Publicação municipal da Rotunda República da Colômbia

A publicação municipal de toponímia referente à Rotunda República da Colômbia, hoje distribuída no decorrer da inauguração oficial deste arruamento, na Freguesia do Parque das nações, já está online.

É só carregar na capa abaixo e poderá ler.

Caso queira conhecer publicações anteriores poderá ir às Publicações Digitais do site da CML e escolher o separador Toponímia.

Ou no topo do nosso blogue carregar em 3 – As nossas Edições.

 

Anúncios

A Rua Áurea da Livraria Rodrigues e de Camões organizado por Régio

(Imagem: © CER)

A Livraria Rodrigues, que era também Sociedade Editorial e Livreira, fundada em 1863 e sediada nos nºs 186-188 da Rua Áurea, publicou a poesia lírica de Camões numa edição organizada por José Régio, que também redigiu uma introdução e colocou notas que facilitassem a compreensão do poeta Luís Vaz de Camões para o público em geral.

A Livraria Rodrigues foi até aos anos sessenta do séc. XX uma editora de livros escolares, graças a uma gráfica instalada na sua retaguarda.

José Régio foi também um antologista em cuja obra se  incluem várias, sendo esta Luís de Camões publicada em 1944, na coleção «As melhores páginas da Literatura Portuguesa» da lisboeta Livraria Rodrigues. Refira-se que no mesmo ano, mas na Portugália da Rua do Carmo, vieram a lume As Mais Belas Líricas Portuguesas, também com seleção, prefácio e notas de José Régio.

Régio organizou mais antologias publicadas de 1945 a 1967. Com Alberto de Serpa organizou Poesia de Amor (1945), para a portuense Livraria Tavares Martins;  Alma Minha Gentil (1957), antologia de poesia de amor portuguesa, assim como Na Mão de Deus (1958), antologia de poesia religiosa portuguesa, ambas para a Livraria Portugália. A solo, organizou e prefaciou Poesia de Ontem e de Hoje Para o Nosso Povo Ler (1956), para a Campanha Nacional de Educação de Adulto e a partir de 1958 organizou e anotou para a lisbonense editora Artis dezanove antologias:  Os mais belos sonetos de Camões (1958); Os mais belos sonetos de Bocage, A mais bela écloga portuguesa: Crisfal  e As mais belas poesias de Rodrigues Lobo (todas em 1959); As mais belas poesias trovadorescas e As mais belas poesias de Tomás Gonzaga (em 1960); As mais belas poesias de Sá de Miranda e As mais belas poesias de António Ferreira (em 1961); Cancioneiro Geral de Garcia de Resende As mais belas poesias de Diogo Bernardes (em 1962); As mais belas redondilhas de Camões, As mais belas poesias de Frei Agostinho da Cruz e As mais belas canções e odes de Camões (todas as três em 1963); Os mais belos cantos de Gonçalves Dias e As mais belas poesias gongóricas (1964); As mais belas poesias de Castro Alves (1965); As mais belas poesias de Olavo Bilac e Os mais belos sonetos de Antero (1966) e As mais belas poesias de Bernardim Ribeiro (1967).

Vulgarmente conhecida como Rua do Ouro, a Rua Áurea,  é uma das artérias da Baixa pombalina que consta da Portaria de 5 de Novembro de 1760, aquela que  inaugurou em Lisboa a prática da atribuição de nomes de ruas por documento oficial e, assim, é o primeiro diploma de toponímia.

D. José I fez publicar a Portaria na qual se estabelece a denominação dos arruamentos da Baixa lisboeta, reconstruída com ruas largas sob o plano moderno de Eugénio dos Santos e Carlos Mardel«entre as Praças do Comercio e a do Rocîo», ao mesmo tempo que regulamenta a distribuição dos ofícios e ramos do comércio pelas diferentes 14 artérias: «Rua Nova d’El Rey [hoje, Rua do Comércio], Rua Augusta, Rua Áurea, Rua Bella da Rainha [hoje, Rua da Prata], Rua Nova da Rainha [hoje, Rua dos Fanqueiros], Rua dos Douradores, Rua dos Correeiros, Rua dos Sapateiros, Rua de S. Julião, Rua da Conceição, Rua de S. Nicolau, Rua da Victoria, Rua da Assumpção e Rua de Santa Justa». Para a Rua Áurea determinava que nela se instalassem os ourives da cidade e que nas lojas que sobrassem ficassem relojoeiros e os volanteiros, aqueles que vendiam artigos variados.

Recorde-se também que Lisboa da 2ª metade do século XVI já tinha uma Rua Nova dos Ourives, também denominada Rua dos Ourives do Ouro ou Rua Ourivesaria do Ouro. Fora aberta sobre um antigo esteio do Tejo que D. João II mandou parcialmente tapar e supõe-se que se situava na área hoje ocupada pelas ruas de São Nicolau e de São Julião.

A Rua Áurea no Natal de 1959
(Foto: Armando Serôdio, Arquivo Municipal de Lisboa)

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

 

Régio na  Comissão dos Escritores, Jornalistas e Artistas Democráticos do MUD e a Rua da Trindade

Excerto do protesto da Comissão dos Escritores, Jornalistas e Artistas Democráticos do MUD-Movimento de Unidade Democrática
(Imagem: © CER)

José Régio não era um cidadão alheio aos acontecimentos sociais e assim, teve envolvimento político quando as situações críticas da vida nacional o justificavam, tanto que em 1945 integrou a  Comissão dos Escritores, Jornalistas e Artistas Democráticos do MUD-Movimento de Unidade Democrática, que tinha a sua sede no 3º andar do n° 15 da Rua da Trindade.

Em novembro de 1946, esta Comissão entregou uma missiva ao Presidente da República, em que protestavam o seguinte: «Passado ano e meio sobre a vitória das Nações Unidas, que significou para quase todos os países civilizados a liquidação do fascismo, nas suas formas mais odiosas e mais vis; passado mais dum ano sobre o discurso do Chefe do Governo Português, em que se prometia à opinião pública nacional mais larga expressão dos seus direitos civis e políticos – sentem-se os signatários no dever intelectual e moral de vir protestar perante V. Exª e perante o país contra as opressões, as arbitrariedades e as violências que continuam sendo praticadas, sob o signo da autoridade constituída, contra cidadãos que exercem aqueles mesmos direitos e, o que é talvez pior, contra a dignidade humana e a cultura.» E terminavam com uma justificação do seguinte teor: «Como portugueses e trabalhadores do espírito assiste-nos o direito de chamar a atenção de V. Exª e da Nação para as violências cometidas – contra a lei, contra o senso de justiça, contra a dignidade da cultura – em prejuízo de intelectuais portugueses cuja pessoas e cujas obras constituem um património honroso da comunidade nacional a que pertencemos. É em nome desse direito que formulamos este protesto reclamando Justiça e Liberdade.»

Docente no Liceu de Portalegre, José Régio participava na Comissão Concelhia do MUD de Portalegre desde 1945 e em 1949, integrou também a Comissão Distrital de Portalegre da campanha de Norton de Matos à Presidência da República, assim como mais tarde, em 1958, vai aderir à candidatura de Humberto Delgado.

A Rua da Trindade onde a Comissão dos Escritores, Jornalistas e Artistas Democráticos do MUD-Movimento de Unidade Democrática tinha sede, é uma artéria que hoje começa no Largo do Carmo e segue até atingir a Rua Nova da Trindade. Como o nome indica, é este um topónimo que deriva do Convento da Santíssima Trindade, fundado por D. Afonso II  em 1218, para a Ordem da Santíssima Trindade do Resgate dos Cativos, religiosos franceses, vulgarmente conhecidos por Trinitários, que se estabeleceram assim em Lisboa numa zona envolvida por um olival, na franja urbana da cidade. A mesma origem é partilhada com os topónimos Largo da Trindade, Rua Nova da Trindade e Travessa da Trindade, que se encontram nesta área.

Do antigo convento masculino de religiosos que se dedicavam ao resgate dos cativos portugueses nas cidades de Marrocos e da Argélia, resta hoje parte da estrutura abobada e pilares do refeitório na sala pública da Cervejaria Trindade. O convento recebeu significativos benefícios e privilégios do poder régio, nomeadamente, da Rainha Santa Isabel, a que não será estranho Estêvão Soeiro, frade trinitário que era o confessor da Rainha. No século XIV, a muralha fernandina dividiu o Mosteiro, ficando uma parcela dentro de muros, a qual foi urbanizada nos inícios do século XVI – a Vila Nova do Olival-, e uma exterior, a Herdade de São Roque, urbanizada mais tarde, em meados desse mesmo século. A partir de 1561 o convento foi ampliado, com capacidade para albergar 110 frades, estando entre eles, Frei Nicolau de Oliveira, autor do Livro das Grandezas de Lisboa. O terramoto de 1755 atingiu o edifício conventual e a sua reconstrução prolongou-se por décadas mas o seu lado oriental acompanhava a Rua Larga de São Roque (hoje, Rua da Misericórdia), a fachada principal estava virada a sul e nela se abria a portaria para o lado norte do Largo de São Roque (hoje, Largo Trindade Coelho) e a nova igreja do convento localizava-se no prédio da já desaparecida Livraria Barateira.

Em 1834, com a extinção das ordens religiosas os frades trinitários mudaram-se para a sua casa de Sintra, e o Estado vendeu os terrenos para prédios e uma fábrica de cerveja (a Trindade), para além de, no ano seguinte, ser demolida mais uma parte do antigo convento para permitir a abertura da Rua Nova da Trindade.

Freguesia de Santa Maria Maior

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

A quinhentista Travessa da Queimada e a novela regiana «Davam grandes passeios aos domingos»

Capa da 1ª edição de Davam grandes passeios aos domingos, na Editorial Inquérito, o nº 40 da Coleção Novelas, em 1941
(Imagem:  © CER)

No 1º andar direito do nº 23 da Travessa da Queimada esteve instalada a Editorial Inquérito responsável pelas primeiras edições de quatro obras de José Régio: o ensaio Em torno da expressão artística (1940), a novela  Davam Grandes Passeios aos Domingos (1941), o romance O Príncipe com Orelhas de Burro (1942), e a peça A Salvação do Mundo (1954).

Nessa época, a Editorial Inquérito imprimia as suas edições na tipografia Libanio da Silva, sediada ali próximo, na Travessa do Fala Só, junto à Calçada da Glória.  Já o nº 23 da Travessa da Queimda é o Palácio Rebelo Palhares, do séc. XVII, que pertenceu ao 1º. Conde Almeida Araújo e onde, para além da Editorial Inquérito, se albergaram os jornais Diário Ilustrado (1872-1910), Correio da Europa (1902) e A Bola, a partir de 1945.

A Travessa da Queimada, que se alonga desde o antigo Largo de São Roque, hoje Largo Trindade Coelho, até à Rua da Atalaia é um arruamento quinhentista que marca o limite da 1ª fase de urbanização da Vila Nova de Andrade, futuro Bairro Alto de São Roque, que decorreu de 1513 a 1518, partindo das Portas de Santa Catarina para poente e subindo até esta Travessa da Queimada, que primitivamente foi qualificada como rua, mas também terá sido designada como Travessa dos Poiais. Salienta-se que a modernidade da urbanização do Bairro Alto aqui se revelou por ser construída em quadrícula, com um traçado de ruas ortogonal, antes de Lisboa sequer pensar vir a ter  a Baixa pombalina.

Sobre a origem deste topónimo a explicação mais verosímil é a do olisipógrafo Vieira da Silva que o faz derivar do nome de uma certa fidalga, Ana Queimada, que em meados do séc. XVI tinha  naquele local  aforado um chão aos frades de São Roque, para construir moradias nobres.

 

O nº 23 da Travessa da Queimada
(Foto: Cláudia Michele Damas e Sousa, 2012, Arquivo Municipal de Lisboa)

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

José Régio e Mário Dionísio, dois intelectuais multifacetados como topónimos de Lisboa

Poema de Mário Dionísio na Presença nº53 e 54, 1938
((Imagem: © CER))

José Régio e Mário Dionísio, ambos professores de carreira e intelectuais multifacetados empenhados na literatura, nas artes plásticas, na crítica e ensaio, também partilham a homenagem de darem nome a artérias de Lisboa, o primeiro desde 7 de agosto de 1997 e o segundo, desde 1 de agosto de 2005.

José Régio, o teorizador da Presença que logo no nº 1, na primeira página, publicou Literatura Viva, texto que pode ser visto como manifesto programático da publicação, aceitou a colaboração do jovem Mário Dionísio, quinze anos mais novo,  durante a década de trinta até este se afastar, em conjunto com João José Cochofel, Fernando Namora e Carlos de Oliveira.  E no espólio de Mário Dionísio, encontram-se originais manuscritos ou dactilografados de vários autores, sendo Régio um deles, o que nos recorda a ideia de 1937 nunca concretizada, por falta de sala, de organizar o I Certame de Arte Moderna, pelo que  pediu para uma brochura de inéditos a colaboração dos poetas contemporâneos José Régio, Edmundo de Bettencourt, Fausto José, Francisco Bugalho, José Gomes Ferreira, João Falco/Irene Lisboa e Vitorino Nemésio. Tanto Régio como Dionísio também publicaram nas páginas de Cadernos da Poesia, a revista literária de Tomás Kim, José Blanc de Portugal e Ruy Cinatti nas décadas de quarenta e cinquenta.

A Rua Mário Dionísio nasceu do Edital municipal de 1 de agosto de 2005, na Rua A do PER 8, na Freguesia do Lumiar, doze anos após o falecimento de Mário Dionísio de Assis Monteiro (Lisboa/16.07.1916-17.11.1993/Lisboa), nascido que fora no nº 2 da Rua Andrade  e licenciado em Filologia Românica em 1939, pela Universidade de Lisboa, que se mostrou um intelectual multifacetado como escritor, ensaísta, pintor, crítico de arte e tradutor, para além de ter sido professor do Ensino Secundário durante praticamente quarenta anos, no Colégio Moderno e no Liceu Camões, assim como a partir de 1978 e até 1987 foi docente de Técnicas de Expressão do Português na Faculdade de Letras de Lisboa.

Mário Dionísio foi autor de uma obra literária autónoma, com ensaio, poesia, conto e romance, onde se podem salientar Poemas (1941), As Solicitações e Emboscadas (1945), O Riso Dissonante (1950), Memória dum Pintor Desconhecido (1965), os poemas em francês Le Feu qui dort (1967), Terceira Idade (1982), o seu único romance Não há morte nem princípio (1969),os seus contos O Dia Cinzento (1944), Monólogo a Duas Vozes (1986) , a sua Autobiografia (1987) e o seu último livro, de contos,A morte é para os outros (1988).

Ao longo da sua vida foi um dos principais promotores e teorizadores do neorrealismo português, sendo assinalável a sua regular colaboração em jornais e revistas literárias para além da Presença, como Altitude, A Capital, Diário de LisboaO DiaboGazeta MusicalLiberdadeRepúblicaRevista de PortugalSeara Nova, O Tempo e o Modo ou Vértice. Foi ainda diretor de programas da RTP de dezembro 1975 a março de 1976.

Pintor desde 1941, usou os pseudónimos de Leandro Gil e José Alfredo Chaves, expondo em mostras coletivas desde a década de quarenta mas só em 1989 realizou a sua primeira exposição individual de pintura. Publicou também A Paleta e o Mundo,  obra editada em fascículos a partir de 1956 ( e até 1962) com orientação gráfica de Maria Keil que lhe valeu o Grande Prémio de Ensaio da Sociedade Portuguesa de Escritores (1963). Refira-se ainda que na sua obra pictórica pintou retratos dos seus contemporâneos, como Joaquim Namorado (1952),  Carlos de Oliveira e João José Cochofel (1988) ou José Gomes Ferreira (1989). Obteve também o troféu «Pintor do Ano» da Antena 1, em 1989.

Como cidadão, casou em 1940  com a sua antiga colega de curso Maria Letícia Clemente da Silva, de quem terá uma única filha, a escritora Eduarda Dionísio. Também se mostrou empenhadamente antirregime desde o início dos anos 30 do século passado, integrando o Movimento de Unidade Democrática (MUD), onde ficará responsável por estabelecer a ligação entre a sua Comissão de Escritores, Jornalistas e Artistas e o Partido Comunista Português, para onde entrará em 1945 e ficará até 1952. Na década de 60 frequentava ainda a tertúlia do Café Bocage, na Avenida da República, onde se encontrava com Augusto Abelaira, José Gomes Ferreira, Carlos de Oliveira, João José Cochofel,  e outros.

Mário Dionísio foi galardoado com o Prémio do Centro Português da Associação Internacional de Críticos, ex-aequo com Alexandre O’Neill, em 1982 e, nove anos depois, em 1991, o Museu do Neo-Realismo organizou em Vila Franca de Xira e em Lisboa, exposições e colóquios sobre os seus 50 Anos de Vida Literária e Artística. Finalmente, em setembro de 2008, familiares, amigos, ex-alunos, ex-assistentes, conhecedores e estudiosos da sua obra fundaram em Lisboa, na Rua da Achada, a Casa da Achada – Centro Mário Dionísio, que abriu ao público um ano depois.

Rua Mário Dionísio na Freguesia do Lumiar

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

Inaguração da Rotunda República da Colômbia na próxima sexta-feira, dia 19 de julho

Na próxima sexta-feira, dia 19 de julho, a Câmara Municipal de Lisboa vai inaugurar às 12:00 horas, a Rotunda República da Colômbia, na Freguesia do Parque das Nações.

A Câmara Municipal de Lisboa associa-se assim à celebração do bicentenário da independência e proclamação da República da Colômbia, para testemunhar nesta consagração toponímica a amizade entre os dois povos, cujas relações diplomáticas se iniciaram em 9 de abril de 1857, e especialmente, com a cidade de Bogotá, onde desde 1988 existe o Bairro Lisboa.

Simón Bolívar conduziu uma rebelião que culminou com a primeira Declaração de Independência em  20 de julho de 1810, data celebrada como o Dia da Independência da Nação. Seguiu-se em 1811 a proclamação das Províncias Unidas de Nova Granada, a que Fernando VII de Espanha respondeu com o enviou de forças militares para retomar o controlo da região, tendo restaurado o Vice-Reinado e perseguido implacavelmente os movimentos patrióticos, conseguindo assim uma longa guerra contra as forças pela independência, que só terminou em 7 de agosto de 1819, data em que foi proclamada a República da Grã-Colômbia, tendo sido seu primeiro Presidente Simón Bolívar que ganhou o epíteto de El Libertador.

© CML | DPC | NT | 2019

Os correspondentes José Régio e Jorge de Sena na toponímia de Lisboa

Na Livraria Leitura, no Porto, (da esquerda para a direita) Eugénio de Andrade, José Régio e Jorge de Sena (Foto: © CER)

José Régio tinha mais 18 anos que Jorge de Sena (que na Presença assinava como Teles de Abreu) mas tal não impediu que os dois escritores tivessem trocado inúmera correspondência ao longo da vida de ambos, que foi reunida por Mécia de Sena e editada pela primeira vez em 1986, tal como ambos se encontram homenageados na toponímia de Lisboa através da Avenida José Régio e da Rua Jorge de Sena.

Cinco meses após o seu falecimento, Jorge de  Sena  foi colocado como topónimo da Rua A da Quinta de Santa Clara à Ameixoeira, na  Freguesia de Santa Clara, enquanto na Rua B ficava Vitorino Nemésio, ambos através de Edital municipal de 20 de novembro de 1978.

De seu nome completo Jorge Cândido Alves Rodrigues Telles Grilo Raposo de Abreu de Sena (Lisboa/02.11.1919 – 04.06.1978/Santa Barbara – E.U.A.), que este ano cumpre o centenário de nascimento, foi um engenheiro de formação que se distinguiu com escritor e professor universitário, ensaísta e historiador da cultura, pelo que desde 2009 os seus restos mortais passaram a repousar em Lisboa, num jazigo do Cemitério dos Prazeres.

Em  março de 1938 era Jorge de Sena um Cadete da Escola Naval quando em foi demitido da Marinha por motivos políticos, tema que ele abordará em Sinais de fogo. Em 1944 concluiu a sua licenciatura em Engenharia Civil na Universidade do Porto e foi depois trabalhar para a Junta Autónoma de Estradas, de 1948 a 1959. Mas nesse mesmo ano de 1959, por causa da ditadura, partiu para o exílio e nunca mais regressou a Portugal a não ser para participação em eventos. Fixou-se no Brasil, receando as perseguições políticas resultantes de uma falhada tentativa de golpe de estado, a 11 de março desse ano, em que esteve envolvido.

No Brasil, Jorge de Sena exerceu como engenheiro e professor de engenharia  em algumas universidades, mas em paralelo doutorou-se em Letras, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara (em São Paulo) em 1964, momento a partir do qual fez uma reconversão profissional e se dedicou ao ensino da literatura. Em 1965, partiu com Mécia de Sena e os nove filhos de ambos, para os Estados Unidos da América, por temor do golpe militar ocorrido no Brasil no ano anterior e aí foi docente na Universidade de Wisconsin, onde se tornou  professor catedrático em 1967, passando depois para a Universidade de Santa Barbara (1970), onde também exerceu funções do diretor do Departamento de Espanhol e Português e do Programa de Literatura Comparada.

Na sua obra literária estreou-se em 1942  com Perseguição e construiu uma obra multifacetada que soma mais de vinte coletâneas de poesia, uma tragédia em verso, uma dezena de peças em um ato, mais de 30 contos, uma novela e um romance, cerca de 40 volumes dedicados à crítica e ao ensaio – com destaque para os estudos sobre Camões e Pessoa-, à história e à teoria literária e cultural -com trabalhos pioneiros sobre o Maneirismo-, ao teatro, ao cinema e às artes plásticas, sem esquecer que traduziu duas antologias gerais de poesia, da Antiguidade Clássica aos Modernismos do século XX assim como autores de ficção como Faulkner, Hemingway, Graham Greene, teatro de Eugene O’Neill e ensaios de Chestov. Do conjunto da sua obra, destacamos os títulos As evidências (1955), Metamorfoses (1963), Peregrinatio ad loca infecta (1969), O Indesejado (1951), Novas andanças do demónio (1966), Os Grão-Capitães (1976), O físico prodigioso(1977) e Sinais de fogo (1979). O seu espólio foi doado pela família à Biblioteca Nacional em 2009.

Jorge de Sena foi ainda cofundador do grupo de teatro Os Companheiros do Páteo das Comédias, em 1948, e colaborador, nesse mesmo ano, de António Pedro, no programa de teatro radiofónico Romance Policial, no Rádio Clube Português; conferencista; crítico de teatro e de literatura em diversos jornais e revistas; comentador de cinema; diretor de publicações como os Cadernos de Poesia e coordenador editorial da revista Mundo Literário; consultor literário da Livros do Brasil (em Lisboa) e da Editora Agir (no Rio de Janeiro).

 

Rua Jorge de Sena na Freguesia de Santa Clara

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

Nascidos em 1901: Nemésio e Régio em ruas lisboetas

Freguesia de Santa Clara

Vitorino Nemésio e José Régio, que ao longo das suas vidas se vão corresponder, nasceram no mesmo ano de 1901 e partilharam também a participação em revistas comuns: Nemésio pontificou na Presença de Régio a partir de 1930 e Régio publicou na Revista Portugal  de Nemésio. Refira-se ainda que Vitorino Nemésio publicou no jornal académico Gente Nova, em abril de 1927, uma crítica favorável ao primeiro livro de José Régio, Poemas de Deus e do Diabo.

Vitorino Nemésio Mendes Pinheiro da Silva (Ilha Terceira-Praia da Vitória/19.12.1901 – 20.02.1978/Lisboa), filho de Vitorino Gomes da Silva e de Maria da Glória Mendes Pinheiro, notabilizou-se como professor universitário da Faculdade de Letras de Lisboa, ensaísta, escritor e autor do famoso programa televisivo Se bem me lembro, estando desde o ano do seu falecimento na toponímia de Lisboa, através do Edital municipal de 20 de novembro de 1978, na Rua B da Quinta de Santa Clara à Ameixoeira, tendo ficado na Rua A o também escritor e professor universitário Jorge de Sena.

Na sua carreira académica, Vitorino Nemésio foi também diretor da Faculdade de Letras de Lisboa, de 1956 a 1958, bem como agraciado com o Doutoramento Honoris Causa pelas Universidades de Montpellier e do Ceará. Cumprido o serviço militar, como voluntário, a partir de 1919, concluiu o liceu em Coimbra, em 1921 e inscreveu-se no curso de Direito. Passados  três anos,  trocou pelo curso de Ciências Histórico-Filosóficas, e no ano seguinte voltou a mudar, desta feita para o curso de Filologia Românica, que concluiu em 1931 na Faculdade de Letras de Lisboa,  onde começou desde logo a ensinar Literatura Italiana e, mais tarde, Literatura Espanhola. Doutorou-se em 1934 com a tese A Mocidade de Herculano até à Volta do Exílio. Nemésio foi também professor na Universidade Livre de Bruxelas, entre 1937 e 1939, assim como no Brasil, em 1958. Publicou diversos ensaios de que se salientam Sob os Signos de Agora (1932), Relações Francesas do Romantismo Português (1936) ou Conhecimento de Poesia (1958).

Na carreira literária, Nemésio tanto foi poeta como prosador de crónicas ou romances. Se o seu primeiro livro publicado, como Régio, foi de poesia –Canto Matinal (1916) -, ele é o autor de obras incontornáveis como o romance Mau Tempo no Canal (1944) –  galardoado com o Prémio Ricardo Malheiros – ou as crónicas de Corsário das Ilhas (1956), para além da ficção Varanda de Pilatos (1926) ou Quatro prisões debaixo de armas (1971). Na poesia, destaquem-se as suas obras Eu, Comovido a Oeste (1940), Limite de idade (1972), Sapateia Açoriana, Andamento Holandês e Outros Poemas (1976) e o póstumo Caderno de Caligraphia e outros Poemas a Marga (2003).

Na comunicação social, Vitorino Nemésio construiu uma história longa: fundou e dirigiu as revistas  Estrela d’Alva (1916) e a Revista Portugal (1937); dirigiu o jornal O Dia (entre 11 de dezembro de 1975 a 25 de outubro de 1976); fundou a revista Tríptico (1924) com Branquinho da Fonseca e João Gaspar Simões, assim como a Gente Nova. Jornal Republicano Académico (1927) com Paulo Quintela, Cal Brandão e Sílvio Lima; foi redator de A Pátria, A Imprensa de Lisboa, Última Hora (1921), do Humanidade de Coimbra (1925); e ainda colaborou na revista Bizâncio (1923), na Seara Nova (1928), na Presença ( a partir de 1930), em O Diabo (1935), no Diário Popular (1946) com uma rubrica regular, na revista Vértice (1947) e na revista Observador (1971).

Na televisão ficou célebre pelo seu programa semanal Se bem me lembro, de meia hora em horário nobre, onde com uma postura descontraída, de 1970 a 1975, discorria sobre mentalidades e cultura em geral.

Vitorino Nemésio foi galardoado com o Grande Oficialato da Ordem da Infante D. Henrique (1961), o Prémio Nacional de Literatura (1965), o Prémio Montaigne (1974), a Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (1967) de que também recebeu,  a título póstumo, a Grã-Cruz (1978).

Freguesia de Santa Clara

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

A criação da Avenida Miguel Torga, que com Régio esteve na «Presença»

Freguesia de Campolide

Alunos da mesma Universidade de Coimbra, Régio e Torga foram elementos participativos da revista Presença, fundada nessa cidade em 1927 pelo primeiro, sendo ambos os poetas também topónimos de Avenidas lisboetas.

Em torno da Presença desenvolveu-se a segunda geração do Modernismo português, com a pretensão de prosseguir os ideais modernistas iniciados pela revista Orpheu, sem compromisso com correntes políticas ou religiosas e por uma arte livre e original. Aliás, se pegarmos em poemas emblemáticos de Pessoa, Régio e Miguel Torga –  «Lisbon Revisited» de Álvaro de Campos, «Cântico Negro» de José Régio  e «Livro de Horas» de Miguel Torga – podemos notar o tema comum do olhar relativo sobre a existência, da poesia que opõe a consciência individual à submissão coletiva, da reflexão sobre a condição humana quer pela negação dos sistemas predeterminados quer pela constatação da liberdade de escolha.

A Avenida Miguel Torga, com a legenda «Escritor/1907 – 1995», pelo Edital municipal de 19 de junho de 1995, consagrou no próprio ano do falecimento do escritor, na toponímia de Lisboa e na Freguesia de Campolide, Adolfo Correia da Rocha que escolheu Miguel Torga como pseudónimo, no ano de 1934, em homenagem a Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno a que uniu torga, uma planta da montanha que sobrevive com as usas raízes cravadas na rocha.

Adolfo Coelho da Rocha (São Martinho da Anta, Sabrosa, Trás-os-Montes/12.08.1907 – 17.01.1995/Coimbra), filho de Francisco Correia da Rocha e Maria da Conceição de Barros, que se fixou em Coimbra com consultório médico mas que ficou mais na memória dos portugueses pelos livros que escreveu, estudou na Faculdade de Medicina de Coimbra a partir de 1928, o mesmo ano em que publicou o seu primeiro livro, de poesia, Ansiedade. No ano seguinte, começou a colaborar na Presença, com o poema «Altitudes» mas em 1930 rompeu com a revista modernista e assumiu uma posição independente.  Em 1932, com Branquinho da Fonseca, funda a revista Sinal, e com Albano Nogueira, o periódico Manifesto, em 1936.

A sua vasta obra, de mais de cinquenta livros ao longo de seis décadas, inclui títulos de que se destacam na poesia como Rampa (1930), Abismo (1931), O Outro Livro de Job (1936), Cântico do Homem (1950),  Orfeu Rebelde (1958), Poemas Ibéricos (1965),e na ficção Pão Ázimo (1931), as colectâneas Bichos (1940), Contos da Montanha (1941), Novos Contos da Montanha (1944), o romance Vindima (1945), a  série de 5 volumes do romance autobiográfico A Criação do Mundo –  começada em 1937 – e os 16 volumes do seu Diário, cujo primeiro foi publicado em 1941, para além do teatro de Terra Firme (1941) e Mar (que acabou por refundir numa peça só) ou Sinfonia (1947) e O Paraíso (1949). Por isto, Miguel Torga foi agraciado, entre outros galardões, com o Prémio Diário de Notícias (1969), o Prémio Camões (1989) , o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores (1992) e várias vezes foi o indicado para Prémio Nobel da Literatura.

Em 1917, com dez anos, no Porto, servia de porteiro e moço de recados numa casa apalaçada mas foi despedido um ano passado por constante insubmissão e foi então enviado para o Seminário de Lamego, onde estudou português, latim, geografia e história. Em 1920, com treze anos, emigrou para o Brasil para trabalhar na fazenda do tio, em Minas Gerais, mas passados quatro anos o tio coloca-o a estudar no Ginásio Leopoldinense, onde se distingue. Depois, o  o tio propôs-se pagar-lhe os estudos como recompensa dos cinco anos de serviço, o que o levou a regressar a Portugal e a concluir os estudos liceais para vir a ser doutor em Coimbra, o que concretizou em 1933.

Como médico começou por exercer a profissão em terras transmontanas, em São Martinho da Anta, logo em 1933, para no ano seguinte se mudar para Vila Nova do concelho de Miranda do Corvo. Depois, já como otorrinolaringologista, vai estabelecer-se em Leiria, de 1939 a 1942, antes de se fixar em definitivo em Coimbra, com consultório no Largo da Portagem.

Na sua vida pessoal, casou-se com Andrée Crabbé em 27 de julho de 1940, que conhecera na casa de Vitorino Nemésio de Coimbra, de quem teve uma filha em 1955, Clara Rocha. Era  avesso à agitação e manteve-se sempre distante de movimentos políticos e literários, embora em 1979 tenha surgido a apoiar a candidatura de Ramalho Eanes à presidência da República.

O último poema de Torga publicado na Presença – Remendo – no nº 23, de dezembro de 1929                                                  (Imagem: © CER)

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

Dois Josés Maria inovadores na literatura presentes na toponímia de Lisboa

Avenida José Régio e Rua Ferreira de Castro -Freguesias de Alvalade e de Marvila

José Maria dos Reis Pereira e José Maria Ferreira de Castro são dois Josés Marias que a escrita uniu e se corresponderam, ambos presentes na toponímia de Lisboa, em artérias paralelas, o primeiro numa Avenida de Alvalade e de Marvila e o segundo, numa Rua de Marvila.

Quando Régio publicou o seu primeiro livro – Poemas de Deus e do Diabo – Ferreira de Castro na sua página «Livros e Autores» do jornal ABC (de Rocha Martins), logo em 22 de abril de 1926 deu conta da sua chegada, testemunhando que «É um poeta, um autêntico poeta, este José Régio que agora solta o primeiro grito desde o campo, até aqui silente, do seu anonimato. É um poeta original, aqui e ali irreverente – uma irreverência que não está mui longe da profundidade. (…) O seu “Poemas de Deus e do Diabo” é uma verdadeira revelação – a revelação de uma forte personalidade que não está volvida para cinzas arcaicas, mas sim para os torreões onde se desfraldam os mais novos e deslumbrantes estandartes literários.»

Ferreira de Castro e Régio também estiveram presentes no nº especial da Vértice de 1951 – comemorativo do 10º aniversário e do nº 100 da revista – assim como em 11 de novembro de 1966, com David Mourão Ferreira, Luís Amaro e Natália Correia, ambos assistiram à deposição dos restos mortais de António Botto num gavetão do Cemitério do Alto de São João.

Ferreira de Castro, o autor de A Selva – fruto da sua experiência como emigrante no Brasil-, está desde a publicação do Edital municipal de 28 de fevereiro de 1984 como o topónimo de Marvila. O mesmo Edital colocou numa rua da mesma freguesia a escritora brasileira Dinah Silveira de Queiroz. Cinco anos depois,  junto à Rua Ferreira de Castro nasceu a Rua como o nome da poetisa Luísa Neto Jorge e em 1997, paralela, surgiu a Avenida José Régio.

José Maria Ferreira de Castro (Oliveira de Azeméis- Ossela/24.05.1898 – 29.06.1974/Porto) foi um escritor e jornalista que se destacou por retratar na  sua obra a vida dos emigrantes no Brasil, nomeadamente no romance Os Emigrantes (1926) e em A Selva (1930), no qual narra a vida nos seringais da Amazónia inspirando-se na sua própria experiência de trabalho. A edição de A Selva no Brasil, em 1935, foi prefaciada por Afrânio Peixoto  e, em 2002, numa produção luso-hispano-brasileira, a obra foi adaptada ao cinema por Leonel Vieira. Ferreira de Castro foi considerado precursor do neorrealismo pela sua inovadora obra marcada pelo sofrimento e pobreza, em resultado da morte prematura do pai em 1906 e a sua experiência de emigração no Brasil desde os 12 anos, corria então o ano de 1910: viveu durante quatro anos como caixeiro no seringal Paraíso (em plena selva amazónica) e depois recorreu a trabalhos como colar cartazes em Belém ou ser embarcadiço em navios entre Belém e a Guiana Francesa. Ainda no seringal escreveu o seu primeiro romance Criminoso por ambição (1916)  que publicou em fascículos no Brasil.

«Alma Nova», dezembro de 1925

Do conjunto das suas 31 obras refiram-se ainda a peça A Alma Lusitana(1916), O Êxito Fácil (1923), Sangue Negro (1923),  A Metamorfose (1924)A Epopeia do Trabalho (1926)O voo nas Trevas (1927), Terra Fria (1934) – que foi Prémio Ricardo Malheiros da Academia das Ciências e também adaptada a filme de António Campos em 1992-  A Tempestade (1940), A Lã e a Neve (1947), O Instinto Supremo (1968) , Os Fragmentos (1974) e os dois volumes de  As Maravilhas Artísticas do Mundo (1959-1963), que receberam em 1965 Prémio Catenacci da Academia de Belas Artes de Paris. Duas das suas obras de 1936- O Intervalo e a peça Sim, uma Dúvida Basta, feita para o Teatro Nacional e censurada  por despacho governamental – só foram publicadas em 1974 e 1994.

Nos periódicos, colaborou no Jornal do Novos de Belém (1916); fundou e dirigiu com outro emigrante, João Pinto Monteiro, o semanário Portugal (1917)  e O Luso (1919), as revistas A Hora (1922) e Civilização (1928); colaborou nos jornais Imprensa Livre (1921), no «Suplemento Literário» do diário A Batalha e da revista Renovação (1925) da Confederação Geral do Trabalho anarco-sindicalista, no jornal O Século (1927), O domingo ilustrado e Ilustração (1934), o jornal O Diabo (1935) e o jornal carioca A Noite (1938). Em 1926 foi eleito presidente do Sindicato dos Profissionais da Imprensa de Lisboa.

Como cidadão, José Maria Ferreira de Castro denunciou os efeitos nefastos da censura sobre os escritores portugueses numa entrevista ao Diário de Lisboa em 1945, e nessse mesmo ano integrou a Comissão Consultiva e a Comissão de Escritores Jornalistas e Artistas do Movimento da Unidade Democrática (MUD). Em 1949, apoiou empenhadamente a candidatura de Norton de Matos à presidência da República. Em 1962, foi eleito por unanimidade presidente da Sociedade Portuguesa de Escritores, da qual era o sócio nº 2 e Aquilino o nº 1.

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de