Armando Cortez dá morada ao Teatro Aberto

Freguesia de Campolide
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Armando Cortez  somou  mais de 50 anos de carreira como ator, na cena de um Teatro, perante as câmaras de Televisão ou de Cinema, como uma figura inesquecível da memória cultural portuguesa, estando desde o ano seguinte à sua morte perpetuado na toponímia alfacinha, na artéria que dá morada ao Teatro Aberto.

A Rua Armando Cortez, que liga a Rua Ramalho Ortigão à Avenida Calouste Gulbenkian, foi atribuída pelo Edital municipal de 20 de novembro de 2003, com a legenda «Actor/1928 – 2002» e a inauguração deste arruamento foi feita significativamente no dia 27 de Março, Dia Mundial do Teatro.

Armando Cortez e Almeida (Lisboa/23.01.1928 – 11.04.2002/Lisboa) foi ator, encenador, argumentista, produtor, e um homem sempre ligado ao teatro, fosse qual fosse a sua forma de transmissão. Filho do oficial da Marinha Luís Carlos da Cunha e Almeida e de Heloísa dos Santos Cortez, estudou na École Française de Lisbonne e logo após, fez teatro radiofónico no Liceu Pedro Nunes  para depois prosseguir estudos no Conservatório de Lisboa que concluiu com 18 valores em 1949. Ainda nesse ano estreou-se profissionalmente no Teatro Apolo, em Um Chapeú de Palha de Itália, ao lado de Canto e Castro e Rogério Paulo. Já três anos antes, em 1946, entrara em As Coéforas de Molière, no Teatro Universitário, e a sua primeira encenação data de 1948, na peça Degredados, de Virgínia Vitorino, sendo que dez anos depois, em 1958, tinha carteira profissional de encenador.

Armando Cortez trabalhou na companhia Teatro do Povo (1950), com Vasco Santana, Alves da Cunha, Maria Matos, António Silva, Ribeirinho e Nascimento Fernandes e chegou mesmo a dirigi-la. No ano seguinte, fundou o grupo Os Seis Novos e em 1952, com Maria Lalande, dirigiu uma companhia de comédia no Teatro Maria Vitória.  Depois , representou em todos os teatros de que Vasco Morgado era o empresário e fundou ainda o Teatro Moderno de Lisboa (1962) a residir no Cinema Império, com Carmen Dolores, Costa Ferreira e Fernando Gusmão, após nos dois primeiros anos da década de sessenta ter sido bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian em França. Em 1973 dirigiu a companhia do Teatro São Luiz e, três anos depois estava na fundação da Cooperativa de Teatro Repertório (1976) que durou até 1983. Representou em mais de 150 peças de teatro, de todos os géneros, desde a comédia ao drama, da farsa à revista, sendo de destacar as suas interpretações como Lucky em  À Espera de Godot de Samuel Beckett (1959), a 1ª vez que esta obra foi apresentada em Portugal, ao lado de Ribeirinho e de Fernando Gusmão; como protagonista de Schweik na Segunda Guerra Mundial (1975) de Bertolt Brecht , ao lado Raul Solnado ou em O Diretor de Ópera (1976), ambas no Teatro Maria Matos. Em 1979, ganhou o prémio melhor ator de teatro da revista Nova Gente.

Cortez foi também o mestre de várias gerações de jovens atores que dirigiu e acarinhou, sendo ainda de referir que    dirigiu o musical Annie para o Teatro Maria Matos (1983) e  encenou outras peças como A Casa-Fronteira (1969) ou Pisca Pisca (1989), de que foi também argumentista,  tal como o foi para Quem Manda Sou Eu ou Nem o Pai Morre Nem a Gente Almoça (ambas em 1990), Primeiro Amor (1995) e para a telenovela Roseira Brava (1996).

Na televisão, Armando Cortez para além de ter participado em mais de 40 peças gravadas, de 1957 a 1978, logo em 1964, foi protagonista com Francisco Nicholson do programa Riso e Ritmo, do qual também foi o argumentista. A partir de 1984, a presença de Armando Cortez na televisão tornou-se mais constante, em inúmeras séries e telenovelas. Nas séries, destaca-se Lá em Casa Tudo Bem, de Raul Solnado, Mário Zambujal e Artur Couto e Santos e Esquadra de PolíciaA Raia dos Medos e Alves dos Reis (todas em 2000), bem como O Processo dos Távoras (2001) de Francisco Moita Flores. Nas telenovelas, sobressai a sua participação em Chuva na Areia (1984) de Luís de Sttau MonteiroPalavras Cruzadas (1986), Cinzas ( 1993), Na Paz dos Anjos (1994) de José Fanha, Roseira Brava de que foi argumentista Vidas de Sal, ambas em 1996 e Ajuste de Contas (2000). Em 1987, ganhou o prémio da revista Nova Gente para melhor ator de televisão.

No cinema, contracenou em 11 filmes portugueses, 3 franceses, dois ingleses e um alemão. Estreou-se no cinema com um pequeno papel em O Cerro dos Enforcados (1954) de Fernando Garcia. Depois, continuou entre outros, de que damos de exemplo O Dinheiro dos Pobres  (1956) de Artur Semedo;  Operação Dinamite (1967), realizado por Pedro Martins e escrito por Armando Cortez, Francisco Nicholson, Luís Campos e Colette Dubois; O Cerco  (1968) de António da Cunha Telles;  O Diabo desceu à Vila (1980) de Teixeira da Fonseca; Sem Sombra de Pecado (1982) de José Fonseca e Costa; O Desejado ou As Montanhas da Lua (1986) de Paulo Rocha; Encontro em Lisboa (1990) de Claude Boissol;  e em 1992, em três filmes:  Das Tripas Coração de Joaquim Pinto, Vertigem de Leandro Ferreira e Passagem por Lisboa de Eduardo Geada.

Armando Cortez também teve participação cívica ao ter sido Deputado na Assembleia Municipal de Lisboa, nos mandatos de 1980 a 1982 e de 1983 a 1985 e, no último grande empreendimento que acarinhou a partir de 1982: a criação, com  outros colegas de profissão, da Apoiarte – Casa do Artista, associação de reconhecido mérito social e cultural de que foi dirigente, onde em  1999 foi inaugurada a casa de repouso para pessoas do espetáculo e em cujo jardim foram espalhadas as suas cinzas.

Na sua vida pessoal, Armando Cortez apenas casou com atrizes: Fernanda Borsatti (de 1950 a 1958) e Manuela Maria (de 1967 até ao final da vida). Com a primeira, teve em 1953  José Eduardo da Fonseca Cortez e Almeida que viria a ser médico e, com a segunda, teve em 1968, Pedro Lima Cortez e Almeida que veio a ser arquiteto.

Foi lhe concedido o subsídio de Mérito Cultural em 1995 e foi agraciado com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique (2000), a Medalha de Mérito Municipal   de Oeiras  – Grau Ouro ( 1997) e o seu nome foi dado ao Auditório da Casa do Artista passando a ser o Teatro Armando Cortez (2003). E para além de Lisboa, Armando Cortez é o topónimo de ruas do Algueirão, de Almada, Montijo, Paço de Arcos,  Póvoa de Santa Iria, Santa Iria da Azóia, Unhos e Vila Franca de Xira.

Freguesia de Campolide
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

#EuropeForCulture

Anúncios

One thought on “Armando Cortez dá morada ao Teatro Aberto

  1. Pingback: Fernando Gusmão, encenador do Teatro Moderno de Lisboa, no Bairro teatral do Vale da Ameixoeira | Toponímia de Lisboa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s