A Rua do presidente da Associação Promotora da Indústria Fabril, Fradesso da Silveira

Freguesia de Alcântara
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Fradesso da Silveira, que no séc. XIX foi presidente da Associação Promotora da Indústria Fabril, executou um inquérito à indústria fabril e promoveu a Biblioteca das Fábricas, veio em 1888, treze anos após a sua morte,  a substituir o topónimo da Rua Alexandre Herculano, em Alcântara, um dos pólos industriais da Lisboa dessa época.

Em 1878, o Governo Civil de Lisboa determinou pelo seu Edital de 18 de janeiro atribuir a denominação Rua Alexandre Herculano ao «prolongamento do novo atêrro marginal do Tejo, desde a ponte sôbre a Ribeira de Alcântara até ao Largo das Fontaínhas», atendendo assim ao pedido da Câmara Municipal de Belém para homenagear o primeiro presidente daquele município. Nove anos passados, a deliberação da Câmara Municipal de Lisboa do último dia do ano de 1887 e o consequente Edital de 10 de janeiro de 1888, alterou esse topónimo para Rua Fradesso da Silveira, tanto mais que desde 6 de maio de 1882 que também dera existência em Lisboa a uma nova Rua Alexandre Herculano, agora no Bairro Barata Salgueiro, junto à Avenida da Liberdade.

Fradesso da Silveira n’ O Diário Illustrado, 16 de novembro de 1873

Joaquim Henriques Fradesso da Silveira (Lisboa/14.04.1825 – 26.04.1875/Lisboa) distinguiu-se como industrial e fundador a Gazeta das Fábricas mas sobretudo como presidente da Associação Promotora da Indústria Fabril de Lisboa, tendo promovido a edição da Biblioteca das Fábricas, que coligia pequenos e elucidativos opúsculos dos trabalhos que levara a cabo como Comissário Régio para o inquérito à indústria fabril.

Posteriormente, Fradesso da Silveira transferiu-se para a área das estatísticas industriais na Direcção-Geral de Estatística para além de se ter dedicado às questões do fomento industrial e da competitividade, tendo exercido também as funções de vogal do Conselho Geral do Comércio, Agricultura e Manufaturas. Na década de 1860 era também membro da secção industrial do Conselho Geral das Alfândegas, tendo realizado vários inquéritos destinados a avaliar a competitividade da indústria portuguesa face às suas congéneres europeias.

Fradesso da Silveira assentara praça na marinha em 1842 – onde foi condiscípulo de Carlos Testa – e em 1844 passou para a Infantaria do Exército, tendo depois conseguido por concurso a regência da cadeira de Física e Química da Escola Politécnica, onde se manteve até 1853 e à qual voltou em 1860, levando esta docência a fazê-lo publicar o Manual do curso de química elementar professado na Escola Politécnica (1846) e Lições de Óptica (1848).  Também dirigiu o Observatório Meteorológico de Lisboa, anexo à Escola Politécnica. Em 1853, desempenhou as funções de chefe da Repartição de Pesos e Medidas (da Comissão Central de Pesos e Medidas) o que lhe permitiu contribuir decisivamente para a adoção do sistema métrico em todo o país.

Joaquim Fradesso da Silveira que foi  casado com Maria Amália Cordeiro Feyo, filha do 1º Visconde de Fontainhas, também ao longo da sua vida manteve uma ligação próxima à imprensa escrita já que editou a  Revista Popular (1849-1851), organizou o Almanaque Popular,  o Diário Mercantil e a Gazeta do Povo, para além de colaborar na Revista Universal Lisbonense, no Jornal do Comércio e no Diário de Notícias, tendo sido ainda, enquanto membro do Partido Histórico, deputado por Lisboa em 1865 e 1866.

Freguesia de Alcântara
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

#EuropeForCulture

Anúncios

Costa Malheiro, a memória da informação meteorológica

Placa Tipo II

Placa Tipo II (Foto: Sérgio Dias)

Já que hoje se comemora o Dia Mundial da Meteorologia, recordamos a Rua Costa Malheiro que perpetua aquele que durante mais de 20 anos foi o rosto da informação meteorológica na televisão portuguesa.

A Junta de Freguesia de Santa Maria dos Olivais e a Casa do Pessoal do Instituto de Meteorologia solicitaram à edilidade alfacinha que o seu nome fosse incluído na toponímia de Lisboa, o que aconteceu pelo Edital de 26/12/2001, dando Costa Malheiro nome às Ruas 1, 2 e 3 à Avenida Doutor Alfredo Bensaúde, justamente na área da freguesia a que o meteorologista esteve toda a sua vida ligado.

António Pedro da Costa Malheiro (Lisboa/10.07.1933 -27.01.1998/Lisboa) nasceu na Freguesia de Santa Maria dos Olivais, onde em 1976 foi também autarca da Junta de Freguesia, para além de nesta mesma freguesia ter desenvolvido atividades a nível de organização de moradores e de promoção de ações desportivas para jovens.

Presidente do Instituto de Meteorologia, professor e perito da Organização Meteorológica Mundial, Costa Malheiro lançou o Curso de Meteorologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Brasil, onde foi docente de 1967 a 1973. Foi ainda, Diretor dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos de Macau, de 1991 a 1996, tendo aí preparado um serviço modelar para a transição do território.

na Freguesia de Santa Maria dos Olivais – futura Freguesia dos Olivais

Freguesia dos Olivais (Foto: Sérgio Dias)