A Avenida Doutor Alfredo Bensaúde que poderia ter sido Avenida 25 de Abril

Freguesia dos Olivais
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida Doutor Alfredo Bensaúde poderia ter sido Avenida 25 de Abril caso tivesse sido aceite a sugestão Almerindo Martins da Cruz, endereçada por carta à edilidade.

Esta proposta foi analisada na reunião da Comissão Municipal de Toponímia de 20 de dezembro de 1974 e também incluía o pedido de mudança da Avenida 28 de Maio para Avenida 28 de Setembro e da Avenida dos Combatentes para Avenida das Forças Armadas. O primeiro Edital municipal relativo a toponímia, publicado após o 25 de Abril, de 30 de dezembro de 1979, concretizou a mudança da Avenida 28 de Maio para Avenida das Forças Armadas. Sobre a mudança de topónimo da Avenida Doutor Alfredo Bensaúde a Comissão deliberou que «será futuramente considerada, quando se julgar pertinente». O 25 de Abril acabou por ser topónimo lisboeta por ocasião do aniversário do 25º aniversário do 25 de Abril, como Praça 25 de Abril, atribuída pelo Edital municipal de 22/04/1999, na freguesia de Marvila.

Na sequência de solicitações de J. Sequeira bem como de António Emídio, a Avenida Doutor Alfredo Bensaúde havia sido atribuída à Rua I Circular, no troço compreendido entre a Praça de Acesso à Auto-Estrada do Norte e Moscavide,  por Edital municipal de 21/08/1968, com a legenda «Professor e homem de ciência/1856-1941», estendendo-se hoje entre a Praça José Queirós e a Avenida Cidade do Porto.

Alfredo Bensaúde ( Ponta Delgada/04.03.1858 – 02.01.1941/Ponta Delgada), formado na Escola Técnica Superior de Hanover, na Escola de Minas de Clausthal  onde se fez engenheiro de minas em 1878, e na Universidade de Gottingen onde se doutorou em Mineralogia em 1881, tornou-se a partir de 1884 e até 1910, professor de Mineralogia e Geologia no Instituto Industrial e Comercial de Lisboa e introduziu os métodos laboratoriais no ensino, revolucionando a forma de ensino dessas disciplinas. A ele se deve também a introdução em Portugal do ensino da Cristalografia e das técnicas de Petrografia. A convite de Brito Camacho, que era então Ministro do Fomento, foi o primeiro diretor do Instituto Superior Técnico,  de 1911 a 1922, exercendo também como docente, tendo tido assim a oportunidade de renovar os métodos de ensino da Engenharia no nosso país. A partir de 1924 foi nomeado Diretor Honorário. Das suas diversas publicações são de destacar Da Incongruência Entre a Observação e a Teoria em Alguns Cristais Cúbitos (1884), os seus  Relatórios sôbre vários jazigos minerais de Portugal, os Estudos sobre o sismo do Ribatejo de 23 de Abril de 1909  (1912) com o geólogo Paul Choffat e ainda, as Notas Histórico-Pedagógicas sobre o Instituto Superior Técnico (1922).

Com a morte do seu pai em 1922 retirou-se para Ponta Delgada, para assumir a administração da empresa industrial paterna e escreveu a biografia dele –  Vida de José Bensaúde -, publicada em 1936. Foi casado com Jeanne Oulman Bensaúde, autora de livros pedagógicos e infantis, bem como pai da bióloga Matilde Bensaúde, também desde 2016 homenageada na toponímia de Lisboa numa artéria próxima. 

Refira-se ainda a sua paixão pela construção e restauro de violinos, tendo construído o seu primeiro em 1874 e imprimido diferença nos que fazia através do verniz de produção própria que aplicava, bem como pela simetria na curvatura dos tampos. Chegou mesmo a interromper os estudos no ano letivo de 1874/1875 para aprender a arte de construir violinos. Na área musical também publicou, em 1905,  Uma concepção evolucionista da música e As canções de F. Schubert.

 

 

A Avenida Sidónio Pais que esteve para ser trocada por outra figura republicana

Avenida Sidónio Pais – Freguesia das Avenidas Novas
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida Sidónio Pais foi uma das artérias que após o 25 de Abril recebeu diversos pedidos de alterações, nomeadamente que fosse Avenida Doutor Afonso Costa, e parte dela chegou a ser, no papel, a Avenida Bernardino Machado.

Logo na 2ª reunião da Comissão Municipal de Toponímia após o 25 de Abril, em 20 dezembro de 1974, foi analisada uma carta do cidadão Alberto Bastos Flores na qual este solicitava que a Avenida Sidónio Pais passasse a ter a Doutor Afonso Costa como denominação. De igual modo, apontava mais pedidos de alterações e sugeria como possíveis futuros topónimos lisboetas os nomes de Abel Salazar, António Sérgio,  Catarina Eufémia, Cuba, Ferreira de Castro e Jaime Cortesão, tendo a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa registado e respondido que «irá considerá-las na devida oportunidade. Entretanto, entende desde já pertinente que o topónimo Praça do Ultramar seja alterado para Praça das Novas Nações, justificando dessa forma, os topónimos que a rodeiam, como Rua de Timor, Rua de Angola, Rua de Moçambique e outros.»

Em relação ao nome de Afonso Costa, um dos Primeiros Ministros da I República, no tempo da Presidência de Bernardino Machado, a 2ª Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa pós-25 de Abril, na sua reunião de 29 de junho de 1976, sugeriu que fosse o topónimo para o arruamento situado a Norte do Parque Eduardo VII, entre a Avenida Sidónio Pais e a Rua Castilho ( que desde 1982 é a Alameda Cardeal Cerejeira), mas já após as eleições autárquicas que colocaram Aquilino Ribeiro Machado como o 1º Presidente eleito da CML após o 25 de Abril, a Comissão de Toponímia sugeriu que ficasse antes num arruamento com maior extensão «que, partindo da Praça do Areeiro segue para Nascente e é vulgarmente designada por prolongamento da Avenida João XXI», que antes havia estado pendente para ser a Avenida Humberto Delgado.

Também na reunião de 6 de julho de 1976, a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa indicou o troço da Avenida Sidónio Pais compreendido entre a Avenida Afonso Costa e a Rua Marquês de Fronteira para ser a  Avenida Bernardino Machado, com o a legenda « 1851 – 1944». Contudo, as atas são omissas em relação ao desenvolvimento desta hipótese e Bernardino Machado acabou por ser homenageado numa Praça da freguesia do Lumiar em 1985.

Freguesia das Avenidas Novas – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida de Sidónio Pais, que liga a Avenida Fontes Pereira de Melo à Rua Marquês de Fronteira, é um arruamento nascido do Edital municipal de 22 de junho de 1948 no que antes era identificado como arruamento a Oriente do Parque Eduardo VII entre a Avenida Fontes Pereira de Melo e a Rua Marquês de Fronteira.

Sidónio Bernardino Cardoso da Silva Pais (Caminha/01.05.1872 – 14.12.1918/Lisboa), conhecido como o Rei-Presidente, falecera cerca de 30 anos antes em plena Estação do Rossio,  vítima de um atentado. Militar de carreira, também era licenciado em Matemáticas, pela Universidade de Coimbra, onde aderiu à causa republicana. Após a implantação da República em 1910, foi eleito deputado à Constituinte que elaborou a Constituição Portuguesa de 1911; Ministro do Fomento do Governo de  João Chagas (1911); Ministro das Finanças (1911-1912); embaixador de Portugal em Berlim (1912- 1916), até à declaração de guerra da Alemanha a Portugal.

Regressado a Portugal, mostrou-se como figura principal de contestação ao Governo do Partido Democrático e encabeçou o golpe de estado de 5 de dezembro de 1917, tomando posse como Presidente do Ministério no dia 11 e acumulando as pastas da Guerra e  Negócios Estrangeiros, para além de a partir de dia 27 assumir ainda as funções de Presidente da República, num regime que designou como República Nova. A 9 de Maio do ano seguinte foi eleito Presidente da República por sufrágio direto, considerando que apesar do desaire da Batalha de La Lys e de problemas sociais e económicos  Sidónio Pais conseguia apoio popular com a  distribuição da sopa dos pobres (conhecida como Sopa do Sidónio) ou  a visita a hospitais na altura da Gripe Espanhola. No entanto, muitos o o consideravam um traidor aos ideais da República pelo que no 1º aniversário do golpe de estado que o colocou no poder sofreu um atentado de que escapou, para 9 dias depois falecer, a tiro, noutro, na Estação do Rossio.

Freguesia das Avenidas Novas
(Planta: Sérgio Dias)

 

Os primeiros dois princípios da Comissão e o 1º Edital de Toponímia pós 25 de Abril

 

Quando os Editais municipais não eram feitos a computador e fotocopiadora mas impressos na Imprensa Municipal de Lisboa, o primeiro Edital municipal sobre toponímia pós 25 de Abril, com 850 exemplares, saiu no penúltimo dia no ano de 1974,  em resultado dos pareceres da reunião da Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa de 15 de novembro de 1974 e conforme as instruções recebidas da Secretaria de Estado da Administração Interna sobre alteração de topónimos, após aprovação de proposta em sessão de Câmara.

De acordo com o princípio «de eliminação dos nomes afrontosos para a população, pela sua última ligação ao antigo regime» esse primeiro Edital, mudou o nome da Avenida Vinte e Oito de Maio para Avenida das Forças Armadas, da Avenida Marechal Carmona para Avenida General Norton de Matos e da Rua General Sinel de Cordes para Rua Alves Redol.

De igual modo, na sequência de um despacho do então Presidente da edilidade, Engº Caldeira Rodrigues, no qual solicitava o «parecer da Comissão sobre a consagração na toponímia citadina, de nomes que a opinião pública impõe como Ribeiro Santos, Alves Redol, Bento Gonçalves e outros» foi alterada o nome da Calçada de Santos para Calçada Ribeiro Santos, tanto mais que o homenageado morara no Largo de Santos e de lá saíra o seu funeral em 1972, após ter sido morto por agentes da PIDE. Também considerando uma carta de várias centenas de munícipes solicitando que a Estrada de Malpique se denominasse Rua Dr. João Soares, «em homenagem ao falecido professor e educador, pai do actual Ministro Mário Soares», também a Estrada de Malpique  deu lugar à Rua Dr. João Soares.

A Comissão Municipal de Toponímia aprovou ainda duas linhas ou princípios de orientação fundamentais.

Uma delas delineava a substituição de topónimos pela necessidade de eliminação dos nomes afrontosos para a população dada a sua ligação ao Estado Novo. Salvaguardava-se que fossem ponderados os prejuízos para os munícipes, serviços da Câmara, serviços públicos e particulares; que não fossem eliminados topónimos populares tradicionalmente consagrados; que não se usassem nomes de personalidade ainda vivas, nem designações com carácter ou apologia partidária, nem as que contivessem elementos atentatórios e ofensivos da dignidade das instituições vigentes.

A outra, apontava para a participação da população nas decisões autárquicas, considerando que «Dado que os topónimos de Lisboa têm um interesse citadino de carácter e interesse geral, antes da substituição ou inicial colocação de qualquer placa toponímica proceder-se-á à pública divulgação da decisão nesse sentido tomada pela Comissão Consultiva de Toponímia, de modo a que a população de Lisboa e os seus organismos e instituições se possam pronunciar no prazo de quinze dias, contados a partir dessa pública divulgação» e acrescentando mais um prazo de 15 dias  para a Comissão de Toponímia conjuntamente com o executivo da Câmara decidir sobre as reclamações surgidas, consultando as Juntas de Freguesia ou outra instituição julgada conveniente.

Além das alterações e nomes solicitados que deram corpo ao 1º Edital de toponímia pós 25 de Abril são de referir como mais solicitados na época a alteração dos nomes da Rua António Maria Cardoso, Rua Agostinho Lourenço, Avenida Sidónio Pais, Avenida Dom Carlos Primeiro, Avenida dos Combatentes, Praça do Príncipe Real, Rua Quirino da Fonseca e Rua de São Lázaro. De igual forma, os nomes mais frequentemente sugeridos para inclusão na toponímia de Lisboa foram, por ordem alfabética, Abel Salazar, Afonso Costa, António Sérgio, Aquilino Ribeiro, Bento Gonçalves, Catarina Eufémia, Cuba, Dias Coelho, Ferreira de Castro, Humberto Delgado, Jaime Cortesão, Manuel Rodrigues da Silva, Presidente Salvador Allende, Professor Egas Moniz, Soeiro Pereira Gomes, Vinte de Abril  e Vinte e Cinco de Abril, tendo a maioria deles sido colocados como topónimos lisboetas.

 

A Avenida dos Combatentes da Grande Guerra atribuída em 1971

Freguesias das Avenidas Novas, de São Domingos de Benfica e de Alvalade

Em 1938,  a Liga dos Combatentes solicitou à Câmara de Lisboa a atribuição da denominação de «Combatentes da Grande Guerra» a um largo, praça ou avenida da capital  mas a questão foi sendo protelada por falta de arruamento considerado condigno para o efeito e só pelo Edital municipal de 15 de março de 1971 foi atribuída a Avenida dos Combatentes, para englobar todos os combatentes incluindo os da Guerra Colonial que já decorria há 10 anos, na Avenida que era prolongamento da Avenida António Augusto de Aguiar e hoje percorre as Freguesias das Avenidas Novas, São Domingos de Benfica e Alvalade.

O processo municipal era o nº 18905/38, a que se juntou mais tarde o processo nº 17175/55, e foi analisado sucessivamente nas reuniões da Comissão Municipal de Toponímia de 11 de novembro de 1955, 4 de maio de 1956 e 21 de janeiro de 1958, com a resposta de se aguardar oportunidade de novas artérias. A Liga dos Combatentes voltou a insistir pelo ofício nº 4087 sugerindo para o efeito a Avenida do Aeroporto ou o troço da Avenida Almirante Reis, entre a Praça do Chile e a Praça do Areeiro, a que a Comissão na sua reunião de 15 de outubro de 1958 respondeu «que a alteração das nomenclaturas dos arruamentos referidos implicaria profundas despesas e transtornos aos proprietários e moradores dos prédios das mesmas vias públicas, além de que a Comissão, tem por norma recorrer, o menos possível a este sistema, pelo que mantém os seus anteriores pareceres, isto é, deverá aguardar-se que haja uma artéria condigna para atribuição da referida nomenclatura».

E em 1971, a Comissão Consultiva Municipal de Toponímia na sua reunião de 5 de março, finalmente escolheu a «avenida (em projecto) que constitui prolongamento da Avenida António Augusto de Aguiar, seja atribuído o topónimo: Avenida dos Combatentes», a que se deu existência pelo Edital municipal de 15 de março de 1971.

Refira-se que um pouco por todo o país, embora sem sabermos a data de atribuição e a que combatentes se destinava a homenagem, e mesmo que de forma não completamente exaustiva, encontramos muitas artérias – Avenidas, Ruas, Praças, Largos, Travessas, Becos e Rotundas –  com o topónimo «dos Combatentes» em Abrunheira (Sintra), Alcácer do Sal, Aldeia das Dez (Oliveira do Hospital), Alfândega da Fé, Alhandra, Almargem do Bispo, Almeida, Almeirim, Alverca do Ribatejo, Amares, Anadia, Azambuja, Barcelos, Braga, Bucelas,  Cabeceiras de Basto, Carrazeda de Ansiães, Cartaxo, Constância, Ermesinde, Espinho, Esposende, Forte da Casa, Fronteira, Lagoa, Loulé, Lourinhã, na Madeira, Maia,  Mangualde, Marco de Canavezes, Milharado (Mafra), Moita, Oliveira de Azeméis, Oliveira de Frades, Ourém, Ovar, Paços de Ferreira, Parede, Paredes, Pero Pinheiro, Ponte de Sor, Portimão, Póvoa de Varzim, Rio Maior, Rio de Mouro, Sacavém,  Salvaterra de Magos, São João da Talha, na ilha de São Miguel (Açores), Santa Maria da Feira, Santa Maria de Lamas, Santa Marta de Penaguião, Santarém, Santo Tirso, Sátão, Serra d’El-Rei (Peniche), Sesimbra, Setúbal, Terrugem (Sintra), Torres Novas, Torres Vedras, Trofa, Vialonga, Vila do Conde, Vila Franca de Xira, Vila Nova da Barquinha, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia,Vilar Formoso e Viseu.                                .

E algo semelhante se passa com o topónimo «Combatentes do Ultramar», que em Avenidas, Jardins, Largos,  Ruas e Travessas surge em Almargem do Bispo, Almoçageme, Amarante, Beja, Cadafaz (Góis), Cadaval, Cartaxo, Cascais, Cucujães (Oliveira de Azeméis), Esposende, Guardizela (Guimarães), Lordelo (Guimarães), Louredo (Santa Maria da Feira), Lousada, Loures, Mata de Lobos (Figueira de Castelo Rodrigo), Matosinhos, Monchique, Moreira de Cónegos, Muge (Salvaterra de Magos), Nazaré, Odivelas, Paços de Ferreira, Paredes, Parede, Pedrógão Grande, Penafiel, Penalva do Castelo,  Pero Pinheiro, Ponta Delgada, Ribeirão (Vila Nova de Famalicão), Rio Maior, Rio de Moinhos (Borba), São João da Caparica (Almada), São João da Madeira, Sintra, Tondela, Vila Nova de Gaia, Vila Nova de Poiares e Vila Verde.

Freguesias das Avenidas Novas, de São Domingos de Benfica e de Alvalade (Planta: Sérgio Dias)

Freguesias das Avenidas Novas, de São Domingos de Benfica e de Alvalade
(Planta: Sérgio Dias)

 

Quatro médicos militares na toponímia de Lisboa em 1970

Francisco Luís Gomes

Em 1970, nove anos após o início da Guerra Colonial, foram colocados na toponímia de Lisboa quatro médicos militares, com a característica comum de terem prestado serviço no Hospital Militar de Lisboa e/ou nos territórios que eram colónias na época: Francisco Luís Gomes, José Baptista de Sousa, Mário Moutinho e Nicolau de Bettencourt.

O primeiro caso ocorreu através do Edital  municipal de 14 de fevereiro e foi a  Avenida Dr. Francisco Luís Gomes (na freguesia dos Olivais), a que se seguiu no Edital de  dia 17  a Avenida Dr. Mário Moutinho (Belém), e que se completou no Edital de 31 de março com a Rua Dr. José Baptista de Sousa (Benfica) e a Rua Dr. Nicolau de Bettencourt (Avenidas Novas).

A Avenida Dr. Francisco Luís Gomes foi atribuída com a legenda «Médico e Escritor/1829 – 1869» no arruamento que começa na Avenida de Berlim (junto à Piscina), no topo das Avenidas Infante Dom Henrique e Dr. Alfredo Bensaúde, para homenagear o cidadão que nasceu em 1829 na Índia e se licenciou em Medicina pela Escola de Goa (1850), tendo sido Cirurgião-mor  do exército português na Índia a partir de 1860, e ainda o autor de A Economia Rural da Índia Portuguesa, entre outras obras. Este topónimo é único no país.

Mário Moutinho

Mário Moutinho

A Avenida Dr. Mário Moutinho, nasceu com a legenda «Oftalmologista/1877-1961», para perpetuar o médico que dirigiu o serviço de Oftalmologia do Hospital Militar Principal de Lisboa a partir de 1909, e que nove anos depois foi seu subdiretor e mais tarde, diretor. Também este é um topónimo exclusivo de Lisboa.

No último dia do mês de março foram atribuídas a Rua Dr. José Baptista de Sousa/ Coronel Médico/1904 – 1967 na  Rua B à Travessa da Granja na freguesia de Benfica, bem como a Rua Dr. Nicolau de Bettencourt/ Brigadeiro-Médico/1900 – 1965 no troço da Estrada de Benfica compreendido entre o Largo de São Sebastião da Pedreira e o Largo então  vulgarmente conhecido como Praça de Espanha,  e as legendas destes dois topónimos expressam claramente a componente militar destes homenageados, sendo neste sentido os dois primeiros na toponímia de Lisboa em que a referência militar se liga à medicina.

A escolha do coronel-médico alfacinha  José Baptista de Sousa foi sugerida por um cidadão de seu nome Eduardo Mimoso Serra e a atribuição do nome de Nicolau de Bettencourt resultou de um pedido dos C.T.T. para que houvesse topónimo que evitasse equívocos na distribuição de correio naquela artéria.

José Baptista de Sousa

José Baptista de Sousa

Baptista de Sousa integrou as Forças Expedicionárias a Cabo Verde, e permaneceu em S. Vicente de 22 de fevereiro de 1942 até 10 de setembro de 1944, como diretor do Hospital Militar Principal de Cabo Verde, trabalhando também para os civis, o que lhe granjeou muitas simpatias locais e o epíteto de engenheiro humano. Ao contrário das orientações oficiais declarou a fome como causa de morte em diversos atestados de óbito, demonstrando coragem cívica. De 1947 a 1950, prestou serviço na Escola Médico-Cirúrgica de Goa. De 1951 a 1961 foi  Chefe da Clínica Cirúrgica do Hospital Militar Principal de Lisboa e a partir de 1964, foi  Consultor de Cirurgia da Direção do Serviço de Saúde Militar. O Dr. José Baptista de Sousa foi agraciado com o grau de oficial da Ordem de Avis e, em Mindelo (S. Vicente) o hospital passou a denominar-se Hospital Baptista de Sousa. Este topónimo é único no país.

Nicolau José Martins de Bettencourt concluiu o curso de Medicina em 1924 e, dois anos depois, também o curso de Medicina Tropical. Na sua carreira destacou-se como instrutor dos cursos de oficiais milicianos e dos enfermeiros militares das Escolas Centrais de Defesa do Território bem como Inspetor da Instrução do Serviço de Saúde Militar (1960 e 1961); dirigiu o Hospital Militar de Belém (1945 a 1949), o Hospital Militar Principal (a partir de 1957), os Serviços de Saúde Militar (a partir de  1962) e o Serviço de Saúde da Legião Portuguesa. Durante a presidência do general França Borges na Câmara Municipal de Lisboa, foi também vereador, no mandato de 1960 a 1963.  O seu nome integra também a toponímia da Marinha Grande.

Antes da Guerra Colonial apenas dois médicos militares tinham integrado a toponímia de Lisboa, a saber, a Rua Dr. Mascarenhas de Melo com a legenda «1868 – 1950», por Edital municipal de 24/07/1957, para homenagear um diretor do Hospital Militar da Estrela, e pelo Edital de 19/09/1960 foi a Praça Dr. Teixeira de Aragão com a legenda «Escritor-numismata/1823-1903» que perpetuou o diretor do gabinete de numismática e arqueologia do rei D. Luís I.

Após o 25 de Abril foram dois os médicos militares que tiveram a honra de serem topónimos alfacinhas: a  Escadaria José António Marques, com a legenda «Fundador da Cruz Vermelha Portuguesa/1822 – 1884», por via do Edital de 11 de fevereiro de 1985; e a Rua Dr. Bastos Gonçalves, com a legenda «Brigadeiro – Médico/1898 – 1985», pelo Edital de 21 de fevereiro de 2001, em memória daquele que dirigiu a Revista Portuguesa de Medicina Militar.

Nicolau de Bettencourt

Nicolau de Bettencourt

Doze cidades de Angola na toponímia de Olivais Sul desde 1969

Freguesia dos Olivais - Placa Tipo IV (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia dos Olivais – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

Pelo Edital de 10 de abril de 1969 a edilidade alfacinha colocou doze cidades de Angola na toponímia da Célula C de Olivais Sul, uma em Avenida, três em Praças e as restantes dez  em ruas.

As escolhidas ficaram assim nas placas toponímicas: Avenida Cidade de Luanda, Praça Cidade do Luso, Praça Cidade de Salazar, Praça Cidade de São Salvador, Rua Cidade de Benguela, Rua Cidade de Cabinda, Rua Cidade de Gabela, Rua Cidade de Lobito, Rua Cidade de Malanje, Rua Cidade de Nova Lisboa, Rua Cidade de Novo Redondo e Rua Cidade de Porto Alexandre.

Aliás, as atribuições toponímicas na cidade de Lisboa no decorrer da década de sessenta caracterizam-se justamente por referências à Guerra Colonial e à reafirmação do Império Colonial Português, com fixação do nome dos militares mortos em combate nos arruamentos de Olivais Norte  e das vilas e cidades das então colónias portuguesas nas artérias de Olivais Sul. Em 1967 foram 15 cidades e vilas de Moçambique na Célula B, a que se somaram em 1969 estas 12 denominações de Angola na Célula C, tendo sido acrescentadas em 1970 nomes da Guiné na Célula D e em 1971, foram mais 12 designações de vilas moçambicanas nos arruamentos da Célula E. Repare-se que tal procedimento na toponímia da cidade remonta ao início da década, já que na Ata da reunião da Comissão Municipal de Toponímia de 29 de novembro de 1963 se pode ler : «Despacho de Sua Excelência o Presidente, solicitando o parecer da Comissão acerca da oportunidade de se homenagear Angola através da denominação dos nomes das suas cidades, na toponímia de Lisboa; quais os novos arruamentos a que esses nomes poderiam ser atribuídos e, bem assim, se nessa homenagem se poderiam compreender as cidades de outras províncias ultramarinas. A Comissão, tendo em vista que a zona dos Olivais-Norte tem sido reservada para homenagear os nomes de militares mortos ao serviço da Pátria, é de parecer que a zona dos Olivais-Sul é o melhor local para a atribuição dos nomes de cidades ultramarinas.»

Pelo país, encontramos em Camarate, a Rua Cidade de Luanda, a Rua Cidade de São Salvador, a Rua Cidade de Benguela, a Rua Cidade de Lobito, a Rua Cidade de Cabinda e a Rua Cidade de Nova Lisboa, bem como a Rua Cidade de Luanda em Valpaços, Guimarães, Porto, Santo Tirso, Amadora, Odivelas, Famões, Pontinha, Alcabideche, Quinta do Conde e Corroios – somando também esta última a Rua Cidade de Benguela  e a Rua Cidade de Lobito -, ou a Rua Cidade de Porto Alexandre na Póvoa de Varzim e nas Caldas da Rainha, e ainda a Rua Cidade de Benguela em Manteigas, na Pontinha, Parede, Quinta do Conde (Sesimbra), Corroios, Barreiro e Setúbal.

Freguesia dos Olivais - Placa Tipo IV (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia dos Olivais – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

Quinze cidades e vilas de Moçambique na toponímia de Olivais Sul desde 4 de julho de 1967

Freguesia dos Olivais - Placa Tipo IV (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia dos Olivais – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

Pelo Edital de 4 de julho de 1967, 14 cidades e vilas de Moçambique passaram a ser topónimos da Célula B de Olivais Sul. Os restantes núcleos desta recente urbanização de Olivais Sul foram também tendo a sua toponímia preenchida com os nomes de cidades e vilas dos países que nessa época eram as «colónias ultramarinas». Assim, em 1969, a Célula C recebeu denominações de Angola. No ano seguinte foi a Célula D a ter nomes da Guiné e em 1971, mais designações de terras moçambicanas foram distribuídas pelos arruamentos da Célula E.

Desta feita, em 1967, foram colocadas na Célula B de Olivais Sul a Avenida Cidade de Lourenço Marques, a Praça de Bilene e a Praça de Chinde, a Rua de Baixo Limpopo, a Rua Cidade da Beira, a Rua Cidade de Inhambane, a  Rua Cidade de João Belo, a Rua Cidade de Nampula, a Rua Cidade de Porto Amélia, a Rua Cidade de Quelimane, a Rua Cidade de Tete, a Rua Cidade de Vila Cabral, a Rua de Vila Pery, a Rua de Manica e a  Rua de Matola.

Em 1961 começara em Angola a Guerra Colonial, conflito armado que em 1963 se alargou à Guiné, e em 1964 se estendeu a Moçambique. Lisboa crescia nessa época com novas urbanizações na zona dos Olivais e logo, com novos arruamentos, que a edilidade lisboeta cujo Presidente era nomeado pelo Governo utilizou para consagrar nomes de militares mortos na Guerra Colonial nos Olivais Norte, enquanto nos Olivais Sul, distribuiu os nomes de cidades e vilas dos países em que queria manter o domínio colonial.

Encontramos repetições destes topónimos no nosso país, particularmente em Corroios (Seixal), zona que nessa década começou a crescer urbanisticamente, já que em 1940 tinha 884 habitantes e em 1960 já eram 2481.  A toponímia de Corroios inclui a Rua Cidade de Lourenço Marques , a Rua Cidade da Beira, a Rua Cidade de João Belo, a  Rua Cidade de Porto Amélia, a Rua Cidade de Quelimane, a Rua Cidade de Tete e a Praceta Cidade de Nampula. Lourenço Marques surge também numa Avenida da Amadora e em Ruas de Carcavelos, São Domingos de Rana, Odivelas, Prior Velho (Loures), Bragança e Ermesinde. A Cidade da Beira surge também em Ruas do Porto, Coimbra, Prior Velho, Montijo, Barreiro, Charneca da Caparica e Setúbal, para além de Quelimane surgir no Prior Velho, Carcavelos, Oeiras,  Azeitão, assim como a Rua Cidade de Nampula estar também presente em Vila Nova de Gaia, no Bombarral, Prior Velho, Odivelas, Oeiras, Barreiro  e a Rua Cidade de Tete em Amiais de Baixo (Santarém).

Freguesia dos Olivais - Placa Tipo IV (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia dos Olivais – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

 

A Avenida e a Praça de Dom João II, o Príncipe Perfeito

Praça Príncipe Perfeito - Freguesia do Parque das Nações (Foto: Sérgio Dias)

Praça Príncipe Perfeito – Freguesia do Parque das Nações
(Foto: Sérgio Dias)

D. João II, «Príncipe Perfeito» de cognome, é topónimo de duas artérias do Parque das Nações, herdadas da Expo 98: a  Avenida D. João II, que corre paralela à Rua do Pólo Sul, e nasce na Praça Príncipe Perfeito para desembocar na Via do Oriente.

No âmbito da requalificação urbana resultante da Expo 98 «Os Oceanos: um património para o futuro», a Câmara Municipal de Lisboa oficializou pelo Edital de 16/09/2009 os topónimos escolhidos pela organização do evento para figurarem nos arruamentos no decorrer da exposição, já que na altura em que se tornaram território administrativo do concelho de Lisboa já possuíam prédios construídos e causaria transtornos e custos aos residentes a mudança de topónimo.

Esta herança toponímica que Lisboa acolheu integra referências aos oceanos, aos Descobrimentos Portugueses, aos aventureiros marítimos de diversas nacionalidades, da literatura e da banda desenhada, assim como figuras de relevo para Portugal, escritores portugueses ou obras suas de alguma forma ligadas ao mar e ainda, alguns biotopónimos.

Avenida D. João II - Freguesia do Parque das Nações (Foto: Sérgio Dias)

Avenida D. João II – Freguesia do Parque das Nações
(Foto: Sérgio Dias)

D. João II (Lisboa- Paço das Alcáçovas/03.03.1455 – 25.10.1495/Alvor), 13º rei de Portugal, de 1481 a 1495, filho de D. Afonso V e de D. Isabel de Coimbra, casou com sua prima direita D. Leonor de Viseu em 1471 e caracterizou o seu reinado pelo empenho em restabelecer a eficácia do poder central e restaurar as finanças públicas por um lado, enquanto por outro, defendeu a política de exploração atlântica, dando prioridade à busca de um caminho marítimo para a Índia, tanto mais que já desde 1474 dirigia a política atlântica de expansão portuguesa.

Foi D. João II que após ordenar as viagens de Bartolomeu Dias e de Pêro da Covilhã, e  na sequência da recusa em apoiar Cristóvão Colombo, delineou em 1494 o plano da primeira viagem à Índia para ser executada por Estêvão da Gama e negociou com os Reis Católicos o Tratado de Tordesilhas que dividiu o controlo do mundo entre Portugal e Espanha, já com o Brasil – oficialmente descoberto em 1500 – na metade portuguesa. A totalidade das descobertas portuguesas do reinado de João II permanece desconhecida já que muita informação foi mantida em segredo por razões políticas e arquivos desse período foram destruídos no Terramoto de 1755.

D. João II foi a efígie nas notas de mil angolares (do Banco de Angola) de 1 de junho de 1944, bem como das de 500 escudos do Banco de Portugal de 25 de janeiro de 1966.

A Avenida D. João II e a Praça Príncipe Perfeito - Freguesia do Parque das Nações (Planta: Sérgio Dias)

A Avenida D. João II e a Praça Príncipe Perfeito – Freguesia do Parque das Nações
(Planta: Sérgio Dias)

Venezuela, Peru e Uruguai na freguesia de Benfica

Freguesia de Benfica (Foto: Sérgio Dias)

A Rua da Venezuela – Freguesia de Benfica
(Foto: Sérgio Dias)

Três países da América do Sul, todos com fronteira com o Brasil, tornaram-se topónimos lisboetas na década de sessenta do século XX, todos na na Freguesia de Benfica, a área de expansão urbana de Lisboa na época: a Rua da Venezuela (Edital de 26/11/1964), a Rua da República Peruana (Edital de 28/12/1964) e a Avenida do Uruguai (Edital de 14/06/1967).

A consagração da Rua da Venezuela na cidade de Lisboa tem origem num despacho do próprio Presidente da CML, então António Vitorino da França Borges, «solicitando o parecer da Comissão acerca da atribuição do nome da Venezuela a uma Rua de Lisboa» em conjunto com «o ofício nº 6502– PI –14/64/8507, do Gabinete do Ministro do Interior, datado de 19 do mês findo» a que a referida Comissão deu parecer favorável na sua reunião de 13/11/1964 e o topónimo foi dado à Rua 2 do Bairro de Santa Cruz.

A Rua da Republica Peruana em 1965 (Foto: Augusto de Jesus Fernandes, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Rua da Republica Peruana em 1965
(Foto: Augusto de Jesus Fernandes, Arquivo Municipal de Lisboa)

Cerca de um mês depois, pelo Edital de 28/12/1964, nasceu a Rua da República Peruana no arruamento projetado à Estrada das Garridas, também conhecido como arruamento provisório à Estrada das Garridas ou Impasse à Rua General Morais Sarmento.

A inclusão deste topónimo em Lisboa resultou de uma carta do Embaixador do Peru em Lisboa «comunicando que a uma das principais artérias da capital peruana (a Avenida Floral), foi dado o nome de Avenida Portugal», tendo a  Comissão Municipal de Toponímia analisado a retribuição da homenagem nas suas reuniões de 8 de junho de 1951 e 10 de abril de 1964, a que acresceu na de 13 de novembro de 1964 uma carta de José Luís Archer, a pedido do Embaixador do Perú, para reforçar o anterior pedido «visto há treze anos existir em Lima, capital de seu País, a Avenida da República de Portugal».

Quase três anos depois nasceu a Avenida do Uruguai através do Edital municipal de 14/06/1967, no arruamento projetado à Estrada do Poço do Chão ou prolongamento da Avenida Gomes Pereira ou ainda Rua A da Quinta da Granja à Estrada do Poço do Chão. Recorde-se que a Avenida do Uruguai foi aberta na Quinta da Granja à Estrada do Poço do Chão.

Esta atribuição resultou de um parecer favorável da Comissão Municipal de Toponímia, na sua reunião de 22 de maio de 1967, perante uma solicitação da Embaixada do Uruguai para que fosse consagrada na toponímia de Lisboa a República do Uruguai ou a cidade de Montevideu.

Sem pretensão de sermos exaustivos confirmamos a existência de artérias com Venezuela como topónimo em Cascais, Funchal, Loulé e Porto; como no Brasil surgem em Belo Horizonte, Maringá, Recife, São Paulo e Varginha; em Espanha em Baiona, na Corunha, Málaga, Santa Pola, Valência, Vitória; nas cidades italianas de  Pádua, Milão e Roma, bem como na África do Sul, em  Buenos Aires, Cuba,  nas Filipinas, na Flórida (E.U.A) ou Porto Rico.

O Peru figura também na toponímia de Loulé, Ponta Delgada e Setúbal; de Fortaleza e Ribeirão Preto no Brasil; de Barcelona, Benidorm e Coslada em Espanha; de Nova Iorque ou Nova Jérsia nos Estados Unidos da América.

Uruguai surge em Alcabideche, Cascais, Vilamoura; na Baía, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte; como em Las Palmas, Porto Rico ou no Panamá.

Freguesia de Benfica (Foto: Sérgio Dias)

A Avenida do Uruguai – Freguesia de Benfica
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida Padre Manuel da Nóbrega nascida no 4º centenário da cidade de São Paulo

Cerimónia de descerramento da placa toponímica em 25 de janeiro de 1954 (Foto: Armando Serôdio, Arquivo Municipal de Lisboa)

Cerimónia de descerramento da placa toponímica em 25 de janeiro de 1954
(Foto: Armando Serôdio, Arquivo Municipal de Lisboa)

O sacerdote jesuíta que chefiou a 1ª expedição de missionários enviados para o Brasil, a pedido de D. João III, o Padre Manuel da Nóbrega, passou a denominar uma avenida lisboeta – por Edital e cerimónia de descerramento da placa toponímica com passadeira vermelha – em 25 de janeiro de 1954, justamente a data em que se celebrava o 4º Centenário do fundação da cidade de São Paulo, no Brasil.

Este topónimo foi sugerido à edilidade pelo Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo, bem como pela Comissão Portuguesa do Centenário de São Paulo através de ofício do Ministério dos Negócios Estrangeiros, e atribuído como Avenida Padre Manuel da Nóbrega na Avenida A da zona compreendida entre a Alameda Dom Afonso Henriques e a Linha Férrea de Cintura, ao Areeiro.

padre-manuel-da-nobrega-seloManuel da Nóbrega (Entre Douro e Minho/18.10.1517 – 18.10.1570/Rio de Janeiro), foi um sacerdote jesuíta que em 1549 chefiou a 1ª expedição de missionários enviados para o Brasil, a pedido de D. João III, e assim fundou a cidade de São Paulo em 25 de janeiro de 1554. Após celebrar uma missa no local que se designava Piratininga, decidiu mudar o nome do colégio dos jesuítas no local para São Paulo, uma vez que neste dia se celebrava a conversão de Paulo ao cristianismo.

Dois anos depois também participou  na fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Coube-lhe ainda lançar os fundamentos da Companhia de Jesus no Brasil através da criação de colégios –  Salvador, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro -, bem como de aldeamentos para os índios cuja liberdade defendeu, para além do cultivo da música como auxiliar da evangelização. Junto dos índios nativos desenvolveu uma intensa campanha contra a antropofagia, ao mesmo tempo, que combatia a sua exploração pelo homem branco. Foi ainda conselheiro do governador Mem de Sá e em 1558, convenceu-o a promulgar leis que impedissem a escravização dos índios.

O Padre Manuel da Nóbrega era filho do desembargador Baltasar da Nóbrega e estudou Humanidades no Porto, tendo também frequentado como bolseiro régio as faculdades de Cânones de Salamanca e Coimbra, onde obteve o grau de bacharel em 1541. Entrou na Companhia de Jesus em 1544, tendo efectuado missões pastorais na Beira e no Minho. O seu pensamento encontra-se expresso nas Cartas, nos Apontamentos e sobretudo no Diálogo sobre a Conversão do Gentio, constituindo-se estas obras como documentos históricos sobre o Brasil e a prática dos jesuítas no século XVI.

Refira-se, a título de exemplo, que o Padre Manuel da Nóbrega dá no presente nome a ruas do Algueirão, Alijó, Coimbra, Ílhavo, Odivelas, Porto, Póvoa de Santo Adrião, bem como no Brasil em Curitiba, Governador Valadares e São Gonçalo, para além de avenidas em Espírito Santo, Macapá e  São Vicente, e ainda várias avenidas e uma praça no Estado de São Paulo.

Freguesia do Areeiro (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia do Areeiro
(Planta: Sérgio Dias)