A rua do fundador do Instituto de Cegos de Lisboa

Freguesias da Misericórdia e de Santo António

Freguesias da Misericórdia e de Santo António (Foto: Artur Matos)

Neste Dia Internacional das Pessoa com Deficiência abordamos a Rua Prof. Branco Rodrigues, que na própria artéria onde ele residiu muitos anos homenageia desde 1976   o fundador do Instituto de Cegos de Lisboa, pioneiro de um programa de educação inclusiva e promotor das primeiras impressões em Braille feitas em Portugal.

Branco Rodrigues já havia originado um  topónimo no Bairro Jardim, no Lumiar, já que Edital de 31/03/1932  determinara que a Rua “A” se denominasse Branco Rodrigues, a Rua “B” Filipe Duarte e a Avenida nº 6 Ventura Terra, mas o arruamento desapareceu e assim, o Edital municipal de 19/06/1976 determinou que a Travessa de São Sebastião recebesse o seu nome, com a legenda «Tiflólogo 1861 – 1926».

A Biblioteca Nacional de Portugal que administra desde 1976 o Prémio Branco Rodrigues –  instituído pela Comissão Pró-Cinquentenário da Morte de Branco Rodrigues -, enviou nesse mesmo ano uma carta à edilidade lisboeta sugerindo que à Travessa de São Sebastião fosse dado o nome do Professor Branco Rodrigues, que recebeu o seguinte parecer da Comissão Municipal de Toponímia na sua reunião de 15/06/1976: Considerando que existem em Lisboa vários arruamentos públicos com a designação de S. Sebastião e que a sugerida alteração toponímica merece o consenso unânime das Juntas de Freguesia de S. Mamede e das Mercês; Considerando ainda que, o arruamento em causa, está intimamente ligado à vida do professor Branco Rodrigues que nele residiu por longo tempo; Considerando também que por deliberação camarária de 23 de Março de 1932, a antiga Rua A do Bairro Jardim (a Telheiras), passou a denominar-se Rua Branco Rodrigues, mas que este arruamento já não existe; A Comissão emite parecer favorável preconizando que a Travessa de S. Sebastião passe a denominar-se Rua Professor Branco Rodrigues/Tiflólogo/1861-1926″.

O lisboeta José Cândido Branco Rodrigues (Lisboa/18.10.1861 – 18.10.1926/S. João do Estoril), nascido no seio de uma família da alta burguesia alfacinha, inovou em Portugal com o seu pioneirismo ao criar condições que tornaram possíveis a escolarização, a preparação profissional e intelectual dos deficientes visuais e a sua progressiva inclusão social. Branco Rodrigues ajudou a fundar a Asilo-Escola da Associação Promotora do Ensino dos Cegos (1888), onde introduziu o ensino do Braille e, contribuiu fortemente para a aprovação da legislação que oficializou o ensino dos cegos em Portugal (1894) . Ainda criou o Jornal dos Cegos (1895-1920) e promoveu as primeiras impressões em Braille feitas no país, para além de ter fundado várias instituições para o ensino dos deficientes visuais: o Instituto de Cegos Branco Rodrigues (1900) em Lisboa (nas instalações da Escola Comercial Rodrigues Sampaio) que em 1913 se mudou para um edifício próprio em S. João do Estoril; a Escola de Cegos do Porto (em 1903) e, as Oficinas Branco Rodrigues em Castelo de Vide, tendo-as dotado de bibliotecas em Braille.

0 rua-professor-branco-rodrigues-placa

Advertisements

One thought on “A rua do fundador do Instituto de Cegos de Lisboa

  1. Pingback: Filipe Duarte, compositor da opereta Severa e do Fado da Ceguinha, numa Rua do Lumiar | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s