A Praceta CUF onde existiu a fábrica de Alcântara

Freguesia de Alcântara
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Na Urbanização Alcântara Nascente, onde existiu a fábrica da CUF (Companhia União Fabril) a partir da segunda metade do séc. XIX e até a sua laboração ter sido transferida para o Barreiro, local onde hoje permanece uma das suas chaminés como  memória do lugar, também a edilidade lisboeta guardou este património industrial através do topónimo Praceta CUF.

Foi por  deliberação camarária de 10 de setembro e consequente Edital municipal de 23 de setembro de 2008 que o Jardim B à Rua das Fontaínhas, da Urbanização Alcântara Nascente, passou a denominar-se Praceta CUF, tal como o Jardim A passou a ser a Praceta Teófilo Ferreira.

Esta urbanização edificada junto à Rua das Fontaínhas, no terreno onde foi  outrora  a Fábrica da CUF, manteve no local uma chaminé da antiga indústria, razão para a Câmara Municipal de Lisboa manter a memória deste património no local também com a atribuição do topónimo.

A CUF em 1904
(clicar para ver imagem maior)

A Companhia União Fabril foi fundada em Lisboa, com um capital de 200 contos de réis,  recebendo em 1865 o alvará de licenciamento para a produção de sabões, de velas de estearina e óleos vegetais. Trinta e três anos depois, em 1898, Alfredo da Silva (1871 – 1942), administrador da Companhia Aliança Fabril (CEF), promoveu a fusão desta empresa com a CUF e avançou para a produção de adubos em grande escala. Também nesta data entrou para o património da CUF a Fábrica Sol, situada na Avenida 24 de Julho.

Alfredo da Silva continuou um forte ritmo de expansão da CUF e a 19 de setembro de 1908 inaugurou uma fábrica na pequena vila piscatória do Lavradio, onde iniciou a produção de ácidos, transformando óleo de bagaço de azeitona para o fabrico de sabões, começando aqui a sua incursão no Barreiro.

Na década de trinta, a CUF tinha fábricas em Lisboa, Barreiro, Alferrarede, Soure, Canas de Senhorim e Mirandela, de indústria ligeira e pesada, somando um  gigantesco conglomerado empresarial que no início de 1974 contava com A Tabaqueira do Poço do Bispo (desde 1927), o Banco Totta & Açores e mais um outro para Angola e outro para Moçambique, três Companhias de Seguros, várias sociedades financeiras e  empresas de construção, para além do Grupo Desportivo da CUF que competia nas principais divisões nacionais e no mais alto patamar do futebol português. A CUF foi o maior grupo empresarial privado em Portugal e em 1975, foi nacionalizado e extinto, sendo que em 1997, como pertença do Grupo José de Mello, voltou a usar o nome CUF.

Freguesia de Alcântara
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

 

#EuropeForCulture

4 thoughts on “A Praceta CUF onde existiu a fábrica de Alcântara

  1. Pingback: A Rua Mário Gomes Páscoa, olisipógrafo dos transportes lisboetas | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: A Rua do industrial da CUF, Alfredo da Silva | Toponímia de Lisboa

  3. The Company of United Manufactories was founded in Lisbon with 200 contos in capital and received in 1865 a permit licensing the production of soaps, stearin candles and vegetable oils. Thirty three years later, in 1898, Alfredo da Silva (1871-1942), the director of the Manufacturing Alliance Co. promoted its fusion with CUF, and advanced to the large scale production of fertilizers. It was also at this time that the Sun Factory on Avenida 24 de Julho came into CUF ownership.

    Alfredo da Silva kept up the pace of CUF’s expansion and on the 19th of September 1908 he opened a factory in the small fishing village of Lavradio, where the production of acids was begun, converting the oil from the residue of pressing olives for the manufacture of soaps. This was the start of CUF’s entry into Barreiro.

    In the 1930s, CUF had factories in Lisboa, Barreiro, Alferrarede, Soure, Canas de Senhorim and Mirandela, in both light and heavy industries, forming a giant business conglomerate which at the start of 1974 included the firm Tabaqueira of Poço do Bispo (since 1927), Banco Totta & Açores, another bank in Angola and one in Mozambique, three insurance companies, a variety of financial and construction companies, as well as the CUF Sports Group which competed in the main national divisions and at the highest level of Portuguese football. CUF was the biggest private business group in Portugal. In 1975, it was nationalized and terminated, while in 1997, the José de Mello Group, which owned the CUF name, started to use it again.

    Gostar

  4. In the new development of Alcântara Nascente, where the CUF factory used to be, from the second half of the 19th century until it was transferred to Barreiro, and where there is still one of its chimneys as a reminder, the Lisbon councillors have also commemorated this industrial heritage with the name Praceta CUF.

    It was through council discussion on the 10th of September 2008 and the consequent city council Notice of the 23rd of September that Garden B, at Rua das Fontaínhas in the Alcântara Nascente development, got its new name of Praceta CUF and that Jardim A became Praceta Teófilo Ferreira.

    The development, built next to Rua das Fontaínhas on the land where the CUF Factory was previously, kept one chimney there from the old works, which is why the Lisbon City Council continued the commemoration of this local history by also naming the garden.

    The Company of United Manufactories was founded in Lisbon…

    Gostar

Os comentários estão fechados.