A Rua de Gazul discípulo de Cossoul

Freguesia de Campo de Ourique (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Campo de Ourique
(Foto: Sérgio Dias)

Francisco Freitas Gazul, compositor da passagem do séc. XIX para o XX e discípulo de Guilherme Cossoul, está perpetuado numa rua de Campo de Ourique, desde a publicação do Edital municipal de 02/06/1958 que o colocou na Rua Projetada à Rua Gervásio Lobato, ficando a ligar a Rua Sampaio Bruno à Estrada dos Prazeres, a partir de uma solicitação da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses.

Freitas Gazul em O Palco - Revista Teatral, 5 de maio de 1912

Freitas Gazul em O Palco – Revista Teatral, 5 de maio de 1912

Francisco de Freitas Gazul (Lisboa/30.09.1842  – 20.10.1925/Lisboa), filho do músico Francisco Gazul, distinguiu-se como professor de música, violoncelista, contrabaixista, bem como maestro e compositor de música litúrgica, de câmara e  de operetas.  A partir de 1856, estudou no Conservatório de Lisboa  Rudimentos Musicais com Filipe Real (recebeu a medalha de ouro), Violoncelo com João Jordani e também com Guilherme Cossoul, assim como Harmonia, Contraponto e Fuga com  Monteiro d’ Almeida, pelo que não se estranha que depois se tenha feito professor de Rudimentos Musicais na mesma Escola, sendo de realçar que Viana da Mota foi seu aluno.

Quando Guilherme Cossoul foi nomeado diretor da Orquestra de São Carlos, em 1859, chamou Freitas Gazul para seu assistente. Em 1867  ficou em primeiro lugar na vaga para 2º violoncelo nas óperas e 1º nos bailados. Em 1875 esteve como maestro-ensaiador no Teatro de São João (no Porto), onde ensaiou e dirigiu várias óperas como Linda de Charmonix, Guilherme Tell, Barbeiro de Sevilha, Baile de Máscaras, Othello ou a Traviata. Regressado a Lisboa passou a trabalhar no Teatro da Rua dos Condes, onde musicou operetas e várias paródias.  Como compositor, destaquem-se a sua 2ª Sonata (1870), a Sonatina e La Première Jeunesse.  Francisco Palha contratou-o depois para o Teatro da Trindade, para compor música para várias operetas. Destaque-se ainda que Freitas Gazul compôs um hino à Carta, já que era partidário de Costa Cabral, bem como uma ópera em quatro actos, Frei Luís de Sousa, a partir do texto homónimo de Almeida Garrett que subiu ao palco do São Carlos em 19 de março de 1891.

Freitas Gazul foi ainda autor de dois livros, um de exercícios de solfejo e outro de rudimentos musicais, sendo o primeiro ainda usado nos dias de hoje nas bandas de música. Existiu em Lisboa uma Sociedade Filarmónica Francisco Freitas Gazul.

Freguesia de Campo de Ourique (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de Campo de Ourique
(Planta: Sérgio Dias)

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s