A Avenida de Costa Cabral, o primeiro Marquês de Tomar

Em 1902, por Edital municipal de 11 de dezembro, o 1º Marquês de Tomar, ou simplesmente Costa Cabral, ficou perpetuado no arruamento que então ligava a Avenida Duque d’Ávila à Rua Martinho Guimarães (que é hoje a Avenida de Berna).

O nome de Costa Cabral foi atribuído juntamente com outros dois  políticos do século XIX : António Augusto Aguiar (1838 – 1887) e  o Conde de Valbom (1819 – 1901), na mesma zona das Avenidas Novas de Lisboa e, todos em Avenidas.

António Bernardo da Costa Cabral (Fornos de Algodres/09.05.1803 – 01.09.1889/Porto), licenciado em Direito (1823) e magistrado, foi uma figura preponderante  na política portuguesa na consolidação constitucional do reinado de D. Maria II, substituindo o setembrismo  pelo cartismo e assim foi agraciado com os títulos de 1.° conde e 1.° marquês de Tomar.

Costa Cabral foi um dos Bravos do Mindelo e depois, procurador régio e deputado eleito  por Ponta Delgada em 1834 e 1836, após o que foi o escolhido pelo governo e pela rainha para liderar a pacificação da capital, sendo nomeado a 7 de março de 1838 administrador-geral de Lisboa e mostrando de imediato serviço ao esmagar o levantamento da Guarda Nacional que ocorreu no dia 13 imediato e, por ter sido ser o principal obreiro da dissolução da Guarda Nacional . No ano seguinte passou a Ministro da Justiça e dos Negócios Eclesiásticos no governo de iniciativa da rainha D. Maria II.

Em 1842 foi um dos chefes do movimento revolucionário constitucionalista, lançado no Porto, a partir de janeiro, cuja vitória fez restaurar a Carta Constitucional de 1826 e  liquidar institucionalmente o Setembrismo. Nesse mesmo ano e até 1846 Costa Cabral tornou-se Ministro do Reino, no período que ficou conhecido como Cabralismo, e empenhou-se numa reforma do Estado através da publicação de um novo Código Administrativo (1842) que aumentava a centralização administrativa, da reorganização da Guarda Nacional (1842) e da reforma das câmaras municipais (1842-1843). A rainha D. Maria II agradeceu-lhe nomeando-o Conselheiro de Estado (1843), par do Reino (1844) e dando-lhe o título de 1º Conde de Tomar (1845), por duas vidas e, depois elevado a Marquês de Tomar (1878) por D. Luís.

Com o movimento da Maria da Fonte (1846) a rainha viu-se obrigada a demitir Costa Cabral, que se exilou em Madrid. Após voltar  foi Primeiro-Ministro, então denominado Presidente do Conselho, de 1849 a 1851. A Regeneração obrigou-o a deixar o governo e enveredou então pela diplomacia, como embaixador em Madrid, no Rio de Janeiro e junto da Santa Sé (chefe da Legação de Portugal ).

Refira-se ainda que o Costa Cabral foi Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano de 1841 a 1846 e novamente entre 1847 e 1849.

Freguesia das Avenidas Novas (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia das Avenidas Novas
(Planta: Sérgio Dias)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s