Paul Choffat da Carta Geológica Portuguesa de 1899 numa Rua da Cidade Universitária

Freguesia de Alvalade

Passados 90 anos sobre a morte do Paul Choffat, que realizou a Carta Geológica de Portugal de 1899,  foi este  geólogo suíço homenageado numa rua da Cidade Universitária, concretamente na Rua Interior da Alameda de Universidade entre a Avenida Prof. Aníbal Bettencourt e a Avenida Professor Gama Pinto, com início na Rua Branca Edmée Marques, pelo Edital de 16/09/2009.

O mesmo Edital atribuiu nesta zona da Cidade Universitária os nomes de mais três investigadores com a Rua Profª Teresa Ambrósio, a Rua Branca Edmée Marques e a Rua António Aniceto Monteiro.

Paul Choffat cerca de 1919

Léon Paul Choffat (Porrentruy/14.03.1849 – 06.06.1919/Lisboa) foi um geocientista formado pela Escola Politécnica Federal de Zurique onde foi professor de Geologia e Paleontologia Animal ao mesmo tempo que era docente na Faculdade de Medicina, salientando-se como  geólogo de campo, paleontólogo e estratígrafo, e que na Geologia de Portugal se tornou um vulto incontornável, desde que em 1878 visitou o nosso país a convite de Carlos Ribeiro e aqui se fixou desde então, trabalhando na Comissão dos Serviços Geológicos a partir de 1883.

Para a geologia portuguesa o seu contributo soma vários trabalhos de geologia aplicada, nomeadamente sobre as águas minerais das regiões mesozóicas e estudos sobre as placas tectónicas do país, sendo de destacar o levantamento da carta geológica do país que realizou e publicou em 1899, a 2ª de Portugal,  substituindo a que tinha sido publicada em 1876 por Carlos Ribeiro e Nery Delgado, para além de ter concluído três estudos gerais (um sobre o jurássico, em 1880, e dois outros sobre o cretáceo, em 1885 e 1900). Entre as suas numerosas e diversificadas publicações, uma das mais significativas é Essai sur la tectonique de la chaîne de l’Arrabida (1908) que ainda hoje é obra de referência.

Choffat era membro correspondente da Academia de Ciências de Lisboa e de inúmeras academias e sociedades científicas, tendo recebido de entre as inúmeras distinções, a atribuição do título de Doutor Honoris causa pela Universidade de Zurique, em 1892. O seu nome ficou ainda em inumeráveis táxones que lhe foram dedicados em 1894, 1898, 1903, 1905, 1908, 1958, 1961, 1969, 1970, 1971, como Choffatia ou Paulchoffatiinae.

Freguesia de Alvalade
(Planta: Sérgio Dias | NT do DPC )

O geólogo Georges Zbyszewski numa rua do Lumiar

Freguesia do Lumiar - Placa Tipo IV (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Lumiar – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

O geólogo Georges Zbyszewski, que se radicou em Portugal na década de trinta do século passado e que no nosso país muito contribuiu para os estudos geológicos, desde há 9 anos dá nome  a uma rua do Lumiar (Edital de 04/02/2005), entre a Rua António Quadros e a Rua Prof. Jorge Campinos.

Refira-se que na atribuição deste topónimo teve a Comissão Municipal de Toponímia o cuidado de escolher um arruamento sem numeração de polícia, para evitar aos munícipes erros de pronúncia ou de escrita de endereço.

Georges Zbyszewski (Rússia/22.10.1909 – 01.03.1999/Lisboa), geológo de ascendência russa, naturalizado francês e com carreira académica feita em Paris, radicou-se em Portugal na sequência de várias missões científicas ao nosso país, na década de 30 do século XX.

O Professor Zbyszewski escolheu Lisboa para morar e,  desde 1940 até à sua aposentação em 1979, trabalhou nos antigos Serviços Geológicos de Portugal, tendo depois continuado como investigador convidado até 1988. Georges Zbyszewski desempenhou também funções de vogal da Junta Nacional de Educação (1969) e, em regime de acumulação, de professor auxiliar da Faculdade de Ciências de Lisboa onde leccionou Geologia do Quaternário, Hidrogeologia, Estratigrafia e Geohistória, Cartografia Geológica e Fotogeologia, acumulando a autoria de 290 trabalhos que abarcam a carta geológica de Portugal, a Pré-História, a Paleontologia, a Geologia e a Vulcanologia.

O Professor Zbyszewski foi ainda premiado pela Academia das Ciências de Paris em 1961 e agraciado com o grau de Cavaleiro na Ordem das Palmas Académicas (1959) e da Ordem Nacional de Mérito francesa.

Freguesia do Lumiar (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Lumiar
(Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Lumiar

Freguesia do Lumiar