A Rua das Escolas do Bairro da Encarnação

Freguesia dos Olivais
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Rua das Escolas, no Bairro da  Encarnação, faz referência à sua proximidade às antigas escolas primárias 113 e 114 (uma para o sexo feminino e outra para o sexo masculino) e foi atribuída a parte da Rua O pelo Edital municipal de 15 de março de 1950, como os restantes topónimos do Bairro da Encarnação.

Numa época em que o ensino separava as raparigas dos rapazes, as escolas referidas no topónimo são hoje a Escola Básica Paulino Montez e jardim infantil nº 6, assumindo agora como patrono o arquiteto que traçou o Bairro da Encarnação. As escolas originais serão da década de cinquenta do século XX que tiveram obras de beneficiação geral em 1964, conforme o contrato de empreitada n.º 5/64 estabelecido entre a edilidade e António Correia da Silva.

Esta Rua das Escolas, que vai da   Rua do Poço Coberto à Rua da Quinta de Santa Maria, é uma das 12 do Bairro da Encarnação que fugiu à regra de ter toponímia numérica como era uso nos bairros sociais de então, e se pode ver no Edital municipal de 15/03/195o, também para os Bairros de Casas Económicas do Alto da Ajuda, do Alto da Serafina, da Calçada dos Mestres, de Caselas e das Terras do Forno, com a maioria das ruas a receberem denominações numéricas.

No quinhentista sítio da Panasqueira – cuja memória ainda se mantinha em 1939 numa Azinhaga da Panasqueira – foi inaugurado em 1946 o Bairro da Encarnação, da autoria do arquiteto Paulino Montez, o qual procurou reproduzir neste bairro social um pretenso modelo de aldeia portuguesa, mas em forma de borboleta que poderia ser admirada por vista aérea, sendo a Alameda da Encarnação o eixo principal das duas asas simétricas de borboleta do Bairro-Jardim da Encarnação. O Bairro Económico da Encarnação, foi construído de 1940 a 1943 numa área de cerca de 47 ha, em terrenos do então Ministério das Obras Públicas e Comunicações.

Freguesia dos Olivais
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

#EuropeForCulture