Rua Venceslau de Morais no seu 160º aniversário

Venceslau de Morais-02 -FOTO DO 1ºLIVRO

Neste dia em que o oficial da Marinha e escritor Venceslau de Morais faria 106 anos, recordamos a rua a que dá nome na Freguesia de Santo António – arruamento  entre a Rua Rodrigo da Fonseca e a Rua de Artilharia Um -, sete anos após o seu falecimento, através do Edital de 20/02/1936.

Nascido Wenceslau José de Sousa de Moraes (Lisboa/30.05.1854 – 01.07.1929/Tokushima- Japão), no nº 4 da Rua Cruz do Torel, destacou-se mais como o escritor de viagens que divulgou os costumes do Japão com títulos como Doi-Nippon, O Culto do Chá, Traços do Extremo Oriente e Relance da História do Japão, país onde aliás se fixou por mais de 30 anos.

Numa nota biográfica que lhe pediram, escreveu «Sou português. Nasci em Lisboa (a capital do país) no dia 30 de Maio de 1854. Estudei o curso de Marinha e dediquei-me a oficial de marinha de guerra. Em tal qualidade fiz numerosas viagens, visitando as costas de África, da Ásia, da América, etc. Estive cerca de cinco anos na China, tendo ocasião de vir ao Japão a bordo de uma canhoneira de guerra e visitando Nagasaki, Kobe e Yokohama. Em 1893, 1894, 1895 e 1896 voltei ao Japão, por curtas demoras, ao serviço de Macau, onde estava comissionado na capitania do porto de Macau. Em 1896 regressei a Macau, demorando-me por pouco tempo e voltando ao Japão (Kobe). Em 1899 fui nomeado cônsul de Portugal em Hiogo e Osaka, lugar que exerci até 1913».

Casa onde nasceu no nº 4 da Rua Cruz do Torel

Casa onde nasceu no nº 4 da Rua Cruz do Torel

Venceslau de Morais completou a Escola Naval em 1875 e ingressou na Marinha portuguesa. Em 1885 foi pela 1ª vez a Macau e aí se estabeleceu como imediato da capitania do Porto e professor do Liceu de Macau, para além de ter feito amizade com Camilo Pessanha e casado com Vong-Io-Chan (Atchan), uma chinesa de quem teve dois filhos.

Em 1889 viajou para o Japão, país ao qual regressará várias vezes no exercício das suas funções nos anos seguintes, até em 1898 abandonar mulher e filhos para se mudar definitivamente para o Japão, como cônsul em Kobe, crescendo também a sua ocupação literária e jornalística – nomeadamente, nas revistas Branco e Negro, Brasil-Portugal ou Serões – para divulgar o quotidiano japonês e, mantendo um relacionamento amoroso com a japonesa Ó-Yoné Fukumoto e, após a morte desta, com a sua sobrinha Ko-Haru. Venceslau de Morais determinou para si um funeral budista com a suas cinzas ao lado das de Ko-Haru no cemitério de Chionji.

A TAP deu o seu nome a uma das suas aeronaves e, no Japão teve direito a um estátua na praça principal de Kobe, bem como na principal avenida de Tokushima, onde existe também  um Museu Wenceslau de Moraes.

Edital  Wenceslau de Morais

 

2 thoughts on “Rua Venceslau de Morais no seu 160º aniversário

  1. O Museu Venceslau de Moraes já não existe em Tokushima, foi destruído!… o Japão destruiu esta memória! Estive lá em Abril/2018 e só encontrei o sítio do museu… e também já não existe o famoso Bolo de Moraes.

    Gostar

Os comentários estão fechados.