No 103º aniversário da implantação da República, a Avenida Machado Santos

Placa Tipo IV

Freguesia de São Domingos de Benfica – Placa Tipo IV                                                                  (Foto: José Carlos Batista)

A Avenida Machado Santos, que rende homenagem àquele que se bateu na Rotunda até à implantação da República e, por muitos considerado o fundador da República, foi inaugurada em 5 de outubro de 2011, no final das comemorações do Centenário da República, para repor a Avenida que lhe fora dada em projeto na Penha de França mas que nunca passou do papel.

Em 1932, o Edital municipal de 12 de março perpetuou várias figuras republicanas na cidade de Lisboa: Magalhães Lima numa Avenida de S.  João de Deus, Lopes de Mendonça em S. João de Brito, Sampaio Bruno e Carlos da Maia em Santo Condestável, Basílio Teles numa artéria de S. Domingos de Benfica e Campolide, António Granjo e Abel Botelho em S. Domingos de Benfica e, Jacinto Nunes e Machado dos Santos em Avenidas da Penha de França. O arruamento destinado a Machado dos Santos foi a Avenida projectada entre a também projectada Avenida Dr. Jacinto Nunes e a Avenida General Roçadas, através da Quinta dos Peixes, mas estas duas artérias nunca chegaram a ser executadas. Em 1976, também a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa sugeriu na sua reunião de 7 de julho que fosse atribuída a Praça Machado Santos na praceta a sul do Parque Eduardo VII, entre este parque e a Praça Marquês de Pombal, mas o ordenamento urbanístico da zona nunca concretizou tal sugestão.

Assim, na sequência das comemorações do centenário da primeira vereação republicana em Lisboa (2008) e do centenário da implantação da República a edilidade lisboeta decidiu, por edital de 24 de setembro de 2009 e, com a legenda «Republicano/1875-1921», fazer regressar o nome de Machado dos Santos às ruas de Lisboa atribuindo o seu nome no arruamento à Rua Frei Luís de Granada.

António Maria de Azevedo Machado dos Santos (Lisboa/10.01.1875 – 19.10.1921/Lisboa) foi um dos heróis e mártires da I República já que em 1910 se bateu por ela na Rotunda e em 19 de outubro de 1921, na chamada Noite Sangrenta, foi assassinado tal como Carlos da Maia e António Granjo.

Oficial da Armada e iniciado na Carbonária desde Junho de 1908, participou em todas as conspirações contra a Monarquia entre 1907 e 1910, ao mesmo tempo que defendia os seus ideais republicanos na imprensa e em folhetos de propaganda. De 3 para 4 de outubro é ele quem vai ao quartel do Regimento de Infantaria 16 para sublevar as tropas e, após o suicídio de Cândido dos Reis é ele que assume o comando das operações na Rotunda e consegue a derrota das forças monárquicas pelo que a imprensa da época o denominou «herói da Rotunda» e «pai da República».

Machado dos Santos foi eleito deputado à Assembleia Constituinte de 1911 mas um descontentamento pelo afastamento dos ideais de pureza republicana leva-o a expressá-lo no jornal que funda, O Intransigente, em 12 de novembro de 1910. E passa também aos atos organizando e participando nos movimentos insurrecionais de abril de 1913, janeiro de 1914, Movimento das Espadas de 1915 – que o fez ser preso e deportado para os Açores no governo de Pimenta de Castro -, na falhada Revolta de Tomar de 13 de dezembro de 1916 que o conduziu momentaneamente à prisão mas logo em dezembro do ano seguinte conspirou com Sidónio Pais para derrubar o governo, tornando-se em seguida senador e ministro do Interior (1917) e depois, das Subsistências e Transportes (1918). Em 1919, durante a Monarquia do Norte, contribuiu para a derrota dos revoltosos monárquicos na Serra de Monsanto e, em 1920 lançou o Partido da Federação Republicana.

Freguesia de São Domingos de Benfica

Freguesia de São Domingos de Benfica                                                                                         (Foto: José Carlos Batista)

Anúncios

2 thoughts on “No 103º aniversário da implantação da República, a Avenida Machado Santos

  1. Pingback: Os novos 26 topónimos dados de 25 de Abril de 1974 até às eleições autárquicas de 1976 | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: Da Quinta do Areeiro à Praça para Salvador Allende ou Humberto Delgado | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s