A Praça de José, pintor e especialista de cerâmica portuguesa

Freguesias dos Olivais e do Parque das Nações (Foto: Sérgio Dias)

Freguesias dos Olivais e do Parque das Nações
(Foto: Sérgio Dias)

Passa no próximo domingo o 158º aniversário do pintor José Queirós,  um especialista de cerâmica portuguesa,  razão para evocarmos a artéria lisboeta que lhe é dedicada nas freguesias de Olivais e Parque das Nações.

Em 1932,  o nome de José Queirós foi dado à Rua B do Casal de Sete Rios por deliberação camarária de 14 de abril e Edital de dia 19 seguinte, num arruamento projetado que nunca chegou a ter execução pelo que em 1973, uma carta de Armando Gonçalo Sampaio Portelinha, solicitando atribuição de nome à praça vulgarmente conhecida por Praça de Moscavide, levou a Comissão Municipal de Toponímia a sugerir o nome de José Queirós para essa praça e este topónimo foi fixado pela edilidade através do Edital de 15/02/1973 na artéria que era a Praça vulgarmente conhecida por Praça de Moscavide, situada na confluência das Avenidas Infante D. Henrique, Dr. Francisco Luís Gomes e Dr. Alfredo Bensaúde.

José Queirós por Columbano, 1885

José Queirós por Columbano, 1885

José Queirós (Lisboa/13.07.1856 – 31.07.1920) foi um pintor discípulo de Columbano e de Malhoa.  Foi também um dos fundadores do Grémio Artístico que viria a originar a Sociedade Nacional das Belas Artes, membro da Sociedade Promotoras de Belas Artes em Portugal (1873 a 1887) e da secção de Arqueologia lisbonense da Associação de Arqueólogos Portugueses, a  que presidiu de 1912 a 1920 e ainda, conservador do Museu  Nacional da Arte Antiga em 1911.

Outra faceta de José Queirós revelou-se como coleccionador e estudioso de cerâmica e azulejaria, tendo com a sua Cerâmica Portuguesa (1907), onde inventariou a cerâmica artística portuguesa,  abrangendo cerca de oito mil peças, sido o pioneiro dos estudos sobre cerâmica portuguesa. Refira-se ainda que foi com ele que em Maio de 1911 foi aberta a sala de Cerâmica e Vidros do Museu de Arte Antiga e que a sua actuação também permitiu que se restabelecesse a velha indústria dos tapetes de Arraiolos, em risco de perder-se.

Freguesias dos Olivais e do Parque das Nações (Foto: Sérgio Dias)

Freguesias dos Olivais e do Parque das Nações
(Foto: Sérgio Dias)

4 thoughts on “A Praça de José, pintor e especialista de cerâmica portuguesa

  1. Muito obrigada pela sua atenção! O período é de 1912 a 1920, tanto mais que o ponto de partida foi o mesmo artigo que nos recomenda. Depois, algo nos trocou as voltas e o tempo para verificar cada palavra antes de publicar, do que desde já pedimos desculpas.

    Gostar

  2. Olá! Adoro o blog, tem sido uma ferramenta valiosa nos meus estudos. Estou a escrever uma biografia sobre José Queirós e reparei numa incoerência neste post: se Queirós faleceu em 1920, como pôde presidir à secção de Arqueologia lisbonense da Associação de Arqueólogos Portugueses entre 1920 e 1925? De acordo com as atas da Secção de Estudos Olisiponenses da Associação dos Arqueólogos Portugueses, Queirós presidiu desde 1912 até, presumivelmente até 1920. Segue o link em anexo para vossa apreciação:
    http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/LisboaRevM/N5_6/N5_6_master/N5_6.pdf
    Obrigada e espero que tenha ajudado.
    Lia Gomes

    Gostar

  3. Pingback: A Praça de Moscavide e a Praça José Queirós | Toponímia de Lisboa

  4. Pingback: A Avenida Doutor Alfredo Bensaúde que poderia ter sido Avenida 25 de Abril | Toponímia de Lisboa

Os comentários estão fechados.