Um Restaurador de 1640 numa rua junto ao seu palacete

A Rua Dom Antão de Almada nos anos 50 do séc. XX (Foto: Judah Benoliel, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Praça da Figueira e a Rua Dom Antão de Almada nos anos 50 do séc. XX
(Foto: Judah Benoliel, Arquivo Municipal de Lisboa)

Antão de Almada, um dos 40 conjurados do 1º de Dezembro de 1640 e em cujo palácio junto da Igreja de São Domingos se realizaram reuniões para esse efeito, desde 1950 dá nome a uma rua da Baixa lisboeta fronteira ao edifício onde morou e que é conhecido como Palácio da Independência.

As obras de reestruturação do espaço urbano da Baixa lisboeta após a demolição do Mercado da Figueira, permitiram que um troço da Rua dos Correeiros,  compreendido entre as Ruas do Amparo e o Largo de São Domingos, pudesse ser a Rua D. Antão Vaz de Almada, por Edital municipal de 28/08/1950, topónimo que logo no ano seguinte por Edital de 06/03/1951 foi modificado para Rua Dom Antão de Almada.Rua Dom Antão Vaz de Almada fotografado por Eduardo Portugal

Antão Vaz de Almada, fidalgo filho de Lourenço Soares de Almada e Francisca de Távora, foi um dos conjurados do 1º de Dezembro de 1640 que até patrocinou a realização no seu palácio de Lisboa, junto à Igreja de São Domingos, das últimas e decisivas reuniões dos conjurados e até é por alguns apontado como o líder do movimento.  No 1º de Dezembro de 1640 participou no assalto ao Paço da Ribeira e a instâncias suas Miguel de Vasconcelos e a duquesa de Mântua capitularam e entregaram Lisboa aos revoltosos.

Após a vitória dos Restauradores foi-lhe confiada a missão fundamental de obter do soberano inglês, Carlos I,  o reconhecimento da independência de Portugal  e de um tratado de paz e aliança comercial, o que conseguiu com êxito em 28 de janeiro de 1641, e para assegurar esta tarefa passou a ser o embaixador de Portugal em Londres, secretariado por António de Sousa de Macedo. Regressou a Portugal em julho de 1642 e pouco tempo depois foi governador de Armas da Estremadura, pelo que em setembro de 1644 acorreu a auxiliar a vila de Elvas, onde veio a falecer.

Supõe-se que Antão Vaz de Almada nasceu por volta de 1573 e sabe-se que faleceu em 17 de dezembro de 1644, em Elvas. Era oriundo de uma família ilustre, sendo descendente de um cavaleiro inglês, participante na conquista de Lisboa e que por esse motivo foi agraciado com a mercê da vila de Almada e assim tomou este nome como apelido.

Freguesia de Santa Maria Maior (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de Santa Maria Maior
(Planta: Sérgio Dias)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s