A Rua da Palma que floriu na sepultura do cruzado Henrique e os seus Real Coliseu e Rex

Real Coliseu de Lisboa na Rua da Palma nos primeiros anos do séc. XX (Foto: Alberto Carlos Lima, Arquivo Municipal de Lisboa)

Real Coliseu de Lisboa na Rua da Palma nos primeiros anos do séc. XX
(Foto: Alberto Carlos Lima, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Rua da Palma, formalizada pelo Edital municipal 08/06/1889 sobre a Rua Nova da Palma, nasceu há muitos séculos como arruamento dos comerciantes alemães que veiculavam a lenda da palma que florira na sepultura do cruzado Henrique, que em 1147 perecera na Tomada de Lisboa, e alojou no século XIX o Real Coliseu de Lisboa e no séc. XX o Cinema Rex.

O Real Coliseu de Lisboa foi o espaço onde se estreou em 1896 o cinema em Portugal, já que a 18 de junho foi nele exibido o animatógrafo. Contudo, nos anos 30 do séc. XX tomou o seu lugar a garagem Auto-Lys. Mas a Rua da Palma continuou a ser morada de cinema, desta feita o Rex, de 1929 a 1967, transformando-se depois no  Teatro Laura Alves.

O Cinema Rex na Rua da Palna, em 1960 (Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

O Cinema Rex na Rua da Palma, em 1960
(Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

O olisipógrafo Norberto Araújo escreveu na década de 40 do século XX que «Esta Rua, desafogada, hoje constituindo uma única artéria, das trazeiras de S. Domingos ao Intendente, divide-se em dois troços. O primeiro chega só à Guia e é muito antigo, havendo sido nos séculos velhos arruamento dos comerciantes alemães que cultivavam religiosamente a lenda da palma que florira na sepultura do cavaleiro cruzado Henrique, sacrificado na Tomada de Lisboa, em 1147; foi rua sempre estreita, muito mais do que hoje é, bastante mercantil, caracterizada pelos negócios de ourives e prateiros.(…) O segundo trôço, ‘Rua Nova da Palma’, data de 1862, e chegava até aqui ao Socorro, começando gradualmente a prolongar-se até ao Intendente; a Câmara começara a comprar terrenos de hortas e campos, que por aqui existiam, desde o ano de 1776.»

O também olisipógrafo Luís Pastor de Macedo esclarece ainda que esta artéria, «(…) é antiquíssima, pelo menos do século XVI. Deve-se porém observar, que ela não tinha então o comprimento que hoje lhe conhecemos, mas só aquele que vai das trazeiras da Igreja de S. Domingos até ao antigo largo de S. Vicente, à Guia (rua Martim Moniz).(…) desde então, por força do decreto de 9 de Maio de 1776 que determinou a expropriação de 16 propriedades do lado norte da rua, ela ficou com a largura que hoje, envergonhada, nos oferece ainda» e acrescenta que parte da Rua Palma que hoje conhecemos também foi Rua da Imprensa:  «(…) Mas a cidade continuava a alargar-se e os seus bairros excêntricos a povoarem-se.(…) e assim, a Câmara não teve mais que fazer se não mandar elaborar a planta do prolongamento da rua da Palma até ao Intendente. Foi isto em 1857 ou princípios de 1858.(…) o projecto do prolongamento estava concluído em Setembro de 1858 e foi aprovado na sessão camarária efectuada no dia 30 daquele mês, mas , na verdade, esse projecto foi aprovado não como o do prolongamento da antiga rua da Palma, mas sim como o de uma artéria independente e que portanto necessitava de ter um nome. E o nome deu-se-lhe: rua da Imprensa. Passaram-se meses. O governador civil, que andava cogitando em acabar com o transtorno que provinha de haver nomes iguais em várias ruas, e em suprimir os nomes de algumas que pareciam ser prolongamento de outras, um dia encheu-se de coragem e deitou cá para fora um edital onde os topónimos citadinos pareciam que dançavam uma quadrilha interminável. Uns iam para a direita, outros para a esquerda; uns avançavam, outros recuavam; muitos desapareciam na grande confusão. Um deste foi o da jovem rua da Imprensa, que viu o seu território ficar sob a denominação de rua Nova da Palma.»

Freguesia de Santa Maria Maior e de Arroios (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Santa Maria Maior e de Arroios
(Foto: Sérgio Dias)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s