A Avenida do poeta Guerra Junqueiro

Freguesia do Areeiro - Placa Tipo II (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Areeiro – Placa Tipo II
(Foto: Sérgio Dias)

O poeta Guerra Junqueiro tinha uma veia satírica que demonstrou em A Morte de D. João (1874), na sátira anticlerical A Velhice do Padre Eterno (1885) e na sátira política Finis Patriae (1890) feita após o ultimato inglês, e enquanto topónimo, o seu nome substituiu o de um Presidente da República a partir de 1933.

A edilidade lisboeta pelo Edital municipal de 18 de julho de 1933 fez nascer a Avenida Guerra Junqueiro naquela que era a Avenida do Dr. António José de Almeida (que ali estava desde a publicação do Edital de 12/11/1929),  ao mesmo tempo que remeteu o topónimo desse Presidente da República para o prolongamento da Avenida Miguel Bombarda, entre a Avenida dos Defensores de Chaves e a Avenida Manuel da Maia.

Alma Nova, setembro de 1923

Alma Nova, setembro de 1923

De seu nome completo Abílio Manuel Guerra Junqueiro ( Freixo de Espada à Cinta/17.09.1850  – 07.07.1923/Lisboa), era licenciado em Direito por Coimbra  e foi um dos intervenientes na Questão Coimbrã. Foi em Coimbra que começou a sua carreira literária no jornal literário A folha e aí criou amizade com alguns dos melhores escritores e poetas do seu tempo, grupo que ficou conhecido como Geração de 70.

Guerra Junqueiro começou o seu percurso laboral como funcionário público, tendo sido secretário-geral do Governador Civil dos distritos de Angra do Heroísmo e de Viana do Castelo.

Já em Lisboa, também integrou em 1888 o grupo «Vencidos da Vida»,  juntamente com Eça de Queirós e Oliveira Martins, entre outros e, foi colaborador em prosa e em verso, de jornais políticos e artísticos, como A Lanterna Mágica, O António Maria, Diário de Notícias, Atlântida, Branco e Negro, A Ilustração Portuguesa,  Jornal do domingo, A Leitura, A Mulher, O Ocidente, A República Portuguesa e Serões.

Como escritor, para além das sátiras já referidas escreveu Vozes sem Eco (1867), Baptismo de Amor (1868) com prefácio de Camilo Castelo Branco, Contos para a infância (1875), A Musa Em Férias (1879), A velhice do padre eterno (1885), Os Simples (1892), Os Pobrezinhos, Vitória da França (1870), Espanha Livre (1873), A Pátria (1896), Oração ao Pão (1902), Oração à Luz (1903),  Gritos da Alma (1912) e foi  o poeta mais popular da sua época e o mais típico representante da chamada Escola Nova.

Como poeta panfletário que era ajudou a criar um ambiente revolucionário propício à implantação da República e a sua carreira política começou-a como deputado em 1878 e 1879 pelo círculo de Macedo de Cavaleiros e pelo Partido Progressista, assim como em 1890, o foi também pelo círculo de Quelimane. Em 1891 aderiu ao Partido Republicano e em  1908 foi candidato do Partido Republicano pelo Porto. E após a implantação da República foi embaixador de Portugal na Suíça, no período de 1911 a 1914.

Abílio Guerra Junqueiro viveu no nº 54 da Rua Silva Carvalho. Ficou sepultado no Mosteiro dos Jerónimos até em 1966 ser  trasladado para o Panteão Nacional. Depois, em 1968 teve ainda direito em Lisboa a uma estátua da autoria de Lagoa Henriques, no jardim da Praça de Londres, próximo da Avenida lisboeta a que dá o seu nome.

Na década de 50 do séc. XX (Foto: Antonio Castelo Branco,  Arquivo Municipal de Lisboa)

Na década de 50 do séc. XX
(Foto: António Castelo Branco, Arquivo Municipal de Lisboa)

Freguesia do Areeiro

Freguesia do Areeiro

Advertisements

2 thoughts on “A Avenida do poeta Guerra Junqueiro

  1. Pingback: A Rua de um missionário no Brasil: o Padre Sena de Freitas | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: A Avenida de Roma que alimentou três cinemas | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s