A Rua do olímpico António Martins, o 3º desportista da toponímia de Lisboa

Hoje é o Dia Olímpico e a oportunidade para lembrar a Rua que Lisboa dedica ao atleta olímpico desde 1924, António Martins, o 3º desportista incluído na toponímia alfacinha, tendo o  atleta olímpico Francisco Lázaro sido o primeiro.

O desportista António Martins foi imortalizado em Lisboa na Rua A do projecto aprovado em sessão da Câmara de 15/05/1930, como Rua Dr. António Martins, pelo mesmo edital de 25/02/1932 que determinou que «aos arruamentos constantes do projecto aprovado em sessão de 15 de Maio de 1930, situado entre a Estrada de Benfica, marquês da Fronteira e Estrada de Campolide» fossem dados os nomes da nobelizada Madame Curie (na Avenida B), dos escritores Ramalho Ortigão e Fialho de Almeida (ruas D e E, respetivamente), do jornalista e professor de literatura Basílio Teles (Rua G) e do primeiro ministro assassinado na Noite Sangrenta, António Granjo (Rua F).

O Dr. António Martins foi o terceiro desportista a ser incluído na toponímia lisboeta, numa artéria da freguesia de São Domingos de Benfica, depois de Francisco Lázaro (edital de 09/12/1924) e, do fundador do Ginásio Clube Português, Luís Monteiro (edital de 19/06/1926), sendo o quarto, também António Martins de nome mas Mestre de esgrima  (edital de 14/03/1932).

António Augusto da Silva Martins (Abrantes/04.04.1892 – 03.10.1930/Lisboa), licenciado em Medicina em 1917, foi mobilizado na I Guerra e tomou parte numa expedição a Moçambique em 1918, tendo ainda representado o Exército Português no concurso de tiro interaliado, em 1919, em Paris. Enquanto médico, António Martins foi assistente de Anatomia e de Cirurgia da Faculdade de Medicina de Lisboa e, a partir de 1928, cirurgião dos hospitais de Lisboa, mantendo em paralelo, um particular interesse pelo desporto.

Ainda estudante de Liceu em Coimbra, iniciou-se na prática de ginástica sueca, natação e atletismo, alcançando em 1906 a vitória numa prova de saltos em altura. Já em Lisboa, ingressou no Clube Internacional de Futebol (CIF), de 1912 a 1924, e dedicou-se às modalidades de natação, esgrima, hipismo e até boxe, embora se tenha especializado no atletismo e no tiro de guerra e de chumbo. Em 1924, foi seleccionado para representar Portugal na prova de lançamento do disco nos Jogos Olímpicos de Paris e coube-lhe transportar a bandeira nacional no desfile inaugural, para além de como atirador de precisão, tanto com espingarda como com pistola, António Martins se ter afirmado como o melhor especialista do País com honrosos resultados e inúmeros triunfos. Nos Jogos Pershing, em França, conquistou os primeiros lugares e nas provas nacionais, somou uma série de vitórias: foi campeão de Portugal com arma de guerra em 1917, 1919, 1920, 1921 e 1925, assim como campeão de pistola de guerra de 1920 a 1928, bem como de pistola livre de 1925 a 1929. Faleceu tragicamente aos 38 anos na Carreira de Tiro de Pedrouços, ao disputar o concurso de Tiro de 1930 promovido pela Federação Portuguesa de Tiro, quando após pousar a carabina sobre o pé direito, a arma se disparou e a bala se alojou no occipital.

António Martins foi pai dos dois clínicos António e Francisco Gentil Martins, bem como do filho não reconhecido António Rosa Casaco.

Rua Doutor António Martins planta

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s