Do Beco à Travessa da Silva do Diogo da Silva que ali aforou terras no séc. XVI

 

O Edital do Governo Civil de Lisboa de 5 de abril de 1867 que tornou o Beco em Travessa da Silva

Próximo da Sé de Lisboa e na entrada de Alfama,  um Beco passou a Travessa pelo Edital do Governo Civil de Lisboa de 5 de abril de 1867, a pedido de moradores locais. Foi o Beco da Silva que passou a Travessa da Silva, então na Freguesia de São João da Praça, que havia sido criada em 1209. Vinte e seis anos depois, em 1893, o Edital municipal de 6 de novembro tornou-a Travessa do Chafariz de El-Rei e é assim que hoje ainda a encontramos na Freguesia de Santa Maria Maior.

Este Beco do Silva que passou a Travessa da Silva tudo indica ser um topónimo referente a uma pessoa conhecida no lugar e não o arbusto silva. Os documentos  apontam para um Diogo da Silva que aforou terras naquele local no séc. XVI. Segundo Luís Pastor de Macedo, «nos meados do séc. XVI a travessa era a rua de Diogo da Silva» e é assim que aparece no Sumário de Lisboa de 1551 de Cristóvão Rodrigues de Oliveira. Norberto de Araújo afirma que «Esta Travessinha, em escadaria, do Chafariz de El-Rei foi chamada, no tempo velho, Beco da Silva;  a razão toponímica tradicional esteve no nome do dono da tal casa [Diogo da Silva], trocado que foi, por corruptela o ‘do’ em ‘da’» e esclarece também que « Estas casas, por trás do Chafariz, e as que se seguem à direita da Travessa do Chafariz de El-Rei, foram, na base primitiva desaparecida, as do Marquês de Angeja – a que atrás me referi – (primeira metade do século XVIII), mas no século XVI, uma parte delas havia pertencido a um Lopo de Albuquerque de cujos herdeiros a Câmara a houve um tanto forçadamente e outra parte a um tal Diogo da Silva, que acabou por tomar de fôro as da Câmara.»

Pastor de Macedo elucida ainda que «juntamente com a travessa de S. João da Praça, talvez se tivesse chamado em 1565 travessa do Chafariz de El-Rei. Em 1573 vêmo-la designar por ‘travessa que vem da porta de S. Pedro para o chafariz’ [e dá-nos como sua fonte para este efeitos os livros dos Prazos da freguesia de S. João da Praça, caixa 16/15]. Depois, não sabemos desde quando, foi a rua e o beco da Silva» e refere que assim surge no Livro I de baptismos de S. João da Praça dos anos de 1714 e 1717, sendo ainda como Beco da Silva que está registada na Freguesia de  São João da Praça nas memórias paroquiais de 1755, assim como nas plantas da remodelação paroquial de 1770. Depois, já no séc. XIX, o Edital do Governo Civil de Lisboa de 1867 tornou a artéria em Travessa da Silva e o Edital municipal de 1893 voltou a alterar a denominação, desta feita para Travessa do Chafariz de El-Rei.

A primeira referência documental a este chafariz data de 1487, de acordo com Maria Calado, que todavia assinala que também se pode registar o seu funcionamento desde épocas mais recuadas. O Chafariz d’El-Rei surge ainda mencionado no Sumário de Lisboa de 1551. O Chafariz também foi topónimo para a Porta ou Postigo do Chafariz de El-Rei, que depois foi o  Beco das Moscas e ainda mais tarde a  Travessa de São João da Praça.

A Travessa do Chafariz de El-Rei em 1967
(Foto: Armando Serôdio, © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa)

 

© CML | DPC | NT | 2019