No Dia Mundial do Livro, a Jangada de Pedra no Parque das Nações

jangada de pedra

Neste Dia Mundial do Livro e Direitos de Autor discorremos sobre a Rua Jangada de Pedra, na Freguesia do Parque das Nações, que evoca o livro de José Saramago com esse título, publicado em 1986.

A Rua Jangada de Pedra, que nasce na Avenida Fernando Pessoa, refere-se a uma obra de José Saramago, publicada em 1986, no qual se conta a separação geográfica da Península Ibérica do resto da Europa, acontecimento sem explicação científica, precedido de outros quatro acontecimentos igualmente sobrenaturais que unem as personagens Joana Carda, Joaquim Sassa, José Anaiço e Maria Guavaira, Pedro Orce e Cão, os quais vão percorrer uma longa jornada em busca de algo que lhes tire das almas o tormento de se sentirem culpados pelo ocorrido.

Esta artéria nasceu com a realização da Expo 98, subordinada ao tema «Os oceanos: um património para o futuro», na qual foram nomeados os arruamentos do evento com topónimos ligados aos oceanos, aos Descobrimentos Portugueses, aos aventureiros marítimos da literatura e banda desenhada mundiais, a figuras de relevo para Portugal, a escritores portugueses ou obras de sua autoria e, ainda alguns ligados à botânica. Com a reconversão da zona em Parque das Nações foram estes 102 topónimos oficializados pelo Edital de 16/09/2009 e, a Rua Jangada de Pedra é um deles.

Esta área da cidade de Lisboa comporta ainda mais 6 topónimos que evocam livros de autores portugueses, a saber: a Rua do Adeus Português (poema de Alexandre O’Neill, 1950) , a Rua Corsário das Ilhas (Vitorino Nemésio, 1956), a Rua Finisterra (Carlos de Oliveira, 1978), a Rua Gaivotas em Terra (David Mourão-Ferreira, 1959), a Rua Menina do Mar (Sophia de Mello Breyner Andresen, 1958) e  a Rua Sinais de Fogo (Jorge de Sena, 1979).