A Avenida de Manuel da Maia da «Carta Topographica da parte mais arruinada de Lisboa»

Freguesias do Areeiro e de Arroios (Foto: Sérgio Dias)

Freguesias do Areeiro e de Arroios
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida Manuel da Maia homenageia o autor da «Carta Topographica da parte mais arruinada de Lisboa», executada para permitir a reconstrução de Lisboa após o Terramoto de 1755, e que pelo Edital camarário de 25/11/1929 assinado pelo vice-presidente da Comissão Administrativa Carlos Mardel Ferreira assim ficou fixado na «Avenida Nº 3 prolongada com a Nº5, compreendida entre o Largo do Leão e a Rotunda a oriente do Bairro Popular do Arco do Cego [Praça de Londres]».

Avenida Manuel da Maia a óleo no Palácio de Queluz foto António Passaporte AML

Manuel da Maia (Lisboa/1677 – 17.09.1768/Lisboa) foi um engenheiro militar nomeado Engenheiro-Mor na época pombalina, em 1758. Era quem estava à frente dos engenheiros da Academia Militar da Corte e que procedeu ao levantamento de todos os bairros de Lisboa, para aferir das áreas mais sensíveis que precisavam de maiores intervenções, elaborando uma planta geral para a recuperação e reedificação de Lisboa, que estava praticamente em ruínas, a  Carta Topographica da parte mais arruinada de Lisboa na forma, em que se achava antes da sua destruição pra sobre ella se observarem os melhoramentos necessários, na escala de 100 varas [1:1100], abrangendo o sítio onde hoje encontramos o Largo do Corpo Santo e a Rua da Misericórdia até às Igrejas da Sé e de São Cristóvão, e para o norte até ao Largo Trindade Coelho e o Largo de São Domingos.

Manuel da Maia começara como engenheiro militar em 26 de maio de 1698 e foi incumbido em 1701 das fortificações de Lisboa, tendo reforçado a linha de fortes, desde Santa Apolónia até à Torre de São Julião da Barra e em 1718 apresentou a planta da cidade de Lisboa completa. Outra importante obra sua e que resistiu ao Terramoto foi o Aqueduto das Águas Livres cujos estudos lhe demoraram 6 anos e depois delineou, tendo também com Custódio Vieira dirigido a execução da obra, sucedendo-lhe como responsáveis José da Silva Pais, Rodrigo Franco, Carlos Mardel, Miguel Ângelo Blasco, Reinaldo Manuel dos Santos e Francisco António Ferreira. Foi também ele responsável pela construção da estátua equestre de D. José I, na Praça do Comércio.

Refira-se ainda que foi nomeado guarda-mor da Torre do Tombo, em 1745, onde organizou o corpo cronológico desde 1161 até 1698 e salvou o arquivo na altura do Terramoto, assim como traduziu obras de natureza militar e engenharia, por ser conhecedor de Latim, Italiano, Inglês e Francês.

Freguesias do Areeiro e de Arroios (Planta: Sérgio Dias)

Freguesias do Areeiro e de Arroios
(Planta: Sérgio Dias)

Anúncios

One thought on “A Avenida de Manuel da Maia da «Carta Topographica da parte mais arruinada de Lisboa»

  1. Pingback: José Rovisco Pais da Cervejaria Trindade e da Maternidade alfacinha | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s