A Rua do Presidente da CML em 1918, José Carlos da Maia

Freguesia de Campo de Ourique
(Foto: José Carlos Batista)

José Carlos da Maia foi Presidente da Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Lisboa,  de 14 de janeiro até 1 de março de 1918,  já que foi nomeado ministro da Marinha de Sidónio Pais a 9 de março, e tendo sido um dos assassinados na Noite Sangrenta de 19 de outubro de 1921 foi  fixado na memória de Lisboa mais de dez anos depois, em Campo de Ourique, através da Rua Carlos da Maia, por via do Edital municipal de 12 de março de 1932.

Conforme o procedimento da época, Carlos da Maia foi nomeado Presidente da Comissão Administrativa da CML pelo Governador Civil de Lisboa, por indicação do Ministro do Interior, então Machado Santos. Ficou responsável pelos Pelouros da Secretaria e Bibliotecas. De acordo com a sua proposta, os outros vogais desse executivo ficaram com as seguintes competências: Álvaro Valadas, professor da Escola Comercial Ferreira Borges, com o pelouro das Águas; o Arqº António do Couto Abreu com o pelouro da Arquitetura; o farmacêutico António Ferreira com os  Jardins e Cemitérios; o professor e advogado António Lino Neto com as Subsistências; o comerciante António Maria Abrantes com a Limpeza e Regas; o industrial Franklin Lamas com a Viação; o Engº Frederico Santos Taveira com os Incêndios; João Pereira da Rosa com o Pelouro da Iluminação; o médico e antigo deputado José da Costa Júnior com os Matadouros; o médico Matias Ferreira de Mira com o Pelouro da Instrução; o comerciante e proprietário Santos Rebelo com o Pelouro das Ruas; o advogado Raul de Almeida Carmo com o Contencioso; o antigo operário Sebastião Eugénio com os Mercados e Lavadouros e o «comercialista» Vladimiro Contreiras com o Pelouro da Contabilidade.

Nesses quase de dois meses, foi proposta de José Carlos Maia a receção nos Paços do Concelho ao Presidente da República – Sidónio Pais – no seu regresso à capital em 18 de janeiro de 1918, com dispensa de ponto para o pessoal ir assistir à chegada na Estação do Rossio; a constituição de uma Comissão para dar pareceres sobre a higiene e estética da capital e uma outra,  também composta por  vereadores, para auditar os serviços da CML e dar pareceres de melhoria.

Na presidência de Carlos da Maia e com o seu voto favorável, entre outras deliberações, os Vogais da Comissão Administrativa passaram a não ser beneficiados pela distribuição dos 100 passes que a Carris tinha acordado com a edilidade; o indeferimento do aumento das tarifas da Carris em 40%; o encerramento das janelas dos carros eléctricos de 1 de novembro a 1 de março; a manutenção do  preço da carne de carneiro nos talhos municipais; o cultivo dos terrenos incultos do Parque Eduardo VII com forragens para o gado do Serviço de Jardins e Edificações, bem como a substituição nos jardins municipais das flores da estação por hortaliças e legumes; a municipalização do pescado para o embaratecer; conclusão urgente da ampliação e modificação do Mercado da 24 de Julho; que o mau tempo não impedisse os operários de receber o seu salário, mesmo que não pudessem trabalhar, tal como acontecia com o encarregado e o apontador; a averiguação do ensino nas associações que diziam ser escolas; a inauguração de um curso noturno para adultos na Escola Central nº 14 do Largo do Leão; a transferência de um professor da escola nº 24 para a nova escola nº 84 ao Rego e outro, da escola nº 2 para a nº 76;  reparação da estação de incêndios de Xabregas e o aumento do nº de bombeiros auxiliares para serviço nos teatros; abertura do novo lavadouro do Alto do Pina e autorização para a autarquia  contrair um empréstimo de 500 contos.

José Carlos da Maia (Olhão/16.03.1878 – 19.10.1921/Lisboa), filho de um Oficial da Marinha, Carlos Augusto da Maia e de Maria da Encarnação Cruz, morava em Lisboa desde bebé, e foi também ele um Oficial da Marinha de Guerra que se destacou enquanto político republicano. Desde novo participou em todas as conspirações contra o regime monárquico com Machado Santos e Cândido dos Reis, tendo participado empenhadamente na implantação da República.

Depois, foi deputado à Assembleia Constituinte de 1911, Governador de Macau de 1914 a 1916, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Ministro da Marinha de Sidónio Pais de 9 de março a 7 de setembro de 1918, Capitão de Porto de Portimão e Ministro das Colónias de José Relvas, de 26 de janeiro a 21 de março de 1919.

Em 1921, quando se encontrava afastado da política ativa, foi assassinado na revolta conhecida como Noite Sangrenta, em 19 de outubro de 1921, tal como o  presidente do Ministério António Granjo e Machado Santos, entre outros.

José Carlos da Maia foi agraciado com a Comenda da Ordem Militar de Avis (11 de março de 1919) e postumamente, com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada (11 de Novembro de 1927). A sua  viúva, Berta da Maia, esforçou-se por encontrar os responsáveis pelo assassinato do seu marido quando ele contava 43 anos, tendo sido colocada no mesmo jazigo que fora erigido em 1924 no Cemitério dos Prazeres. Como José Carlos da Maia ou Carlos da Maia, o seu nome integra também a toponímia dos concelhos de Almada (em Porto Brandão e Vale de Cavala), Cascais (na Parede e em São Domingos de Rana), Lagoa, Odemira, Olhão, Portimão, Porto e Setúbal.

Freguesia de Campo de Ourique
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

 

Anúncios

One thought on “A Rua do Presidente da CML em 1918, José Carlos da Maia

  1. Pingback: A Travessa do Bahuto, da Quinta do mesmo nome, oficializada em 1918 | Toponímia de Lisboa

Os comentários estão fechados.