O Aqueduto das Águas Livres em 3 topónimos lisboetas

O Aqueduto das Águas Livres cerca de 1912
(Foto: Paulo Guedes, Arquivo Municipal de Lisboa)

O Aqueduto das Águas Livres erguido entre 1732 a 1748 para melhorar o abastecimento de água a Lisboa, por ordem de D. João V, deu origem a 3 topónimos lisboetas no decorrer do século XX, sendo por ordem cronológica a Travessa das Águas Livres (1911), a Praça das Águas Livres (1948 e 1986) e a Rua do Aqueduto das Águas Livres (1990).

A Travessa das Águas Livres quando ainda era Travessa das Bruxas, em 1908
(Foto: Machado & Souza, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Travessa das Águas Livres que liga a Rua das Amoreiras à Praça das Amoreiras, hoje sob administração da Freguesia de Santo António, por deliberação de câmara de 3 de agosto de 1911 e consequente Edital  municipal de 7 de agosto de 1911, foi o topónimo escolhido para substituir a denominação existente de Travessa das Bruxas às Amoreiras. Refira-se que esta nova designação se fazia por referência de proximidade à Rua dos Arcos das Águas Livres que até 1874 foi o nome da Rua das Amoreiras, onde aliás se encontra  o arco triunfal que celebrou a entrada das águas do Aqueduto na cidade de Lisboa.

A Praça das Águas Livres em 1959
(Foto: Fernando Manuel de Jesus Matias, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Praça das Águas Livres, hoje parte da Freguesia de Campo de Ourique, foi o nome atribuído à praça situada no extremo oriental da Rua D às Amoreiras, por Edital municipal de 18 de junho de 1948 e assim se manteve por 33 anos. No entanto, sendo este o espaço onde o Ginásio Clube Português fez a sua sede passou então esta artéria a designar-se Praça Ginásio Clube Português, pelo Edital municipal de 10 de agosto de 1981. Cinco anos depois, o Edital de 3 de novembro de 1986 resolveu criar duas praças da seguinte forma: o troço da Praça Ginásio Clube Português constituído pela antiga Praça das Águas Livres passou a constituir novamente um arruamento distinto, com a antiga denominação de Praça das Águas Livres, mantendo o restante troço a denominação de Praça Ginásio Clube Português.

Rua do Aqueduto das Águas Livres – Freguesia de Campolide
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Por último, temos a Rua do Aqueduto das Águas Livres, no Bairro do Alto da Serafina, na Freguesia de Campolide. Pelo Edital de 15 de março de 1950 foi dada toponímica numérica no Bairro do Alto da Serafina e a outros Bairros Sociais da cidade, sendo então este arruamento a Rua 19. No final de 1989, o Edital de 28 de dezembro, denominou-a como Rua dos Ardinas, sendo alterados os restantes topónimos do Bairro, o que gerou protestos da população residente, pelo que com mediação da  Junta de Freguesia de Campolide e da Comissão de Moradores do Bairro foi possível chegar a um acordo para nova toponímia, desta feita relacionada com a época da construção do Aqueduto das Águas Livres ou instituições com uma forte ligação ao Bairro, que a Câmara fixou através do Edital de 14 de dezembro de 1990 e desde aí é a Rua do Aqueduto das Águas Livres.

#EuropeForCulture

7 thoughts on “O Aqueduto das Águas Livres em 3 topónimos lisboetas

  1. Pingback: A Rua das Pedras Alvas ou das Pedralvas | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: A Rua do arquiteto Custódio José Vieira junto a Dom João V | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: A Rua Rodrigo Franco, arquiteto do Aqueduto e do Santuário do Senhor Jesus da Pedra de Óbidos | Toponímia de Lisboa

  4. Pingback: A Calçada da Quintinha do Marquês de Pombal | Toponímia de Lisboa

  5. Pingback: A Praça das Amoreiras de 1761 e da Mãe d’Água | Toponímia de Lisboa

  6. Caro Mário Matos,
    neste artigo a nossa escolha foi a dos topónimos que imediatamente remetem para Águas Livres, parte do próprio nome do Aqueduto. Como refere, a Rua do Arco do Chafariz das Terras (https://toponimialisboa.wordpress.com/2016/07/18/de-ventura-terra-a-casa-de-alfredo-bensaude-na-rua-de-sao-caetano/) está também ligada ao Aqueduto, tal como a Rua do Arco a São Mamede (https://toponimialisboa.wordpress.com/2018/01/19/a-rua-do-arco-do-aqueduto-a-sao-mamede/) que hoje publicamos mas escolhemos antes englobá-las em Ruas com Arcos (https://toponimialisboa.wordpress.com/2016/09/19/ruas-com-arcos/). Com os nossos melhores cumprimentos.

    Gostar

  7. A rua onde os meus pais moraram durante 50 anos também deve o nome ao aqueduto, que passa ao fundo dela: a Rua do Arco do Chafariz das Terras – sendo que passando sob o arco ao fim da rua se chega ao dito chafariz, integrado no aqueduto e a poucos metros de onde este foi derrubado para dar lugar à Avenida Infante Santos.

    Gostar

Os comentários estão fechados.