d’Assis Mantero Belard Junior, – que fundou roças em  São Tomé e Príncipe no final do século XIX- viveu na propriedade da família na Quinta das Conchas e estudou engenharia em Cambridge. Depois, ocupou-se dos negócios da família como as exportações e importações de cacau.

Falecido aos 71 anos, viúvo e sem filhos, deixou a sua considerável fortuna em testamento para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (70%), a Cruz Vermelha Portuguesa (20%) e a Federação Portuguesa de Ténis (10%) para perpetuar a memória do seu irmão Artur Mantero que fora praticante da modalidade e falecera com apenas 27 anos. Doou também a sua casa do Restelo à Fundação Gulbenkian que posteriormente a transmitiu à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa para nela se criar uma residência para pessoas de mérito cultural mas sem recursos, a Residência Faria Mantero em cujo jardim existe um busto do filantropo.

One thought on “A Rua do benemérito Mantero Belard

  1. Pingback: A Rua da Quinta das Conchas | Toponímia de Lisboa

Os comentários estão fechados.