A Avenida da nobelizada Marie Curie

Marie Curie em 1927

Marie Curie em 1927

Marie Curie, duas vezes galardoada com o Prémio Nobel (um da Física e outro da Química) e, a primeira mulher a receber essa distinção da Academia Sueca, deu nome a uma Avenida de Lisboa como Madame Curie, no ano de 1932.

Pelo Edital de 12 de março de 1932, na Avenida B do projeto aprovado em sessão de câmara de 15 de maio de 1930, nasceu a Avenida Madame Curie, isto é, no mesmo ano em que a homenageada fundou o Instituto do Rádio de Paris.

Marie Sklodowska Curie (Polónia-Varsóvia/07.11.1867- 04.07.1934/Seaux-França) foi uma cientista polaca, naturalizada francesa pelo seu casamento com Pierre Curie, em 1895. Havia ido para Paris em 1891, para conseguir estudar na universidade e, com o seu marido e Henri Becquerel descobriu os elementos radioativos do rádio e do polónio (nome que ela deu em homenagem ao seu país de origem), e  que valeu aos três o Prémio Nobel da Física, em 1903 e, a tornou a 1ª mulher a receber um Nobel. E passados 7 anos, em 1911, Marie Curie recebeu também o Prémio Nobel da Química, pela obtenção do rádio em estado puro.

Marie Curie que se doutorou  na Sorbonne em 1903, e foi assim  a 1ª mulher a receber tal título nesta universidade parisiense, foi também a primeira  a leccionar nela, ao suceder ao seu marido na cadeira de Física Geral, após a morte deste em 1906. Refira-se que o Cúrio, o elemento 96 da tabela periódica, foi  assim batizado em honra do casal Curie. Marie Curie ainda fundou e dirigiu o Instituto do Rádio de Paris e, o seu livro Radioactivité, escrito ao longo de vários anos e publicado a título póstumo, foi considerado basilar nos estudos relacionados com a Radioatividade clássica. Marie Curie foi ainda a 1ª mulher a ter os  seus restos mortais no Panteão de Paris, no ano de 1995.

A sua filha Irène, com o seu marido Frédéric Joliot, receberam também o Prémio Nobel da Química, pela obtenção de novos elementos radioativos, em 1935.

(Foto: Artur Inácio Bastos, 1961, Arquivo Municipal de Lisboa)

(Foto: Artur Inácio Bastos, 1961, Arquivo Municipal de Lisboa)

Freguesia de São Domingos de Benfica

Freguesia de São Domingos de Benfica

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s