A Rua do Engº de profissão e conde literato por paixão

Branco e Negro, 20.12.1896

Branco e Negro, 20.12.1896

A Rua Conde de Arnoso homenageia na antiga Rua 41 do Sítio de Alvalade o engenheiro militar que por paixão se dedicou às Letras, fruto do edital municipal de 20/10/1955 que ali fixou toponímia ligada às Artes e às Letras, por sugestão do olisipógrafo Luís Pastor de Macedo à Comissão Consultiva Municipal de Toponímia na sua reunião de 20 de julho de 1955.

Pelo mesmo edital, foram também atribuídos no mesmo sítio os nomes de outros três membros do grupo de onze intelectuais e políticos conhecido como «Vencidos da Vida»: Carlos Lobo d’ Ávila, Conde de Ficalho e Marquês d0 Soveral.

O 1º Conde de Arnoso foi Bernardo Pinheiro Correia de Melo (Guimarães/27.05.1855 – 21.05.1911/Vila Nova de Famalicão) que seguiu a carreira militar como oficial de Engenharia, após cursar Matemáticas na Universidade de Coimbra e usou o pseudónimo literário Bernardo Pindela, já que era filho do 1º visconde de Pindela.

Mas como membro dos «Vencidos da Vida» e particularmente amigo de Eça de Queirós tomou a literatura como paixão. Aliás, foi o Conde de Arnoso que em 15 de março de 1901 apresentou na Câmara dos Pares um projeto de lei para conceder uma pensão à viúva e filhos de Eça de Queirós assim como desenvolveu esforços para ser erguido o monumento do Largo do Barão de Quintela a Eça de Queirós, que ele próprio entregou à cidade de Lisboa em 9 de novembro de 1903.

O primeiro livro que publicou foi Azulejos (1886), sobre a sua vida de estudante na Universidade Coimbra e com prefácio de Eça de Queirós. Depois, colaborou com o Conde de Sabugosa no livro de contos De Braço Dado (1894), que foi um êxito na sociedade elegante de então. Seguiu com Jornadas pelo Mundo (1895), um livro de viagens onde descreve a China e o Japão,em resultado de ter acompanhado o conselheiro general Tomás Rosa em 1887 numa viagem oficial a essas paragens.  Também apresentou com êxito nos palcos as peças Primeira Nuvem (1894) e O Suave Milagre (1901), a partir do conto de Eça. Espalhou também os seus textos pelas revistas A Arte e a NaturezaA imprensaA semana de Lisboa, Revista de Portugal e Brasil-Portugal, entre outras.

Bernardo Pindela foi também amigo e secretário particular do rei D. Carlos I, que lhe concedeu o título de conde de Arnoso por decreto de 28/09/1895, tendo acompanhado o monarca na sua viagem a Inglaterra, em janeiro de 1901, para assistir ao funeral da Rainha Vitória. Também foi nomeado Par do Reino por Carta Régia de 29 de dezembro de 1900, tendo tomado assento na Câmara dos Pares na sessão de 6 de março de 1901.

Em 1961 (Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal d Lisboa)

Em 1961 (Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

Freguesia de Alvalade

Freguesia de Alvalade

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s