Alameda da Música e MynameisnotSEM unidos pelas paisagens sonoras no Muro’19

A Alameda da Música, nascida para ligar várias artérias de um bairro que a edilidade quis com toponímia ligada à música, o que desde logo ficou expresso no mobiliário urbano do seu Parque Infantil, e o artista MynameisnotSEM, cuja última exposição inspirada em música eletrónica se intitula Soundscapes e que no âmbito da 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa vai realizar workshops de pintura para o moradores e visitantes do MURO’19, são o exemplo da simbiose da comunidade local, toponímia, arte urbana e sonoridades musicais que são o mote do diálogo criativo do MURO deste ano, no Lumiar.

Foto de perfil de mynameisnotsem

O residente em Matosinhos MynameisnotSEM, nascido Filipe Granja no Porto em 1989, é um designer e artista urbano cuja obra se  caracteriza por uma pintura abstrata de mistura de padrões e linhas, em cores contrastantes, num minimalismo contemporâneo inspirado por música eletrónica também contemporânea. Licenciado em Design de Comunicação e Multimédia pela Escola Superior Artística do Porto, onde também concluiu um Mestrado em Design de Imagem, tendo realizado o trabalho de investigação A Street Art como ferramenta da perpetuação da memória coletiva do espaço, realiza visitas guiadas a espaços de arte mural enquanto curador e produtor de eventos de Arte Urbana, produz pinturas murais e quadros originais em diversos suportes, dinamiza o Festival DESENLATA e o mural FLASH, para além de desde 2016 ser o produtor artístico do BECUH Porto – Badass Experiences by Creatives from Urban Habitat.

A Alameda da Música que começa na Avenida Carlos Paredes  e atravessa a Rua Tomás Del Negro e a Rua Luís Piçarra até terminar na Avenida David Mourão-Ferreira foi atribuída através do Edital municipal de 4 de agosto de 2004, no arruamento interior da Malha 15 do Alto do Lumiar, procurando assim a edilidade promover em seu redor um pólo toponímico ligado à música.

Aliás, esta Alameda da Música foi inaugurada no dia Dia Mundial da Música de 2004, com mais outros 7 topónimos de figuras ligadas à música, a saber: a Rua Adriana de Vecchi (Violoncelista/1896 – 1995) dedicada a uma instrumentista e professora de música; a Rua Arminda Correia (Cantora/1903 – 1988) e a Rua Luís Piçarra (Cantor/1917 – 1999) que ali fixaram cantores líricos; a que se juntaram mais 4 compositores, através da Rua Belo Marques (Músico/1898 – 1987), da Rua Nóbrega e Sousa (Músico/1913 – 2001), da Rua Shegundo Galarza (Músico/1924 – 2003) e da Rua Tomás Del Negro (Músico/1850 – 1933).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Anúncios