A Rua de São Gens, o bispo dos bons partos de Lisboa

Freguesia de São Vicente
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Num dos arruamentos do Bairro Novo do Monte, na Graça, erguido nos primeiros anos do séc. XX, a Rua de São Gens perpetua o bispo de Lisboa ainda do período da Olisipo romana que foi martirizado neste local e cuja cadeira se acreditava fornecer um bom parto.

Esta artéria que forma um ângulo recto, a sul da Rua da Senhora do Monte, foi atribuída pelo Edital municipal de 18 de dezembro de 1903, o mesmo que atribuiu a Rua da Senhora do Monte à via pública definida entre a Rua da Graça e o Largo do Monte. Foram esta ruas construídas por António Higino de Magalhães Mendonça, conforme escritura de 21 de junho de 1901, que as entregou prontas à Câmara Municipal de Lisboa em 31 de janeiro de 1903.

De acordo com Norberto de Araújo «O Bairro do Monte, urbanizado, data de 1902, embora anteriormente existisse na sua Calçada [Calçada do Monte], no seu alto de S. Gens, e num ou noutro arruamento impreciso.(…) Data desta época o Bairro (novo) do Monte, definindo-se, em plano de urbanização, as Ruas de S. Gens e da Senhora do Monte, esta já existente antes, como natural descida do alto de S. Gens à Rua da Graça.»

Imagem relacionadaFoi a São Gens, bispo de Lisboa quando esta era a romana Olisipo, celebrado a 8 de maio, que foi consagrada a Ermida de Nossa Senhora do Monte, fundada em 1147, porque de acordo com a tradição teria sido nesse local que o religioso fora martirizado. O olisipógrafo Norberto de Araújo precisa que «A Ermida não assentava neste sítio; ficava nas faldas do Monte, já chamado de S. Gens, a cair sôbre as Olarias e a Bombarda futuras, e logo ao ser construída serviu de casa de oração aos eremitas de Santo Agostinho, que junto dela fizeram erguer umas casas para habitação, e um Hospício, que se chamou Eremitério de S. Gens.» mas no século seguinte, «(…) em 1243, a proprietária dêste sítio, uma D. Suzana, muito piedosa, cedeu-lhes terreno para melhor pousio e mais decente ermida. Levantou-se então um pequeno Convento com a Igrejinha de S. Gens, para a qual veio a cadeira de pedra, onde era tradição que se sentava o santo bispo quando doutrinava, e que se conservava no primitivo santuário.»

O olisipógrafo fala ainda sobre a devoção popular a este santo Genesius (em latim), sobretudo na esperança de um bom parto, de que até a rainha esposa de D. João V se terá servido: «Em 1291, os frades agostinhos levantaram a sua imponente casa na Graça, saindo daqui, mas continuando a ermida na sua posse. S. Gens era objecto de devoção popular. As mulheres, em transe de maternidade, vinham sentar-se na velha cadeira, com fé no bom sucesso, prática que foi seguida até pela Rainha D. Maria Ana de Áustria, em 1723.»

São Gens consta também da toponímia de Alvaiázere, Amares, Arganil, Braga, Cartaxo, Castelo Branco, Fafe, Fundão, Gondomar, Lamego, Matosinhos, Montemor-o-Velho, Ourém, Penafiel, Sabugal, Santarém, Serpa, Trofa, Valongo, Vila do Conde, Vila Verde e Viseu.

Freguesia de São Vicente
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)