O Arraial da Calçada da Bica Grande

Calçada da Bica Grande – Freguesia da Misericórdia

Pela Calçada da Bica Grande, Beco dos Aciprestes e Travessa do Cabral, prolonga-se o Arraial das Festas de Lisboa 2019 promovido pelo Marítimo Lisboa Clube, coletividade fundada no dia 1 de outubro de 1944, e que também logo em em 1952 foi responsável pela organização da Marcha da Bica conseguindo o seu primeiro 1º Prémio, que repetiu em 1955 e 1958, bem como em 1963 ex-aequo com Marvila, assim como em 1992 e 2003.

A Travessa

A Bica é um conjunto urbano seiscentista e setecentista que como freguesia foi destacada da freguesia dos Mártires  em 1566, como Freguesia de São Paulo, que hoje é parte da freguesia da Misericórdia. A Calçada da Bica Grande, toda em escadinhas, que sobe da Rua de São Paulo até à Travessa do Cabral e nessa subida abre à direita o Beco dos Aciprestes. De acordo com o olisipógrafo Norberto de Araújo Bica Grande e Bica Pequena podem ter sido apenas denominações dadas com o sentido de Calçada Grande e Calçada Pequena, o que até se ajusta à largura e extensão das serventias. Certo é que Filipe Folque no seu Atlas de Lisboa de 1856 já a menciona como Calçada da Bica Grande. Em 1909 foram reformadas as escadas e o cano de esgoto desta Calçada, o mesmo em que datado de 4  de junho, encontramos um pedido de autorização de José Tavares, como presidente da comissão organizadora dos festejos a Santo António, São João e São Pedro, para construir um coreto na Calçada da Bica Grande.

Travessa do Cabral, surge referida em 1706 na Corografia Portuguesa do padre Carvalho da Costa, como Rua do Cabral, mas em 1856, no Atlas da Carta Topográfica de Lisboa de Filipe Folque, já figura com o topónimo que conhecemos hoje. Norberto de Araújo explica que o homenageado é o bacharel Manuel Rodrigues Cabral, que nasceu no final do século XVI e morreu em 1632, que seria morador no local apontando, sem garantir certeza, como o seu solar de residência o prédio no nº 35 que torneja para a Calçada da Bica Pequena e ostenta um pórtico nobre. Por seu turno, a investigadora Graça Índias Cordeiro, defende que o topónimo se deve ao embaixador espanhol Cabral. Nesta artéria, no séc. XX, também viveu António Alçada Baptista.

O Beco

E finalmente, junto ao nº 34 da Calçada da Bica Grande nasce o Beco dos Aciprestes, identificado em 1856 por Filipe Folque como Beco do Acipreste. Eventualmente, pode o topónimo ter sido originado pela residência no local de um Arcipreste, o pároco que numa diocese tem poder superior ao dos restantes párocos, e ter havido uma corruptela gráfica. Na Gazeta de Lisboa de 29 de julho de 1829, refere-se uma propriedade foreira da Sé de Lisboa neste arruamento – o nº 1 com os nºs 3 e 4 da Calçada da Bica Grande -, sendo o foro de «80 reis e huma gallinha». Outra hipótese pode ser a proximidade a um cemitério nas suas redondezas, por ser frequente usarem este tipo de árvores.

© CML | DPC | NT | 2019

Anúncios

A inédita ocupação romana na Rua Vítor Cordon e Rua do Ferragial

As obras do Edifício Córdon 31 permitiram a descoberta no então Subúrbio Ocidental de Felicias Iulia Olisipo, no arco cronológico dos séculos I e II d. C. – ou quando muito, inícios do III d. C.-, de acordo com a investigação dos materiais exumados, de uma possível Domus romana e talvez umas termas ,que lança novos dados  sobre as dinâmicas de ocupação da cidade em época romana.

Este edifício da Rua Vítor Cordon nº 29-33  e Rua do Ferragial nº 6-10A, insere-se num quarteirão composto por três imóveis, edificado em 1801, confinados entre o beco da Rua dos Duques de Bragança, a Rua do Ferragial, a Calçada do Ferragial e a Rua Vítor Cordon.

Em João PIMENTA e António VALONGO (2017), « Os achados arqueológicos». In 31 Cordon Lisboa. Um edifício com história, Eon. Industrias Criativas, p. 74-117

A partir de achados dispersos, foi intuída a existência de ocupação na margem direita do antigo Esteiro da Baixa, junto ao sopé da colina oriental do Chiado/São Francisco. A presença de um nível de ocupação romano, foi inicialmente detetada na escavação do nº 10 da Rua do Ferragial mas a significativa ocupação romana, materializada em estruturas, foi encontrada no nº 6: três estruturas de época romana correspondentes a um edifício. Uma abside semicircular e a evidência de uma canalização constituída por lateres, aparentemente destinada ao escoamento de águas, leva a supor estarmos perante uma área termal.

Parecem estar presentes 3 fases. Uma primeira construção em meados do século I d. C.., com presença de ânforas vinárias itálicas, parcialmente desmantelada e reaproveitada pela sobreposição de um novo edifício, praticamente reduzido aos alicerces, na segunda fase em que é edificada a estrutura de abside, de finais do século II d. C. a inícios do III d. C. , para escoamento de águas e onde se encontrou um abundante conjunto de cerâmica comum, o que faz supor tratar-se de um edifício termal,. Na última fase, é regularizada a área externa da abside e sobre esta estrutura é construído um muro paralelo à parede, com um técnica distinta das anteriores, provavelmente de meados do século II a inícios do III d. C. Refira-se ainda que a presença de estuques pintados e  algumas placas de mármore de revestimento permitem supor algum cuidado decorativo que faz formular a questão: estaremos perante uma Domus suburbana?…

Nesta zona da cidade já A. Vieira da Silva, em 1945, referiu uma epígrafe funerária, registada em 1601, que se encontrava encastrada na fachada meridional do Palácio dos Duques de Bragança antes do terramoto de 1755, na atual Rua Vítor Cordon, tendo feito a seguinte leitura: «Monumento aos deuses Manes. A Póstumio Vicílio (ou Vicilião) [falecido aos] 35 anos de idade. Postúmio Floriano mandou erigir [esta memória] a seu irmão estremosíssimo». A menção explícita ao seu suporte como um “troço de coluna” sugere tratar-se de uma cupa, morfologia de monumento pétreo comum nos ambientes rurais olisiponenses, mas que parecia ausente da epigrafia funerária urbana de Olisipo.

© CML | DPC | NT e CAL – Centro de Arqueologia de Lisboa | 2019

A Calçada da Ermida e Convento de Santa Apolónia

Freguesia de São Vicente
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

A Calçada de Santa Apolónia, que hoje vemos a ligar a Rua de Santa Apolónia à Rua da Bica do Sapato, deriva o seu topónimo do Convento de Santa Apolónia naquela zona erguido na segunda metade do séc. XVII, embora este hagiotopónimo fosse ali já habitual graças à Ermida de Santa Apolónia que existiu pelo menos desde 1552.

Freguesia de São Vicente
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

No Sumário de 1551 de Cristóvão Rodrigues de Oliveira já é mencionada uma ermida de Santa Apolónia e é junto dela que cem anos depois, por volta de 1662, foi fundado um recolhimento de freiras, a mando de D. Isabel da Madre de Deus, religiosa da Ordem Terceira de São Francisco e protegida dos Duques de Bragança (D. João IV e D. Luísa de Gusmão). Após um incêndio em 1692 foram necessárias obras no recolhimento e em 1698, o testamento de Domingos Ferreira do Souto e de sua mulher Catarina da Silva determinou a construção de um convento, com a contrapartida de ser reservada a capela-mor para a sepultura do casal mais 6 lugares de noviças para familiares do casal. Este novo Convento foi construído antes de 1717, já que esse é o ano em que o  Papa Clemente XI eleva o Recolhimento de Santa Apolónia a convento. Em 1719 as religiosas professaram na Regra de Santa Clara e o Convento localizava-se na Rua de Santa Apolónia e tinha a fachada principal virada a norte.

O Terramoto de 1755 tornou-o inabitável e as freiras recolheram-se no Forte de Santa Apolónia durante cerca de dois anos, durante a reconstrução com apoio régio. Em agosto de 1833, as religiosas foram transferidas para o Convento de Santa Ana de Lisboa, por ordem de D. Pedro II , por causa das guerras liberais e no mês seguinte uma portaria régia determinava que a Alfândega das Sete Casas pudesse dispor do Convento de Santa Apolónia, para aí se guardarem «os generos, que na mesma Alfandega já não podem ser arrecadados por falta de cõmodo».

Em 1852 o edifício do antigo convento foi adquirido pela Companhia Central Peninsular dos Caminhos de Ferro e ali funcionou durante cerca de 13 anos, até maio de 1865, uma pequena estação de passageiros e mercadorias da Linha do Leste e em 28 de outubro de 1856 foi oficialmente inaugurado o  1º troço de via-férrea da Linha Leste, entre Lisboa e o Carregado. A igreja de Santa Apolónia também serviu mais tarde como armazém da Cooperativa do pessoal dos Caminhos de Ferro. Uma portaria de 5 de maio de 1862 aprovou o traçado da futura Estação de Santa Apolónia, entre a Praia dos Algarves e a Rua direita do Cais dos Soldados, no local das instalações do Regimento de Cavalaria do Cais.

O edifício do antigo Convento de Santa Apolónia foi demolido entre 1958 e 1960 e a fachada da igreja foi transferida para a frontaria da nova Igreja de São Marcos, em Arripiado, na Chamusca.

Para além desta Calçada ( na freguesia de São Vicente ), Santa Apolónia está ainda na toponímia próxima na Rua da Cruz de Santa Apolónia ( São Vicente ), na Rua de Santa Apolónia ( São Vicente e Penha de França ) e na Rua do Forte de Santa Apolónia ( Penha de França ).

No resto do país, este hagiotopónimo também se encontra em Barcelos, Guimarães, Póvoa do Lanhoso (Braga), Vila Nova de Famalicão (Braga), Bragança, Alcains (Castelo Branco), Coimbra, Montemor-o-Velho ( Coimbra), Custóias (Matosinhos), Porto Salvo (Oeiras), Recarei (Paredes), Pousafoles do Bispo (Sabugal), Sertã (Castelo Branco), Vila do Conde, Vila Nova de Gaia e Tarouca (Viseu).

O local onde existiu o Convento de Santa Apolónia
(Foto: © CML | DMC | DPC | José Vicente 2013)

 

A Calçada do Convento seiscentista do Desterro de Alcobaça

Freguesias de Arroios e de Santa Maria Maior
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Esta Calçada que hoje liga a Rua da Palma à Rua de São Lázaro evoca o Convento Cisterciense do Desterro, que os monges de São Bernardo ergueram para casa principal e ficou hospício da Ordem, numas obras que duraram 50 anos, de 1591 a 1640.

Freguesias de Arroios e de Santa Maria Maior
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

No séc. XIX, esta artéria era ainda a Calçada Nova da Bica do Desterro, por mor de uma bica de água nela existente, mas uma deliberação camarária de 18 de maio de 1889 e o consequente Edital de 8 de junho seguinte tornou-a simplesmente na Calçada do Desterro.

O Desterro como topónimo derivado do Convento encontra-se também na proximidades na Rua do Desterro ( Arroios ) – que foi antes um troço da Rua Nova do Desterro e ainda antes, a Travessa Nova do Desterro -; na Travessa da Cruz do Desterro (Arroios ) nascida do edital do Governo Civil de Lisboa de 01/09/1859 que num único arruamento sob esta denominação juntou a Travessa da Cruz e a Travessa Nova da Bica do Desterro; a Rua Nova do Desterro ( Santa Maria Maior , Arroios ) que por Edital municipal de 14/06/1880 tomou o lugar da Travessa Nova do Desterro; e a Travessa do Desterro ( Arroios , Santa Maria Maior ) que por Edital de 08/06/1889 passou a ligar a Calçada do Desterro à Rua Nova do Desterro.

O Convento de Nossa Senhora do Desterro, dos monges de São Bernardo ou de Alcobaça, foi fundado em 8 de abril de 1591, sendo o topónimo uma menção da grande distância sentida à Congregação em Alcobaça, como se estivessem desterrados. Pensa-se que possa ter sido traçado por Filipe Terzio e ocupou todo o  quarteirão definido hoje entre a Rua Nova do Desterro – onde tem a fachada principal – e a Rua Antero de Quental. O plano da Ordem de Cister era de que este convento fosse a casa principal da Ordem mas passou a ser mais um hospício para albergar os frades de São Bernardo quando da província se deslocavam até Lisboa. Em 1750, ainda recebeu doentes do Hospital Real de Todos os Santos, quando este sofreu um grande incêndio e cinco anos depois foi parcialmente destruído. Em 1812, o espaço passou a ser ocupado pela Casa Pia de Lisboa (até 1833) e a congregação de frades saiu de lá. Em meados do século XIX nele passou a funcionar  o Hospital do Desterro, que no final desse século, a partir de 1898, integrava o grupo do Hospital dos Capuchos e do Hospital de Arroios. Refira-se ainda que o  Hospital do Desterro foi expropriado de uma parte, a partir de 1896, para serem abertas a Avenida Almirante Reis e a Rua Antero de Quental.

O sítio do Ferragial em três artérias lisboetas

Rua do Ferragial – Freguesias de Santa Maria Maior e da Misericórdia
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

O quinhentista sítio do Ferragial, denominação que evoca uma planta de pasto, permaneceu no casco velha da cidade em três topónimos: a Calçada, a Rua e a Travessa, todos com a administração repartida pelas freguesias de Santa Maria Maior e Misericórdia.

Hoje, a Calçada do Ferragial liga o Largo do Corpo Santo à Rua Vítor Cordon, a Rua do Ferragial vai da Calçada do Ferragial até à Rua do Alecrim – ainda em 1908 na planta de Silva Pinto e Correia de Sá é mencionada como Rua do Ferragial de Baixo- , e a Travessa do Ferragial une a Calçada do Ferragial à Rua Vítor Cordon, sendo esta última aquela que não foi fixada naturalmente na memória da cidade mas atribuída por Edital do Governo Civil de Lisboa de 7 de novembro de 1874 ao Beco da Linheira, a partir de uma proposta do vereador Francisco Margiochi aprovada na edilidade lisboeta em 17 de agosto de 1874.

Ferragial provém do latim farrago e serve para designar o campo onde se cultivam cereais que ceifados verdes e antes de espigar servem de pasto para animais.

De acordo com Luís Pastor de Macedo, « Já no “Sumário” encontramos, em 1551, na freguesia dos Mártires as ruas de Cima e do Ferregial. O “Itinerario lisbonense” descrimina bem: Ferregial de Baixo, a primeira à direita, subindo pela rua do Alecrim e termina na Calçada do Ferregial; Ferregial de Cima, a última à direita, entrando na rua de S. Francisco da Cidade, da parte do Chiado e termina ao tesouro velho

Nas suas Peregrinações em Lisboa, o olisipógrafo Norberto de Araújo descreve o sítio da seguinte forma: «Já te disse que a Rua do Ferregial quinhentista corria do lado norte de Vítor Cordon de hoje; para perpectuar o nome nas aproximações topográficas ficaram na reedificação do sítio a Rua do Ferregial de Cima, que assim se chamou até 1890 a Rua Vítor Cordon, a incaracterística Rua do Ferregial de Baixo, que é esta que conduz ao Alecrim, a Calçada do Ferregial, que liga Vítor Cordon, num ângulo recto, à Calçada. (…) Correu por aqui ao fundo, em linha que não tenho possibilidade de situar por palavras e referências, o lanço sul da muralha da Cêrca nova de D. Fernando, que desde o Postigo do Duque de Bragança, sensivelmente na extrema sul da actual Rua António Maria Cardoso (esplanada) obliquava, com seus arcos (ou postigos) das Fontaínhas, do Corpo Santo e dos Cobertos, para tomar o caminho paralelo à rua do Arco dos Cobertos (Rua do Arsenal) e seguir por aí fora, sempre paralela ao mar».

Ainda segundo Luís Pastor de Macedo, a Travessa do Ferragial também terá sido chamada Calçadinha do Arroz.

Rua, Calçada e Travessa do Ferragial – Freguesias de Santa Maria Maior e da Misericórdia
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Calçada da Memória do atentado a D. José I

A Calçada da Memória em 1969
(Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

A memória das aventuras galantes de D. José I com D. Teresa de Távora, que terminaram com um atentado à integridade física do soberano, ficou registada no próprio local da agressão com a construção de uma Igreja dedicada a Nossa Senhora do Livramento – por ele ter saído ileso-, assim como a São José – por ser o nome do rei-, e essa lembrança estendeu-se depois a três topónimos locais: a  Calçada , o Largo e a Travessa da Memória.

Tanto a Calçada da Memória como a Travessa homónima, foram topónimos oficializados pela edilidade lisboeta através do Edital de  26 de setembro de 1916. Já o Largo da Memória não possui prova documental que ateste a sua data de fixação mas terá de ser posterior ao início  da construção nesta zona da Igreja da Memória , isto é, a partir de 1760. A partir dos documentos constantes no Arquivo Municipal de Lisboa podemos deduzir que todos os três topónimos serão do séc. XIX e que antes foram genericamente as Terras da Memória.

Com data de 27 de outubro de 1886, encontramos  um projeto de ruas a executar na zona da Memória e da Ajuda, no qual percebemos que a Igreja da Memória confrontava com o Caminho do Buraco, o Pátio das Vacas e o Largo do Chafariz. Também com a data de 8 de janeiro de  1891 deparamos com o projeto definitivo das ruas nas denominadas Terras da Memória, em terreno cedido pela Casa Real. E em 1892, descobrimos um requerimento de vários moradores a solicitar a demolição do muro na travessa do Pátio das Vacas para comunicação com as Terras da Memória e ainda uma solicitação de Rosa Gomes para construção de casa num dos arruamentos projetados na zona da Memória.

Da ligação de D. José I a D. Teresa de Távora, informa o olisipógrafo  Norberto de Araújo que o atentado ocorreu na noite de 3 de setembro de 1758, quando o monarca saído dos aposentos da jovem marquesa de Távora subia de Belém para Ajuda, na carruagem do seu criado e confidente Pedro Teixeira (também fixado como topónimo numa Estrada da Ajuda) e que ao passar no Pátio das Vacas foi D. José atacado a tiro. Os conjurados sumiram-se e o rei partiu à desfilada para a casa do Marquês de Angeja, na Junqueira, para tratar os seus ferimentos no braço. Saiu ileso o rei desta conspiração, tida como dos Távoras, e por tal bênção desta salvação foi erguida a Igreja da Memória. Depois, o Marquês de Pombal acusou os seus inimigos Távoras de conspiração e estes foram torturados e depois executados em janeiro de 1759. A morte dos Távoras foi celebrada com um pelourinho erguido no Beco do Chão Salgado, topónimo também relativo a essa ocasião e os restos mortais do Marquês de Pombal foram transladados em 1923 para a Igreja da Memória.

Freguesia da Ajuda
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Calçada da Capela de Santo Amaro, protetor dos ossos e dos namoros

Freguesia de Alcântara
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Calçada de Santo Amaro recolhe o seu nome da Capela a que dá morada, por ser uma via talvez do séc. XVI mas seguramente do tempo em que eram as populações que atribuíam os nomes pelos pontos de referência que eram significantes no seu mundo.

Hoje, a Calçada de Santo Amaro liga a Rua Primeiro de Maio à Travessa dos Moinhos e será um topónimo posterior à construção da Ermida em 1549, no Alto que ficou também de Santo Amaro, um abade beneditino que como santo do dia 15 de janeiro é o protetor dos ossos, dos pescadores  e dos namoros. Norberto de Araújo esclareceu a este propósito que «A Ermida de Santo Amaro foi edificada em Fevereiro de 1549, era então êste sítio, num alto bem marcado, completamente isolado de Lisboa, campo verdejante enfrentando o Tejo pelo Sul e uma parte da Serra do Monsanto pelo Norte, antigas terras do Casal Rolão. (…) A Ermida lisboeta de Santo Amaro estava agregada à Basílica de S. João Latrão, de Roma, à qual pagava foro (…).»

Há quem atribua  a fundação da Ermida a tripulantes galegos de uma barca que  aqui teria dado à costa e há quem defenda tratar-se de uma iniciativa de frades da Ordem de Cristo, regressados de Roma, que aqui teriam iniciado a sua ascese religiosa.

#EuropeForCulture

Ainda segundo Norberto de Araújo, desde o século XVI ao XIX, eram os galegos em Lisboa os mais devotos de Santo Amaro e esta capela, era local certo de romaria de 15 de janeiro a 2 de fevereiro: a Romaria dos Pinhões, o fruto seco mais comum dessa época do ano, que  se realizou pela última vez em 1930. Conta-nos o historiador olisiponense Augusto Vieira da Silva que “Nela se faziam antigamente grandes festas ao seu patrono, que começavam em 15 de Janeiro e se prolongavam ordinariamente até 2 de Fevereiro. No seu adro organizavam os galegos das companhias de aguadeiros de Lisboa, um arraial e danças ao som de gaitas de foles, e nele apareciam, além dos vendedores dos artigos que era uso negociarem-se em todas as festanças populares portuguesas, mulheres vendendo rosários de pinhões de Leiria”. Santo Amaro era venerado pelo povo como santo casamenteiro registado até numa quadra que o etnógrafo Luís Chaves registou em 1922:

Santo Amaro, meu Santo Amaro,
tu és o meu santo querido.
Venho hoje aqui pedir-te
que me dês um bom marido.

Na zona existem mais dois topónimos ligados ao mesmo Santo: as Escadinhas de Santo Amaro que ligam a capela à Calçada e a Rua da Academia Recreativa de Santo Amaro, atribuída pelo Edital municipal de  28 de julho de 1958 para consagrar a coletividade local.

Gravura das Escadinhas e da Calçada de Santo Amaro
(Foto do Arquivo Municipal de Lisboa)

A Calçada da Quintinha do Marquês de Pombal

A Calçada da Quintinha em 1953
(Foto: Fernando Martinez Pozal, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Calçada da Quintinha, onde assenta um dos arcos do Aqueduto das Águas Livres e que hoje no seu nº 6 lhe dá morada, é um topónimo proveniente da Quintinha do Carvalhão, isto é, de uma das propriedades que o Marquês de Pombal possuía em Campolide.

Campolide medieval e renascentista era uma soma de campos e quintas «fora de portas», isto é fora da cidade de Lisboa, vocacionada para a produção agrícola de frutas, vinho e azeite, para além de desde o século XV ali se proceder à extração da pedra existente, prática que acabou por também se fixar em topónimos como a Rua da Cascalheira do séc. XIX e a Rua da Pedreira do Fernandinho atribuída em 1986.

Por ordem de D. João V, através do seu alvará de 12 de maio de 1731, foi erguido o Aqueduto das Águas Livres, para melhorar o abastecimento de água a Lisboa, e em Campolide arrabaldino começam nos finais do século XVII e inícios do século XVIII a surgir outras quintas, pertencentes a nobres ou a ordens religiosas, sendo um grande proprietário local aquele que era conhecido como Carvalhão, de seu nome Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal, que aqui detinha propriedades que se estendiam desde a Cruz das Almas até à Ribeira de Alcântara, sendo dono de casas, terras, olivais, pedreiras (a da Cascalheira, por exemplo), fornos de cal, moinhos e azenhas. Foi justamente  uma das suas Quintas, a Quintinha, que deu  o seu nome à Calçada, onde as casas solarengas ostentavam no portal de acesso o brasão do Marquês.

No séc. XIX, o Atlas de Filipe Folque de janeiro de 1857  já mostra a Calçada da Quintinha  a ligar a Estrada do Aqueduto das Águas Livres até um arco do próprio Aqueduto, situada à esquerda da Estrada da Circunvalação e passando pela Calçada dos Mestres e a Meia Laranja das Águas Livres. Em 31 de outubro de 1896, nasceu no nº 17 desta Calçada o futuro maestro Pedro de Freitas Branco.

Em 1907, a edilidade traçou um plano de alargamento da Calçada da Quintinha e do caminho entre o Alto dos Sete Moinhos e o Largo da Senhora de Santana. Hoje, a Calçada da Quintinha começa na Rua Dom Carlos de Mascarenhas e segue até junto ao prolongamento da Rua 12 do Bairro da Calçada dos Mestres.

Freguesia de Campolide
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Calçada Agostinho de Carvalho, o industrial das Olarias do séc. XVII

Freguesias de Santa Maria Maior e de São Vicente
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Agostinho de Carvalho, industrial de cerâmica do séc. XVII no Bairro das Olarias, ficou com o seu nome gravado na Calçada onde viveu, entre a Rua das Olarias e a Rua do Terreirinho.

Luís Pastor de Macedo, citando o Dicionário Bibliográfico de Inocêncio Francisco da Silva, afirma que Agostinho de Carvalho foi um importante industrial de cerâmica que casou em 1618 com Bárbara Fernandes, ano em que vivia no arruamento que depois tomou o seu nome: a Calçada Agostinho de Carvalho, então ainda com a partícula «de». Segundo Pastor de Macedo «a calçada aparece já com o nome que hoje tem em 1637 [na Notícia histórica do bairro das Olarias do padre António Lourenço Farinha], mas de facto sem a partícula “de”, como já observara G. de B. [Gomes de Brito] encontrar-se mencionada no “Itinerário Lisbonense” de 1804.»

No último quartel do séc. XIX a Calçada Agostinho de Carvalho passou a ter  passeios e valetas (1880) e um cano de esgoto ligado ao cano da Rua do Benformoso (1887). De 10 de novembro de 1890 a 12 de outubro de 1912, a artéria foi alinhada,  desde a Rua do Terreirinho até à Rua das Olarias, tendo para o efeito a Câmara Municipal de Lisboa trocado terrenos com  Joaquina Amélia dos Santos de que se lavrou escritura em 3 de fevereiro de 1910.

O olisipógrafo Luís Pastor de Macedo acrescenta ainda que «Nesta serventia pública aparece em 1698, o “pátio dos órfãos”, que depois passou à categoria de beco. Deve ser o actual beco do Alegrete, que se abre defronte do nº 21 e não tem saída.»

Freguesias de Santa Maria Maior e de São Vicente
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

#EuropeForCulture