A Rua Francisco Sanches do Pathé/Imperial

O Cinema Imperial em 1960 (Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

O Cinema Imperial em 1960
(Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

O médico e filósofo Francisco Sanches, considerado o maior filósofo português, desde 1893 que está perpetuado numa artéria de Lisboa onde em meados do anos 20 do séc. XX se ergueu o Cinema Pathé que em 1931 passará a designar-se Imperial.

A Rua Francisco Sanches nasceu ainda no séc. XIX, através do Edital municipal de 18/12/1893 na «rua que parte da Travessa do Caracol da Penha ou Nascente da Avenida dos Anjos e que deve vir a findar na antiga Estrada de Circunvalação». Já  na primeira metade dos anos 20 abriu no seu nº 154  o Pathé, um cinema de bairro, que foi modernizado  em 1931 e passou a denominar-se Imperial, com  732 lugares,  mas que encerrou portas em 1987.

francisco-sanches-1979

Nota portuguesa de 4 de outubro de 1979, com efígie de Francisco Sanches

Francisco Sanches (Valença?Braga?Tui?/1550  – 16.11.1622/Toulouse), filho de pais judeus mas batizado em Braga em 25 de julho de 1551, foi viver para Bordéus com os seus pais  cerca de 1565, onde frequentou o Colégio da Guiana e, a partir de 1569 estudou em Roma e noutras cidades italianas e acabou por licenciar-se em Medicina, na Faculdade de Montpellier, em 1574, seguindo a mesma profissão que seu pai. Radicou-se em Toulouse onde exerceu medicina e dirigiu o Hospital local, para além de ensinar filosofia e medicina na Universidade.

Como filósofo contestou Aristóteles e o pretenso saber da escolástica e tentou definir o seu próprio ideal de conhecimento, sendo o seu pensamento apresentado como precursor da crítica gnoseológica de Descartes e do experimentalismo de Francis Bacon. Ficou célebre pelo seu tratado Quod Nihil Scitur (1581) e o seu empenhamento na experiência e na observação pessoal que se pode constatar no seu livro Opera Medica (1636). São ainda obras suas Carmen de Cometa (1577), De divinatione per somnum, ad Aristotelem (1585), Tractatus Philosophici ( 1649).

Freguesia de Arroios (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de Arroios
(Planta: Sérgio Dias)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s