A Rua Francisco Baía que foi de Alvalade para São Domingos de Benfica

Freguesia de São Domingos de Benfica (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de São Domingos de Benfica
(Foto: Sérgio Dias)

Francisco Baía, pianista e professor do Conservatório de Música de Lisboa, teve direito a ser nome de rua em Lisboa por duas vezes: primeiro em Alvalade (1970) e depois, em São Domingos de Benfica (1971).

Conforme a Ata da reunião da Comissão Municipal de Toponímia de 23 de dezembro de 1970 (Ata nº 98), face a um «Despacho de Sua Excelência o Presidente [ o Engº Santos e Castro] solicitando parecer sobre a transferência do topónimo que consagrou o nome de José Malhoa, para um arruamento de maior categoria» a Comissão considerou  que «num futuro próximo a Rua O da Malha Um de Chelas será uma das mais importantes artérias de Lisboa, a Comissão, tendo em vista o despacho de Sua Excelência o Presidente, sugere que a mesma passe a denominar-se Avenida José Malhoa/Pintor/1855 – 1933 e que a actual Rua José Malhoa (em Alvalade) e o seu prolongamento constituam um único arruamento que se denominará Rua Francisco Baía/1861 – 1931

Contudo, na Ata seguinte, a Ata nº 99, e sem referir  justificação alguma, a Rua José Malhoa passou antes a ser a Rua General Pimenta de Castro e, a Rua Francisco Baía foi para a Freguesia de São Domingos de Benfica por via do Edital municipal de 9 de fevereiro de 1971, colocada na Rua D à Rua dos Soeiros, a ligar hoje a  Rua dos Soeiros à Rua Maestro Jaime Silva (Filho).

Partitura de Francisco Baía editada cerca de 1800 (Foto: Biblioteca Nacional)

Partitura de Francisco Baía editada cerca de 1889- 1891
(Foto: Biblioteca Nacional)

Francisco Jorge de Sousa Baía (Funchal/1861 – 1931/Lisboa) foi um pianista e professor da Escola de Música do Conservatório de Lisboa, até à sua aposentação. Foram suas alunas Elisa Baptista de Sousa Pedroso e Cândida de Freitas, entre outros.

Francisco Baía foi também um valor da música portuguesa para piano, tendo publicado diversas partituras como A Brisa : fado para piano (cerca de 1889 a 1891) dedicada a Alexandre Rey ColaçoQuermesse: valsa para piano dedicada à Real Associação das Creches, Fado Chic (cerca de 1900),  Fadinho Liró (1900) dedicado à sua filha Maria do Carmo, Preâmbulo em Sol bemol : para piano (1907). Foi também um compositor de teatro musical .

Em 1918, junto com Tomás Borba e Augusto de Oliveira Machado foi Delegado do Conservatório de Lisboa para eleger o senador eleito pelas artes visuais, música e teatro ao Congresso da Nova República, de Sidónio Pais, em que foi eleito Júlio Dantas.

Freguesia de São Domingos de Benfica (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de São Domingos de Benfica
(Planta: Sérgio Dias)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s