Franklin

Benjamin Franklin
(Imagem de domínio público)

A Rua Franklim estava identificada como Rua nº 1 do Bairro América, urbanização então de construção recente na Quinta das Marcelinas à Rua do Vale de Santo António, quando a deliberação camarária em 25 de novembro de 1918 decidiu atribuir-lhe um topónimo referente a uma personalidade americana e ficando a ligar a Rua Fernão de Magalhães à Rua dos Cortes Reais, embora o Edital só tenha sido publicado 6 anos depois, em 17 de outubro de 1924.

Bairro América passou a conter os seguintes topónimos: «Que se denomine Bairro America, o bairro em construção na Quinta das Marcelinas na rua do Vale de Santo Antonio e que os respectivos arruamentos tenham as designações seguintes: o nº 1, rua Franklin; o nº 2, rua Washington [o primeiro presidente dos Estados Unidos da América]; o nº3, rua Ruy Barbosa [político e jornalista brasileiro que defendia o princípio da igualdade das nações]; o nº 4, rua Bolivar [Simon Bolívar que combateu o domínio espanhol na América do Sul, comandando as revoluções que promoveram a independência da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia]; a nº 5, rua do Costa Reais [refere-se à Rua dos Cortes Reais, família de navegadores portugueses que empreenderam navegações para o continente americano]; o nº 6, rua Fernão de Magalhães  [o primeiro navegador a fazer uma viagem de circum-navegação], e o nº7, rua Alvaro Fagundes [navegador português do século XVI que explorou a costa austral da Terra Nova]. Deliberação camararia de 25 de Novembro de 1918». Acrescente-se que os arruamentos Rua Bolivar e Rua Álvaro Fagundes nunca tiveram execução prática, embora, em 1971, o nome de Álvaro Fagundes tenha regressado para a toponímia lisboeta para dar nome à Rua C, à Rua General Justiniano Padrel.

Estadista, cientista e escritor norte-americano Benjamim Franklin (Boston/17.01.1706 – 17.04.1790/Filadélfia), lutou contra a escravatura e fez mesmo o Memorial para a sua abolição enquanto Presidente da Sociedade Pensilvaniana para além do seu papel preponderante na independência dos Estados Unidos da América. Franklin foi o porta-voz dos colonos junto dos ingleses; integrou a Comissão redatorial da Declaração da Independência; foi membro da Convenção para redigir a Constituição Nacional (1787); e assinou com a Grã-Bretanha o Tratado de Versalhes que reconhecia a independência das 13 colónias norte-americanas.

Benjamim Franklin foi ainda um cientista: demonstrou a identidade do raio e da electricidade e inventou o «para-raios», para além de ter sido compositor gráfico, publicado jornais (The New-England Courant), ter sido escritor (Poor Richard’s Almanac)  e o 1º representante do realismo norte-americano (O Sermão do pai Abraão).

Através da observação sistemática e da experimentação, após ter escrito sobre terramotos (1737), Franklin deu particular impulso às áreas da eletricidade e da meteorologia. No âmbito da primeira alcançou várias descobertas, nomeadamente, a existência de cargas positiva e negativa, demonstrou que os raios são um fenómeno de natureza elétrica, inventou o «para-raios», pesquisou sobre eletricidade estática, sendo também responsável pela criação de termos técnicos que são ainda utilizados, como «bateria» e «condensador». No domínio da meteorologia, abriu caminho a grandes avanços posteriores ao contribuir, através da observação, para a interpretação do desenvolvimento dos diferentes fenómenos atmosféricos no planeta terra, defendendo a teoria de que o movimento do tempo atmosférico depende das diferenças de pressão, facto que é considerado por muitos como a base da moderna meteorologia.

A sua intensa atividade em todos estes domínios foi influenciada pelo pensamento liberal e humanista e pelos debates científicos e políticos que então decorriam na Europa, para onde viajava com frequência, já anunciadores do princípio do primado da razão defendida pelo Iluminismo desde os finais do século XVII. Assim, B. Franklin, tal como Thomas Jefferson (1743-1826), estão entre as personalidades mais influentes e decisivas para o surgimento e afirmação do Iluminismo americano.

 

© CML | DPC | NT | 2019

Anúncios

Capitão Cook

Captainjamescookportrait

A Rua Capitão Cook é uma herança toponímica da Expo 98, subordinada  ao tema Os oceanos: um património para o futuro, fixando o nome deste capitão da Marinha Real Britânica  que foi  o primeiro a mapear a Terra Nova e cujas realizações no mapeamento do Pacífico, Nova Zelândia e Austrália mudaram as visões da geografia mundial.

A Expo 98 nomeou os arruamentos do evento com topónimos ligados aos oceanos, a navegadores e aos Descobrimentos Portugueses, aos aventureiros marítimos da literatura e banda desenhada mundial, a figuras de relevo para Portugal, a escritores portugueses ou títulos de obras suas e ainda juntou alguns ligados à botânica. Após a reconversão da zona em Parque das Nações foram oficializados 102 topónimos  pelo Edital municipal de 16/09/2009, e mais tarde, pelo Edital municipal de 06/05/2015, foram oficializados mais 60 topónimos do Parque das Nações Norte, onde se inclui esta Rua Capitão Cook, que liga o Passeio dos Heróis do Mar à Via do Oriente.

James Cook ( Inglaterra – Marton-in-Cleveland/07.11.1728 – 14.02.1779/Kealakekua) foi um capitão da Marinha Real Britânica que pela primeira vez fez um mapa da Terra Nova. Em 1770, Cook partiu da Nova Zelândia para descobrir a costa oriental da Nova Holanda (hoje Austrália), que ainda não tinha sido visto por nenhum europeu. Daí, navegaram para norte e ancoraram na baía Botânica. Cook concluiu três viagens para o Oceano Pacífico nas quais conseguiu o 1º contato europeu com a costa leste da Austrália e o Arquipélago do Havai, bem como a 1ª circum-navegação registada da Nova Zelândia. Também os estudos etnográficos de Cook sobre os povos das ilhas do Pacífico, da Nova Zelândia e da Austrália transmitiram aos europeus do século XVIII uma 1ª visão dessas áreas pouco exploradas da Terra.

James Cook começou a trabalhar em navios-carvoeiros pelas costas inglesas e aprendeu matemática, hidrografia e navegação praticamente sozinho. Alistou-se em 1755  na Marinha Real Britânica, participou da Guerra dos Sete Anos e foi rapidamente promovido. Em 1757 já era dono do seu próprio navio (o Pembroke) e em setembro de 1759, esteve ao lado do Capitão Wolfe durante a conquista de Quebeque (hoje Canadá). De 1760 a 1767 realizou o levantamento cartográfico do rio São Lourenço, do canal de Orleans, da foz do rio Hudson, da costa da Terra Nova e de Labrador. Os mapas que reuniu e seu relato de um eclipse solar mostraram sua competência, tornando-o forte candidato a comandar expedições científicas a mando da Coroa Britânica. Considerado o pai da Oceânia morreu na baía havaiana de Kealakekua em luta com os nativos durante a sua 3ª viagem exploratória na região do Pacífico.

© CML | DPC | NT | 2019

Newton

Busto de Newton na Academia das Ciências de Lisboa
(Foto: António da Silva Fernandes Duarte © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa)

 

A Rua Newton, proposta na reunião de Câmara de 17 de agosto de 1916 como Rua Lord Byron, no Edital de 24 do mesmo mês, passou antes a homenagear Newton, ficando assim perpetuada no Bairro de Inglaterra uma personalidade inglesa incontornável na área das ciências e do pensamento científico.

Isaac Newton (Woolsthorpe/25.12.1642 ou 04.01.1643 – 20.03.1726 ou 31.03.1727/Kensington), descobriu a Lei da Gravidade, a fórmula do Binómio, a lei da viscosidade e a natureza corpuscular da luz. Foi um cientista reconhecido como físico, matemático, astrónomo, alquimista, filósofo e teólogo, considerado por muitos como o pai da ciência moderna pelas suas descobertas notáveis.

Ao estudar no Trinity College de Cambridge, onde concluiu a sua formação em 1665, contactou com obras de Euclides, Descartes, J. Kepler, G. Galilei, entre outros, autores que se viriam a revelar decisivos, tendo mesmo dado continuidade aos trabalhos iniciados por Galilei, nomeadamente através do método experimental e desenvolvendo a teoria heliocêntrica. A interrupção forçada do seu percurso académico devido à peste negra que assolou Inglaterra e levou ao encerramento da universidade entre 1665 e 1667, revelou-se profícua para Newton pois corresponde ao período mais produtivo em termos das suas descobertas: o teorema binominal, o cálculo, a lei da gravidade (que ficará para sempre associada à descrição da suposta maçã que lhe caiu sobre a cabeça, facto que despertou a sua curiosidade para a sua compreensão) e, ainda, a natureza das cores.

Por ser um homem reservado e sem grande empatia social, as suas descobertas e trabalhos foram divulgados e conhecidos pela comunidade científica através do seu professor Isaac Barrow, o que chamou a atenção da Royal Society que na época era a instituição mais importante neste domínio.

Foi em 1668 que Newton inventou o telescópio refletor e não refrator como os existentes até então, que ficou conhecido como o “telescópio newtoniano”. Três anos depois publica a sua primeira obra intitulada Métodos das Fluxões. Foi, porém, o livro seguinte, publicado em 1687 em 3 volumes, que foi reconhecido e considerado um dos mais importantes na área científica – Principia (Philosophiae Naturalis Principia Matematica) – onde descreveu a lei da gravitação universal e as suas três Leis (Lei da Inércia, Lei Fundamental da Dinâmica, Lei da Ação-Reação) que fundamentam a mecânica clássica. Os seus estudos em torno da luz e da ótica foram o tema de um outro livro, Optica (1704), que foi escrito numa linguagem mais acessível alcançando assim um maior número de leitores. Também as suas pesquisas no domínio da matemática, em 1707, foram alvo de publicação – Aritmética Universal.

Newton também foi Professor em Cambridge, a partir de 1667; um dos dois membros da Universidade no Parlamento, em janeiro de 1689; presidente da Royal Society a partir de 1703 e reeleito ano após ano até falecer; e, o primeiro cientista a receber a honra de ser armado cavaleiro (Sir) pela rainha Ana, em 1705. Precursor do culto da razão e do espírito crítico e sustentando o seu conhecimento na experimentação, características indissociáveis do Iluminismo, o impacto do trabalho realizado por Isaac Newton foi muito para além do seu próprio tempo, alcançando grande impacto na história da ciência.

© CML | DPC | NT | 2019

Galileu Galilei

Galileu Galilei, considerado o pai da ciência moderna, desde 2008 que tem o seu nome perpetuado em Lisboa, na que era a Rua Sul (Centro Comercial Colombo). Pelo mesmo Edital de 3 de julho de 2008 a edilidade lisboeta evocou nas proximidades mais dois cientistas, com a Rua Albert Einstein (na Rua Norte) e a Rua Aurélio Quintanilha (na Rua Poente).

Galileu Galilei (Itália-Pisa/15.02.1564 — 08.01.1642/Florença-Itália) foi um catedrático de matemática, físico, astrónomo e filósofo italiano que deu início ao método científico como hoje o conhecemos, sem se basear já na metodologia aristotélica. As suas invenções e descobertas, desenvolvidas entre os séculos XVI e XVII, vieram alterar o conhecimento e a relação do homem com o mundo.

Galileu melhorou significativamente o telescópio refrator e com ele descobriu as manchas solares, as montanhas da Lua, as fases de Vénus, quatro dos satélites de Júpiter, os anéis de Saturno e as estrelas da Via Láctea, e como resultado destas observações publicou em 1610 Siderius Nuncius (Mensageiro das Estrelas). Estas descobertas contribuíram decisivamente para defender que era a Terra que girava à volta do Sol e não o contrário, sistema que já o astrónomo polaco Copérnico havia defendido. Em 1616, a Inquisição pronunciou-se contra a ideia do Sol ser o centro do Universo e considerou herética a teoria heliocêntrica, pelo que Galileu foi proibido falar do heliocentrismo como realidade física e foi convocado ao Tribunal do Santo Ofício, que concluiu que não existiam provas suficientes para concluir afirmar que a Terra se movia em volta do Sol e admoestou Galileu a abandonar a defesa da sua teoria heliocêntrica. Inconformado, Galileu Galilei publicou em 1632 o livro Dialogo di Galileo Galilei sopra i due Massimi Sistemi del Mondo Tolemaico e Copernicano (“Diálogo sobre os dois principais sistemas do mundo – o ptolemaico e o copernicano”), a defender o heliocentrismo, escrito originalmente em italiano e não em latim como era habitual à época tornando-o assim acessível a um universo mais vasto de leitores, para além dos seus pares, alguns dos quais viam com desconfiança as suas teorias. Esta obra foi incluída no Index (lista dos livros proibidos pela Igreja), pelo que foi julgado e condenado a prisão e a abjurar as suas ideias, tendo passado os seus últimos anos de vida em prisão domiciliária.

Galileu desenvolveu também os primeiros estudos sistemáticos do movimento uniformemente acelerado e do movimento do pêndulo, descobriu a lei dos corpos e, enunciou o princípio da inércia e o conceito de referencial inercial, ideias precursoras da mecânica de Newton, assim como inventou novos instrumentos como a balança hidrostática, um tipo de compasso geométrico que permitia medir ângulos e áreas, um termómetro que ficou conhecido pelo seu nome e, foi o precursor do relógio de pêndulo.

A atividade de Galileu Galileu permitiu avanços irreversíveis e foi ponto de partida para novos progressos científicos, sobretudo a partir do recurso ao método da experimentação sistemática cruzando teorias e práticas de vários domínios do saber.

© CML | DPC | NT | 2019

 

 

Trinta anos da Avenida Presidente Wilson em Lisboa, de 1918 a 1948

A Avenida Presidente Wilson em 1919
(Ilustração Portuguesa, 16 de Junho de 1919)

A Avenida Presidente Wilson existiu em Lisboa durante 30 anos, de 1918 a 1948, em homenagem ao Presidente dos Estados Unidos da América que declarou guerra à Alemanha em 1917, Thomas Woodrow Wilson.

Essa artéria foi somando topónimos ao logo do tempo. Foi a Rua Duque de Terceira que nascia na Rua 24 de Julho e pelo Edital municipal de 28 de Dezembro de 1889 passou a ser denominada Rua Dom Carlos I, ainda em vida do homenageado. Após a implantação da República, por Edital de 5 de novembro de 1910, passou a ser a Avenida das Cortes, em louvor deste  órgão de representação nacional, o órgão do poder legislativo.  Depois, o Presidente dos Estados Unidos da América, Thomas Wilson, fez a entrada formal do seu país na I Guerra Mundial, com a declaração de guerra à Alemanha em abril de 1917 e logo no ano seguinte, por deliberação camarária de 19 de setembro e consequente Edital de 24 de setembro de 1918, a edilidade lisboeta trocou o nome da Avenida das Cortes por Avenida do Presidente Wilson, em vida do presidente homenageado que faleceria cerca de 6 anos depois.

Thomas Woodrow Wilson (E.U.A. – Staunton/28.12.1856-03.02.1924/Washington – E.U.A.), foi o Presidente dos Estados Unidos da América de 1912 a 1921 e enquanto tal, foi o responsável pela declaração de guerra à Alemanha em 1917. Cerca de dois meses após o Presidente Wilson ser um topónimo lisboeta foi assinado o Armistício, em Compiègne, em 11 de novembro de 1918, e a Ilustração Portuguesa noticiou na sua edição seguinte, de dia 18 de novembro , «Acabou a guerra, acabou a guerra! Foi o grito unanime, vibrante de entusiasmo, louco de alegria, que reboou no dia 11 por toda a cidade, ao saber-se que o ‘Seculo’ afixára, no seu placard e nos placards das suas sucursaes, o radiograma recebido ás 10 horas sobre a assinatura do armisticio que, finalmente, se realizará às 5 horas da madrugada d’esse dia.

Em 1919, este presidente dos Estados Unidos da América  recebeu o Prémio Nobel da Paz, pelo seu papel crucial na fundação da Sociedade das Nações, também conhecida por Liga das Nações, cujo papel seria o de assegurar a paz e por isso se extinguiu após deflagrar a II Guerra Mundial, tomando depois o seu papel a ONU – Organização das Nações Unidas.

Voltando à Avenida Presidente Wilson, passados 30 anos sobre o seu Edital de atribuição, em 1948, a edilidade lisboeta decidiu alterar este topónimo para Avenida D. Carlos I, ao mesmo tempo que atribuía ao Presidente Wilson uma Rua – a Rua D1 do plano de urbanização da zona compreendida entre a Alameda Dom Afonso Henriques e a linha férrea de cintura – na então freguesia de São João de Deus (hoje, freguesia do Areeiro), tudo através do Edital municipal de 23 de dezembro de 1948.

A Avenida Presidente Wilson em 1930
(Foto: Ferreira da Cunha, Arquivo Municipal de Lisboa)

A rua do pintor ibérico Sanches Coelho ou Sánchez Coello

Freguesia das Avenidas Novas
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Sanches Coelho, o pintor retratista do século XVI, português segundo uns ou espanhol de acordo com outros, conhecido como o Ticiano Português é o topónimo de uma artéria da Freguesia das Avenidas Novas desde 1972, que hoje encontramos a unir a Avenida das Forças Armadas à Rua da Cruz Vermelha.

Uma informação da Escrivania municipal deu conta à Comissão Municipal de Toponímia que os nomes de Sanches Coelho, Frei António Brandão, Inocêncio Francisco da Silva, Dom António Caetano de Sousa, General José Paulo Fernandes e Dom João II haviam tido deliberações municipais de 23 de março de 1932, 14 de abril de 1932 e 12 de abril de 1934 mas que esses arruamentos nunca chegaram a ter execução, e daqui surgiu  que Sanches Coelho e os três seguintes fossem atribuídos pelo Edital municipal de 1 de fevereiro de 1972, tendo cabido ao pintor a Rua A à Avenida 28 de Maio a que já em 2009, pelo Edital de 16 de julho, se acrescentou a Rua D no prolongamento da Rua Sanches Coelho do Loteamento da Avenida das Forças Armadas.

O homenageado é o pintor Afonso Sanches Coelho ou Alonso Sánchez Coello, que terá nascido em Benifairó (Valência, Espanha) entre 1529 e 1532 e falecido em Madrid entre 1588 e 1590, sendo certo que foi muito apreciado tanto na corte de Lisboa como na de Madrid e pelos seus retratos conhecido em diversas cortes europeias.

Supõe-se que terá viajado para Lisboa na sua juventude e assim foi na capital portuguesa que iniciou a sua formação artística. Sabido é que se tornou protegido de D. João III, que adorava os seus quadros e por isso mesmo o enviou para a Flandres para completar a sua formação, com o já reconhecido pintor António Moro, que foi o mestre que mais o marcou e influenciou. Julga-se que também terá estudado com Rafael Urbino, em Roma.

Há quem garanta que era conhecido como o Ticiano Português, nome que lhe terá sido dado por Filipe II,  como há quem defenda que foi o mais proeminente pintor do Renascimento espanhol e grande retratista da corte de Filipe II, monarca que muitas vezes retratou e para quem trabalhou a partir de 1555 e que enviou os seus quadros a todas as cortes europeias, sendo certo que Sanches Coelho também retratou D. Sebastião em 1562.

A exemplo de Ticiano, os retratos em tela de Sanches Coelho destacam-se pelo consistente detalhe dos trajes e dos seus tecidos, pela imponência do escuro e pela penetração psicológica do modelo retratado, como se pode observar, por exemplo na obra  Infantas Isabel Clara Eugénia e Catalina Micaela (1568).

Segundo Cyrillo Volkmar-Machado escreveu no séc. XIX, o pintor teve uma filha nascida em 1564 em Espanha, de nome Isabel Sanches, que foi sua discípula em pintura.

A obra deste pintor está representada no Museu do Prado (em Madrid) e no Museu Nacional de Arte Antiga (em Lisboa).

Freguesia das Avenidas Novas
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Rua Vicente Borga onde nasceu a Severa

Freguesia da Estrela (Foto: Ana Luísa Alvim)

Freguesia da Estrela
(Foto: Ana Luísa Alvim)

No coração da Madragoa, na quinhentista Rua da Madragoa, nasceu em 1820 a fadista Severa , mas 39 anos depois, o Governo Civil de Lisboa renomeou-a como Rua Vicente Borga, perpetuando o alemão Vicente Borchers que no século anterior havia morado naquele arruamento.

A Rua Vicente Borga que  nos nossos dias une a Travessa do Pasteleiro à Rua das Trinas, fixa na memória de Lisboa o negociante alemão Vicente Borchers que no séc. XVIII,  após ter casado com Maria Clara Sousa Peres, passou a ser morador da antiga Rua da Madragoa.

Nesta artéria, no nº 33, nasceu no dia 26 de julho de 1820, Maria Severa Onofriana, filha de Ana Gertrudes Severa (conhecida como a Barbuda) e de Severo Manuel de Sousa. Por isso, no dia em que se celebrava o 193º aniversário do nascimento da fadista, a Câmara lisboeta e a Junta de Freguesia de Santos-O-Velho colocaram uma placa evocativa no prédio do evento com os seguintes dizeres: «Neste local/ onde sua mãe tinha uma taberna/ segundo a tradição nasceu/ em 26 de Julho de 1820/ a mítica fadista/ Maria Severa Onofriana».

Segundo José Silva Carvalho, que colheu testemunhos orais dos moradores mais antigos da Madragoa, a taberna da mãe da Severa ficava no edifício de esquina da Travessa das Inglesinhas, 14 com a Rua Vicente Borga, 33 a 35, tendo a Severa tinha nascido no nº 33 e afirmando-se também que por aqui terá vivido até aos 8 anos.

De acordo com Norberto de Araújo, esta artéria denominava-se no séc. XVI  Rua das Madres de Goa. Na planta da remodelação paroquial de 1770 ainda aparece registada como Rua da Madragoa. Segundo Gomes de Brito, tinha o topónimo Rua da Madragoa sido aposto em 1802 pela Administração Geral dos Correios, quando era destes a competência para a denominação dos arruamentos.  Ainda de acordo com este último olisipógrafo o topónimo foi alterado pelo Governo Civil de Lisboa, em 9 de julho de 1859, para Rua Vicente Borga, por ter confundido a palavra Madragoa com mandrágora: «É conhecido o motivo da substituição, que se prende a razões de moral pública, pôsto que o vocábulo substituido nada tenha de menos decoroso, e resulta apenas de um mal entendido. O que , provàvelmente se quis, com efeito, fazer denominação desta rua foi o vocábulo ‘Mandrágora’, que a Corografia de Carvalho da Costa (1712), por infeliz lapso de revisão, estropiou.» 

Freguesia da Estrela (Foto: Ana Luísa Alvim)

Freguesia da Estrela
(Foto: Ana Luísa Alvim)

A Rua do Almirante genovês de D. Dinis

Freguesia de Santa Maria Maior
(Foto: Artur Matos)

Manuel Pessanha, o navegador genovês que D. Dinis contratou para dirigir a frota portuguesa no séc. XIV, é o homenageado na Rua do Almirante Pessanha, na Freguesia de Santa Maria Maior.

Esta artéria, que nos nossos dias liga a Calçada do Sacramento ao Largo do Carmo, era a Travessa do Sacramento, até o Edital do Governo Civil de Lisboa de 01/09/1859 passar a denominá-la Travessa do Sacramento do Carmo e já no séc. XX, a edilidade republicana, por Edital municipal de 4 de abril de 1925, tornou-a Rua do Almirante Pessanha, resgatando a memória de por ali ter existido o Bairro do Almirante.

Freguesia de Santa Maria Maior
(Foto: Artur Matos)

Emanuele Pessagno, italiano nascido em Génova no último quartel do século XIII,  era um navegador com quem D. Dinis celebrou um contrato de vassalagem em 1 de fevereiro de 1317, para dirigir as construções navais e a frota portuguesa em tempos de paz e de guerra, recebendo o título de Almirante-Mor, bem como um bairro inteiro em Lisboa – no lugar da Pedreira – que ficou conhecido como Bairro do Almirante, delimitado entre as Portas de Santa Catarina (hoje Rua Garrett ) e a Calçada da Glória, descendo até Valverde (hoje Praça D. Pedro IV) e contornando a Rua Larga de S. Roque (hoje Rua da Misericórdia)  e a Rua de São Pedro de Alcântara, que grosso modo corresponde ao que foi a freguesia do Sacramento. Tinha ainda direito à quinta parte das presas de guerra – que tomasse aos inimigos da fé ou aos inimigos do reino -, mais uma tença anual de 3 mil libras que em 1322 foi acrescida de mais mil libras. Em 14 de abril de 1319 foi ainda equiparado a Alcaide de Lisboa e em setembro recebeu a doação do reguengo de Algés  e da vila de Odemira.

Julga-se que durante o reinado de D. Afonso IV, Micer Manuel Pessanha comandou os navios portugueses que atingiram as Canárias, a Madeira e os Açores e terá elaborado os primeiros registos cartográficos destas ilhas que, posteriormente foram re-descobertas por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira.

Os seus filhos sucederam-lhe nas funções e benesses, conforme estipulado no contrato entre o Almirante Pessanha e o rei português. Do seu primeiro casamento, com Genebra Pereira, filha de Gomes de Alpoim, teve o primogénito Carlos Pessanha que foi o 2.º Almirante-Mor do Reino de Portugal (1342), Bartolomeu Pessanha que foi o 3.º Almirante-Mor (1342 – 1356) e Leonor Gomes que depois de viúva foi Comendadeira da Ordem de Avis no Mosteiro de Santos. Do seu segundo casamento, com Leonor Afonso da Franca, filha de Lanzarote da Franca, teve Lançarote Pessanha que foi o 4.º Almirante-Mor do Reino (1356, 1357-1364, 1367-1373 e 1383-1384), Manuel Pessanha que foi o  6.º Almirante-Mor (1385) , Antão Pessanha que foi um escudeiro morto em Aljubarrota, Simoa da Franca, Carlos Pessanha que foi o 7º (1387) e ainda, Diogo Pessanha.

Freguesia de Santa Maria Maior
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Rua do Convento de Santa Marta de Jesus

Freguesia de Santo António
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Do Asilo de Santa Marta de Jesus, fundado no séc. XVI, mais tarde instituído como Convento, nasceu a Rua de Santa Marta.

Já no séc. XIX, o Edital do Governo Civil de Lisboa de 01/09/1859 incorporou a Rua de Santa Joana na Rua de Santa Marta. E em 1926, face aos pedidos insistentes da Junta de Freguesia de Camões para substituir a nomenclatura da Rua de Santa Marta, por deliberação de Câmara de 31 de maio de 1926 passou a denominar-se Rua Alexandre Braga, embora quase quatro meses depois, pelo edital municipal de 14 de setembro desse mesmo ano,  voltou a designar-se Rua de Santa Marta, ao mesmo tempo que colocava o topónimo Alexandre Braga «á rua sem nome que, partindo da Rua José Estevam e ao norte do Jardim Constantino, vai ligar-se com a Rua Dona Estefânia».

Freguesia de Santo António
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

O Asilo de Santa Marta de Jesus foi criado para acolher e tratar as filhas das vítimas da Grande Peste de Lisboa de 1569, a pedido do Padre António de Monserrate, representante dos Padres de São Roque, da Companhia de Jesus. Depois de 1577, os padres jesuítas pediram a passagem do recolhimento a Mosteiro e em 1583, o arcebispo de Lisboa D. Jorge de Almeida, autorizou a instituição de um convento de religiosas franciscanas clarissas, sob a invocação de Santa Marta, sendo fundadoras 3 religiosas vindas do Convento de Santa Clara de Santarém. Em 1612 teve início a construção da igreja do Convento que está classificada como Imóvel de Interesse Público desde 1946.

Refira-se que em 1693, residindo a rainha viúva de Inglaterra, D. Catarina de Bragança, no palácio dos Condes de Redondo, contíguo à igreja conventual, foi aberta uma tribuna sobre a capela-mor para que a soberana aí pudesse assistir às celebrações mas que foi fechada assim que D. Catarina se instalou no Paço da Bemposta, originando o topónimo Paço da Rainha.

Na descrição corográfica de arruamentos anteriores ao terramoto, a Rua de Santa Martha surge já na freguesia de S. José. O Convento de Santa Marta foi um de 11 entre os 65 conventos existentes em Lisboa que, não obstante os danos do Terramoto de  1 de novembro de 1755, se mantiveram habitáveis.

Após a extinção das ordens religiosas pelo Decreto de 30 de maio de 1834, o Convento de Santa Marta após a morte da  última religiosa em 15 de dezembro de 1887, foi alvo de obras de adaptação para começar a funcionar ao serviço da saúde em 1890, com a designação de Hospício dos Clérigos Pobres, já que desde o ano anterior havia sido cedido a essa Irmandade, para albergar as vítimas de um grande surto de gripe que alvoroçou a cidade e posteriormente, ficou como hospital de doenças venéreas. Em 1903 passou a ser um Hospital dependente do governo, inicialmente como anexo ao Hospital de São José. Em 1910 foi atribuída oficialmente ao Hospital de Santa Marta a função de Escola Médico Cirúrgica de Lisboa assumindo um importante papel no ensino da Medicina em Lisboa, função que manteve até 1953, data em que a clínica universitária foi transferida para o novel Hospital de Santa Maria, voltando o Hospital de Santa Marta para o grupo dos Hospitais Civis de Lisboa. Foi considerado como uma das principais escolas de Medicina Interna durante a segunda metade do séc. XX com Carlos George, bem como ganhou diferenciação na área cardio-vascular com a inovação trazida por Machado Macedo.

Marta era a irmã de Maria e de Lázaro, que foi ressuscitado por Jesus a seu pedido. A devoção a Santa Marta remonta à época das Cruzadas e partiu de França, onde segundo uma lenda, Marta, Maria e Lázaro teriam terminado os seus dias. Santa Marta era muito popular na comuna francesa de Tarrascon já que, segundo a tradição, aí estrangulara Tarasca, um monstro que devorava animais domésticos e crianças. Santa Marta é a patrona das cozinheiras.

Ainda na Freguesia de Santo António, encontramos mais dois topónimos evocativos de Santa Marta: o Beco de Santa Marta, junto ao nº 26 da Rua de Santa Marta, bem como a Travessa de Santa Marta que o Edital do Governo Civil de Lisboa de 01/09/1859 escolheu para ser a nova denominação da Travessa das Freiras.

Freguesia de Santo António
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)