A Rua dos Margiochis de Caselas

Placa Tipo V

Placa Tipo V

Vamos hoje associar-nos à comemoração do Dia Internacional da Família com a Rua dos Margiochis, topónimo que engloba toda uma família de Caselas, bairro na qual se encontra perpetuada em cada placa toponímica do arruamento com a legenda «Ilustre Família de Caselas».

A Rua dos Margiochis ficou no espaço da antiga Rua 10 do Bairro de Caselas, pelo Edital municipal de 20/04/1988 que atribuiu denominações às artérias deste Bairro, correspondendo ao pedido da Junta de Freguesia de São Francisco Xavier.

O primeiro Margiochi é Francisco Simões Margiochi (05.10.1774 – 01.01.1838), nascido em Caselas filho dos lavradores Manuel Simões e Josefa da Luz, que perdeu o seu pai aos 9 anos de idade e ganhou o apelido do seu padrinho, Octávio Margiochi. Formou-se em Matemática e Filosofia em Coimbra, no ano de 1798 e, ainda estudante chegou a ser preso por ordem do Intendente Pina Manique, de 10 de Julho de 1797 a 5 de Abril de 1798, suspeito de ser o autor de um escrito chamado «O Povo à Revolta». Serviu ainda como oficial da armada, no Brasil e, foi professor da Academia Real da Marinha de Lisboa, autor de várias memórias matemáticas e, sócio da Academia de Ciências de Lisboa. Ligou-se ao Vintismo e, foi deputado nas Cortes Constituintes de 1821, em representação da província da Estremadura, tendo proposto leis, como a da extinção do Santo Ofício e do Juízo da Inconfidência. Exilou-se de 1823 até 1826, colaborando no jornal dos emigrados, o Popular. Voltou a exilar-se em 1828 e só regressou ao país em 1833, com D. Pedro IV, para ser Conselheiro de Estado e depois Ministro da Marinha, para além de ter sido agraciado com a Ordem de Avis (1834) e a comenda de Nª Srª da Conceição de Vila Viçosa. Fez também parte da Câmara dos Pares até à sua extinção em 1836, onde se distinguiu pelos seus dotes oratórios.

O seu filho, igualmente Francisco Simões Margiochi de nome (27.11.1812 – 17.01.1879), tornou-se bacharel em Matemática e, financeiro do Banco de Portugal e da Companhia do Gás. Foi também Par do Reino, conselheiro do Tribunal de Contas e, em 1861, apresentou um projecto de lei sobre a fiscalização de estabelecimentos industriais insalubres, incómodos ou perigosos.

Finalmente, o seu neto, que também recebeu o nome de Francisco Simões Margiochi (22.12.1848 – 06.10.1904), distinguiu-se como agrónomo, tendo publicado notáveis artigos sobre assuntos agrícolas no Jornal do Comércio e dirigido algumas revistas de agronomia. De 1872 a 1875, foi vereador da Câmara Municipal de Lisboa e nesse cargo criou jardins públicos, organizou uma biblioteca específica de jardinagem, incentivou a criação equina com a atribuição de prémios em corridas de cavalos e, propôs a demolição do gradeamento do Passeio Público o que lhe granjeou muitas antipatias. No entanto, quando em 1890, a Câmara foi dissolvida por razões administrativas, foi chamado para presidente da Comissão Administrativa. Foi ainda provedor da Casa Pia, no período de 1889 até 1894, e Par do Reino por sucessão.

na Freguesia de São Francisco Xavier – na futura Freguesia de Belém

na Freguesia de São Francisco Xavier – na futura Freguesia de Belém

 

Anúncios

3 thoughts on “A Rua dos Margiochis de Caselas

  1. Pingback: A Rua de António do Couto, o continuador de Ventura Terra no Maria Amália e o sócio nº 1 do Sporting desde 1928 | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: O sítio do Ferragial em três artérias lisboetas | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: Numa Rua de Caselas, Alice Pestana da causa da educação das mulheres | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s