O 25 de Abril e a queda do regime no Largo do Carmo

Uma coluna comandada por Salgueiro Maia sai da Praça do Comércio cerca das 11H30 para o Largo do Carmo, onde  monta cerco ao Quartel do Carmo, no qual estava refugiado Marcelo Caetano. O cerco manteve-se durante as horas seguintes tendo às 18H20 um comunicado do MFA informado o País da rendição de Marcelo Caetano a que se seguiu um outro, às 19H50, anunciando formalmente a queda do Governo.

O Largo lisboeta que deve o seu nome ao Mosteiro de Nossa Senhora do Vencimento do Monte do Carmo, ali mandado erguer por Nuno Álvares Pereira no último quartel do século XIV, foi no dia 25 de abril de 1974 o palco da queda do regime, confirmada às 18:20 horas num comunicado do MFA e reconfirmada às 19:50  num outro emitido pelo Rádio Clube Português.

Por volta das 5 horas da madrugada, o Presidente do Conselho, Marcelo Caetano, foi aconselhado por telefone pelo diretor-geral da PIDE/DGS, major Silva Pais, a refugiar-se no Quartel do Comando-Geral da GNR, no Largo do Carmo. Cerca das 11:30 uma coluna da EPC, comandada por Salgueiro Maia, saiu da Praça do Comércio para montar cerco ao Quartel do Carmo, sendo aclamada pela população ao longo do percurso.

De acordo com Salgueiro Maia, «Pelo meio dia e trinta cerquei o quartel da G.N.R. do Carmo. Foi bastante importante o apoio dado pela população no realizar destas operações pois que além de me indicarem todos os locais que dominavam o quartel e as portas de saída deste, abriram portas, varandas e acessos a telhados para que a nossa posição fosse mais dominante e eficaz. Também nesta altura começaram a surgir populares com alimentos e comida que distribuíram pelos soldados».

Cerca das 15:10 Salgueiro Maia, munido de um megafone,  solicita a rendição de Marcelo Caetano em 10 minutos. Às 15:30, o capitão Maia manda o tenente Santos Silva fazer uma rajada da chaimite sobre as janelas mais altas do Quartel, repetindo o apelo de rendição logo a seguir. O Largo do Carmo está repleto de população. Quarenta e cinco minutos depois, Salgueiro Maia ordena ao alferes miliciano Carlos Beato a instalação dos seus homens no cimo das varandas do edifício da Companhia de Seguros Império para fazer fogo sobre a frontaria do Carmo, com armas automáticas G-3. Quinze minutos depois (16:25) impõe a colocação de um blindado em posição de tiro e chega a começar a contagem que é interrompida pelo tenente Alfredo Assunção, para lhe apresentar Pedro Feytor Pinto (diretor dos Serviços de Informação da Secretaria de Estado da Informação e Turismo) e Nuno Távora,  mensageiros do general Spínola para Marcelo Caetano, que são autorizados a entrar no Quartel.

Às 16:30, Spínola comunicara ao Posto de Comando do MFA ter recebido um pedido de Marcelo Caetano para ser ele a aceitar a rendição do chefe do governo e Otelo concedeu-lhe esse mandato, após recolher a opinião dos presentes. Às 17 horas  Salgueiro Maia entra no Quartel do Carmo e fala com Marcelo Caetano que solicita um oficial-general, António de Spínola, para fazer a transmissão de poderes.

Salgueiro Maia volta ao Largo do Carmo e pede a Francisco Sousa Tavares e a Pedro Coelho – oposicionistas ligados à CEUD e ao PS- para ajudarem a afastar a população. Sousa Tavares sobe para uma guarita da GNR e apela à calma, usando o megafone. Às 17:45 chega ao Largo do Carmo o general Spínola, acompanhado pelo tenente-coronel Dias de Lima, o major Carlos Alexandre Morais, o capitão António Ramos e o Dr. Carlos Vieira da Rocha e passados quinze minutos, após receber de Salgueiro Maia a informação sobre como os membros do Governo serão evacuados, entra acompanhado por ele no interior do Quartel do Carmo. O general Spínola informa Marcelo Caetano dos procedimentos para a sua saída do local e posterior deslocação para a Madeira.

Já em pleno Largo do Carmo, Salgueiro Maia pede à população que abandone o local para se proceder à evacuação do Presidente do Conselho e dos ministros que ali estavam com ele mas o apelo é ignorado. Às 18:20, um comunicado do MFA dá conta ao País da rendição de Marcelo Caetano e dos membros do seu governo. Cinco minutos depois, às ordens de Salgueiro Maia, soldados formam um cordão em frente da porta de armas do Quartel do Carmo e às 19 horas, Marcelo Caetano, Rui Patrício e Moreira Baptista abandonam o Quartel do Carmo, sendo conduzidos na Chaimite Bula para o Quartel da Pontinha. Às 19:50, aos microfones do Rádio Clube Português, um comunicado do MFA anuncia formalmente a queda do Governo:

 Posto de comando do Movimento das Forças Armadas. Continuando a dar cumprimento à sua obrigação de manter o País ao corrente do desenrolar dos acontecimentos, o Movimento das Forças Armadas informa que se concretizou a queda do Governo,tendo Sua Ex.ª o prof. Marcello Caetano apresentado a sua rendição incondicional a Sua Ex.ª o general António de Spínola. O ex-presidente do Conselho, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros e o ex-ministro do Interior encontram-se sob custódia do Movimento, enquanto Sua Ex.ª o almirante Américo Tomás e alguns ex-ministros do Governo se encontram refugiados em dois aquartelamentos que estão cercados pelas nossas tropas e cuja rendição se aguarda para breve.
O Movimento das Forças Armadas agradece a toda a população o civismo e a colaboração demonstrados de maneira inequívoca desde o início dos acontecimentos, prova evidente de que ele era o intérprete do pensamento e dos anseios nacionais. Continua a recomendar-se a maior calma e a estrita obediência a todas as indicações que forem transmitidas. Espera-se que amanhã a vida possa retomar o seu ritmo normal, por forma a que todos, em perfeita união, consigamos construir um futuro melhor para o País. Viva Portugal!

© CML | DPC | NT e GEO | 2019

Anúncios

Publicação municipal do Largo Frederico Valsassina

A publicação municipal de toponímia referente ao Largo Frederico Valsassina, hoje distribuída no decorrer da inauguração oficial deste arruamento, na Freguesia de Marvila, já está online.

É só carregar na capa abaixo e poderá ler.

Caso queira conhecer publicações anteriores poderá ir às Publicações Digitais do site da CML e escolher o separador Toponímia.

Ou no topo do nosso blogue carregar em 3 – As nossas Edições.

 

O Quartel-General do Governo Militar de Lisboa e o Largo de São Sebastião da Pedreira

(Foto: A Capital, 25 de abril de 1974, edição das 12 horas)

O Quartel- General da RML – posto de comando das Unidades da Região Militar de Lisboa e centro de comunicações de grande importância – foi cercado pelas 3H30 por uma força do Batalhão de Caçadores n.º 5. Estiveram envolvidos cerca de 100 militares, comandados pelo capitão Bicho Beatriz, com a rendição cerca de uma hora depois.

O Quartel-General da Região Militar de Lisboa, instalado no Palácio Vilalva, no Largo de São Sebastião da Pedreira, foi cercado às 3:30 pela 1ª Companhia Operacional do Batalhão de Caçadores nº 5, comandada pelo capitão Bicho Beatriz, que desceram da Rua Marquês de Fronteira. Às 4:30 horas, rendeu-se o governo militar de Lisboa e o major Cardoso Fontão comunicou ao posto de comando que Canadá fora ocupado sem incidentes. Cerca das 9:15, uma força da Escola Prática de Cavalaria, comandadas pelo alferes Sequeira Marcelino e pelo aspirante Pedro Ricciardi, foi reforçar a ocupação de Canadá.

O  Largo de São Sebastião da Pedreira, como a Rua e a Travessa da mesma invocação, são topónimos nascidos no sítio da Pedreira, onde já no século XVI existia uma pequena ermida dedicada a São Sebastião, construída pelos moradores da Rua das Arcas da freguesia de São Nicolau, que tomaram este santo como protetor contra o mal da peste, prometendo ir lá todos os domingos com um sacerdote para celebrar missa, festejando o orago no seu dia – 20 de janeiro – e fazendo procissão, que se realizou até 1755. No século XVII,  em 1652, D. João IV também dedicou uma igreja no largo do mesmo nome a S. Sebastião da Pedreira.

Este Largo de São Sebastião da Pedreira, na freguesia das Avenidas Novas, situa-se na confluência da Rua de São Sebastião da Pedreira, Rua Dr. Nicolau Bettencourt e Rua Marques de Sá da Bandeira.

(Foto: A Capital, 25 de abril de 1974, edição das 12 horas)

© CML | DPC | NT e GEO | 2019

Na próxima terça-feira, dia 23 de abril, inauguração do Largo Frederico Valsassina

Largo Frederico Valsassina – Freguesia de Marvila

Na próxima terça-feira, dia 23 de abril, às 10: 30 horas, será inaugurado o Largo Frederico Valsassina, junto à entrada principal do Colégio Valsassina, com a presença de Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa,  bem como de familiares do homenageado.

Conforme a Vereadora Catarina Vaz Pinto refere na nota introdutória da brochura sobre Frederico Lúcio de Valsassina Heitor (Lisboa/17.07.1930 – 07.05.2010/Lisboa), a edilidade «orgulha-se de homenagear Frederico Valsassina Heitor pelo seu projeto educativo de base humanista, justamente no ano em que se comemoram os 120 anos da criação do Colégio Valsassina e passados setenta anos sobre a aquisição da Quinta das Teresinhas, sede do respetivo estabelecimento de ensino. O Largo Frederico Valsassina é o reconhecimento do seu legado como educador e docente, pedagogo peculiar e humanista com reflexo na cidade de Lisboa e no país.»

A Rádio Marconi e a Rua de São Julião

Largo de São Julião
(Diário Popular, 25 de abril de 1974)

Cerca das 5H45 as forças da EPC, comandadas por Salgueiro Maia, instalaram-se  na Praça do Comércio, assumindo simbolicamente o poder dos Ministérios e cercando outros pontos estratégicos próximos, como a Rádio Marconi, Viena de nome de código.

No dia 25 de abril de 1974, a coluna da EPC- Escola Prática de Cavalaria comandada por Salgueiro Maia, chega à Baixa de Lisboa, cerca os ministérios e ocupa a Praça do Comércio (Toledo, de nome de código), bem como outros pontos estratégicos da zona, como o Banco de Portugal na Rua do Comércio e a Rádio Marconi, na paralela Rua de São Julião. Ao Posto de Comando instalado na Pontinha comunicou Salgueiro Maia «maior de Charlie Oito ao Posto de Comando: Ocupámos Toledo e controlamos Bruxelas e Viena.» Conforme  Salgueiro Maia declarou na altura ao jornalista Adelino Gomes,  «Estamos aqui para derrubar o Governo».

Viena era o nome de código da sede da Rádio Marconi, instalada no nº 131 da Rua de São Julião desde 1925  e  por extenso denominada  Companhia Portuguesa Rádio Marconi, SA., uma empresa de telegrafia e de satélite portuguesa. A CPRM – Companhia Portuguesa de Rádio Marconi foi constituída a partir do contrato de concessão celebrado entre o governo português e a Marconi Wireless Telegraph Company Limited , com  estatutos publicados em 18 de julho de 1925. A sua preponderância nas comunicações sem fios tornou-a um alvo estratégico.

A Rua de São Julião é uma artéria pombalina resultante do reordenamento urbanístico da Baixa lisboeta após o terramoto de 1755, que se estende da Rua da Padaria ao  Largo de São Julião, sendo este último confinante com a Rua do Comércio e a Praça do Município. Este topónimo foi atribuído pelo decreto régio de 5 de novembro de 1760  – o primeiro diploma a instituir topónimos na cidade -, junto com a determinação de neste arruamento se instalarem os algibebes, os vendedores de fatos já feitos ao invés dos alfaiates que os faziam por medida.

De acordo com Norberto de Araújo esta artéria teria como antepassada a rua de San Gião referida  no Pranto de Maria Parda do teatro vicentino. Já segundo Luís Pastor de Macedo, começou este arruamento a ser referido com o nome oficial de São Julião em 1762, e em 1781, era mais conhecido como rua ou travessa dos Algibebes.

Tanto a Rua como o Largo de São Julião, são topónimos resultantes da proximidade à igreja medieval de São Julião, na qual, de acordo com a tradição oral, terá sido batizado Pedro Julião, também conhecido como Pedro Hispano e que se tornou o Papa João XXI, em 20 de setembro de 1276. Esta igreja de São Julião foi paróquia do Paço da Ribeira mas ruiu com o terramoto o que obrigou à sua reedificação, que decorreu de 1802 até 1810. No século  XX  o templo passou a propriedade do Banco de Portugal, sendo agora o Museu da Moeda, após a adaptação traçada pelo arquiteto Gonçalo Byrne.

A Rua de São Julião
(Flama, 3 de maio de 1974)

© CML | DPC | NT e GEO | 2019

O Comando Geral da Legião Portuguesa e o Largo da Penha de França

O Quartel-general da Legião Portuguesa, foi ocupado pelas 14H00,  por uma força da Escola Prática de Cavalaria de Santarém, saída do Terreiro do Paço e comandada pelo major Jaime Neves, evitando qualquer tentativa de oposição ao MFA.

Da Praça do Comércio saíram duas forças da Escola Prática de Cavalaria de Santarém: uma força comandada por Salgueiro Maia para o Quartel da GNR no Largo do Carmo e outra, dirigida por Jaime Neves – com forças do Regimento de Cavalaria 7, Regimento de Lanceiros 2 e Regimento de Infantaria 1-, para o Comando da Legião Portuguesa, no nº 1 do Largo da Penha de França. As instalações da Legião – com o nome de código Marrocos – foram ocupadas às 14 horas evitando assim qualquer oposição ao movimento.

Este Largo da Penha de França, na confluência da Rua da Penha de França e da Rua Marques da Silva, tem a sua origem no próprio topónimo do sitio: a Penha de França. Um escultor de imagens sacras ou imaginário, de seu nome António Simões,  encontrando-se perdido em Alcácer Quibir fez a promessa de que se voltasse a Portugal fabricaria várias imagens de Nossa Senhora e lhes daria um destino condigno. Já regressado a Portugal, chamou Senhora da Penha de França (crê-se que por invocação de um santuário de Salamanca) à última imagem que produziu e esta foi inicialmente colocada na Igreja da Vitória, na  Baixa de Lisboa. Depois, o escultor lá conseguiu erguer uma Ermida, no Monte Alperche, em terrenos de Afonso Torres de Magalhães, e foi nessa Ermida ainda em construção, em 1597, que foi acolhida a dita imagem de Nossa Senhora da Penha de França, sendo apenas no ano seguinte que ficou terminado o seu templo. Em 1604, começou a construir-se no sítio uma nova Igreja, bastante maior e até com Casa Conventual que ficou terminada em 1635, sendo esta que acabou por estender o nome da Senhora da Penha de França a todo o sítio, até chegar a ser também o da própria freguesia.

O sítio foi habitado pelo menos desde a época muçulmana, memória que parece ter ficado na Calçada do Poço dos Mouros, ou até em períodos anteriores, uma vez que a toponímia portuguesa usa muitas vezes a palavra «Mouro» e seus derivados para locais ocupados ainda em períodos neolíticos ou para assinalar gente de diferentes culturas.

© CML | DPC | NT e GEO | 2019

 

Júlio de Castilho duas vezes topónimo lisboeta: em Largo e em Jardim

Júlio de Castilho com o fotógrafo José Artur Leitão Bárcia
(Foto: José A. Leitão Bárcia, Arquivo Municipal de Lisboa)

No último dia desta semana, 8 de fevereiro de 2019, completam-se cem anos da morte do Mestre da Olisipografia Júlio de Castilho, o autor  de obras tão importantes e pioneiras como Lisboa antiga – Primeira parte: 0 Bairro Alto (1879) – que teve uma 2ª edição ampliada em 5 tomos-,  Lisboa antiga – Segunda parte: Bairros orientais (1884 – 1890) – em 7 tomos – ou A Ribeira de Lisboa, descrição histórica da margem do Tejo desde a Madre de Deus até Santos o Velho (1893), pelo que foi considerado o fundador dos estudos olisiponenses.

De acordo com Raquel Henriques da Silva, na sua palestra de abertura de «Uma casa em Lisboa – Homenagem a José Sarmento Matos» no passado dia 22 de janeiro – dia de São Vicente, o padroeiro de Lisboa – , Lisboa tem uma disciplina própria que mais nenhuma cidade tem que é a Olisipografia que Júlio de Castilho inventou. Por isso mesmo, recomendou a reedição anotada de toda a obra de Mestre Castilho.

Júlio de Castilho (Lisboa/30.04.1840- 08.02.1919/Lisboa), era filho do escritor António Feliciano de Castilho que nascera no Bairro Alto, e por isso ao investigar para escrever as memórias de seu pai acabou por escrever a sua primeira obra sobre a história da cidade de Lisboa, dedicada a esse Bairro. Também por essa condição de nascimento foi o 2º visconde de Castilho e viveu a maior parte da sua vida no Lumiar, vindo a ter o seu nome consagrado no Largo contíguo à artéria onde morava, já que residente do n.º 11 da Travessa do Prior ( hoje n.º 26 da Rua Pena Monteiro),  junto ao Largo da Duquesa, este último topónimo passou a ser o Largo Júlio de Castilho, por Edital municipal de 2 de março de 1925, com a legenda «Erudito Escritor e Historiador/1840 – 1919».

Logo no ano do seu falecimento, havia sido  homenageado com a colocação de uma lápide na sua casa no Lumiar, por iniciativa dos seus amigos José Artur Leitão Bárcia, Miguel Trancoso e António César Mena Júnior.

Largo da Duqueza, depois Largo Júlio de Castilho
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

E quatro anos após a atribuição do Largo com o seu nome, o fundador da Olisipografia, foi também homenageado com a criação do Jardim de Júlio de Castilho, onde a Comissão Administrativa da CML inaugurou  um busto do olisipógrafo, da autoria do escultor Costa Mota (sobrinho), no dia 25 de julho de 1929, integrado num miradouro sobre Alfama, conhecido como Miradouro de Santa Luzia, cerimónia a que compareceram outros olisipógrafos como Gustavo de Matos Sequeira ou o Engº Augusto Vieira da Silva, assim como o fotógrafo José  Artur Leitão Bárcia.

Em 1939, a Câmara Municipal de Lisboa lançou ainda o Prémio Júlio de Castilho e no ano seguinte (1940), no centenário do nascimento de Júlio de Castilho,  promoveu no Palácio Galveias uma Exposição ilustrativa da obra deste olisipógrafo.

Busto de Júlio de Castilho
(Foto: José A. Leitão Bárcia, Arquivo Municipal de Lisboa)

© CML | DPC | Núcleo de Toponímia | 2019

O extinto Largo do Museu Agrícola Colonial

O antigo Largo do Museu Agrícola Colonial em 1939
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

Por proposta do vice-presidente Abílio Trovisqueira, foi atribuído o Largo do Museu Agrícola Colonial ao largo em frente do portão da entrada do Pátio das Vacas, delineado entre a Calçada de Ajuda e a Calçada do Galvão e compreendendo a parte da Travessa do Pátio das Vacas, conforme deliberação por unanimidade da  Comissão Executiva da CML de 15 de novembro e o consequente Edital de 13 de dezembro de 1917. Assim, o Largo do Museu Agrícola Colonial existiu durante quase 43 anos, de 13 de dezembro de 1917 a  28 de outubro de 1960.

Hoje este Largo não tem existência física porque é parte da Rua General João de Almeida. Este último topónimo foi atribuído por Edital municipal de 28 de outubro de 1960  e dez anos depois, o Edital municipal de 4 de novembro de 1970, integrou neste arruamento a Travessa do Pátio das Vacas e o Largo do Museu Agrícola Colonial.

Como o nome indica, este topónimo registava a presença no local do Museu Agrícola Colonial, no Palácio conhecido como Palácio dos Condes da Calheta. O palácio data de meados do séc. XVII, provavelmente por iniciativa de D. João Gonçalves da Câmara, 4º conde da Calheta, como residência de veraneio. Em 1726 foi adquirido por D. João V  mas no final desse século estava quase ao abandono. Foi depois recuperado para receber visitas de famílias reais (como o pai de D. Fernando II) e veio até a converter-se na casa dos funcionários reais aposentados, como o precetor dos príncipes.

Por Decreto Régio de 25 de janeiro de 1906, no contexto da organização do Ensino Agronómico Colonial no Instituto de Agronomia e de Veterinária, foi criado o Jardim Colonial e o Museu Agrícola Colonial. O primeiro teve execução prática a partir de 1914 e dois anos depois, isto é, em 1916, foi a vez do Museu, no ano anterior à deliberação municipal de atribuição do topónimo. O Decreto Régio fundador, para além da instalação do ensino agrícola tropical incluir um jardim-laboratório e um museu, especificava que o Diretor do Jardim seria o docente da disciplina de Geografia económica e culturas coloniais do IAV.

O espaço do Palácio e dos seus jardins e estufa serviram em 1940 como Pavilhão da Caça e do Turismo da Exposição do Mundo Português, com os seus tanques a exporem crocodilos e a mostrar várias geografias coloniais portuguesas pelos jardins, para além da Casa da Direção exibir jaulas com leões.

A partir de 1944 o Jardim Colonial fundiu-se com o Museu Agrícola Colonial, para formar o Jardim e Museu Agrícola Colonial, fora da dependência do Instituto Superior de Agronomia. Em 1951 passou a denominar-se Jardim e Museu Agrícola do Ultramar  e em 1974, ficou parte integrante da Junta de Investigações do Ultramar, depois Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT). Em 1983 tomou a designação de Jardim-Museu Agrícola Tropical (JMAT), uma das unidades funcionais do Instituto de Investigação Científica Tropical, com o seu Centro de Documentação e Informação.

Em 2007, o Jardim foi classificado como Monumento Nacional, juntamente com o Palácio Presidencial ou Palácio Nacional de Belém e todo o conjunto intramuros. O Jardim Botânico Tropical, um museu da flora da Expansão Portuguesa, foi integrado na Universidade de Lisboa em 2015 e é hoje dirigido pelo Professor José Sousa Dias, que já foi o representante dessa Universidade na Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa.

Planta do Largo do Museu Agrícola Colonial em 23 de agosto de 1923 (Arquivo Municipal de Lisboa)

 

Do Largo dos Tanques à Rua da Cruz a Alcântara e à Rua da Fábrica da Pólvora, em 1919

A Rua da Cruz e a Rua da Fábrica, provavelmente nos anos trinta ou quarenta do séc. XX
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

O Edital camarário de 3 de outubro de 1919 estipulou que «as portas com os nºs 142, 143, 144, 145, 146 e 147, situados num troço da via publica que antigamente o vulgo  dava o nome de Largo dos Tanques, pertencentes à propriedade que, pela citada numeração, faz indevidamente parte da Rua da Cruz, em Alcantara,  sejam desta via publica desanexadas e encorporadas [ incorporadas] na Rua da Fabrica da Polvora», conforme a Comissão Executiva da Câmara Municipal de Lisboa deliberou na sessão de 25 de setembro desse mesmo ano, iniciada «pelas 21 horas e meia».

O Largo dos Tanques surge mencionado na documentação municipal em 30 de outubro de 1837, numa vistoria a um quintal que fazia parte de um prédio no Largo dos Tanques e Rua da Fábrica da Pólvora n.ºs 5 a 9, o que mostra que o Largo era contíguo à artéria onde vai ser integrado em 1919. Com esta mesma denominação de Largo dos Tanques aparece também numa escritura pública de 23 de julho de 1858, entre a Câmara Municipal de Belém e Joaquim José Ferreira, um morador da freguesia de S. Pedro de Alcântara que aqui tinha um estabelecimento de tanques de lavadeiras. Na planta de 1857, de Filipe Folque, o espaço deste Largo aparece junto à Rua da Cruz e Rua da Fábrica da Pólvora mas sem denominação alguma.

Este Largo dos Tanques terá sido absorvido pelas obras para alargamento do Largo de Alcântara, que começaram a partir de 1891 e o que dele sobejou terá sido integrado na Rua da Cruz a Alcântara, denominação cujo acrescento de localização foi colocado pelo Edital municipal da CML de 8 de junho de 1889. Note-se que nas obras de regularização do pavimento do Largo de Alcântara, de 1895 a 1905, as plantas já não referem o Largo dos Tanques mas colocam nas proximidades a Estrada da Circunvalação, a Rua da Fábrica da Pólvora, a Rua da Cruz a Alcântara, a Rua de São Jerónimo (a partir de 21/06/1926 passou a ser a Rua Feliciano de Sousa), a Rua do Alvito, a estação dos caminhos de ferro de Alcântara-Terra, a Rua de Alcântara, o mercado, a Rua do Livramento e a Rua Vieira da Silva. Na planta de 1910 de Silva Pinto também já não aparece a designação de Largo dos Tanques, justificando que era uma denominação popular mas não oficial, ou como redige o Edital de 1919: «antigamente o vulgo  dava o nome de Largo dos Tanques

A partir de 1919 o troço do Largo dos Tanques que fora antes colocado na Rua da Cruz a Alcântara ficou na Rua da Fábrica da Pólvora e sete anos depois, a partir de 25 de março de 1926, começou-se a alargar a Rua da Cruz a Alcântara, expropriando terrenos a particulares como Francisco Inácio Bonito, António Lourenço Rodrigues, Ermelinda Alves Rêgo, Manuel Lopes e Raúl Silva, Francisco de Oliveira Margioche e Alfredo Caetano Dias, situados nas Quintas do Cabrinha, da Lamparina, da Água e nos terrenos da Empresa Cerâmica de Lisboa.

Freguesia de Alcântara
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)