A Calçada de Dom Gastão

Freguesia do Beato (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Beato (Foto: Sérgio Dias)

 

A Calçada de Dom Gastão, que vai da rua do Grilo à Rua de Xabregas, é um topónimo cuja data de fixação na memória da cidade se desconhece embora seja evidente a sua origem num dos membros da família Coutinho, de nome Gastão, que no local tem palácio edificado.

Norberto Araújo aponta que este Dom Gastão seja o 1º titular do condado de Taipa do decreto de 3 de julho de 1823 de D. João VI: «À Rua de Xabregas segue-se a Calçada de D. Gastão – um lanço apenas de caminho que liga Xabregas à Rua do Grilo -, Calçada que deve seu nome a D. Gastão da Câmara Coutinho Pereira de Sande, que foi 1º Conde de Taipa, e neste sítio habitou o palácio de seus maiores, casa que teve princípio no final de seiscentos e foi depois muito melhorada». Gastão da Câmara Coutinho Pereira de Sande (26.07.1794 – 27.03.1866)  foi Par do Reino em 1826 e após a aclamação de D. Miguel tomou posição activa pelos liberais pelo que foi forçado a emigrar. Em 1833, publicou as suas cartas de desavenças com o duque de Bragança D. Pedro, então o regente. No regime constitucional foi repetidas vezes deputado e acumulou as comendas da Ordem de Cristo e de Nª Sr.ª da Conceição de Vila Viçosa, a cruz de 3 campanhas da Guerra Peninsular, a Estrela de Montevideu e o título de cavaleiro da Legião de Honra francesa.

No entanto, outros autores afirmam que será antes D. Gastão de Sousa Coutinho, um dos conjurados de 1640 que com o seu vizinho D. Vasco de Meneses, residente no Palácio dos Melos, tornaram a zona de Xabregas/Beato um dos mais empenhados centros de conspiração contra o domínio filipino. Em 1644, teria mesmo mandado edificar junto do seu palácio (onde no século XX passou a funcionar a Escola Básica nº 20) uma ermida dedicada a Nª Sr.ª da Restauração de que não restam vestígios. De acordo com Pastor de Macedo, teria morado na Rua do Norte em 1633-34 e falecido em 27 de janeiro de 1653 nas suas casas da Quinta do Grilo.

Por documentos do espólio do Arquivo Municipal de Lisboa sabe-se que esta Calçada foi alinhada em 1916 e que para além desta artéria existiu também um Largo de Dom Gastão já que ambos os arruamentos aparecem referidos numa planta de 1892 referente à construção da Rua da Manutenção que antes era leito do rio e permitia o acesso ao cais fluvial do Palácio de D. Gastão.

Placa Tipo II (Foto:  Sérgio Dias)

Placa Tipo II
(Foto: Sérgio Dias)

Anúncios

3 thoughts on “A Calçada de Dom Gastão

  1. Pingback: As Calçadas e Calçadinhas lisboetas | Toponímia de Lisboa

  2. Existem no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (DGLAB) documentos que foram doados em 2013 à Instituição, entre os quais se encontra a doação do terreno feita a D. Gastão para a erecção da Ermida sob a Invocação de Nossa Senhora do Rosário. Após a Restauração ficou conhecida também com esta designação.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s