O Grupo de Coimbra, José Régio e a Rua Fernando Lopes Graça

Colegas de Coimbra : Miguel Torga, José Régio, Prof. Paulo Quintela
(Foto: © CER)

Coimbra foi o ponto de encontro de Fernando Lopes Graça e José Régio, através do grupo da Presença, e assim permitiu que o primeiro compusesse para a peça Jacob e o Anjo do segundo, quando esteve a ser encenada pela Companhia Rey Colaço – Robles Monteiro, no Teatro Nacional D. Maria II.

Cinco anos mais novo que José Régio, Fernando Lopes Graça recebeu dele o epíteto de revolucionário, pela sua atitude modernista no conservador meio musical português, e musicou poemas do escritor vilacondense.

Lopes Graça chegou a Coimbra em 1932, onde foi professor no Instituto de Música e aí conviveu e colaborou com o grupo da Presença, de 1933 a 1936. Mais tarde, musicará vários poemas de presencistas como a Balada de Coimbra de José Régio ou outros de Adolfo Casais Monteiro. Matriculou-se na Faculdade de Letras em Histórico-Filosóficas, curso que iniciara em Lisboa, mas que não termina por ser novamente preso por razões políticas, desta vez em Caxias e depois de solto, em 1937, partiu para Paris. Mas manteve a ligação a Coimbra através do seu contributo para a Revista de Portugal, fundada e dirigida por Vitorino Nemésio, bem como pela correspondência que manteve desde os anos 30 até final dos anos 60 do século XX com José Régio, João Gaspar Simões, Branquinho da Fonseca, Adolfo Casais Monteiro, Miguel Torga e Albano Nogueira da revista Manifesto, Júlio, António de Sousa, Afonso Duarte ou Alberto de Serpa.

O compositor, maestro, pianista e professor de música que muito enriqueceu o património artístico português Fernando Lopes Graça (Tomar/17.12.1906 – 29.11.1994/Parede) recebeu uma Moção de Pesar da reunião de câmara da edilidade lisboeta logo no dia seguinte ao seu falecimento, o que originou que viesse a dar nome à Rua E da Urbanização do Paço do Lumiar, pelo Edital de 20 de março de 1995.

Na sua obra musical, Lopes Graça começou com a composição de canções com poemas dos maiores vultos da poesia nacional, onde além dos já referidos incluiu Fernando Pessoa e Antero de Quental. Regressado de Paris, faz  estadias na casa de João José Cochofel, que o ligam ao grupo do Novo Cancioneiro e aí nascerão em 1945 as Marchas, as Danças e as Canções (Heróicas), com poemas de João José Cochofel, Joaquim Namorado, Carlos de Oliveira, Arquimedes da Silva Santos, Ferreira Monte e Edmundo de Bettencourt, bem como a duradoura colaboração com a revista conimbricense Vértice. Ainda na década de quarenta, Fernando Lopes Graça também compôs exclusivamente para a peça Jacob e o Anjo,  partitura inédita até ser apresentada pelo contrabaixista Carlos Barreto em 16 de julho de 2013, no lançamento do livro Jacob e o Anjo – o drama intemporal da condição humana, da autoria de Isabel Cadete Novais, Presidente do Centro de Estudos Regianos.

Lopes Graça começou a trabalhar logo aos 14 anos,  como pianista no Cine-Teatro de Tomar. Passados três anos abalou para Lisboa para estudar no Conservatório, onde foi aluno de Adriano Meira (Piano), Tomás Borba (Composição), Luís de Freitas Branco (Ciências Musicais) e, a partir de 1927, de Viana da Mota (Classe de Virtuosidade). De 1928 a 1931 também frequentou o curso de Ciências Históricas e Filosóficas da Faculdade de Letras de Lisboa, mas abandonou-o em protesto contra a repressão feita a uma greve académica.

Fernando Lopes Graça procurou uma linguagem estética portuguesa  e definiu o conceito de «música portuguesa» como uma fórmula que exprime uma relação alicerçada na tradição musical do povo, sendo pioneiro no estudo e recolha do folclore nacional, assim como na criação de ciclos de canções com textos de grandes poetas portugueses. Em 1942, fundou a Sociedade de Concertos Sonata, que dirigiu até 1961, dedicada à divulgação da música contemporânea e que se tornou numa referência da vanguarda intelectual.

Como compositor apresentou-se pela primeira vez  em 1929, com as Variações sobre um Tema Popular Português, para piano, e com Poemeto, para orquestra de cordas. Destacam-se depois  La fièvre du temps (1937),  Concerto para piano e orquestra nº1 (Prémio do Círculo de Cultura Musical, 1940), História Trágico-Marítima (Prémio CCM, 1942), Sinfonia per Orchestra (Prémio CCM, 1944), Sonata para piano nº 3 (Prémio CCM, 1952), Quarteto de cordas (Prémio Príncipe Rainier III do Mónaco, 1965), Sete Lembranças para Vieira da Silva (1966),  Requiem pelas Vitimas do Fascismo em Portugal (1979),  Melodias Rústicas (1979), Charneca em Flor (1981), Meu País de Marinheiros (1981) e Dez  Novos Sonetos de Camões (1984).

Fernando Lopes Graça também publicou ensaios sobre música como Introdução à Música Moderna (1942) ou A Canção Popular Portuguesa (1953) e, em 1951 lançou a revista Gazeta Musical.

Finalmente, como cidadão opositor do regime salazarista, Lopes Graça integrou o MUD-Movimento de Unidade Democrática a partir de 1945 e nesse âmbito criou o Coro do Grupo Dramático Lisbonense, mais tarde Coro da Academia dos Amadores de Música, renomeado Coro Lopes-Graça após a sua morte, responsável pela divulgação em todo o país das Canções Regionais Portuguesas e das Canções Heróicas. Também conheceu a PIDE e a prisão política : preso em 1931 no Aljube e, mais tarde, desterrado para Alpiarça; em 1934, bolsa de estudo em Paris, na área da música anulada pela PIDE; nova prisão em Caxias e partida para Paris após ser libertado. Na década de quarenta do séc. XX aderiu ao Partido Comunista Português e, na década seguinte as orquestras nacionais foram proibidas de interpretar obras dele, anularam-lhe o diploma de professor do ensino particular e teve de abandonar a Academia dos Amadores de Música, à qual só regressou em 1972.

Freguesia do Lumiar

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

 

Anúncios

Shegundo Galarza e a Sons da Lusofonia no Muro’19

O compositor basco Shegundo Galarza e a Sons da Lusofonia vão partilhar o espaço do Muro’19, 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa, desta feita com a inspiração da música que a toponímia local evoca –  com a Alameda da Música, as fadistas Maria Alice, Maria do Carmo Torres e Maria José da Guia ou nomes da  música clássica como Arminda Correia ou Tomás del Negro-, fazendo a ligação da arte urbana a sonoridades, na vontade expressa da Galeria de Arte Urbana de Lisboa|GAU de apostar na divulgação de abordagens artísticas experimentais e inovadoras.

Criada em 1996, a Associação Sons da Lusofonia partiu do saxofonista português Carlos Martins e da sua experiência musical, com o intuito de juntar artistas de diversas origens- em especial, africanos, brasileiros e portugueses – em vários agrupamentos dos quais se destaca a Orquestra Sons da Lusofonia. A Associação procura ainda aliar a intervenção social e a educação global à música, assim como à relação entre comunidades, pessoas e artes,  numa ampla área de intervenção de  Criação de Projetos Culturais, Festivais, Cooperação cultural e técnica, Educação Global através da música, Criação e produção de suportes de comunicação, Investigação em Etnomusicologia e Promoção de espetáculos.

A Associação Sons da Lusofonia tem marcado o seu percurso através de cruzamentos interdisciplinares e pessoas de diferentes geoculturalidades e neste âmbito produz anualmente a Festa do Jazz, a OPA- Oficina Portátil de Artes, a Lisboa Mistura, assim como desenvolveu o Portugal em Jazz, para além de editar discos e livros. Em 2007, realizou ainda para televisão o programa Lisboa Mistura TV, da autoria de Carlos Martins.

A imagem pode conter: texto

Shegundo Ramón Galarza Arace (Espanha – Guipuzcoa/07.09.1924 – 04.01.2003/Lisboa), maestro e compositor de origem basca, filho único de um comerciante, começou a residir em Lisboa a partir de 1948 e em mais de 50 anos de carreira deixou uma marca de qualidade na música ligeira portuguesa que justificam a sua presença desde a publicação do Edital municipal de 15 de dezembro de 2003 como topónimo no núcleo dedicado à toponímia musical, no arruamento formado pela junção da Rua B com a  Rua 7.1 do Alto do Lumiar, pelo que hoje une a Avenida Álvaro Cunhal  à Rua Ferrer Trindade.

Com a sua orquestra de violinos, Shegundo Galarza esteve presente na televisão portuguesa desde o seu começo e celebrizou o restaurante Mónaco, de que era coproprietário com o empresário galego Manuel Outerelo Costa.

Shegundo Galarza concluiu o conservatório de Bilbau,  ganhou um prémio de piano e aos 18 anos começou a percorrer a Europa em concertos. Chegou a Portugal com 24 anos de idade e a partir de 25 de novembro de 1948 passou a atuar diariamente no Casino Estoril, situação que manteve até maio de 1950. Na década de cinquenta também tocou em diversos restaurantes portugueses, nos de Luanda e da então Lourenço Marques (hoje Maputo), bem como de Joanesburgo (1952 -1954), até se estabelecer  junto à Marginal, no Restaurante Mónaco (de novembro de 1956 a 1974), local que introduziu o jantar dançante em Portugal.

Em paralelo, Shegundo Galarza integrou prestigiadas orquestras ligeiras portuguesas e teve a sua, para além de um conjunto em nome próprio. Por via do maestro José Atalaya, logo em 1956 foi convidado pela RTP a protagonizar um programa semanal, com a sua orquestra de violinos, que atingiu 100 emissões. Ao longo da sua carreira colaborou com a RTP quer em programas de música quer em arranjos musicais de várias longas metragens e de centenas de documentários.

Gravou os seus três primeiros discos para a editora Melodia (1951) com temas de Frederico Valério e seus; mais seis para a editora Decca  (1952 -1954) e assinou a gravação de quatro com a editora Estoril, para além de ter gravado  Fado Rossio para a Fonomat, de Lisboa,  em 1959. Como solista ou com a sua orquestra de violinos, gravou cerca de 50 discos em Portugal e Espanha, para editoras como a Alvorada, BelterEstoril, Marfer, Orfeu, RCA, Roda e Voz do Dono. Em 1996, Shegundo Galarza gravou um disco em que interpretava, ao piano, temas como Lisboa AntigaMadeiraAçoresMoçambique, Aldeia da Roupa Branca e em 2001 editou Sorrisos do Tempo.

Como orquestrador,  Shegundo Galarza trabalhou para o Festival Eurovisão da Canção ou da OTI – tendo dirigido a orquestra da Eurovisão para Playback de Carlos Paião (1981) – e trabalhado com outros inúmeros artistas como AmáliaCândida Branca FlorManuel João Vieira, Frei Hermano da Câmara, Herman José, Jorge Fontes, José Cid, Lara Li, Madalena Iglésias, Marco Paulo, Maria da Fé, Maria de Lurdes Resende, Max, Natália de Andrade, Paulo de Carvalho, Quim Barreiros, TonichaTony de Matos ou Tozé Brito.

Na sua vida pessoal, foi pai da enfermeira Teresa Galarza (1952) e do também músico Ramón Galarza (1957).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

 

Nóbrega e Sousa de «Vocês Sabem Lá» e a «underground» Rádio Quântica no MURO’19

 

O compositor Nóbrega e Sousa,  funcionário da Emissora Nacional e autor de Vocês Sabem Lá e a Rádio Quântica, uma rádio online do underground português marcam presença  na 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa, o MURO’19, que no Lumiar, nos Bairros da Música e da Cruz Vermelha vai exibir arte urbana e sonoridades inspiradas pela toponímia local.

A emitir online desde 1 de novembro de 2015-  em https://www.radioquantica.com/ -, a Rádio Quântica é uma estação de rádio, uma plataforma comunitária para artistas do underground português se fazerem ouvir. Fundada pelos artistas portugueses Photonz e Violet, ambos com 12 anos combinados de experiência em rádio local, nacional e online, em conjunto com um grupo de artistas e crews. Esta estação de rádio online é a manifestação de um movimento não-local que se desenha há alguns anos e que inclui DJs, editoras, crews, músicos, colecionadores, agitadores culturais e ativistas de igualdade de origem portuguesa ou lusófona. Anos de colaborações na promoção de festas, lançamento de música, presença em festivais, gravações de guest mixes e uma apreciação mútua  deu sentido a uma plataforma que junta estas pessoas da cultura portuguesa.

Nóbrega e Sousa, compositor famoso por canções como Sol de Inverno ou Vocês sabem Lá, é o topónimo dado à Rua B da Malha 3 do Alto do Lumiar que liga a Rua Vasco Gonçalves à Avenida Carlos Paredes através do Edital municipal de 15 de dezembro de 2003. A inauguração oficial ocorreu no  Dia Mundial da Música de 2004, em conjunto com a Alameda da Música e as Ruas Adriana de Vecchi, Arminda Correia, Belo Marques, Luís Piçarra, Shegundo Galarza e Tomás Del Negro.

O cagaréu Carlos de Melo Garcia Correia Nóbrega e Sousa (Aveiro/04.11.1913 – 04.04.2001/Lisboa) desde a sua primeira valsa editada pela Sasseti, em 1933, durante muitas décadas contribuiu para o êxito da música ligeira portuguesa. Por insistência do seu pai ainda trabalhou 2 anos como escriturário na Câmara Municipal de Lisboa mas depois dedicou-se a uma carreira musical, quer em  programas em direto das rádios, quer no teatro de revista, quer em canções para filmes portugueses, somando mais de 500 canções da sua autoria, nos mais diversos géneros e ritmos, desde valsas a fado, das marchas ao rock, a maior parte delas gravadas comercialmente em Portugal, mas também em Espanha, Brasil, França, Itália, Inglaterra, Argentina ou Estados Unidos da América e que foram sucessos nas vozes de Amália Rodrigues, António Calvário, Madalena Iglésias, Maria de Fátima Bravo, Maria de Lurdes Resende, Simone de Oliveira e de Tony de Matos, entre outras. De 1940 a novembro de 1974 Nóbrega e Sousa foi também funcionário da Emissora Nacional, primeiro como Assistente de Programas Musicais e depois, como Chefe da Secção de Programas Ligeiros.

Nóbrega e Sousa foi distinguido com um Óscar da Casa da Imprensa para o melhor compositor de Música Ligeira (em 1962 e 1963); venceu o Festival da Canção por 3 vezes (1965, 1970 e 1979), com Sol de Inverno, Onde vais rio que eu canto e Sobe sobe balão sobe; ganhou o 1º Prémio da Grande Marcha de Lisboa em dois anos seguidos (1968 e 1969), com Lisboa dos Milagres e Lisboa dos Manjericos; para além de ter sido agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (1998) quando cumpria 70 anos de carreira e, em novembro de 2000 pela sua obra e como morador durante 35 anos na freguesia, na Rua Tomás da Anunciação, foi homenageado pela Junta de Santo Condestável (já extinta e absorvida pela Junta de Freguesia de Campo de Ourique).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Ferrer Trindade e a Orquestra de Câmara Portuguesa no MURO’19

Ferrer Trindade, compositor da Canção do Mar e maestro da sua Orquestra Ritmo, tal como a Orquestra de Câmara Portuguesa, criada em 2007, são presenças no MURO’19 que nesta 3ª edição liga a Arte Urbana à criação sonora, a espetáculos musicais, à toponímia musical dos Bairros da Música e  da Cruz Vermelha, na freguesia do Lumiar.

Fundada por Pedro Carneiro, Teresa Simas, José Augusto Carneiro e Alexandre Dias em julho de 2007 a Orquestra de Câmara Portuguesa teve a sua estreia na abertura da temporada do CCB- Centro Cultural de Belém, no dia 13 de setembro desse mesmo ano, sendo a OCP a Orquestra em Residência, desde o ano seguinte e uma presença constante nos Dias da Música em Belém.

A OCP já trabalhou com os compositores Emmanuel Nunes, Miguel Azguime e Sofia Gubaidulina, bem como com os maestros Alberto Roque, Luís Carvalho, Pedro Amaral e Pedro Neves,  e ainda  os coros Voces Celestes e Lisboa Cantat. Também acolheu solistas internacionais como António Rosado, Artur Pizarro, Carlos Alves, Cristina Ortiz, Filipe-Pinto Ribeiro, Gary Hoffman, Heinrich Schiff, Jorge Moyano, Sergio Tiempo, Tatiana Samouil ou Thomas Zehetmair. Já se apresentou em Alcobaça, Almada, Batalha, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Paços de Brandão, Portimão, Setúbal, Tomar, Vila Viçosa e Viseu, bem como no Festival Jovem Músicos da Antena 2, Festival ao Largo do Teatro Nacional São Carlos, concertos de Natal nas Igrejas de Lisboa, concertos da DGPC Música nos Mosteiros (2013) e no City of London Festival (em 2010). Desde 2014, a OCP tem ainda colaborado com a Companhia Nacional de Bailado e foi pioneira em modelos de Responsabilidade Social, no âmbito dos quais desenvolveu a Orquestra Portuguesa (JOP), a OCPsolidária e a OCPdois, com diversos patrocinadores e intercâmbios internacionais, sendo o Município de Lisboa um dos seus parceiros institucionais.

O compositor Ferrer Trindade, autor da famosa Canção do Mar, da qual se produziram inúmeras versões, está desde a publicação do Edital municipal de 14 de julho de 2004 homenageado como topónimo na artéria do Lumiar que se estende da Rua José Cardoso Pires à Rua Helena Vaz da Silva, antes identificada como Rua 7.2 entre a Malha 7 e PER 9.

Francisco Ferrer Trindade (Barreiro/09.12.1917 – 13.01.1999/Lisboa), compositor e maestro consagrado, popular por sucessos como Canção do Mar ou Nem às Paredes Confesso, dedicou-se à música ligeira integrando as orquestras de Tavares Belo e Almeida Cruz, dirigindo a Orquestra de Variedades da Emissora Nacional e também formando a sua própria orquestra –  a Orquestra Ritmo – que circulou pelos Casinos de Espinho, Figueira da Foz, Póvoa de Varzim e Casino Estoril, acompanhando importantes artistas nacionais e estrangeiros. Ferrer Trindade também compôs para o Teatro de Revista e nomes como Amália, Artur Garcia, Anita Guerreiro, António Calvário, António Mourão, Beatriz da ConceiçãoCarlos Ramos, Lenita Gentil, Maria da Fé, Maria de Lurdes Resende ou Madalena Iglésias, entre muitos outros, cantaram músicas suas.

Ferrer Trindade formou no Conservatório Nacional de Lisboa como aluno externo ao mesmo tempo que trabalhava. Somou ainda um curso de Composição e Direção de Orquestra da Academia de Santa Cecília em Milão. Começou por tocar na Orquestra de Câmara do Conservatório, clarinete na Banda da Armada e violino na Orquestra Filarmónica de Lisboa. Foi premiado com o 1º Prémio do Festival da Figueira da Foz – com a composição Olhos de Veludo – e um 3º com Sombras da Madrugada, para além do 1º e 2º Prémios do Festival de Luanda. Sendo colaborador da RTP desde a sua inauguração, como maestro, foi o escolhido em 1969 para dirigir a Orquestra da Eurovisão, com a canção A Desfolhada, no Teatro da Ópera de Madrid.

Foi agraciado com a Medalha de Ouro da Emissora Nacional, a Medalha de Mérito Artístico do Governo Civil do Distrito de Setúbal e a Medalha da Cidade de Setúbal e uma sessão comemorativa do seu centenário organizada pela Câmara Municipal do Barreiro.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Chapitô e Belo Marques no MURO’19

O Chapitô e o compositor Belo Marques, pioneiros na formação de jovens, quer nas artes circenses quer em artistas de música ligeira, vão partilhar o espaço do MURO’19 que nesta edição de 23 a 26 de maio junta à vertente da arte urbana a sonoridade da música inspirada pela toponímia do local, com os artistas do primeiro animando o local do Festival de Arte Urbana e o segundo aí presente na Rua Belo Marques desde a publicação do Edital municipal de 15 de dezembro de 2003.

O Chapitô – Coletividade Cultural e Recreativa de Santa Catarina, é uma casa de cultura e espetáculo sediada na Costa do Castelo, com especial relevância nas Artes Circenses, embora articule quatro áreas: Cultura, Formação, Ação Social e Economia Social. Constituída em 1981, a Coletividade Cultural e Recreativa de Santa Catarina é a entidade de suporte do Chapitô, desde a criação da primeira Escola de Circo – a Escola de Circo Mariano Franco-, ainda no Bairro Alto, através de acordo com a Santa Casa da Misericórdia, em que durante quatro anos realizou trabalhos de animação com jovens e idosos do Bairro ao mesmo tempo que foi o embrião da Escola Profissional de Artes e Ofícios do Espetáculo (EPAOE). Desde 1986, ao abrigo de um protocolo com o Ministério da Justiça, o Chapitô instalou-se na Costa do Castelo, onde a partir do ano letivo de 1987/1988 arrancou o  inovador Curso de Expressão Circense que formou a primeira geração de jovens artistas de cariz circense para o mercado de trabalho.

O compositor Belo Marques, muito recordado pela canção Alcobaçacom letra de Silva Tavares, criação de Cidália Meireles e interpretação de Maria de Lourdes Resende -, desde a publicação do Edital municipal de 15 de dezembro de 2003 que é o topónimo da Rua C da Malha 3 do Alto do Lumiar, artéria que hoje liga a Rua General Vasco Gonçalves à Avenida Carlos Paredes, e assim integra o Bairro da Música criado no local pela edilidade lisboeta desde então.

De seu nome completo José Ramos Belo Costa Marques du Boutac (Leiria/25.01.1898 – 27.03.1987/Sobral de Monte Agraço), distinguiu-se como compositor, orquestrador e figura relevante da Emissora Nacional, onde criou o Centro de Preparação de Artistas. Escreveu mais de 700 canções onde enalteceu cenários portugueses como o Vale do Vouga, o Alcoa, Leiria ou Alcobaça. Também dedicou a Lisboa  inúmeros temas como Campanários de Lisboa, Miradouros de Lisboa, Lisboa Nova ou O Gaiato de Lisboa.

Como violoncelista, teve a sua primeira contratação aos 16 anos, para o Casino Mondego (na Figueira da Foz) e quatro anos depois, tornou-se músico profissional e foi tocar em paquetes que se dirigiam à América do Sul, percorrendo vários países da Europa e da América, até regressar em 1924 para cumprir o serviço militar. Dois anos mais tarde fundou e dirigiu o Orfeão Scalabitano e três anos depois foi para os Açores e Madeira tendo dirigido no Funchal uma orquestra privativa de 35 elementos. Em seguida, integrou as orquestras de Pedro Blanch e David de Sousa, tal como a do Casino Estoril (1932 a 1935).

A partir de 1935 entrou na Emissora Nacional, na Rua do Quelhas. Até 1938 foi violoncelista da Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional, dirigida por Pedro de Freitas Branco. Nesta Rádio criou a Orquestra Típica Portuguesa, a Orquestra de Salão e os Quarteto e Sexteto de Música Clássica. Partiu em 1938, para ser o Diretor do Rádio Clube de Moçambique, onde fundou um Coro Feminino e as Orquestras Típica e de Salão. Nos anos em que lá permaneceu também foi pesquisando e fazendo uma recolha de Folclore indígena da região de Tonga e Machangane, que divulgará em 1953 na sua obra Música Negra e da qual já em 1943 publicara Estudos do Folclore Tonga, editado pela Agência Geral das Colónias, bem como compusera a fantasia sinfónica para coro e orquestra, em seis andamentos, Fantasia Negra, estreada em 19 de outubro de 1944 no Teatro São Carlos, executada pela Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional. Com elementos da Orquestra Típica Portuguesa da Emissora também  fundou a sua própria orquestra que até 1960 teria trabalho constante e inúmeras gravações.

Regressou à Rua do Quelhas em 1941, empenhado em dedicar-se à canção ligeira. Criou  a Orquestra de Variedades, ao mesmo tempo que dirigiu  a Orquestra de Salão em parceria com René Bohet (entre 1942 e 1945) e depois como titular (1948 a 1954), assim como o Coro Feminino da Emissora. Foi também Belo Marques que criou na Emissora Nacional o Centro de Preparação de Artistas, para o lançamento de novas estrelas da rádio, de que foram exemplo Francisco José, Júlia Barroso, Madalena Iglésias, Simone de Oliveira ou Tony de Matos. Em 1956 também ajudou a criar a Orquestra Típica e Coral de Alcobaça. No ano de 1958, desempenhava o papel de consultor de programas na Emissora Nacional mas foi despedido por ter apoiado a candidatura do General Humberto Delgado.

Belo Marques compôs ainda marchas populares e trabalhou para teatro de revista, bem como para o cinema, áreas em que assinou cerca de 70 canções, onde se destaca a canção Minha aldeia, em parceria com Silva Tavares para a revista Rosmaninho, a banda sonora do filme Rosa do Adro (1938) de Chianca de Garcia e a popular Desgarrada da versão radiofónica de As Pupilas do Senhor Reitor de Júlio Dinis.

Foi  regente honoris causa da Escola de Música do Conservatório Nacional; 1º prémio do Festival Internacional Latino (1938); 2º prémio do Concurso Internacional da Canção Latina (1955), assim como homenageado por Raúl Solnado, Carlos Cruz e Fialho Gouveia no 1º programa de E o Resto São Cantigas (1981).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Surma de Leiria e Arminda Correia de Lagos no MURO’19

MURO’19, que vai decorrer de 23 a 26 de maio no Lumiar, está subordinado ao tema da Música, tal como a toponímia local, criando nesta 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa também uma dimensão sonora mas preservando o contexto de  experimentação e inovação, que assim permitem coexistirem no espaço do mesmo Festival a cantora lírica do Bairro da Música, Arminda Correia, natural de Lagos, com a representante de música alternativa Surma, natural de Leiria.

De Leiria para o mundo, surge a filha de Maria Umbelino e Pedro Umbelino, nascida em 26 de dezembro de 1994, Débora Umbelino, que é o nome do registo civil da artista Surma que ainda este ano vimos defender Pugna no Festival da Canção. Usa as teclas, os samplers, as cordas, loop stations e o instrumento da sua voz através de uma fonética sem palavras que ela denomina «surmês», criando sonoridades que fogem do jazz para o post-rock, da electrónica para o noise, em atmosferas experimentais que já atraíram público em palcos holandeses, norte-americanos, italianos ou islandeses.

A singular Surma começou em 2015 e com a  editora de Leiria Omnichord Records estreou-se com  o single  Maasai, em 2016, para no ano seguinte ser a vez do álbum Antwerpen (lançado em 13/10/2017), nomeado para melhor disco europeu do ano e cujo single de apresentação do álbum – Hemma -, foi nomeado para melhor canção nacional nos prémios da Sociedade Portuguesa de Autores em 2017. O seu nome artístico é o de uma tribo da Etiópia e resultou da preferência desta One Woman Band por documentários.

De outra localidade portuguesa, de Lagos, veio Arminda Nunes Correia (Lagos/26.12.1903 – 21.09.1988/Lisboa), para Lisboa para concluir os cursos de Canto e Piano no Conservatório Nacional. A partir daí distinguiu-se na interpretação de «lieder» alemães e ficou perpetuada na Rua A da Malha 3 do Alto do Lumiar pelo Edital municipal de 15/12/2003 e oficialmente inaugurada no Dia Mundial da Música de 2004, junto com mais outros  7 arruamentos com nomes de cantores, instrumentistas e maestros – Luís Piçarra, Adriana de Vecchi, Tomás Del Negro, Nóbrega e Sousa, Shegundo Galarza e Belo Marques – e uma Alameda da Música, criando assim pela primeira vez na cidade de Lisboa um Bairro com topónimos dedicados à Música.

Arminda Correia estreou-se como cantora lírica em 1927, no palco do São Carlos, na estreia absoluta de três óperas de Rui Coelho. Foi uma notável intérprete de autores portugueses, muito valorizada pelos seus dotes de dicção e raro timbre de voz, tanto  na interpretação de «lieder» alemães e franceses como em canções tradicionais portuguesas, harmonizadas por Francisco de Lacerda ou Fernando Lopes Graça. Foi galardoada com  o prémio Luísa Todi (1943) e, em 1959, gravou no Reino Unido Canções Populares Portuguesas acompanhadas ao piano por Fernando Lopes Graça. Na  sua carreira de cantora merecem ainda destaque a sua interpretação de  Beatitudes de César Franck, de Crisfal (em português) no Teatro D. Maria II, da Paixão Segundo São Mateus de Bach no São Carlos, a gravação que executou de canções portuguesas a convite do Musée de la parole et du geste, os inúmeros recitais para a Emissora Nacional – com canções tradicionais portuguesas recolhidas por Francisco Lacerda  – nos anos 40 do século XX e concertos um pouco por todo o país.

A esta carreira lírica Arminda Correia somou ainda 14 anos de professora de solfejo e de canto, em quatro locais: Instituto de Música de Coimbra, Liceu Feminino de Coimbra, Academia de Amadores de Música e Conservatório Nacional.

(Foto: © Hugo Domingues)

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

 

Tó Trips e Tomás del Negro no MURO’19

Tó Trips
(Foto: © Mónica de Sousa, 2018)

Tó Trips e Tomás del Negro, o autor do álbum Guitarra Makaka e o divulgador de música em concertos públicos na Lisboa da passagem do séc. XIX para o XX, encontram-se este ano no espaço do Festival de Arte Urbana de Lisboa que neste MURO’19 junta à vertente da arte urbana a sonoridade de música inspirada pela toponímia do local.

Tó Trips do imaginário alternativo musical nacional é convidado do MURO’19 que decorrerá de 23 a 26 de maio. Já como cidadão António Manuel Antunes foi estudante do Liceu Dom Pedro V e da Escola de Artes António Arroio e nesse percurso gerou os Amen Sacristi – que estiveram em dois concursos de música moderna no Rock Rendez Vous -, os Santa Maria Gasolina em Teu Ventre! e os Lulu Blind com Jorge Ferraz. Oficialmente desde 2003, partilha com Pedro Gonçalves os Dead Combo, banda nascida a partir de um convite de Henrique Amaro da Antena 3 para gravarem um tema de homenagem a Carlos Paredes. A discografia a solo de Tó Trips soma Guitarra 66 (2010) e Guitarra Makaka: Danças A Um Deus Desconhecido (2015).

 

Tomás Del Negro, foi um solista de trompa e compositor que se distinguiu na passagem do séc. XIX para o XX através de concertos públicos que promoveu em Lisboa para divulgar música. Desde a publicação do Edital  municipal de 15 de dezembro de 2003 é um topónimo do Lumiar.  Sugerido pela  Comissão para a Comemoração do 150º Aniversário do Maestro Tomás Del Negro este topónimo teve inauguração oficial no Dia Mundial da Música de 2004, em conjunto com outros 7 topónimos da mesma área temática: a Alameda da Música , a Rua Adriana de Vecchi, a Rua Arminda Correia, a Rua Belo Marques, a Rua Nóbrega e Sousa e a Rua Shegundo Galarza.

Joaquim Thomaz del Negro (Lisboa/05.06.1850 – 12.02.1933/Lisboa), oriundo de uma família italiana que cultivava a arte musical e estava estabelecida no alto comércio de Lisboa desde finais do séc. XVIII, nasceu na então freguesia de Santos-O-Velho e foi batizado  na Igreja  de Nossa Senhora do Loreto, vulgarmente conhecida como Igreja dos Italianos. Del Negro foi solista de trompa do Teatro Real de São Carlos (até 1878 e depois de 1890) e na Capela e Teatro Real de Madrid (de 1879 a 1889), compositor de música sacra, de câmara, para piano, para trompa, para banda filarmónica, empresário teatral e musical e ainda, o promotor de concertos públicos de música sinfónica e de câmara, em que deu a conhecer pela primeira vez ao público de Lisboa obras de grandes compositores como Beethoven, Haydn, Mendelssohn, Wagner, Weber, Glimka e Saint-Saens, divulgação essa que reforçou com artigos de divulgação musical em jornais da especialidade.

Del Negro foi também dirigente da Associação Música 24 de Junho, fundada por Santos Pinto, professor de trompa no Conservatório Nacional de Música de Lisboa durante 27 anos, diretor musical e coproprietário de O Álbum-Jornal de Música para Piano (1869-1871), diretor musical de O Mundo Artístico – Gazeta Musical de Lisboa (1883) e colaborador e crítico musical de inúmeros jornais e revistas como a Perfis artísticos, sob o pseudónimo de Ruy Blas. Acrescente-se a sua função de empresário e diretor musical dos Teatros D. Afonso,  Carlos Alberto, Real de S. João e Príncipe Real, todos no  Porto, bem como do Teatro da Trindade, em Lisboa.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

A Avenida Carlos Paredes e Utopia no MURO’19

Avenida Carlos Paredes
(Freguesia do Lumiar)

O MURO’19 que vai decorrer de 23 a 26 de maio na freguesia do Lumiar tem como tema a Música aproveitando a toponímia do local específico onde vai decorrer, em que a Avenida Carlos Paredes serve como o braço de uma guitarra portuguesa em que os outros arruamentos com topónimos ligados à música, de ambos os lados, funcionam como o corpo do instrumento.

Esta 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa comportará ainda, em 3 espaços distintos, a criação de uma peça única em resultado do trabalho conjunto de um músico e de um street artist.

Utopia, de seu nome Oliveiros junior, é um artista brasileiro, natural de São Paulo, que desde 1997 realiza arte urbana usando uma mistura de materiais, de formas e de cores que tornam o seu estilo único. No MURO’19, vai ter intervenção na Avenida Carlos Paredes, na EB 2+3 do Alto Lumiar, onde está sediado também o Agrupamento Escolar, bem como em mais duas escolas da zona (a EB Nuno Cordeiro e a EB Padre José Manuel Rocha e Melo).

O mestre da guitarra portuguesa Carlos Paredes está homenageado nesta artéria que antes de ter topónimo era identificada como Avenida 2 do Plano de Urbanização no Alto do Lumiar. Ficou Avenida Carlos Paredes, a primeira da cidade a ser dedicada a um nome ligado à Música, através da publicação do Edital municipal de 6 de outubro de 2005, próxima da Alameda da Música e de outras ruas com topónimos de compositores, instrumentistas e cantores, com que a edilidade pretendeu criar um Bairro da Música através da toponímia em 2004.

Carlos Paredes (Coimbra/16.02.1925 – 23.07.2004/Lisboa), guitarrista ímpar da cultura portuguesa, filho, neto e bisneto de vultos da guitarra portuguesa – Artur, Gonçalo e António Paredes -, estudou  este instrumento logo a partir dos 4 anos. Aos 9 anos veio residir para Lisboa, estudou no Liceu Passos Manuel e chegou a frequentar o primeiro ano do Curso industrial do Instituto Superior Técnico. Porém, em 1949, apresentou-se em parceria com o seu pai no programa semanal deste na Emissora Nacional e nesse mesmo ano tornou-se arquivista de radiografias do Hospital de São José. Em 1958 aderiu ao Partido Comunista Português e por denúncia de colegas de trabalho, foi preso pela PIDE em setembro e libertado só 18 meses depois, com a consequente expulsão da função pública. Mas  Carlos Paredes vai tornar-se uma figura reconhecida nacional e internacionalmente como músico, tanto como executante, quer como compositor e ainda como um dos grandes responsáveis pela divulgação e popularidade da guitarra portuguesa. Usou uma guitarra de Coimbra e a afinação do Fado de Coimbra mas a sua vida em Lisboa inspirou-lhe inúmeras das suas composições.

A sua discografia soma os singles  Mudar de VidaAntónio Marinheiro e Balada de Coimbra(todos em 1972); os EP’s Carlos Paredes (1957), Porto SantoDivertimento e  Variações em Ré Menor (todos em 1968); bem como os álbuns Guitarra Portuguesa (1967), Movimento Perpétuo(1971), Carlos Paredes-Meister der portugiesischen Guitarre (1977, na RDA), O Oiro e o Trigo (1980, na RDA), Concerto em Frankfurt (1983), Espelho de Sons ( 1988), Na Corrente (1996), Canção para Titi (2000).  Acompanhou e/ou produziu ainda discos de poemas de  Ary dos Santos (1969), da cantora Cecília de Melo(1971), de Manuel Alegre(1974), para além de colaborações com Adriano Correia de Oliveira (1975), António Vitorino de Almeida (1986), Charlie Haden (1990) ou Madredeus (1992).

Para o cinema fez a banda sonora da curta Rendas de Metais Preciosos (1960) de Cândido Costa Pinto, de Os Verdes Anos (1962)  e Mudar de vida (1966) de Paulo Rocha, de P.X.O. (1962) de Pierre Kast, de Fado corrido (1964) de Jorge Brum do Canto, As pinturas do meu irmão Júlio (1965) de Manoel de Oliveira, Crónica do esforço perdido (1966) de António de Macedo, A cidade (1968) e The Columbus route (1969) de José Fonseca e Costa, Tráfego e estiva (1968) de Manuel Guimarães, bem como do documentário Na corrente (1969) de  Augusto Cabrita. Colaborou também com o Teatro Moderno de Lisboa, o Teatro Experimental de Cascais, o Grupo de Teatro de Campolide, o  Teatro Na Caixa e Vasco Wallenkamp também usou a sua música para a criação do bailado Danças para Uma Guitarra (1982).

Após o 25 de Abril de 1974, Carlos Paredes  foi reintegrado nos quadros do Hospital de São José e o anúncio televisivo diário das primeiras eleições livres para a Assembleia Constituinte tinha música sua. A sua última actuação em público ocorreu em outubro de 1993, na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, acompanhado por Luísa Amaro.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

A Rua José Gomes Ferreira para quem está espantado de existir

Freguesia de Campo de Ourique
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Aquele que no seu Panfleto Mágico ousou avisar  «É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir» – o escritor José Gomes Ferreira -, desde o próprio ano da sua morte que está perpetuado na artéria de Campo de Ourique que liga a  Rua Joshua Benoliel à Avenida Engº Duarte Pacheco.

Falecido a 8 de fevereiro de 1985, José Gomes Ferreira, diplomata, compositor, escritor e poeta recebeu três dias depois da sua morte uma deliberação da edilidade alfacinha para ser um topónimo lisboeta, sendo fixado pelo Edital de dia 21 desse mês no arruamento construído no prolongamento da Rua D. João V, entre a Rua Silva Carvalho e a Avenida Engº Duarte Pacheco, também identificado como Rua A da Urbanização das Amoreiras.

José Gomes Ferreira (Porto/09.06.1900-08.02.1985/Lisboa), nasceu na portuense Rua das Musas, filho do empresário e benemérito Alexandre Ferreira, que chegou a ser vereador republicano na Câmara lisboeta na Primeira República, veio morar para Lisboa aos 4 anos de idade. O seu pai estabeleceu-se no Lumiar e foi quem doou as suas propriedades para a construção da Casa de Repouso dos Inválidos do Comércio. José estudou nos liceus Camões e Gil Vicente e também se dedicou a ser compositor, chegando a ter a sua obra Idílio Rústico estreada pela orquestra de David de Sousa, no Politeama. Em 1919 integrou o Batalhão Académico Republicano e depois de licenciado em Direito em 1924 seguiu carreira como Cônsul de Portugal na Noruega,  em Kristiansund, até 1930.

De regresso a Lisboa colaborou em inúmeras publicações como a Presença, a Seara NovaDescobrimentoGazeta Musical e de Todas as Artes, Imagem,  Ilustração Senhor Doutor,  para além de sob o pseudónimo de  Álvaro Gomes ter traduzido filmes. Em 1945-1946, colaborou com outros poetas neorrealistas no álbum das Heróicas compostas por Fernando Lopes Graça, sendo sua a letra de «Jornada».

Para a sua carreira literária é um marco o dia 8 de maio de 1931 em que de rajada escreveu o poema «Viver sempre também cansa», que João Gaspar Simões fez publicar logo na Presença. Já antes, na juventude, editara os livros de poesia  Lírios do Monte (1919) e Longe (1921) mas foi depois de 1931 que se dedicou ao ofício de ser escritor.  Na escrita poética salientamos do que deu a lume Poesia I (1948), Poesia III (1961) que foi Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Escritores, Poesia V (1973), Poeta Militante I, II e III (1978) com prefácio de Mário Dionísio.Também gravou discos com a sua poesia: Poesia (1969) e Poesia IV (1971) na Philips, Poesia V (1973) na Decca / Valentim de Carvalho e Entrevista 12 – José Gomes Ferreira (1973) na Guilda da Música/Sassetti.

Na prosa, José Gomes Ferreira publicou entre outros, O Mundo dos Outros – histórias e vagabundagens (1950), O Mundo Desabitado (1960),  Os segredos de Lisboa (1962), o panfleto mágico As Aventuras de João Sem Medo (1963) do Plano Nacional de Leitura, os contos Tempo Escandinavo (1969), O Irreal Quotidiano – histórias e invenções (1971), Gaveta de Nuvens – tarefas e tentames literários (1975), O sabor das Trevas – Romance-alegoria (1976), as crónicas Intervenção Sonâmbula (1977), Coleccionador de Absurdos (1978), Caprichos Teatrais (1978) e O Enigma da Árvore Enamorada – Divertimento em forma de Novela quase Policial (1980).  Somou ainda livros de memórias como A Memória das Palavras – ou o gosto de falar de mim (1965) que recebeu o Prémio da Casa da Imprensa, Imitação dos Dias – Diário Inventado (1966), Relatório de Sombras – ou a Memória das Palavras II (1980), Passos Efémeros – Dias Comuns I (1990) ou Dias Comuns – Derrota Pairante (2018).

Como cidadão exerceu funções de Vice-Presidente da Associação Portuguesa de Escritores em 1978 e no ano seguinte,  nas eleições legislativas intercalares, foi candidato da APU- Aliança Povo Unido pelo círculo de Lisboa e no ano de 1980 tornou-se militante do PCP. Nesta cidade, ficou ligado à Rua Heliodoro Salgado assim como às suas moradas na Rua Marquês de Fronteira e na Avenida Rio de Janeiro e na sua vida pessoal, foi pai do arquiteto Raul Hestnes Ferreira e do poeta Alexandre Vargas.

Em 1978 foi agraciado com a atribuição do seu nome à Escola Secundária de Benfica projectada pelo seu filho arquiteto e a CML colocou uma placa evocativa no prédio da sua última morada em 1990, deu o seu nome dado à Mata de Alvalade e no ano do centenário do seu nascimento, através da Videoteca produziu o documentário Um Homem do Tamanho do Século. José Gomes Ferreira recebeu também o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (1981) e da Ordem da Liberdade (1985), a distinção de cidadão de mérito de Odemira (1981) e o seu nome consta também da toponímia dos concelhos do Porto, Almada (Charneca da Caparica, Laranjeiro), Amadora (Reboleira), Barreiro (Lavradio, Santo António da Charneca), Beja, Benavente (Samora Correia), Braga, Cascais (São Domingos de Rana), Coimbra, Entroncamento, Gondomar (Baguim do Monte), Évora, Loures (Santo Antão do Tojal, São João da Talha, Unhos), Moita (Alhos Vedros, Baixa da Banheira, Moita, Vale da Amoreira), Montemor-o-Novo, Montijo, Odivelas (Famões, Póvoa de Santo Adrião), Oeiras (Algés), Portimão, Seixal (Arrentela, Corroios), Sesimbra, Setúbal, Sintra (Agualva-Cacém, Mem Martins), Trofa, Vila Franca de Xira ( Forte da Casa, Póvoa de Santa Iria) e Vila Nova de Gaia.

Freguesia de Campo de Ourique
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

O seu poema escrito na noite de 8 de maio de 1931 foi:

Viver sempre também cansa!
O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinza, negro, quase verde…
Mas nunca tem a cor inesperada.
O Mundo não se modifica.
As árvores dão flores,
folhas, frutos e pássaros
como máquinas verdes.
As paisagens também não se transformam.
Não cai neve vermelha,
não há flores que voem,
a lua não tem olhos
e ninguém vai pintar olhos à lua.
Tudo é igual, mecânico e exacto.
Ainda por cima os homens são os homens.
Soluçam, bebem, riem e digerem
sem imaginação.
E há bairros miseráveis, sempre os mesmos,
discursos de Mussolini,
guerras, orgulhos em transe,
automóveis de corrida…
E obrigam-me a viver até à Morte!
Pois não era mais humano
morrer por um bocadinho,
de vez em quando,
e recomeçar depois, achando tudo mais novo?
Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses,
morrer em cima dum divã
com a cabeça sobre uma almofada,
confiante e sereno por saber
que tu velavas, meu amor do Norte.
Quando viessem perguntar por mim,
havias de dizer com teu sorriso
onde arde um coração em melodia:
“Matou-se esta manhã.
Agora não o vou ressuscitar
por uma bagatela.”
E virias depois, suavemente,
velar por mim, subtil e cuidadosa,
pé ante pé, não fosses acordar
a Morte ainda menina no meu colo…

 

O compositor teatral Wenceslau Pinto numa Rua de Santa Clara

Freguesia de Santa Clara
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC/ Planta: Sérgio Dias| NT do DPC) )

Compositor sobretudo de teatro, maestro e professor, Wenceslau Pinto está desde 2008 como topónimo da Rua que liga a Rua Maluda à Rua Barata Feyo, na freguesia de Santa Clara, numa zona em que a toponímia comporta nomes de figuras de diversas artes.

A sugestão partiu de António Valdemar, enquanto membro da Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa, considerando ser «figura de Lisboa que merece ser assinalada na toponímia da cidade». A concretização nasceu da publicação do Edital municipal de 3 de julho de 2008 na Rua 5 (projetada ao Bairro das Galinheiras), o mesmo que colocou o guitarrista Jaime Santos na Rua 4 e o maestro Carlos Rocha na Rua 6. Cerca de um ano e 3 meses antes, por Edital de 27 de abril de 2007, já haviam sido dados neste bairro os nomes da fadista Berta Cardoso (à Rua 3), do escultor Barata Feyo (Rua 2) e da pintora Maluda (Rua 1).

Refira-se ainda que nas proximidades existe também um núcleo toponímico teatral anterior que através do Edital municipal de 14/07/2004 juntou as Ruas Raul Carvalho, Arnaldo Assis Pacheco, António Vilar, José Viana e Varela Silva aos nomes que ali se fixaram pelo Edital de 19 de abril desse mesmo ano:  a Rua Fernanda Alves e a Rua Fernando Gusmão. Em  2009, por Edital de 16 de setembro, ganhou mais a Rua Artur Ramos e a Avenida Glicínia Quartin.

Wenceslau Pinto (Oliveira do Hospital/1883 – 1973/Lisboa), educado na Casa Pia,  tornou-se maestro e compositor com o curso de Contraponto, Composição e de Oboé do Conservatório Nacional, escola onde foi também professor de Composição de 1919 a 1953. Também  foi docente da Sociedade de Concertos e Escola de Música, na Rua do Alecrim nº 17, como se pode ver na publicidade da época.

Fez parte da primeira equipa escolar de futebol da Casa Pia e começou a sua carreira musical como primeiro-oboísta nas orquestras de Lambertini, Pedro Blanch, Viana da Mota e David de Sousa, tendo sido um dos sócios fundadores da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses (SECTP) em 1925, estrutura presidida por Júlio Dantas.

Ao longo da sua carreira teve a função de diretor musical de várias companhias teatrais ( como as de Taveira, de Luís Galhardo, de Estêvão Amarante ou de Armando de Vasconcelos), assim como regeu a Orquestra Sinfónica Popular da Emissora Nacional. Wenceslau Pinto compôs sinfonias, quartetos, canções para piano e canto, o quadro sinfónico Fandango, o poema sinfónico 1140 ou o auto Nun’Álvares, bem como inúmeras operetas de que se destacam Pérola Negra (1922), Poço do Bispo, Onze Mil Virgens, Flor do Bairro ou El-Rei Soviet. Também musicou comédias e teatro de revista e ainda escreveu música para os seguintes filmes: Mademoiselle Écran (1919), A Revolução de Maio (1937), Viagem de Sua Excelência o Presidente da República a Angola (1939), Feitiço do Império (1940) com Jaime Silva Filho e algumas canções para Rapsódia Portuguesa (1959).

No fado, ainda hoje se recordam êxitos seus, em conjunto com Raúl Portela e Alves Coelho, concebidos para o teatro, como o Fado do Bairro Alto e o Fado das Iscas (1927), criados para a  opereta Bairro Alto. Para o Parque Mayer produziu o Fado Culinário, tema de autoria partilhada com Álvaro Santos, António Lopes, Lopo Lauer, Gustavo Matos Sequeira e Lino Ferreira. Wenceslau Pinto concebeu ainda três fados que foram grandes sucessos: o Fado Ganga – que esteve proibido de passar na Emissora Nacional -, o Fado Maioral e o Fado Pão de Ló para o vaudeville homónimo.

Por último, recorde-se a sua colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa, particularmente nos anos de 1961 e 1962, em que a edilidade lhe comprou a partitura O Aqueduto das Águas Livres e outros temas relacionados com a cidade e Wenceslau Pinto regeu alguns concertos da Orquestra Filarmónica de Lisboa, no Pavilhão dos Desportos.

Freguesia de Santa Clara
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)