Lisboa Mistura no jardim da quinta dos fósseis pré-históricos

Freguesia do Lumiar

Hoje é último dia do Lisboa Mistura 2019  que desde dia 8 de junho tem decorrido no Jardim da Quinta das Conchas, espaço cuja toponímia  decorre de vestígios aí encontrados, fósseis calcários do Miocénico lisboeta ( ou seja, de cerca de 20 a 7 milhões de anos atrás), como sucedeu no Alto das Conchas, em Marvila, e onde  no séc. XVI nasceu uma quinta agrícola.

Lisboa Mistura é um festival com músicos internacionais do Médio Oriente, da América do Norte e de África, assim  como grupos comunitários, de diferentes gerações e proveniências culturais, para celebrar a comunidade urbana e a diversidade que integra o ADN de Lisboa. Pela primeira vez realiza-se na Quinta das Conchas, na Freguesia do Lumiar, depois de ter tido como palcos o Castelo de São Jorge, o Largo do Intendente Pina Manique ou a Avenida da Ribeira das Naus.

 

A Quinta das Conchas está perpetuada na Rua da Quinta das Conchas e no parque ou jardim da Quinta das Conchas. Os fósseis pré-históricos definiram o nome do lugar e em meados do século XVI aí nasceu a Quinta de Afonso de Torres, sabendo-se que já em 1520 era um morgadio deste rico negociante de origem espanhola. Sucederam-se vários proprietários na Quinta das Conchas de que se destaca no final do séc. XIX,  em 1897, Francisco Mantero, um dos grandes exploradores das roças de café de São Tomé – que dá nome a uma Rua dos Olivais tal como seu filho, Mantero Belard, dá a uma Rua de Santa Clara -, que somou a parte rústica da Quinta das Conchas à sua Quinta dos Lilazes, onde a sua residência reproduzia o modelo  da mansão colonial, e incluindo um grande lago artificial,  com duas pequenas ilhas nas quais plantou palmeiras, em homenagem às ilhas de São Tomé e Príncipe.

Contudo, no século XX, a área desta Quinta foi mais utilizada pela então muito recente indústria cinematográfica, uma vez que  em 1920 foi nela fundada  a Caldevilla Film, que produziu por exemplo, Os Faroleiros e As Pupilas do Senhor Reitor e doze anos depois, em 1932, foi a vez da Tobis Portuguesa adquirir parte da Quinta para aí edificar os seus estúdios. Em 1966, os descendentes de Francisco Mantero transferiram para a Câmara Municipal de Lisboa a gestão da Quinta que recebeu obras de requalificação em 2005 que mereceram o Prémio Valmor e Municipal de Arquitectura desse ano.

Freguesia do Lumiar

© CML | DPC | NT | 2019

Anúncios