A Rua do Sítio da Alegria

Freguesia de Santo António (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Santo António
(Foto: Sérgio Dias)

A Rua da Alegria está ligada a Ramalho Ortigão por ele ter trabalhado para o periódico O Thalassa que estava instalado no 2.º esquerdo do nº 26 da Rua da Alegria.

O topónimo Rua da Alegria foi atribuído pela Câmara Municipal de Lisboa à antiga Rua Nova da Alegria, através do Edital de 08/06/1889, e por intermédio do qual foram também alterados alguns topónimos lisboetas com vista à sua simplificação e também à sua diferenciação de outros idênticos em outras partes da cidade, contemplando quase 60 arruamentos. Esta artéria começa na Praça da Alegria, onde se inclui o Jardim Alfredo Keil, começado a plantar no final do séc. XIX.

Sobre a origem do topónimo «Alegria» o olisipógrafo Norberto de Araújo, no início do século XX, avançou o seguinte: «Ora vamos ver – a Alegria, sítio a-par da velha Cotovia de Baixo (a Cotovia de Cima, ou simplesmente a “Cotovia” era a actual Praça do Rio de Janeiro [hoje Praça do Príncipe Real], em prolongamento até o sítio do Rato). (…) Repizo que na primeira metade do século XVIII tudo por aqui eram terrenos de cultivo, abaixo da quinta ou da cêrca dos Padres da Companhia (Jardim Botânico de hoje), ligados a S. José, razão porque esta zona arrabaldina se chamou também Cotovia de S. José. (Para se entender isto melhor é preciso fechar os olhos, e não ver a Avenida actual). Ao Terramoto, que atraíu as populações para áreas descampadas ou mal povoadas, se deve a criação do bairro. A razão porque se chama “da Alegria” não a sei, nem creio que alguém a conheça. (…) Eu lembro que as designações de sítios partiam quási sempre de lindas invocações religiosas, tal a “Glória”, a “Estrêla”. Ora eu adquiri, há anos, uma velha imagem de N. Srª da Alegria, e que bem pode corresponder a uma invocação pessoal, caprichosa, pois “Alegria” não consta dos oragos de qualquer região do país. (…) A Alegria, pois, é posterior ao Terramoto; (…) Com a construção e desenvolvimento do Passeio Público, cresceu a Alegria; com a abertura da Avenida tornou-se de maioridade.»

Norberto Araújo recordou ainda que por aqui se fez a Feira da Alegria que « já se realizava em 1773 na Cotovia de Baixo (êste sítio da Alegria); em 1809 foi confirmada na Alegria, estendendo-se pela Rua Ocidental do Passeio até aos Restauradores de hoje, e, por abuso, até ao Palácio Cadaval (Estação do Rossio). Em 1823 ordenou-se a sua transferência para o Campo de Sant’Ana, onde esteve apenas cinco meses voltando para aqui; em Maio de 1835 foi definitivamente arredada desta zona para o Campo de Sant’Ana, onde se conservou até 1882. De então para cá sobrevive no Campo de Santa Clara [como Feira da Ladra], às terças, e, desde Novembro de 1903, aos sábados também.»

Freguesia de Santo António

Freguesia de Santo António

Anúncios

One thought on “A Rua do Sítio da Alegria

  1. Pingback: Toponomenclatura de espaços verdes: os Jardins e os Parques | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s