O saco do beco sem saída que ficou rua

Este arruamento  começou por ser um beco sem saída e justamente por essa característica ganhou a denominação de Rua do Saco.

Esta artéria que hoje liga a Rua Nova do Desterro ao Largo do Mastro é seguramente antiga, mas com rigor só podemos afirmar que ela existia em 1858, já que está assinalada como Beco do Saco no Atlas da Carta Topográfica de Lisboa, de Filipe Folque. Com a abertura de saída neste Beco do Saco passou a Rua do Saco, pela deliberação camarária de 01/06/1889 e consequente Edital de 08/06/1889.

O olisipógrafo Luís Pastor de Macedo, na sua Lisboa de Lés-a-Lés, refere uma Rua do Saco que existiu na antiga freguesia de São Julião justificando que «Esta serventia que não tinha saída e que justamente por isso se denominava do Saco (…)», aliás em conformidade com as informações da Corografia Portuguesa (1712) de Carvalho da Costa. Esta seria mais ou menos a parte sul da que hoje conhecemos como Rua Serpa Pinto.

Um documento de 12 de maio de 1498 menciona um aforamento de casas na Rua do Saco a João Afonso de Leão e, a Estatística de João Brandão, de 1552, também registava uma rua do saco, que provavelmente seria o arruamento referido por Pastor de Macedo.

O que a experiência mostra é que artérias sem saída acabavam por ganhar o nome de ruas do saco e por isso no nosso país tal topónimo se pode encontrar, por exemplo, também em Albufeira, Angra do Heroísmo, Beja, na Covilhã, na Ribeira Grande, em Sines ou em Vila Flor.

Freguesia de Arroios

Freguesia de Arroios

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s