No Dia Mundial do Ambiente o 1º arquiteto paisagista na toponímia alfacinha

Caldeira Cabral[1]

Neste Dia Mundial do Ambiente falamos do Jardim Prof. Francisco Caldeira Cabral, o 1º topónimo alfacinha a perpetuar um arquiteto paisagista, por Edital de 07/10/2008, com a legenda «Engenheiro Agrónomo e Arquitecto Paisagista/1908 – 1992» e, por ocasião das celebrações do  centenário do de nascimento do homenageado.

Francisco Caldeira Cabral (Lisboa/26.10.1908 – 10.11.1992/Coimbra), nascido no nº 46 do Campo dos Mártires da Pátria, concluiu a licenciatura em Agronomia em 1936 e partiu para Berlim para frequentar o novo Curso de Arquitectura Paisagista, que terminou em 1939. O ensino desta nova disciplina apenas se iniciara em 1929 em Reading (Inglaterra) e, dois anos depois, na Alemanha.

Caldeira Cabral colaborou nos trabalhos do Estádio Nacional, de 1937 a 1940, ano em iniciou a docência no Instituto Superior de Agronomia. Aí criou em 1941 o curso experimental de Arquitectura Paisagista, de livre acesso e facultativo, que só decorridos quarenta anos foi oficializado. Em 1953, o Prof. Caldeira Cabral também fundou o Centro de Estudos de Arquitectura Paisagista no Instituto Superior de Agronomia, organismo que foi o precursor da Associação Portuguesa de Arquitectos Paisagistas, e que em 1957 passou  a representar Portugal na Federação International dos Arquitectos Paisagistas (IFLA), organização de que foi vice-presidente de 1960 até 1962.

O Prof. Caldeira Cabral foi o precursor e grande impulsionador da Arquitetura Paisagista em Portugal, legando um património teórico e conceptual que se tornou uma referência de trabalho, não só para os seus colegas, alunos e seguidores, mas também para a sociedade em geral, onde se salienta o exemplo da aplicação prática dos seus ensinamentos nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian, da autoria dos seus discípulos Gonçalo Ribeiro Telles e António Viana Barreto.

Este Professor Catedrático desde 1945 também desenvolveu ao longo da sua carreira uma estreita colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa: entre 1950 e 1960 foi vogal da Comissão de Arte e Arqueologia; entre 1956 e 1960 integrou o Gabinete de Estúdios e Urbanização onde orientou os estudos de Arquitectura Paisagista no Plano Director de Lisboa; e em 1961, integrou a comissão organizadora dos Colóquios de Urbanismo.

No dia da inauguração em 25.10.2008 (Foto: Sérgio Dias)

No dia da inauguração em 25.10.2008
(Foto: Sérgio Dias)

Anúncios

6 thoughts on “No Dia Mundial do Ambiente o 1º arquiteto paisagista na toponímia alfacinha

  1. Pingback: O património natural na toponímia de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: Os arquitetos de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: A Rua do Jardim Botânico da Ajuda, o primeiro de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  4. O rof Caldeira Cabral foi o 1º paisagista a fazer parte da toponímia de Lisboa – Podia ter sido eu a Primeira a dar o meu nome a Parque de Sines mas na altura recusei – Fui BURRA – Mas nem sabia querido MESTE que havia Jardim com o seu Nome – Fico feliz – vi só agora – 21 setembro 2017

    Gostar

  5. Pingback: Professores na Toponímia de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  6. Pingback: Toponomenclatura de espaços verdes: os Jardins e os Parques | Toponímia de Lisboa

Os comentários estão fechados.