A Rua dos Sapateiros do «Animatógrafo do Rocio»

O Animatógrafo na Rua dos Sapateiros, no ano da inauguração em 1907 (Foto: José Leitão Bárcia, Arquivo Municipal de Lisboa)

O Animatógrafo na Rua dos Sapateiros, no ano da inauguração em 1907
(Foto: José Leitão Bárcia, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Rua dos Sapateiros surgiu com esta configuração espacial na reconstrução da Baixa Pombalina de traçado retilíneo e ortogonal, após o terramoto de 1 de novembro de 1755, e como topónimo nasce por via da Portaria de D. José I de 5 de novembro de 1760, o primeiro diploma que tratou exclusivamente de matéria toponímica em Lisboa.

Cinegrafia, 2 de maio de 1929

Cinegrafia, 2 de maio de 1929

Nesta artéria foi inaugurado 147 anos depois, em 8 de dezembro de 1907, o  Animatógrafo do Rossio,  a primeira sala de cinema com arquitetura da então novel Arte Nova de autor anónimo e então o Salão mais luxuoso da capital, propriedade da Correia & Correia. A partir de 1994 passou a funcionar como peep show e ainda hoje sobrevive enquanto espaço comercial de uma sex-shop.

A Portaria pombalina de 5 de novembro de 1760, assinada por D. José I,  atribuiu as 14 denominações das ruas da Baixa lisboeta, entre a Praça do Comércio e o  Rossio, na sequência da reconstrução da zona após o terramoto de 1755. A nomenclatura toponímica atribuída correspondeu também à fixação de artes e ofícios pelos arruamentos: Rua Nova d’El Rey [hoje, Rua do Comércio], Rua Augusta, Rua Áurea, Rua Bella da Rainha [hoje, Rua da Prata], Rua Nova da Princeza [hoje, Rua dos Fanqueiros] , Rua dos Douradores, Rua dos Correeiros, Rua dos Sapateiros, Rua de S. Julião, Rua da Conceição, Rua de S. Nicolau, Rua da Victoria, Rua da Assumpção e Travessa de Santa Justa [hoje, Rua de Santa Justa]».

Sobre os ofícios para a Rua dos Sapateiros define o diploma o seguinte: « Nesta Rua he a que medeia entre a Rua Augusta, e a Rua Aurea. Em hum lado della se devem arruar os sapateiros, porque só costumaõ arrar-se os que servem a Plebe; e o outro lado se deixar livre para os Misteres do Povo assima referidos.»

Freguesia de Santa Maria Maior (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de Santa Maria Maior
(Planta: Sérgio Dias)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s