A Travessa do Carvalho irmão do Marquês de Pombal e o associativismo de Ventura Terra

Os Banhos de São Paulo na Travessa do Carvalho em 1951 (Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

Os Banhos de São Paulo na Travessa do Carvalho em 1951
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

Em 1902, Ventura Terra formou com Adães Bermudes, Aragão Machado, Rosendo Carvalho e António Dias da Silva a Sociedade dos Arquitetos Portugueses, com  sede na Rua Vitor Cordon, 14 – 1º, de que hoje é herdeira a Ordem dos Arquitetos instalada na Travessa do Carvalho, topónimo de 1895 referente a Paulo de Carvalho e Mendonça, irmão do Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo.

Freguesia da Misericórdia - Placa Tipo II (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia da Misericórdia – Placa Tipo II
(Foto: Sérgio Dias)

Após o terramoto de 1755, a zona de São Paulo recebeu uma profunda reforma urbana por iniciativa do primeiro Marquês de Pombal e responsável político pela reconstrução de Lisboa. Assim, esta Travessa do Carvalho que até ao Edital municipal de 28/11/1895 fora o Beco do Carvalho, tal como a próxima Rua Nova do Carvalho evocam o irmão do Marquês enquanto em Campolide, o Alto do Carvalhão e a Rua do Arco do Carvalhão evocam o  próprio Marquês de Pombal por terem sido terras suas desde a Cruz das Almas até à ribeira de Alcântara.

O Bairro dos Remolares na antiga freguesia de São Paulo foi uma dos que ganhou uma malha urbana pombalina após o terramoto. O plano urbanístico de Pombal resolveu a forte inclinação da vertente da Rua do Alecrim, prolongando-a numa espécie de ponte em dois grandes arcos sobre a Rua de São Paulo e a Rua Nova do Carvalho e, este plano mereceu especial atenção do Marquês de Pombal (1699-1782) que dele encarregou o seu irmão Paulo de Carvalho e Mendonça (1702-1770), que foi Monsenhor da Patriarcal de Lisboa, Inquisidor-mor e Presidente do Senado da Câmara (1764 a 1770), a par da administração de outras obras de primeira importância para a cidade, como os Paços do Concelho, o Depósito Público e o Cais da Ribeira. Nesta política tanto o marquês como o seu irmão e, ainda outros familiares, como o Morgado de Oliveira, construíram a expensas suas grandes edifícios na zona de São Paulo, sendo conhecido um projeto para casas do Marquês de Pombal na Rua de São Paulo, cujo desenho a tinta da china é assinado pelo próprio ministro.

Já Ventura Terra se liga a esta Travessa do Carvalho por ter sido fundador e  o primeiro presidente da Sociedade dos Arquitetos Portugueses onde nasceu o Anuário da Sociedade dos Arquitectos Portugueses (1905-1919), impresso na Typographia do Commercio, e cuja herdeira é hoje a Ordem dos Arquitetos, que ocupa o antigo edifício dos Banhos de São Paulo, construído entre 1850 e 1868 e já classificado como imóvel de interesse público, na Travessa do Carvalho.

Freguesia da Misericórdia (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia da Misericórdia
(Planta: Sérgio Dias)

Advertisements

One thought on “A Travessa do Carvalho irmão do Marquês de Pombal e o associativismo de Ventura Terra

  1. Pingback: A Rua do Inspetor de Incêndios Carlos José Barreiros | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s