O Largo do Jacinto Gonçalves dos Transportes Jacintho

Freguesia de Alcântara
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

O Largo do Jacinto, no Bairro Social da Quinta do Jacinto, deriva do nome de Jacintho Gonçalves, que no séc. XIX, naquele sítio teve as primeiras cocheiras da sua empresa de transportes  de tração animal, denominada Jacintho, primeiro, de mercadorias e depois, de passageiros.

As suas primeiras cocheiras estavam no então designado Pátio do Jacinto e mais tarde, foram transferidas para a Calçada da Tapada nº 58. Jacinto Gonçalves já transportava passageiros nos seus Choras pelo menos desde 1864 sendo que a partir de julho de 1892 encontramos os documentos municipais de «pagamento de taxas das licenças dos seus carros de carreira» desde julho desse ano. Os Choras, das empresas Rippert, Chora, Salazar, Florindo ou Jacintho eram mais concorridos que os carros Americanos por praticarem preços mais económicos e assegurarem as viagens entre a Mouraria, o Intendente e Belém.

O Bairro Social da Quinta do Jacinto, situado entre a Calçada da Tapada e o Estádio da Tapadinha, foi construído nesta zona de Alcântara em 3 fases, entre 1946 e 1958, no que foi uma das primeiras realizações da Câmara Municipal de Lisboa para alojar população carenciada. Na sua primeira fase teve casas unifamiliares, para depois no início dos anos 60 –nas 2ª e 3ª fases – incluir prédios de 3 e 4 pisos  mas mantendo o carácter ruralista com hortas sociais cultiváveis em redor dos edifícios.

A toponímia do Bairro foi determinada após uma visita ao local da Comissão Consultiva Municipal de Toponímia, que na sua reunião de 8 de junho de 1951 «Emitiu o parecer de que a rua principal que circunda o bairro se denomine: Rua da Quinta do Jacinto e o pequeno largo à entrada e à direita da mesma rua: Largo do Jacinto. Pelo que respeita à denominação das restantes ruas, a Comissão foi de parecer que sejam designadas por números, de forma que às ruas orientadas no sentido Nascente-Poente sejam atribuídos números ímpares e às ruas com a orientação Sul-Norte números pares.» e assim ficou tudo fixado pelo Edital municipal de 19 de junho de 1951.

Estes Bairros Sociais eram implantados em zonas isoladas, assemelhando-se de alguma forma ao modelo de aldeia portuguesa e estimulando um estilo de vida rural, o apego à casa, à família e ao Estado. Por outro lado, a atribuição de números às ruas em vez de nomes distinguia os Bairros de Casas Económicas dos restantes bairros citadinos.

Freguesia de Alcântara
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

Anúncios

Os Caminhos de Ferro no Largo da 1ª estação

Freguesias de lá vai um e lá vai dois (Foto: Artur Matos)

Freguesias de São Vicente e de Santa Maria Maior
(Foto: Artur Matos)

Em 12 de novembro de 1880, o largo em frente da Estação principal da então designada Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses, passou por edital municipal do presidente da edilidade, Rosa Araújo, a denominar-se Largo dos Caminhos de Ferro. Também a Rua do Cais dos Soldados pelo mesmo edital passou a ser a Rua dos Caminhos de Ferro.

É evidente que este topónimo deriva da proximidade à Estação de comboios de Santa Apolónia, que por  muitos anos foi a única em Lisboa para este meio de transporte. Em Portugal, as ligações férreas haviam sido iniciadas apenas 24 anos antes, com uma viagem inaugural em 28 de outubro de 1856, em que o comboio D. Pedro V partiu da Estação de Santa Apolónia e ligou pela primeira vez Lisboa ao Carregado, assim sendo a primeira linha de Caminho-de-ferro nacional. Dez anos mais tarde, em 7 de outubro de 1866 abriu também oficialmente a ligação a Madrid.

Largo dos Caminhos de Ferro planta SD

(Planta: Sérgio Dias)

 

A Rua dos primeiros Táxis de Lisboa

Freguesia de Carnide - Placa Tipo II (Foto: José Carlos Batista)

Freguesia de Carnide – Placa Tipo II
(Foto: José Carlos Batista)

Há 89 anos atrás, em 1925, surgiu em Lisboa o primeiro serviço de Táxis, que a edilidade lisboeta perpetuou na cidade através do Edital municipal de 25/10/1989  , no Impasse A à Rua da Fonte, na freguesia de Carnide, e no modo que a gíria popular os  designava : Rua Táxis Palhinhas.

Este primeiro serviço de Táxis de Lisboa foi o resultado de uma ideia de Fernando Casimiro Manço que com um grupo de 40 motoristas criou a Cooperativa Lisbonense de Chauffeurs em 10/09/1925. Era composta por cerca de 50 condutores e 11 viaturas da marca Citroën. O sucesso foi em crescendo e o número de táxis aumentou rapidamente para cerca de 100 veículos.

A Cooperativa Lisbonense de Chauffeurs foi adquirida pela Companhia de Viação Sernache em 1976 e, mais tarde, foi integrada na Rodoviária Nacional.

Na década de 90 do século XX, Lisboa acrescentou mais um taxista à sua toponímia com a Rua Augusto Macedo.

0 Taxidom.ilust.26Palhinhas

Publicidade de 1956

Publicidade em 1959

Publicidade de 1959