O Largo do popular Santo António da Sé

O Largo de Santo António em 1939
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

Este Largo de denominação posterior ao Terramoto de 1755 consagra o  popular santo lisboeta, nascido Fernando de Bulhões (Lisboa/1191 ou 1195 – 1231/Pádua – Itália) e cuja data de falecimento – 13 de junho – foi a escolhida para ser o feriado municipal alfacinha, na própria zona da Sé onde se julga que tenha nascido.

Freguesia de Santa Maria Maior – Placa Tipo II   (Foto: Artur Matos)

Ao todo, Santo António soma 17 artérias oficiais em sua homenagem na cidade de Lisboa dos nossos dias. Para além deste Largo junto à Sé existe ainda o Largo de Santo Antoninho na Bica. Alamedas são duas: a da Quinta de Santo António ( Lumiar ) e a Alameda de Santo António dos Capuchos  ( Arroios e Santo António ).  Calçada de Santo António ( Arroios , Santo António ) é só uma. Ruas são sete: a de Santo António a Belém, a de Santo António à Estrela, a de Santo António da Glória, a  de Santo António da Sé, a de Santo António dos Capuchos, a Rua do Milagre de Santo António ( Santa Maria Maior ) e a Rua do Vale de Santo António  ( São Vicente ).  E Travessas são seis: a Travessa de Santo António ( Santa Clara ), a Travessa de Santo António a Belém, a Travessa de Santo António à Graça, a Travessa de Santo António à Junqueira, a Travessa de Santo António a Santos e a Travessa de Santo António da Sé.

Canonizado pelo papa Gregório IX em 30 de maio de 1233 e também conhecido como Santo António de Pádua, cidade onde também existe uma basílica em sua honra, a veneração a Santo António expandiu-se no séc. XIII o que também justifica tantos topónimos semelhantes no que é hoje a cidade de Lisboa mas que há 8 séculos seria espaço de Lisboa e das aldeias próximas.

Quando em 1147 D. Afonso Henriques tomou Lisboa conseguiu-o no dia de São Crispim e assim foi esse o primeiro padroeiro de Lisboa. Mas como a devoção a São Vicente já era generalizada na cidade, sobretudo  entre os cristãos moçárabes que convenceram o rei a encontrar e trazer para a capital as suas relíquias, ficou São Vicente padroeiro em 1173 e ainda hoje a Câmara Municipal de Lisboa tem São Vicente nas armas da cidade, simbolizado no barco e nos dois corvos. No séc. XIII chega a veneração a Santo António que acaba por ficar como o padroeiro da cidade e São Vicente passa a ser o padroeiro da diocese.

Neste Largo de Santo António da Sé está a Igreja dedicada a Santo António, no local que a tradição aceita ser o do seu nascimento. De  lado, num espaço que era parte da Igreja, abriu em junho de 1962 0 Museu Antoniano (que hoje, devidamente reformulado, conhecemos como Museu de Lisboa – Santo António) e passados dois anos, a imagem de Santo António surgiu também na nota de  20 escudos de 26 de maio de 1964.

#EuropeForCulture

4 thoughts on “O Largo do popular Santo António da Sé

  1. Pingback: O património religioso na toponímia de Lisboa | Toponímia de Lisboa

  2. Pingback: Mateus Vicente que traçou a Basílica da Estrela numa Rua de São Domingos de Benfica | Toponímia de Lisboa

  3. Pingback: A Rua da Igreja paroquial de São Mamede ao Caldas | Toponímia de Lisboa

  4. The name of this Largo was given at some time after the 1755 earthquake and honours Lisbon’s very own saint, born Fernando de Bulhões (b.1191 or 1195 in Lisbon – d.1231 in Padua). The day of his death, the 13th of June, was chosen as the official Lisbon holiday, to be held in the district of Sé where the saint is thought to have been born.

    Saint Anthony has a total of 17 registered streets named after him in present day Lisbon. (These are listed in the the Portuguese version).

    He was canonized on the 30th of May 1233 by Pope Gregory IX and is alternatively known as St Anthony of Padua, a city where there is also a basilica dedicated to him. The veneration of St Anthony became more and more popular during the 13th century, which is why there are so many similar sounding street names in what we today call the city of Lisbon, but which eight centuries ago was Lisbon and its surrounding villages.

    When Dom Afonso Henriques captured Lisbon in 1147 it was on the day of St Crispin and so he was the first patron saint of Lisbon. But there was already a widespread devotion to Saint Vincent throughout the city, especially among the Mozarab Christians, who convinced the king to find his relics and bring them to the city, so then St Vincent became the city’s patron saint in 1173. The present device of Lisbon City Council still includes St Vincent, symbolized by a ship and two crows. In the 13th century, the veneration of Saint Anthony began and he ended up becoming the patron saint of the city, while St Vincent became the patron saint of a diocese.

    In the Largo de Santo António da Sé shown here, stands the Church of Saint Anthony, in the place where tradition has it that the saint was born. To the side of the church, and inside what was formerly part of the church, is the “Museum of Lisbon – St Anthony”, a re-formulation of the original name (0 Museu Antoniano) under which the museum first opened in June 1962. On the 26th of May 1964 a picture of Saint Anthony was also printed on the 20 escudo banknote.

    Gostar

Os comentários estão fechados.