Ó Evaristo, tens cá uma rua em Lisboa!

António Silva no Pátio das Cantigas

António Silva no Pátio das Cantigas

António Silva, o popular ator que deu corpo ao Evaristo do Pátio das Cantigas, teve o seu nome gravado numa rua do Lumiar no próprio ano do seu falecimento, pelo Edital de 22/06/1971.

António Maria da Silva (Lisboa/15.08.1886 – 03.03.1971/Lisboa) fez uma carreira de seis décadas no teatro, cinema e televisão, que revelaram o seu lado cómico, para além de paralelamente ser bombeiro voluntário.

O-COSTA-DO-CASTELO-ESTREIA-A-15-DE-MARCO-DE-1943-NO-S-LUIS

Foi marçano numa retrosaria e caixeiro de uma drogaria mas atraído pelo teatro, fazia também parte de grupos cénicos amadores e, no Salão Ideal (hoje, Cinema Ideal) era uma das vozes das «fitas faladas» que ali eram exibidas. Como profissional de teatro estreou-se aos 24 anos, em 1910, no Teatro da Rua dos Condes, na peça Novo Cristo de Tolstoi, integrado na empresa de Alves da Silva e Adelina Nobre, com quem irá em digressão ao Brasil e lá ficará a trabalhar em teatro e nos seus primeiros filmes – Ubirajara (1919), Convém Martelar (1920) e Coração de Gaúcho (1920) -, até conseguir o dinheiro necessário para a viagem de regresso, o que aconteceu em 1921, trazendo consigo Josefina Barco com quem casara no ano anterior e que no meio artístico português será Josefina Silva. António Silva trabalhou então sobretudo em revista, em todos os teatros do Parque Mayer.

Contudo, depois do sucesso conseguido em A Canção de Lisboa (1933) com Vasco Santa e Beatriz Costa, integrou, entre outros, os elencos dos filmes As Pupilas do Senhor Reitor (1935), Bocage (1936), Maria Papoila (1937), O Pátio das Cantigas (1941), O Costa do Castelo (1943), Amor de Perdição (1943), A Menina da Rádio (1944) que lhe valeu o prémio S.N.P. para melhor ator, A Vizinha do Lado (1945), O Leão da Estrela (1947), Fado-História de uma Cantadeira (1947), Cantiga da Rua (1949), O Grande Elias (1950), Os Três da Vida Airada (1952), O Noivo das Caldas (1956), Perdeu-se um Marido (1957), Aqui há Fantasmas (1966), Sarilhos de Fraldas (1967).

A partir da década de 50 do século passado associou-se a Vasco Morgado, para interpretar alguns dos mais célebres espetáculos do teatro de revista nacional como Viva o Luxo (1953), Abaixo as Saias (1958) e Lisboa à Noite (1963) e foi também um dos pioneiros da RTP, com diversas aparições em peças de teleteatro.

António Silva foi agraciado com as insígnias da Ordem de Santiago (1966), com a Medalha de Prata do Teatro Nacional, com a de Mérito Municipal (1967) e também com a de Benemerência (1927), por ser bombeiro voluntário onde acumulou 24 louvores, tendo mesmo chegado a Comandante do corpo activo dos Bombeiros Voluntários da Ajuda, de 1932 a 1938.

Freguesia do Lumiat

Freguesia do Lumiar

Freguesia do Lumiar

Freguesia do Lumiar

Anúncios

3 thoughts on “Ó Evaristo, tens cá uma rua em Lisboa!

  1. Pingback: A Rua do Professor da António Arroio, Cipriano Dourado | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: O Dia Mundial do Teatro pelas ruas de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: Novembro: As Ruas dos Cinemas de Lisboa – a partir de amanhã | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s