A Praça António Sardinha que não passou a Praça Maria Pimentel Montenegro

Freguesia da Penha de França
(Foto: Sérgio Dias)

O poeta e rosto do Integralismo Lusitano António Sardinha, colocado como topónimo lisboeta em 1932, e numa Praça desde 1951, recebeu após o 25 de Abril  um pedido para que fosse substituído pela poetisa Maria Pimentel Montenegro, que já era topónimo desde março de 1974 numa rua de Benfica pelo que não sucedeu modificação alguma.

O caso ocorreu logo na 1ª reunião da 1ª Comissão Municipal de Toponímia pós-25 de Abril, em 15 de novembro de 1974, a partir de uma carta de Branca Alvarez Lopes a propor à edilidade a troca do topónimo Praça António Sardinha para Praça Maria Pimentel Montenegro. Como desde a publicação do Edital municipal de 4 de março de 1974, a artéria que ligava a Rua Dr. João de Barros a uma parte da Rua K já era a Rua Maria Pimentel Montenegro, a Comissão entendeu «que o pedido não é de considerar, porquanto, o nome de Maria Pimentel Montenegro está já consagrado num arruamento da zona de Benfica e quanto à substituição do nome de António Sardinha, deverá aguardar-se maior manifestação popular nesse sentido.»

António Sardinha havia sido consagrado pelo Edital de 31 de março de 1932  na Rua H do plano de  arruamentos da Quinta da Marquesa de Abrantes, em Marvila, aprovado em sessão de 15 de maio de 1930, mas o arruamento nunca chegou a ser executado, como os outros que integravam o plano, pelo que o seu nome voltou a ser dado à Praceta nº 1 da Rua da Penha de França, compreendida entre os nºs 150 e 152 da Rua da Penha de França, através do Edital municipal de 10/01/1951, onde permaneceu até aos dias de hoje.

Política, 10 de janeiro de 1930

O homenageado é António Maria de Sousa Sardinha (Monforte/09.09.1887-10.01.1925/Elvas), formado em Direito pela Universidade de Coimbra, época em que defendeu a implantação da República em Portugal,  para a partir de 1912 se tornar o mentor do Integralismo Lusitano assim como deputado monárquico durante o consulado de Sidónio Pais. A sua obra de cariz doutrinário, define o Integralismo Lusitano como um pensamento político que conjuga a defesa da monarquia, do nacionalismo e do catolicismo, como mostram os seus ensaios O Valor da Raça (1915), A Questão Ibérica (1916), Ao Princípio Era o Verbo A Aliança Peninsular (ambos em 1924), Ao Ritmo da Ampulheta e Teoria das Cortes Gerais (ambos em 1925).

O seu pensamento político teve como órgãos de divulgação as revistas Nação Portuguesa (1914) e A Monarquia (1917), ambas co-fundadas por António Sardinha, com Alberto de Monsaraz, Hipólito Raposo, Luiz de Almeida Braga e Pequito Rebelo no primeiro caso. O seu pensamento antirrepublicano e nacionalista encontrou eco em alguns dos defensores do Estado Novo.

Como poeta, António Sardinha fundiu saudosismo com os valores integralistas lusitanos, tendo publicado Tronco Reverdecido (1910), A Epopeia da Planície (1915), Quando as Nascentes Despertam (1921), Na Corte da Saudade (1922), Chuva da Tarde (1923), para além dos póstumos Era uma Vez um Menino (1926), O Roubo da Europa (1931) e Pequena Casa Lusitana (1937).

Após a morte de Sidónio Pais e o fracasso do movimento da Monarquia do Norte António Sardinha exilou-se em Espanha, no período de 1919 a 1921. De volta a Portugal dirigiu o diário A Monarquia e colaborou no quinzenário A Farça e na revista Lusitania, até falecer aos 37 anos.

Freguesia da Penha de França
(Planta: Sérgio Dias)

Da Quinta do Areeiro à Praça para Salvador Allende ou Humberto Delgado

Freguesia do Areeiro
(Foto: Ana Luísa Alvim, 2017)

A Praça do Areeiro, topónimo oficializado pela Câmara Municipal de Lisboa pelo Edital de 17 de fevereiro de 1947, recebeu após o 25 de Abril duas sugestões de alteração: uma, para que passasse a denominar-se Praça Presidente Salvador Allende, o presidente chileno assassinado em 11 de setembro de 1973; e uma outra que propunha a designação de Praça Humberto Delgado, em memória do candidato às eleições presidenciais de 1958 que fora também assassinado, pela PIDE, em 13 de fevereiro de 1965.

Recorde-se que nesta época após o 25 de Abril mais 3 figuras que foram assassinadas passaram a integrar a toponímia de Lisboa: as Ruas dedicadas a José Dias Coelho e a Ribeiro Santos, ambos mortos a tiro pela PIDE, em 1961 e em 1972, bem como a Praça Machado Santos, militar obreiro da implantação da República que foi   assassinado no decorrer da Noite Sangrenta de 1921.

Topónimo derivado da antiga Quinta do Areeiro,  que ainda aparece indicada como tal na planta de Lisboa de 1908, de Júlio Silva Pinto e Alberto de Sá Correia, ao lado de outras 3 Quintas – a dos Peixinhos, a das Olaias e o Casal Vistoso -, a Praça do Areeiro já era assim vulgarmente conhecida, como aliás se pode ler no Edital de 1947: «A via pública situada no término da Avenida Almirante Reis, conhecida por Praça do Areeiro, toma a referida denominação de Praça do Areeiro.»  

A sugestão para que fosse Praça Presidente Salvador Allende adveio de uma carta de Alberto Bastos Flores ainda em 1974. No ano seguinte, a Comissão Nacional de Homenagem ao General Humberto Delgado bem como as Juntas de Freguesia do Alto do Pina, de São João e de Santa Engrácia, sugeriram que o General Sem Medo desse nome à Praça. Nenhuma destas propostas se veio a concretizar neste local. O parecer da Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa quanto à artéria a escolher para o General Humberto Delgado, emitido por unanimidade na sua reunião de 29 de junho de 1976, repetiu o princípio de não alteração de toponímia tradicional: «Como tradicionais que são, nenhuma razão de ordem política justifica que se alterem os topónimos Praça do Município ou Praça do Areeiro.»

Todavia, nos anos oitenta, a Praça do Areeiro acabou por ver o seu topónimo alterado. A partir de uma proposta do vereador  Dr. João Martins Vieira com deliberação camarária de 22 de dezembro de 1980 e consequente Edital municipal de 5 de abril de 1982, passou a ser a Praça Francisco Sá Carneiro, com a legenda «1934 – 1980», assim como o Largo do Caldas se modificou para Largo Dr. Adelino Amaro da Costa, para homenagear o primeiro-ministro e o ministro da defesa da época que em 4 de dezembro de 1980 faleceram de forma trágica no decorrer de um voo de Lisboa para o Porto. Na década seguinte, ainda foi aditado à legenda «Antiga Praça do Areeiro», em resultado do parecer da Comissão Municipal de Toponímia de 11 de novembro de 1994.

Freguesia do Areeiro
(Planta: Sérgio Dias)

 

A Avenida Sidónio Pais que esteve para ser trocada por outra figura republicana

Avenida Sidónio Pais – Freguesia das Avenidas Novas
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida Sidónio Pais foi uma das artérias que após o 25 de Abril recebeu diversos pedidos de alterações, nomeadamente que fosse Avenida Doutor Afonso Costa, e parte dela chegou a ser, no papel, a Avenida Bernardino Machado.

Logo na 2ª reunião da Comissão Municipal de Toponímia após o 25 de Abril, em 20 dezembro de 1974, foi analisada uma carta do cidadão Alberto Bastos Flores na qual este solicitava que a Avenida Sidónio Pais passasse a ter a Doutor Afonso Costa como denominação. De igual modo, apontava mais pedidos de alterações e sugeria como possíveis futuros topónimos lisboetas os nomes de Abel Salazar, António Sérgio,  Catarina Eufémia, Cuba, Ferreira de Castro e Jaime Cortesão, tendo a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa registado e respondido que «irá considerá-las na devida oportunidade. Entretanto, entende desde já pertinente que o topónimo Praça do Ultramar seja alterado para Praça das Novas Nações, justificando dessa forma, os topónimos que a rodeiam, como Rua de Timor, Rua de Angola, Rua de Moçambique e outros.»

Em relação ao nome de Afonso Costa, um dos Primeiros Ministros da I República, no tempo da Presidência de Bernardino Machado, a 2ª Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa pós-25 de Abril, na sua reunião de 29 de junho de 1976, sugeriu que fosse o topónimo para o arruamento situado a Norte do Parque Eduardo VII, entre a Avenida Sidónio Pais e a Rua Castilho ( que desde 1982 é a Alameda Cardeal Cerejeira), mas já após as eleições autárquicas que colocaram Aquilino Ribeiro Machado como o 1º Presidente eleito da CML após o 25 de Abril, a Comissão de Toponímia sugeriu que ficasse antes num arruamento com maior extensão «que, partindo da Praça do Areeiro segue para Nascente e é vulgarmente designada por prolongamento da Avenida João XXI», que antes havia estado pendente para ser a Avenida Humberto Delgado.

Também na reunião de 6 de julho de 1976, a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa indicou o troço da Avenida Sidónio Pais compreendido entre a Avenida Afonso Costa e a Rua Marquês de Fronteira para ser a  Avenida Bernardino Machado, com o a legenda « 1851 – 1944». Contudo, as atas são omissas em relação ao desenvolvimento desta hipótese e Bernardino Machado acabou por ser homenageado numa Praça da freguesia do Lumiar em 1985.

Freguesia das Avenidas Novas – Placa Tipo IV
(Foto: Sérgio Dias)

A Avenida de Sidónio Pais, que liga a Avenida Fontes Pereira de Melo à Rua Marquês de Fronteira, é um arruamento nascido do Edital municipal de 22 de junho de 1948 no que antes era identificado como arruamento a Oriente do Parque Eduardo VII entre a Avenida Fontes Pereira de Melo e a Rua Marquês de Fronteira.

Sidónio Bernardino Cardoso da Silva Pais (Caminha/01.05.1872 – 14.12.1918/Lisboa), conhecido como o Rei-Presidente, falecera cerca de 30 anos antes em plena Estação do Rossio,  vítima de um atentado. Militar de carreira, também era licenciado em Matemáticas, pela Universidade de Coimbra, onde aderiu à causa republicana. Após a implantação da República em 1910, foi eleito deputado à Constituinte que elaborou a Constituição Portuguesa de 1911; Ministro do Fomento do Governo de  João Chagas (1911); Ministro das Finanças (1911-1912); embaixador de Portugal em Berlim (1912- 1916), até à declaração de guerra da Alemanha a Portugal.

Regressado a Portugal, mostrou-se como figura principal de contestação ao Governo do Partido Democrático e encabeçou o golpe de estado de 5 de dezembro de 1917, tomando posse como Presidente do Ministério no dia 11 e acumulando as pastas da Guerra e  Negócios Estrangeiros, para além de a partir de dia 27 assumir ainda as funções de Presidente da República, num regime que designou como República Nova. A 9 de Maio do ano seguinte foi eleito Presidente da República por sufrágio direto, considerando que apesar do desaire da Batalha de La Lys e de problemas sociais e económicos  Sidónio Pais conseguia apoio popular com a  distribuição da sopa dos pobres (conhecida como Sopa do Sidónio) ou  a visita a hospitais na altura da Gripe Espanhola. No entanto, muitos o o consideravam um traidor aos ideais da República pelo que no 1º aniversário do golpe de estado que o colocou no poder sofreu um atentado de que escapou, para 9 dias depois falecer, a tiro, noutro, na Estação do Rossio.

Freguesia das Avenidas Novas
(Planta: Sérgio Dias)

 

A memória de uma Leva da Morte de 1918 ou a Rua António Maria Cardoso

A Rua António Maria Cardoso no dia 25 de abril de 1974
(Foto: sem identificação de autor, Arquivo Municipal de Lisboa)

Rua António Maria Cardoso era no dia 25 de Abril de 1974 a morada da sede da PIDE, polícia de repressão política do Estado Novo, que ainda nessa tarde fez mais 4 mortos – os únicos da revolução – e 45 feridos, através de rajadas disparadas a partir das suas janelas, pelo que não se estranha que este topónimo figure muitas vezes entre os pedidos de alterações apresentados no pós-25 de Abril, sendo sugerido como topónimos alternativos que passasse a ser Rua da Leva da Morte ou Rua Dias Coelho, um pintor assinado pelo PIDE aos 38 anos de idade.

Entre inúmeras solicitações de alterações que a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa recebeu na época, a substituição da Rua António Maria Cardoso por Rua Dias Coelho, foi sugerida pelo cidadão Alberto Bastos Flores. O topónimo pedido acabou por ser concretizado em Alcântara, com a Rua José Dias Coelho, freguesia onde o artista havia sido morto a tiro e justamente na artéria onde tal aconteceu, através do Edital municipal de 17 de fevereiro de 1975.

Também a Associação dos Ex-Presos Políticos Antifascistas (AEPPA)  propôs que a Rua António Maria Cardoso voltasse «à sua antiga denominação de Rua da Leva da Morte » a que a Comissão Municipal respondeu que deveria «aguardar-se maior manifestação popular no sentido da alteração toponímica». Em termos de rigor histórico, a Rua da Leva da Morte havia sido,  durante a I República, um troço daquela artéria que hoje identificamos como Rua Serpa Pinto, em homenagem aos presos políticos anti-sidonistas que foram mortos num tiroteio em plena Rua Vítor Cordon em 1918, mas a força simbólica da presença da PIDE naquele arruamento era muito forte, a ponto da Associação dos Ex-Presos Políticos Antifascistas, que tinha sede nesta rua ter impresso os seus materiais e papel timbrado com Rua da Leva da Morte nº 15 como morada.

Freguesias da Misericórdia e de Santa Maria Maior
(Planta: Sérgio Dias)

O General Sem Medo na toponímia de Lisboa

Humberto Delgado que ganhou o epíteto de General Sem Medo, muito por no decorrer da sua candidatura presidencial em 1958, ter afirmado em relação a Salazar «Obviamente, demito-o!», está perpetuado desde 1979 na toponímia de Lisboa, primeiro como Praça General Humberto Delgado e desde o final de 1990, como Praça Marechal Humberto Delgado, considerando a sua promoção póstuma na carreira militar.

Logo após o 25 de Abril foram vários os pedidos para homenagear Humberto Delgado na toponímia de Lisboa, somando 8 sugestões antes da decisão definitiva. Um deles, analisado na reunião da Comissão Municipal de Toponímia de  20 dezembro de 1974, sugeria que o seu nome fosse  dado à Avenida Dom Carlos Primeiro. Essa mesma carta solicitava que a Rua Agostinho Lourenço passasse a Manuel Rodrigues da Silva,  a Avenida Sidónio Pais fosse a Avenida Doutor Afonso Costa, a Rua António Maria Cardoso tivesse antes o nome de José Dias Coelho  – escultor assassinado pela PIDE -, a Rua General Sinel de Cordes ficasse como Rua Alves Redol (o que sucedeu mesmo) , a Praça do Príncipe Real levasse antes o nome de Aquilino Ribeiro, a  Rua Quirino da Fonseca passasse a  Soeiro Pereira Gomes, a Rua de São Lázaro voltasse ao topónimo republicano de Rua Vinte de Abril, a Praça do Areeiro fosse antes Praça Presidente Salvador Allende e que o Largo de Santos ficasse como Largo Ribeiro Santos (tendo sido antes escolhida a Calçada para Calçada Ribeiro Santos).

A 5 de março de 1975, a Comissão Municipal de Toponímia analisou o pedido da Comissão Executiva de Lisboa de Homenagem ao General Humberto Delgado para que fosse consagrado na toponímia de Lisboa e  a Comissão deu parecer favorável, propondo mesmo que «ao arruamento designado por Rua A no plano de urbanização da Quinta dos Condes de Carnide – Unor 36 – seja atribuído o topónimo  Avenida General Humberto Delgado/1906 – 1965». Todavia, tal não se concretizou pelo que mais tarde, pelo Edital municipal de 23/02/1978, esse arruamento foi designado Avenida do Colégio Militar, curiosamente a instituição de que Humberto Delgado fora aluno. Pode supor-se que não se tenha considerado o arruamento condigno para o efeito, considerando que cerca de 4 meses depois, por cartas da Comissão Nacional de Homenagem ao General Humberto Delgado, bem como das Juntas de Freguesia do Alto do Pina, de São João e de Santa Engrácia, foi solicitado à edilidade lisboeta que o nome de Humberto Delgado fosse atribuído à Praça do Areeiro, a que a Comissão Municipal de Toponímia, de acordo com a Ata da reunião de 22 de julho de 1975, respondeu que «Conforme já foi esclarecido pelo presidente da Comissão, aguarde-se o parecer do M.F.A.»

Em 1976, já na vigência da segunda Comissão Municipal de Toponímia pós- 25 de Abril, a reunião de 15 de junho de 1976 esclarece que «A Comissão entende que, em princípio, servirá condignamente para o efeito, a actual Praça do Aeroporto, conhecida vulgarmente por Praceta do Relógio, até porque, tratando-se de uma figura da Aviação, o nome do General Humberto Delgado ficará bem homenageado nas imediações do aeroporto. Todavia, convirá que a decisão definitiva mereça o consenso da Comissão de Homenagem, pelo que deverá pedir-se a comparência de alguns membros desta, à próxima reunião da Comissão, que terá lugar em 29 do corrente mês, só após o que será emitido parecer definitivo.» No dia definido, compareceram 5 membros da Comissão Executiva da Homenagem Nacional ao General Humberto Delgado, a saber, Dr. Abranches Ferrão, Drª Alcina Bastos, Daniel Pires Lourenço, Dr. Duarte Vidal e José Moreira da Assunção. O vogal da Comissão Municipal de Toponímia José Augusto-França «pronunciou-se desfavoravelmente quanto à pretendida alteração do topónimo Praça do Areeiro, por considerar tratar-se de uma nomenclatura que designa um sítio de Lisboa bastante tradicional que nenhuma razão de ordem política justifica que seja alterada, pese embora a muita consideração que lhe merece a figura do falecido General Humberto Delgado». A Comissão Municipal de Toponímia apresentou também a sugestão da Comissão Administrativa do Concelho de Oeiras para que fosse usada para o efeito a Praça Dom Manuel Primeiro, situada em Algés, nos limites dos concelhos de Lisboa e Oeiras, assim como uma avenida situada no prolongamento da Avenida João Vinte e Um que partindo da Praça do Areeiro segue para Nascente – pelo Edital de 30 de dezembro desse ano passou a ser a Avenida Afonso Costa -,  e também a Praça do Chile. No entanto, a «Comissão Executiva da Homenagem recusou todas as sugestões apresentadas, alegando para tanto que o General Humberto Delgado, como percursor do Vinte e Cinco de Abril, bem merece que o seu nome seja consagrado numa praça do centro da cidade ou zona de grande densidade populacional, até porque se pretende que esse local possa vir a servir para comícios ou concentrações. Recordou, a propósito, que a Comissão Administrativa do concelho do Porto não teve relutância em dar o nome do General Delgado à antiga Praça do Município e que, seguindo sua opinião, nada impediria que a cidade de Lisboa procedesse de idêntico modo. Assim entendo, apresentarem como única alternativa aceitável, de preferência a Praça do Município, ou então, a Praça do Areeiro». A Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa acabou por emitir, por unanimidade, parecer de que «Como tradicionais que são, nenhuma razão de ordem política justifica que se alterem os topónimos Praça do Município ou Praça do Areeiro. Como contrapartida, sugere-se que o nome do General Humberto Delgado seja atribuído, em primeira alternativa, à avenida que constitui prolongamento da Avenida João Vinte e Um [hoje Avenida Afonso Costa ] e que partindo da Praça do Areeiro segue para Nascente e, em segunda alternativa, ao Largo dos Caminhos de Ferro, situado em frente da Estação de Santa Apolónia, local que está historicamente ligado à campanha presidencial de 1958».

E assim, Humberto da Silva Delgado (Torres Novas – Brogueira/05.05.1906 – 13.02.1965/Villanueva del Fresno -Espanha), que foi assassinado por um comando da PIDE liderado por Rosa Casaco,  chegou à toponímia de Lisboa através do Edital municipal de Edital de 02/02/1979, como Praça General Humberto Delgado no antigo Largo de Sete Rios, nas freguesias de São Domingos de Benfica , Campolide e Avenidas Novas, após o parecer favorável do Estado-Maior General das Forças Armadas. Em 5 de outubro de 1990, sendo nomeado a título póstumo, Marechal da Força Aérea, e os seus restos mortais trasladados para o Panteão Nacional, foi depois também o topónimo foi alterado para Praça Marechal Humberto Delgado, através do Edital municipal de 13 de dezembro de 1990, tendo ainda a Câmara Municipal de Lisboa promovido uma cerimónia de inauguração das novas placas toponímicas em 18/01/1991, na qual usaram da palavra o vereador Anselmo Aníbal e Fernando Piteira Santos, em representação da Comissão Municipal de Toponímia.

Recentemente, em maio de 2016, Humberto Delgado que esteve ligado desde a primeira hora à criação do primeiro aeroporto civil em Portugal, foi ainda homenageado com a atribuição do seu nome a esse Aeroporto: o de Lisboa.

 

A Rua Fernando Piteira Santos, membro da 1ª Comissão Municipal de Toponímia pós 25 de Abril

Freguesia de Carnide
(Foto: Sérgio Dias)

Fernando Piteira Santos foi membro da primeira Comissão Municipal de Toponímia após o 25 de Abril de 1974, bem como da primeira Comissão Municipal de Toponímia da década de 90 do séc. XX, e desde o ano seguinte ao seu falecimento dá nome a uma Rua de Carnide, com a legenda «Político e historiador/1918 – 1992».

A primeira Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa após o 25 de Abril de 1974 era presidida pelo Vereador Henrique José Monteiro Chaves  e integrava o Dr. Fernando Castelo Branco, em representação da autarquia, bem como três personalidades convidadas, a saber a Drª Maria da Conceição Machado, a  Drª Leonor Pizarro Beleza e o Dr. Fernando Piteira Santos. A primeira reunião desta Comissão ocorreu em 15 de novembro de 1974 e a última, no dia 22 de julho de 1975.

Piteira Santos voltou a ser convidado para a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa, na primeira dos anos 90 do séc. XX, onde participou desde a primeira reunião, em 8 de junho de 1990, até à data do seu falecimento.

No ano seguinte, a partir de uma moção aprovada por unanimidade na reunião de Câmara de 30 de setembro de 1992  e formalizado através do Edital municipal de  26/01/1993, Fernando Piteira Santos  passou a ser o topónimo do Impasse G da Nova Urbanização do Bairro Padre Cruz, a ligar hoje a Rua Prof. Arsénio Nunes à Rua Prof. Sedas Nunes. O mesmo edital também colocou o professor catedrático Tiago de Oliveira no Impasse I, contribuindo para reforçar a presença de professores universitários naquela  zona da cidade.

Piteira Santos com Oliveira Marques (à esquerda) em 25 de outubro de 1975, numa conferência no São Luiz
(Foto: Armando Serôdio, Arquivo Municipal de Lisboa)

Fernando António Piteira Santos (Amadora/23.01.1918 – 28.09.1992/Lisboa) foi um político, historiador, professor universitário e jornalista. Logo nos anos quarenta do séc. XX dirigiu movimentações estudantis contra as propinas e pela Autonomia Universitária e veio a ser membro do Comité Central do PCP entre 1941 e 1950, ano em que foi expulso a pretexto de uma falsa acusação de delação, aproximando-se então da Resistência Republicana e Socialista. Oposicionista ativo ao Estado Novo conheceu os cárceres da ditadura, tendo sido preso por três vezes. Colaborou na tentativa de assalto ao Quartel de Beja (1961) vendo-se por isso obrigado a passar à clandestinidade e depois ao exílio político em Argel, onde foi um dos membros fundadores da Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN) e de lá só regressou após a revolução de 25 de Abril de 1974.

Em maio de 1974 foi nomeado Diretor-Geral da Cultura Popular e Espetáculos mas exerceu o cargo apenas por um mês e passou a dirigir os Centros Populares 25 de Abril e a integrar a Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa. Em 1977 esteve na fundação da associação Fraternidade Operária, criada por destacados dirigentes e militantes do PS, entre os quais Lopes Cardoso e César Oliveira, descontentes com o rumo político tomado pelo partido.

De 1974 a 1988 Piteira Santos também lecionou na Faculdade de Letras de Lisboa e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, dedicando-se sobretudo ao estudo das questões metodológicas da História e dos regimes fascistas e totalitários, em especial o Estado Novo.

Enquanto fundador da Sociedade Portuguesa de Autores teve um papel preponderante na luta pela independência e liberdade dos autores portugueses mas também trabalhou nas editoras Europa-América e Sá da Costa, para além de se dedicar ao jornalismo, particularmente no Diário de Lisboa, de que foi diretor-adjunto de 1974 a 1989 e onde assinou a coluna de análise política «Política de A a Z» a partir de 1976. Também colaborou na Seara Nova e na revista Ler, da qual chegou a ser chefe de redação.

Freguesia de Carnide
(Planta: Sérgio Dias)

Quatro médicos militares na toponímia de Lisboa em 1970

Francisco Luís Gomes

Em 1970, nove anos após o início da Guerra Colonial, foram colocados na toponímia de Lisboa quatro médicos militares, com a característica comum de terem prestado serviço no Hospital Militar de Lisboa e/ou nos territórios que eram colónias na época: Francisco Luís Gomes, José Baptista de Sousa, Mário Moutinho e Nicolau de Bettencourt.

O primeiro caso ocorreu através do Edital  municipal de 14 de fevereiro e foi a  Avenida Dr. Francisco Luís Gomes (na freguesia dos Olivais), a que se seguiu no Edital de  dia 17  a Avenida Dr. Mário Moutinho (Belém), e que se completou no Edital de 31 de março com a Rua Dr. José Baptista de Sousa (Benfica) e a Rua Dr. Nicolau de Bettencourt (Avenidas Novas).

A Avenida Dr. Francisco Luís Gomes foi atribuída com a legenda «Médico e Escritor/1829 – 1869» no arruamento que começa na Avenida de Berlim (junto à Piscina), no topo das Avenidas Infante Dom Henrique e Dr. Alfredo Bensaúde, para homenagear o cidadão que nasceu em 1829 na Índia e se licenciou em Medicina pela Escola de Goa (1850), tendo sido Cirurgião-mor  do exército português na Índia a partir de 1860, e ainda o autor de A Economia Rural da Índia Portuguesa, entre outras obras. Este topónimo é único no país.

Mário Moutinho

Mário Moutinho

A Avenida Dr. Mário Moutinho, nasceu com a legenda «Oftalmologista/1877-1961», para perpetuar o médico que dirigiu o serviço de Oftalmologia do Hospital Militar Principal de Lisboa a partir de 1909, e que nove anos depois foi seu subdiretor e mais tarde, diretor. Também este é um topónimo exclusivo de Lisboa.

No último dia do mês de março foram atribuídas a Rua Dr. José Baptista de Sousa/ Coronel Médico/1904 – 1967 na  Rua B à Travessa da Granja na freguesia de Benfica, bem como a Rua Dr. Nicolau de Bettencourt/ Brigadeiro-Médico/1900 – 1965 no troço da Estrada de Benfica compreendido entre o Largo de São Sebastião da Pedreira e o Largo então  vulgarmente conhecido como Praça de Espanha,  e as legendas destes dois topónimos expressam claramente a componente militar destes homenageados, sendo neste sentido os dois primeiros na toponímia de Lisboa em que a referência militar se liga à medicina.

A escolha do coronel-médico alfacinha  José Baptista de Sousa foi sugerida por um cidadão de seu nome Eduardo Mimoso Serra e a atribuição do nome de Nicolau de Bettencourt resultou de um pedido dos C.T.T. para que houvesse topónimo que evitasse equívocos na distribuição de correio naquela artéria.

José Baptista de Sousa

José Baptista de Sousa

Baptista de Sousa integrou as Forças Expedicionárias a Cabo Verde, e permaneceu em S. Vicente de 22 de fevereiro de 1942 até 10 de setembro de 1944, como diretor do Hospital Militar Principal de Cabo Verde, trabalhando também para os civis, o que lhe granjeou muitas simpatias locais e o epíteto de engenheiro humano. Ao contrário das orientações oficiais declarou a fome como causa de morte em diversos atestados de óbito, demonstrando coragem cívica. De 1947 a 1950, prestou serviço na Escola Médico-Cirúrgica de Goa. De 1951 a 1961 foi  Chefe da Clínica Cirúrgica do Hospital Militar Principal de Lisboa e a partir de 1964, foi  Consultor de Cirurgia da Direção do Serviço de Saúde Militar. O Dr. José Baptista de Sousa foi agraciado com o grau de oficial da Ordem de Avis e, em Mindelo (S. Vicente) o hospital passou a denominar-se Hospital Baptista de Sousa. Este topónimo é único no país.

Nicolau José Martins de Bettencourt concluiu o curso de Medicina em 1924 e, dois anos depois, também o curso de Medicina Tropical. Na sua carreira destacou-se como instrutor dos cursos de oficiais milicianos e dos enfermeiros militares das Escolas Centrais de Defesa do Território bem como Inspetor da Instrução do Serviço de Saúde Militar (1960 e 1961); dirigiu o Hospital Militar de Belém (1945 a 1949), o Hospital Militar Principal (a partir de 1957), os Serviços de Saúde Militar (a partir de  1962) e o Serviço de Saúde da Legião Portuguesa. Durante a presidência do general França Borges na Câmara Municipal de Lisboa, foi também vereador, no mandato de 1960 a 1963.  O seu nome integra também a toponímia da Marinha Grande.

Antes da Guerra Colonial apenas dois médicos militares tinham integrado a toponímia de Lisboa, a saber, a Rua Dr. Mascarenhas de Melo com a legenda «1868 – 1950», por Edital municipal de 24/07/1957, para homenagear um diretor do Hospital Militar da Estrela, e pelo Edital de 19/09/1960 foi a Praça Dr. Teixeira de Aragão com a legenda «Escritor-numismata/1823-1903» que perpetuou o diretor do gabinete de numismática e arqueologia do rei D. Luís I.

Após o 25 de Abril foram dois os médicos militares que tiveram a honra de serem topónimos alfacinhas: a  Escadaria José António Marques, com a legenda «Fundador da Cruz Vermelha Portuguesa/1822 – 1884», por via do Edital de 11 de fevereiro de 1985; e a Rua Dr. Bastos Gonçalves, com a legenda «Brigadeiro – Médico/1898 – 1985», pelo Edital de 21 de fevereiro de 2001, em memória daquele que dirigiu a Revista Portuguesa de Medicina Militar.

Nicolau de Bettencourt

Nicolau de Bettencourt

O Largo do Governador da Guiné do séc. XIX, Honório Barreto, em Lisboa desde 1964

Freguesia do Beato (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Beato
(Foto: Sérgio Dias)

Na Guiné, a Guerra Colonial foi iniciada a 23 de janeiro de 1963, com o ataque do PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde) ao quartel de Tite e no ano seguinte, o Edital de 23 de julho de 1964, atribuiu o Largo Honório Barreto na Freguesia do Beato, por via de uma sugestão da Sociedade de Geografia de Lisboa feita cerca de 11 anos antes, em homenagem  a um Governador da Guiné do séc. XIX, que era natural daquele território.

Em 22 de janeiro de 1953, Luís Nunes da Ponte proferiu uma conferência na Sociedade de Geografia de Lisboa intitulada «Honório Pereira Barreto, heróico governador negro da Guiné» e na reunião da Comissão Municipal de Toponímia de 12 de outubro desse ano, foi  analisado o pedido da Sociedade de Geografia de Lisboa, no qual solicitava que « o nome de Honório Barreto – heróico governador negro da Guiné – e, bem assim, os nomes de Caldas Xavier e Artur de Paiva, sejam atribuídos a artérias da capital» tendo então avançado « que o nome de Honório Barreto denomine a primeira transversal do Parque Eduardo VII, que liga a Avenida António Augusto de Aguiar à Avenida Sidónio Pais». Contudo, o Edital de 28/05/1956 atribuiu a essa mesma artéria a denominação de Rua Eugénio dos Santos que ainda hoje vigora. Assim, só pelo Edital de 23/07/1964 foi fixado o nome de Honório Barreto na toponímia de Lisboa, desta feita na freguesia do Beato, no cruzamento da Rua João do Nascimento Costa com a Calçada da Picheleira.

10-honorio-barretoHonório Pereira Barreto (Guiné – Cacheu/24.04.1813 – 16 ou 24 ou 26.04.1859/Bissau – Guiné), estudou em Portugal até ao falecimento de seu pai, em 1829, e foi um militar que chegou ao posto de tenente-coronel e a Governador da Guiné.

Era filho do caboverdiano, João Pereira Barreto Jr. –  Sargento-Mor e maior comerciante de Cacheu – e da guineense, Rosa de Carvalho Alvarenga,  conhecida por Dona Rosa de Cacheu ou Nha Rosa, uma reconhecida autoridade local. Aliás, Honório Barreto geriu com a sua mãe o negócio de família em Cacheu, onde os principais produtos dos seus negócios mercantis eram escravos obtidos dos Soninké/Mandinga e dos Bijagó.

Este Governador da Guiné manteve o controlo português da área e ainda estendeu territorialmente a sua influência. Desempenhou as funções de Provedor de Cacheu (1834) Capitão-Mor de Cacheu por três vezes (1834 – 1835, 1846 a 1848 e 1852), Governador da Praça de Cacheu (1852 -1854), e Capitão-Mor de Bissau por cinco vezes (1837 –  1839, 1840 – 1841, 1853 – 1854, 1855 – 1858 e de 1858 até à sua morte).

Conseguiu através de luta armada, mas também comprando terrenos, que Bolama e Casamansa não ficassem na posse dos ingleses e reconstruiu Bolama após os incêndios dos britânicos (1839). Em 1843 publicou a sua Memória sobre o Estado Actual da Senegâmbia Portuguesa, Causa da sua Decadência e Meios de a Fazer Prosperar. Também acabou com a sublevação dos Papéis de Bissau (1853) e as investidas dos Nagos (1856) enquanto cedia graciosamente à coroa portuguesa um território seu, na região dos Felupes de Varela (1857).

Honório Barreto foi galardoado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Cristo e com o grau de Cavaleiro da Ordem Militar da Torre e Espada, assim como teve a sua efígie em notas da Guiné de 1.000$00 (30 de abril de 1964) e 500$00 (27 de julho de 1971), bem como em selos e ainda deu o seu nome a uma corveta de guerra da Marinha Portuguesa em 1971.

Freguesia do Beato (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Beato
(Foto: Sérgio Dias)

A Rua General Vassalo e Silva, que se rendeu na Índia em dezembro de 1961

Freguesia do Beato (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Beato
(Foto: Sérgio Dias)

O General Vassalo e Silva que era o governador do Estado Português da Índia em  18 de dezembro de 1961, quando a União Indiana invadiu os territórios de Goa, Damão e Dio, quase sem resistência dos soldados portugueses tal era a desproporção das forças, deu o seu nome a uma rua de Lisboa passados 53 anos sobre esse acontecimento e 29 sobre o seu falecimento, em 2014.

Foi pelo Edital municipal de 2 de junho de 2014 na artéria identificada como Rua 5 à Avenida Marechal Francisco da Costa Gomes, na Freguesia do Beato: Rua General Vassalo e Silva/1899 – 1985.

Vassalo e Silva na Paris Match de 13 de janeiro de 1962

Vassalo e Silva na Paris Match de 13 de janeiro de 1962

Manuel António Vassallo e Silva (Torres Novas/08.11.1899 – 11.08.1985/Lisboa), sendo ainda brigadeiro, foi nomeado no final de 1958 como o 128º e último governador do Estado Português da Índia. Salazar tinha-lhe escrito num telegrama que «Não prevejo possibilidade de tréguas nem prisioneiros portugueses, assim como não haverá navios rendidos, pois sinto que apenas pode haver soldados e marinheiros vitoriosos ou mortos». No entanto, 36 horas após a entrada das tropas indianas, Vassalo e Silva rendeu-se com a guarnição portuguesa em Goa, cerca de três mil e quinhentos homens em armas, perante as forças indianas que contavam com cerca de 50 mil soldados. A maioria dos soldados portugueses escolheu a total rendição e apenas 25 morreram. Foram feitos prisioneiros e Vassalo e Silva foi ainda punido com a expulsão das Forças Armadas Portuguesas por ter desobedecido a Salazar, sendo reintegrado após o 25 de Abril de 1974. O General Vassalo e Silva ganhou por isto o epíteto de «Vacila e Salva».

Bacharel em Matemáticas, concluiu os preparatórios de Engenharia Militar e ingressou na vida militar em 13 de novembro de 1922, no Curso de engenharia militar na Escola Militar, que concluiu como aspirante a Oficial em 1926. Prestou serviço no Regimento de Sapadores Mineiros nº 1 (Lisboa), na Escola Prática de Engenharia (Porto), na Escola de Transmissões, como professor-adjunto da 24ª Cadeira da Escola do Exército, como Comandante de engenharia do Quartel General do Comando das Forças Expedicionárias às Colónias em Moçambique, nas Forças Expedicionárias ao Extremo Oriente em Timor, como professor provisório nos Pupilos do Exército, como Professor Catedrático da 24ª Cadeira da Escola do Exército e como Comandante da Escola Prática de Engenharia em Tancos.

Na sua vida particular era filho de Manuel Caetano da Silva e de Maria da Encarnação Vassalo e Silva e assim também o irmão mais novo da escritora Maria Lamas.

Foi agraciado com diversas condecorações como oficial da Ordem Militar de Avis (1938), comendador de Avis (1951) e Grande-Oficial da Ordem Militar de Avis (1958), Oficial da Ordem do Mérito Agrícola e Industrial (1954) e dá nome a Ruas da Charneca da Caparica, Linda-a-Velha e Torres Novas.

Freguesia do Beato (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia do Beato
(Planta: Sérgio Dias)