A Rua do autor do Chafariz de São Sebastião, Francisco António Ferreira, o Cangalhas

Freguesia de Campolide
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

Francisco Ferreira Cangalhas, o arquiteto do Chafariz de São Sebastião inaugurado em 1791,  um dos chafarizes públicos ligados ao Aqueduto das Águas Livres, está numa artéria do Bairro da Serafina, em Campolide, como Rua Francisco Ferreira Cangalhas, com a legenda «Arquitecto-Geral das Águas Livres de 1791 a 1808», desde 1990.

Pelo Edital municipal de 28 de dezembro de 1989, a Rua 8 do Bairro do Alto da Serafina, passou a designar-se Rua Francisco António Ferreira, com a legenda «Mestre do Aqueduto/Século XVIII», legenda igual à que foi colocada também para as então atribuídas Rua José da Silva Pais, Rua Miguel Ângelo Blasco  e Rua Rodrigo Franco.  Depois das alterações toponímias solicitadas pelos residentes do Bairro um novo Edital municipal, de 14 de dezembro de 1990, reformulou  o topónimo para Rua Francisco Ferreira Cangalhas, bem como a legenda para «Arquitecto-Geral das Águas Livres de 1791 a 1808», assim como acrescentou mais dois topónimos referentes a arquitetos ligados à construção do Aqueduto das Águas Livres: a Rua Honorato José Correia e a  Rua Reinaldo Manuel dos Santos.

Assim,  o nome deste arquiteto homenageado parece ser Francisco António Ferreira Cangalhas (? – 1808), podendo Cangalhas ter sido uma alcunha que acabou por ficar integrada como nome de família. Era arquiteto geral da cidade e das Águas Livres, filho e discípulo de João Ferreira Cangalhas, o qual havia sido formado na Escola do Risco de Mafra. Por morte de Reinaldo Manuel dos Santos, sucedeu-lhe em 20 de dezembro de 1791 Francisco António Ferreira Cangalhas como Primeiro Arquiteto da Real Obra da Água Livre.

É da sua autoria, com Reinaldo Manuel dos Santos, o Chafariz urbano de São Sebastião da Pedreira, de traço neoclássico com as armas reais encimadas por uma esfera e seguindo a tipologia de chafariz de espaldar com duas bicas simples, mandado construir por aviso de 21 de novembro de 1787, que recebia água a partir do ramal de Santa Ana. Ficou construído em 25 de  setembro de 1789, mas só por aviso de 29 de agosto de 1791 se mandou aí correr água, a qual começou a jorrar quatro dias depois, abastecido pelo ramal da Cruz das Almas que ía para o Campo Santana. Custou 12 472$701 réis. Ainda com Reinaldo Manuel dos Santos projetou em 1779 o Chafariz de Benfica, tal como 1791 , com Honorato José Correia, traçou o Chafariz das Laranjeiras, com decoração barroca.

Também com Honorato José Correia foi o autor da reedificação de 1770 da Igreja da Conceição dos Freires ou Conceição Velha, no arruamento que hoje identificamos como Rua da Alfândega, no local onde se erguia a antiga Igreja destruída pelo Terramoto, embora tenha aproveitado o portal manuelino do antigo templo bem como duas janelas.

No vizinho concelho de Loures, foi ainda o autor do Aqueduto das Alvogas e do seu Chafariz.

Freguesia de Campolide
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s