A Calçada Agostinho de Carvalho, o industrial das Olarias do séc. XVII

Freguesias de Santa Maria Maior e de São Vicente
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Agostinho de Carvalho, industrial de cerâmica do séc. XVII no Bairro das Olarias, ficou com o seu nome gravado na Calçada onde viveu, entre a Rua das Olarias e a Rua do Terreirinho.

Luís Pastor de Macedo, citando o Dicionário Bibliográfico de Inocêncio Francisco da Silva, afirma que Agostinho de Carvalho foi um importante industrial de cerâmica que casou em 1618 com Bárbara Fernandes, ano em que vivia no arruamento que depois tomou o seu nome: a Calçada Agostinho de Carvalho, então ainda com a partícula «de». Segundo Pastor de Macedo «a calçada aparece já com o nome que hoje tem em 1637 [na Notícia histórica do bairro das Olarias do padre António Lourenço Farinha], mas de facto sem a partícula “de”, como já observara G. de B. [Gomes de Brito] encontrar-se mencionada no “Itinerário Lisbonense” de 1804.»

No último quartel do séc. XIX a Calçada Agostinho de Carvalho passou a ter  passeios e valetas (1880) e um cano de esgoto ligado ao cano da Rua do Benformoso (1887). De 10 de novembro de 1890 a 12 de outubro de 1912, a artéria foi alinhada,  desde a Rua do Terreirinho até à Rua das Olarias, tendo para o efeito a Câmara Municipal de Lisboa trocado terrenos com  Joaquina Amélia dos Santos de que se lavrou escritura em 3 de fevereiro de 1910.

O olisipógrafo Luís Pastor de Macedo acrescenta ainda que «Nesta serventia pública aparece em 1698, o “pátio dos órfãos”, que depois passou à categoria de beco. Deve ser o actual beco do Alegrete, que se abre defronte do nº 21 e não tem saída.»

Freguesias de Santa Maria Maior e de São Vicente
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

#EuropeForCulture

One thought on “A Calçada Agostinho de Carvalho, o industrial das Olarias do séc. XVII

  1. Agostinho de Carvalho, a 17th century ceramics manufacturer in Bairro das Olarias, ended up with his name recorded on the street where he lived, which runs between Rua das Olarias and Rua do Terreirinho.

    Luís Pastor de Macedo, quoting from the Dicionário Bibliográfico of Inocêncio Francisco da Silva, confirmed that Agostinho de Carvalho was an important ceramics manufacturer who married Bárbara Fernandes in 1618, a year in which he was living in the street which later took his name, Calçada Agostinho de Carvalho, at that time with the “de”. According to Pastor de Macedo: “the street already had in 1637 [in the Notícia histórica do bairro das Olarias by Father António Lourenço Farinha] the name it has today, but in fact without the “de”, as G. de B. [Gomes de Brito] noted in the Itinerário Lisbonense of 1804.”

    In the last quarter of the 19th century, Calçada Agostinho de Carvalho gained pavements and drainage ditches (1880) and a sewage pipe connected to the one in Rua do Benformoso (1887). The street was straightened between the 10th of November 1890 and the 12th of October 1912, from Rua do Terreirinho to the Rua das Olarias, for which purpose the Lisbon City Council exchanged land with Joaquina Amélia dos Santos, in a deed drawn up on the 3rd of February 1910.

    The olissipographer Luís Pastor de Macedo also adds that: “in this thoroughfare there appears in 1698 the name “orphan’s courtyard”, which later became a beco. It must be the current Beco de Alegrete, which opens opposite No. 21 and has no exit.”

    Gostar

Os comentários estão fechados.