A Rua do Professor da António Arroio, Cipriano Dourado

Freguesia do Lumiar
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

O pintor e professor da Escola de Artes Decorativas António Arroio, Cipriano Dourado, está desde o ano do seu falecimento consagrado numa artéria do Lumiar, tendo sido acompanhado no mesmo Edital municipal pelo também pintor José Escada.

A partir da Proposta nº 13/81, aprovada em reunião de Câmara de 23/03/1981, foi o nome de Cipriano Dourado dado ao arruamento de ligação da Rua Francisco Stromp ao Campo Grande (incluindo o troço norte-sul da Rua Actor António Silva), o que foi fixado pelo consequente Edital de 4 de dezembro de 1981. Por esse mesmo edital e na mesma freguesia, mas na zona de Telheiras, foi inscrito também numa rua o nome do pintor José Escada.

Cipriano Dourado (Mação- Penhascos/08.02.1921 – 17.01.1981/Lisboa) foi um artista que se dedicou à gravura, ao desenho, à ilustração, à pintura e à aguarela, tendo como os temas mais frequentes da sua obra a mulher e a terra. Por alguns foi considerado neorrealista, nomeadamente por em 1953 ter participado numa experiência conhecida como Ciclo de Arroz, com Júlio Pomar, Alves Redol, Rogério Ribeiro, Alice Jorge e António Alfredo, em que todos percorreram os campos dos arrozais do Ribatejo em busca de inspiração e Cipriano Dourado criou as suas litografias intituladas Plantadoras de Arroz.

Na Escola de Artes Decorativas António Arroio foi docente das disciplinas de desenho, gravura e artes gráficas, de 1978 a 1981.

Cipriano Dourado começara a trabalhar bem novo, como desenhador-litógrafo pelo que só mais tarde, a partir de 1939 , frequentou um curso nocturno na Sociedade Nacional de Belas Artes. Em 1949 fez um estágio na Academia Livre Grande Chaumière, em Paris e em 1956, foi um dos membros fundadores da Gravura- Sociedade Cooperativa de Gravadores, tendo integrado a direção e a comissão técnica.

Como ilustrador, trabalhou em numerosos livros de poesia e prosa de Armindo Rodrigues,  Augusto Gil,  D. H. Laurence, José Carlos de Vasconcelos, Mário Braga, Orlando da Costa, Orlando Gonçalves e Pablo Neruda, para além de ter colaborado com periódicos como, entre outros, a Árvore-Folhas de Poesia, a Cassiopeia-Antologia de Poesia e Ensaio, a Colóquio-Letras, a Seara Nova ou a Vértice.

Refira-se ainda que Dourado desenhou 4 selos dos CTT para uma Emissão Comemorativa do Ano da Conservação das Zonas Húmidas (1976), foi membro do júri da I Exposição Nacional de Gravura na Fundação Calouste Gulbenkian (1977) e também integrou os corpos dirigentes da Sociedade Nacional de Belas Artes de Lisboa.

A sua obra está representada no Museu do Chiado/Museu de Arte Contemporânea, no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian, no Museu da CGTP, no Museu do Neo-Realismo (Vila Franca de Xira), no Museu Armindo Teixeira (Mirandela), no Museu Dr. João Calado Rodrigues (Mação), no Museu Municipal Manuel Soares (Albergaria), no Museu Municipal Professor Joaquim Vermelho (Estremoz), no Museu de Angola e, em numerosas coleções particulares.

Freguesia do Lumiar
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

Anúncios

A Rua do pintor Domingos Sequeira e o Paris Cinema

O Cinema Paris na Rua Domingos Sequeira, em 1960 (Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

O Paris Cinema na Rua Domingos Sequeira, em 1960
(Foto: Arnaldo Madureira, Arquivo Municipal de Lisboa)

O pintor Domingos Sequeira  foi colocado há 129 anos na toponímia de Lisboa –  por deliberação camarária de 4 de novembro de 1887- e cinquenta anos após o falecimento do artista,  sendo que no nº 30 desta artéria abriu portas em 1931 o  Paris Cinema, não como um cinema de bairro mas de estreia.

Já antes, desde janeiro de 1916, existia na Rua Ferreira Borges o Cine Paris,  e este novo Paris Cinema nasceu para o substituir, de acordo com o traçado do arqº Victor Manuel Carvalho Piloto, e por ordem de Victor Alves da Cunha Rosa que também encomendou pinturas a Jorge de Sousa e baixos relevos ao escultor Simões de Almeida (Sobrinho). Foi inaugurado em 21 de maio de 1931 com 885 lugares e encerrou cinquenta anos depois, em 20 de outubro de 1981. Já fechado, ainda serviu em 1994 de cenário para Lisbon Story, de Wim Wenders.

Rua Domingos Sequeira - Freguesias da Estrela e de Campo de Ourique (Foto: Sérgio Dias)

Rua Domingos Sequeira – Freguesias da Estrela e de Campo de Ourique
(Foto: Sérgio Dias)

A Rua Domingos Sequeira nasceu entre a Praça da Estrela e o ponto de convergência das Ruas Saraiva de Carvalho, do Patrocínio e Ferreira Borges, e só 70 anos depois, por parecer da Comissão Municipal de Toponímia na sua reunião de 04/06/1957, foi acrescentada ao topónimo a legenda «Pintor/1768 – 1837».

O homenageado é o pintor Domingos António Sequeira (Lisboa/10.03.1768 – 08.03.1837/Roma), que sendo filho de um barqueiro de Belém foi educado na Casa Pia de Lisboa – tendo mais tarde pintado a Alegoria da Fundação da Casa Pia de Belém –, após o que frequentou o curso de Desenho e Figura na Aula Régia e, graças a uma pensão de D. Maria I, partiu em 1788  para Itália onde estudou na Academia Portuguesa em Roma, sendo aluno de Antonio Cavallucci após o que exerceu como professor na Academia di San Luca.

Regressou  a Lisboa em 1795, e em 1802 foi nomeado pintor real e codiretor da empreitada de pintura do Palácio da Ajuda. A partir do ano seguinte foi também professor de desenho e pintura das princesas e em 1806 dirigiu a Aula de Desenho, no Porto.

Domingos Sequeira dedicou-se particularmente a pinturas alegóricas e retratos, como o de D. João VI e o do Conde de Farrobo, assim como também pintou as suas sucessivas posições políticas, primeiro como partidário do exército de invasão francês – com Junot Protegendo a Cidade de Lisboa (1808)-, depois da aliança inglesa – com Apoteose de Wellington (1811) e Lisboa protegendo os seus habitantes (1812) -, e da Revolução Liberal Vintista com o retrato dos 33 deputados em 1821. Depois, a  Vilafrancada fê-lo emigrar para Paris onde em 1824 expôs no Salão do Louvre  A Morte de Camões  e em 1826 fixou-se definitivamente em Roma onde passou a executar obras sacras como a série sobre a vida de Cristo (1828).

Domingos Sequeira também exerceu como gravador e a ele se devem as primeiras litografias feitas em Portugal. A sua obra está representada no Museu Nacional de Arte Antiga, que por subscrição pública em 2015/2016 conseguiu adquirir o seu Adoração dos Magos, de 1828.

Rua Domingos Sequeira - Freguesias da Estrela e de Campo de Ourique (Planta: Sérgio Dias)

Rua Domingos Sequeira – Freguesias da Estrela e de Campo de Ourique
(Planta: Sérgio Dias)

A Rua Franklim do Bairro América

Freguesia de São Vicente (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de São Vicente
(Foto: Sérgio Dias)

A Rua Franklim estava identificada como Rua nº 1 do Bairro América, urbanização então de construção recente na Quinta das Marcelinas à Rua do Vale de Santo António, quando a deliberação camarária em 25 de novembro de 1918 decidiu atribuir-lhe um topónimo referente a uma personalidade americana e ficando a ligar a Rua Fernão de Magalhães à Rua dos Cortes Reais, embora o Edital só tenha sido publicado 6 anos depois, em 17 de outubro de 1924.

O Bairro América passou a conter os seguintes topónimos: «Que se denomine Bairro America, o bairro em construção na Quinta das Marcelinas na rua do Vale de Santo Antonio e que os respectivos arruamentos tenham as designações seguintes: o nº 1, rua Franklin; o nº 2, rua Washington [ o primeiro presidente dos Estados Unidos da América]; o nº3, rua Ruy Barbosa [político e jornalista brasileiro que defendia o princípio da igualdade das nações]; o nº 4, rua Bolivar [Simon Bolívar que combateu o domínio espanhol na América do Sul, comandando as revoluções que promoveram a independência da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia]; a nº 5, rua do Costa Reais [refere-se à Rua dos Cortes Reais, família de navegadores portugueses que empreenderam navegações para o continente americano]; o nº 6, rua Fernão de Magalhães  [o primeiro navegador a fazer uma viagem de circum-navegação], e o nº7, rua Alvaro Fagundes [navegador português do século XVI que explorou a costa austral da Terra Nova]. Deliberação camararia de 25 de Novembro de 1918». Acrescente-se que os arruamentos Rua Bolivar e Rua Álvaro Fagundes nunca tiveram execução prática, embora, em 1971, o nome de Álvaro Fagundes tenha regressado para a toponímia lisboeta para dar nome à Rua C, à Rua General Justiniano Padrel.

Rua Franklim BenjaminEstadista, cientista e escritor norte-americano Benjamim Franklin (Boston/17.01.1706 – 17.04.1790/Filadélfia), lutou contra a escravatura e fez mesmo o Memorial para a sua abolição enquanto Presidente da Sociedade Pensilvaniana para além do seu papel preponderante na independência dos Estados Unidos da América. Franklin foi o porta-voz dos colonos junto dos ingleses; integrou a Comissão redatorial da Declaração da Independência; foi membro da Convenção para redigir a Constituição Nacional (1787); e assinou com a Grã-Bretanha o Tratado de Versalhes que reconhecia a independência das 13 colónias norte-americanas.

Benjamim Franklin foi ainda um cientista: demonstrou a identidade do raio e da electricidade e inventou o pára-raios, para além de ter sido compositor gráfico, publicado jornais (The New-England Courant), ter sido escritor ( Poor Richard’s Almanac) e o 1º representante do realismo norte-americano ( O Sermão do pai Abraão).

Freguesia de São Vicente (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de São Vicente
(Planta: Sérgio Dias)

A Rua Eduardo Coelho, fundador do Diário de Notícias, na artéria onde viveu

Freguesia da Misericórdia (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia da Misericórdia
(Foto: Sérgio Dias)

Eduardo Coelho, o fundador do Diário de Notícias, foi perpetuado com o seu nome na artéria lisboeta em que viveu, no Bairro Alto de todos os jornais, e participou no Cozinheiro dos Cozinheiros (1870) de Paulo Plantier através do envio da receita de Ovos Verdes à Figueirense.

Foi quando o Conde Ottolini era Presidente da Câmara Municipal de Lisboa que por Edital municipal de 18/12/1893 a Rua dos Cardais de Jesus, onde o jornalista viveu, se passou a denominar Rua Eduardo Coelho, com a legenda «Fundador do Diário de Notícias / 1835 – 1889». Contudo, 32 anos depois, quando era Portugal Durão o Presidente da edilidade alfacinha, também um Edital de 15 de junho de 1925 da Comissão Executiva da Câmara registou que na sessão de 20 de fevereiro desse ano se havia deliberado que a alameda de São Pedro de Alcântara se passasse a denominar-se alameda Eduardo Coelho, tanto mais que era o local onde desde 29 de dezembro de 1904 se encontrava o monumento à memória do jornalista – com busto e estátua de Costa Mota (tio) e pedestal de Álvaro Machado – custeado por subscrição pública promovida pelo Diário de Notícias e porém, o espaço continuou a ser vulgarmente conhecido como Jardim de São Pedro de Alcântara.

Monumento a Eduardo Coelho, inaugurado a 29 de dezembro de 1904 (Foto: Rui Mendes)

Monumento a Eduardo Coelho, inaugurado a 29 de dezembro de 1904
(Foto: Rui Mendes)

José Eduardo Coelho (Coimbra/ 23.04.1835 – 14.05.1889/Lisboa) ficou órfão de pai aos 13 anos e a foi mãe mandou-o para Lisboa, para conseguir emprego, já que sozinha não conseguia sustentar a prole de onze filhos, onde se incluía Adolfo Coelho (também nome de rua na Freguesia da Penha de França, desde a publicação do Edital de 13/05/1949). Na capital, Eduardo Coelho começou por trabalhar no comércio mas depois, a exemplo de seu pai, foi aprender o ofício de tipógrafo e mais tarde, em 1857, até ingressou na Imprensa Nacional.

A partir de 1858, Eduardo Coelho viveu principalmente do jornalismo, escrevendo notícias, editando correspondência dos leitores e matérias de correspondentes da província e ainda como crítico de teatro, em jornais como O Conservador, Gazeta de Portugal e Revolução de Setembro, sendo que neste último foi durante 3 anos o responsável pelo noticiário e que António Rodrigues Sampaio, o diretor do jornal, nem sequer depois da fundação do Diário de Notícias quis exonerar Eduardo Coelho do cargo de noticiarista do jornal, pelo que teve de acumular os dois cargos durante algum tempo. Foi também redator principal e diretor da Crónica dos Teatros (1861) e em 29 de dezembro de 1864, com Quintino Antunes, fundou o Diário de Notícias, tendo também sido o primeiro diretor do jornal, cargo que exerceu até ao seu falecimento. Procurou fazer um jornal segundo o modelo de sucesso surgido noutros países, como o  Petit Journal parisiense, um jornal popular dirigido a todos os públicos, e não apenas às elites, que por isso alargou as notícias do mundo também para a vida social quotidiana, através do relato de crimes, de incêndios, de casos pessoais ou competições desportivas, para além de diminuir o preço do jornal, contrabalançando esse custo com grandes tiragens e captação de publicidade.

Também algum rendimento conseguia como escritor de peças teatrais, romances e folhetins.  Quando ainda trabalhava no comércio lisboeta estreara-se na literatura com a publicação dos versos sarcásticos O Livrinho dos Caixeiros (1852) e continuou essa vocação ao longo da sua vida com obras como Opressão e Liberdade (1862-1871), Amor aos Bofetões (1865) ou Portugal Cativo (1884).

Eduardo Coelho fez ainda assessoria política, nomeadamente como secretário dos políticos José Estêvão e António Feliciano de Castilho e foi um dos fundadores da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Para remate de artigo servimos Ovos Verdes à Figueirense, como Eduardo Coelho os fez para Paulo Plantier:

(declaração prévia) – Não me condecoro com a glória de inventar uma receita. declara-o para descanso das cinzas venerandas de Vatel, e tranquilidade de alguns cozinheiros meus amigos, que, aliás, não tinham de que assustar-se com a minha concorrência. cada qual no seu ofício. Homero, segundo a afirmação preciosa de um escritor francês, foi o primeiro que no mundo coligiu os preceitos da arte culinária; Sócrates ensinou os gregos a comer, temperando as comidas como o mais apetitoso dos sais, o sal ático, o sal do espírito com que Platão também adubava as suas ceias; Nereo de Chio soube preparar um congro digno dos deuses; o grande , e imortal Apício, que sucumbiu à pavorosa ideia de poder morrer de fome, tendo as algibeiras recheadas de  de ouro, inventou numerosos pratos e tentadores molhos que legaram o seu nome a esta sua remotíssima posteridade de cozinheiros e comilões. Até Lamprias, o próprio Lamprias, o predecessor feliz do inventor de Nabob, compôs um molho, cujo cheiro chegou até nós. Eu, mísero de mim, sem poder ganhar prestígio destes eleitos da mesa e da cozinha, de quem Desaugiers dizia: “Un cuisiner, quand je dine, /Me semble un être divin./Qui du fond de sa cuisine/Gouverne le genre humain.”

Limito-me a contar como se fazem os Ovos verdes à figueirense, pitéu delicioso, que os leitores saborearão com ditíssima explicação. Mãos ao tacho!

Tome-se uma dúzia de ovos e cozam-se. Depois de cozidos cortem-se ao meio e tirem-se-lhes as gemas, conservando inteiras as metades das claras. Pique-se muito miúdo uma cebola, e uma porção equivalente de salsa, deitando-se-lhe uma ou duas colheres de pão ralado, pimenta e algumas pedras de sal. Aloure-se isto num tacho ou frigideira com manteiga de vaca. Amasse-se depois com as gemas dos ovos e com esta massa encham-se as claras. Descanse-se um momento, já que Deus também descansou ao sétimo dia, e respire-se, não de modo que se sopre e espalhe a farinha de trigo que deve estar já preparada, para se dissolver em gema de ovo, a fim de passar as claras recheadas por essa dissolução, para as pôr a corar na frigideira com manteiga de vaca, deitando-as com a face do recheio para baixo. Tiram-se apenas estiverem coradas, e profira-se o “eureka!”, que estão prontos os ovos verdes. Deitem-se estes então num prato coberto, ou numa travessa, e derrame-se-lhe por cima um molho de vinagre destemperado com água, ligeiramente engrossado ao lume com algumas pitadas de farinha e temperado com uma folha de louro. Enfeite-se o prato com vários raminhos de salsa, e… comam-se.

 

Freguesia da Misericórdia (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia da Misericórdia
(Planta: Sérgio Dias)

A Rua Vieira da Silva, dedicada ao 2º presidente do Centro Promotor das Classes Laboriosas

A Rua Vieira da Silva na planta de Júlio Vieira da Silva Pinto de maio de 1910 (excerto)

A Rua Vieira da Silva na planta de Júlio Vieira da Silva Pinto de maio de 1910 (excerto)

Francisco Vieira da Silva, tipógrafo e jornalista que foi o 2º Presidente da Direção do Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, está desde o século XIX perpetuado no antigo bairro de Alcântara na Rua Vieira da Silva .

Embora se desconheçam registos documentais do nascimento preciso desta artéria, que hoje liga a Avenida 24 de Julho à Rua Prior do Crato na Freguesia da Estrela, é um topónimo já assim denominado no último quartel do séc. XIX. A Rua Vieira da Silva surge já no levantamento topográfico de Francisco Goullard de 1881, bem como plano de alargamento da Rua Vieira da Silva, de 28 de abril de 1892 a 1 de setembro de 1894, assinado pelo arquiteto José Luís Monteiro e os condutores de obras Pedro Joyce e Francisco Heitor de Macedo, e ainda no processo da troca de terrenos na margem direita do Rio Tejo do Cais do Sodré a Alcântara, entre a Câmara Municipal de Lisboa e a Direcção Geral de Obras Públicas e Minas, de 16 de setembro de 1899 a 15 de maio de 1900, assinado pelo Engº António Maria Avelar e o Chefe da 3ª Repartição do Serviço Geral de Obras Públicas da CML, Augusto César dos Santos.

A legenda «Tipógrafo e Jornalista/1825 – 1868» só foi acrescentada em 1992, a partir de um parecer da Comissão Municipal de Toponímia por «em virtude da natural confusão que resulta da existência dos topónimos Rua Engenheiro Vieira da Silva e Rua Vieira da Silva, fosse inserida nos respectivos palcos toponímicos desses arruamentos, passem a constar, digo, uma legenda que melhor identifique as personalidades homenageadas. Assim, deliberou que as placas toponímicas desses arruamentos passem a conter os seguintes dizeres: Rua Eng.º Vieira da Silva/Olisipógrafo/1869 – 1951; Rua Vieira da Silva/Tipógrafo e Jornalista/1825 – 1868».

 

Assim, o homenageado neste arruamento é Francisco Maria Vieira da Silva (Lisboa/26.02.1825 – 10.06.1868/Lisboa), um tipógrafo e jornalista que a partir de 1863 se tornaria o Presidente do Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, sucedendo a António Rodrigues Sampaio. Esta associação que viveu entre 1853 e 1872 teve os seus primeiros Estatutos redigidos por Sousa Brandão e aprovados por decreto publicado em 16 de junho de 1853. Já após a morte de Vieira da Silva, em 19 de outubro de 1870 esta associação reformulou os seus estatutos, tendo por base os princípios da Internacional Operária, mas o governo não os aceitou e os mesmos foram revistos  por uma comissão constituída por Sousa Brandão, Eduardo Maia, José Fontana, Luís Eça e Nobre França, sendo aprovados a 8 de março de 1872. O Jornal do Centro Promotor, também teve como 1º diretor Rodrigues Sampaio e Vieira da Silva como segundo, sendo Casal Ribeiro o tesoureiro.

Após a criação da Associação dos Artistas Lisbonenses em 1839, Vieira da Silva ligou-se a Sousa Brandão e Lopes de Mendonça para desenvolverem movimentos associativos e desta união nasceu a publicação em 28 de abril de 1859 do 1º número do Eco dos Operários (O Ecco dos Operarios : Revista Social e Litteraria). Mais tarde, Vieira da Silva também colaborou no Aurora, Comércio do Porto, Globo, O País, Revista Universal Lisbonense ou Voz do Operário.

Vieira da Silva foi também em 1861 um dos sócios fundadores da Comissão Central 1.º de Dezembro de 1640, junto com mais 39 figuras, como Anselmo José Braamcamp, Alexandre Herculano, o Barão de Santa Engrácia, Brito Aranha, o Conde Redondo, José Estêvão, Luís de Castro Guimarães, Manuel de Jesus Coelho, Mendes Leal ou Silva e Albuquerque. Aquela que hoje conhecemos como Sociedade Histórica da Independência de Portugal foi fundada com o nome de Associação Nacional 1.º de Dezembro de 1640, com 40 simbólicos membros para a dirigir, como os 40 conjurados, em maio e julho de 1861, tendo os seus estatutos sido aprovados em 1 de dezembro de 1869.

 

Freguesia da Estrela

Freguesia da Estrela

 

A Rua Manuel de Jesus Coelho, da Associação das Classes Laboriosas

Freguesia de Santo António (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Santo António
(Foto: Sérgio Dias)

Menos de três após o seu falecimento foi Manuel de Jesus Coelho, um dos fundadores da Associação das Classes Laboriosas, colocado como topónimo da rua aberta nos terrenos da extinta Travessa da Horta da Cera, entre a Rua de São José e a Avenida da Liberdade, pelo Edital de 10 de janeiro de 1888.

Manuel de Jesus Coelho (Lisboa/13.03.1808 – 26.09.1885/Lisboa) foi um tipógrafo e combatente liberal ligado ao setembrismo que também se empenhou na fundação de diversas instituições operárias e populares. Foi  um dos fundadores da Associação das Classes Laboriosas, bem como do Asilo de Santa Catarina, em 1857, destinado aos órfãos das vítimas da febre amarela. Foi agraciado com a medalha humanitária da Câmara Municipal de Lisboa.

Já em 1831 Manuel de Jesus Coelho imprimia clandestinamente as notícias que chegavam da Terceira pelo que chegou a estar preso no Limoeiro até à entrada das tropas liberais em Lisboa. A partir de 1834 chefiou a tipografia da Crónica Constitucional, o jornal oficial, e mais tarde, dirigiu o jornal Nacional a convite de Passos Manuel, a que se seguiram O Patriota, O Português e  o Independência Nacional. Em 1847, durante a guerra civil da Patuleia, combateu como capitão nas acções de Estremoz e do Alto Viso, pelo que foi galardoado com a Torre e Espada. A partir de 1857 abandonou a imprensa para trabalhar na Alfândega de Lisboa, onde em 1880 chegou a 1º Oficial.

Freguesia de Santo António (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de Santo António
(Planta: Sérgio Dias)

A Rua Silva e Albuquerque e o associativismo dos tipógrafos

Freguesia de Alvalade (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Alvalade
(Foto: Sérgio Dias)

Silva e Albuquerque, tipógrafo, revisor, jornalista e promotor de associações ligadas às artes gráficas começou por ser topónimo na Mouraria no final do séc. XIX mas as alterações urbanísticas nesta zona na década de 40 do séc. XX levaram-no para Alvalade no ano de 1950.

Silva e Albuquerque já havia dado o seu nome a três artérias lisboetas – aos antigos Largo, Rua e Travessa dos Canos, nas traseiras da Rua da Palma -, pelo Edital da edilidade presidida por Rosa Araújo de 20 de agosto de 1885, mas estes arruamentos desapareceram com as demolições efectuadas na Mouraria na década de 40 do séc. XX para facilitar a circulação e estacionamento automóvel. E assim, voltou à toponímia alfacinha com a legenda «Jornalista/1829 – 1879», na Rua 13 A do Sítio de Alvalade, pelo Edital de 25 de janeiro de 1950. O mesmo Edital inscreveu mais 12 nomes de jornalistas e/ou escritores a preencher as artérias do segundo grupo de arruamentos do Bairro de Alvalade, a saber, Acácio de Paiva, Alberto Osório de Castro, D. Alberto Bramão, Eduardo de Noronha, Epifânio Dias, Guilherme de Faria, João Saraiva, José Duro, José d’Esaguy, Maria Amália Vaz de Carvalho, Marquesa de Alorna e Raul Brandão.

José Maria da Silva e Albuquerque (24.12.1829 – 15.04.1879) foi tipógrafo, revisor, jornalista e notabilizou-se particularmente pelo desenvolvimento que imprimiu ao movimento associativo na área das artes gráficas. Foi em grande parte obra dele o Grémio Popular de Lisboa, fundado em 1857 para promover a instrução primária de crianças e adultos de meios operários e que em 1939 se passou a designar Associação Popular de Instrução e Assistência Silva Albuquerque. Silva e Albuquerque também contribuiu para diversas outras associações como a mutualista Associação Tipográfica Lisbonense e Artes Correlativas (1852), a Fraternal Lisbonense, a Associação de Auxílios Mútuos e a Caixa Económica da Tipografia Universal.

Silva e Albuquerque que Norberto de Araújo considerou «um apóstolo da instrução primária gratuita», iniciou-se no mundo do trabalho como tipógrafo na oficina do «Grátis», passou  e ficou muitos anos na tipografia de Manuel António Ferreira Portugal até em 1867 entrar para o quadro da Imprensa Nacional. Foi também revisor do Diário de Notícias, onde mais tarde veio a ser jornalista, bem como no Português, no Jornal do Centro Popular dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, no Operário, no Mocidade e no Diário do Comércio.

Refira-se ainda que a sua peça em 2 actos O Operário e a Associação subiu à cena no antigo Teatro da Rua dos Condes. Foi também galardoado pela Câmara Municipal de Lisboa com a medalha humanitária da febre amarela.

Freguesia de Alvalade (Planta: Sérgio Dias)

Freguesia de Alvalade
(Planta: Sérgio Dias)

A Rua Norberto de Araújo em Alfama

Freguesia de Santa Maria Maior (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Santa Maria Maior
(Foto: Sérgio Dias)

Norberto de Araújo, o autor de Peregrinações em Lisboa, cerca de quatro anos após a sua morte deu o seu nome a um troço da antiga Calçada de São João da Praça, na Alfama cuja preservação e recuperação defendeu nas suas crónicas no decorrer da década de 30 do século XX.

Foi pelo Edital de 22/06/1956, dois anos após a proposta de Gustavo de Matos Sequeira nesse sentido, que um troço da Calçada de São João da Praça – na época, a partir dos nºs 53 e 70 e hoje, nºs 1 e 2A- até ao Largo das Portas do Sol se passou a denominar Rua Norberto de Araújo, para além de o homenageado ter sido galardoado com a Medalha de Ouro da Cidade de Lisboa.

Freguesia de Santa Maria Maior - Placa Tipo I (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Santa Maria Maior – Placa Tipo I
(Foto: Sérgio Dias)

Norberto de Moreira Araújo (Lisboa/21.03.1889 – 25.11.1952/Lisboa) que se distinguiu como jornalista e olisipógrafo, começou a trabalhar aos quinze anos como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Nacional, frequentou depois o Curso Superior de Letras e, em 1916 iniciou-se no jornalismo em O Mundo e no ano seguinte em A Manhã. Trabalhou depois para o Diário de Notícias, O Século, Noite e, até ao final da sua vida, no Diário de Lisboa, tendo neste jornal ficado célebre a sua rubrica «Páginas de Quinta-feira», saída a lume entre 1932 e 1939, onde deambulava pela arte, política, casos de rua, comédia burguesa, cultura, e sobretudo, Lisboa,  sob o mote «Lisboa e o Sonho». Refira-se ainda que foi eleito Presidente da Direcção do Sindicato dos Profissionais da Imprensa de Lisboa – Casa da Imprensa, cargo que exerceu de 1932 até 1935.

Como olisipógrafo publicou as  Peregrinações em Lisboa (1939) que lhe valeram o Prémio Júlio de Castilho da CML, Legendas de Lisboa (1943) e Inventário de Lisboa (1944-1955; concluído por Durval Pires de Lima), com uma escrita sempre coloquial, noticiosa e de fácil leitura para qualquer público. Em coautoria com Luís Pastor de Macedo foi também lançado Casas da Câmara de Lisboa, e juntamente com o engº Augusto Vieira da Silva pugnou, desde 1934, por uma Olisipografia de pendor científico e académico, com a criação de uma cadeira de Estudos Olisiponenses na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em 1936 foi também um dos fundadores e o sócio nº 73 do Grupo Amigos de Lisboa.

Norberto de Araújo também nos legou livros técnicos sobre artes gráficas, obras de poesia e de teatro, tendo sido levadas à cena as suas peças Dentro do Castigo (1924) e Duas Mulheres (1928). Foram ainda da sua autoria, entre outras, as letras da Grande Marcha de 1935 (Lá vai Lisboa), celebrizada na voz de Amália Rodrigues,  da Grande Marcha de 1940 (Olha o manjerico) e da Grande Marcha do Centenário de 1947 (Lisboa nasceu).

Norberto de Araújo acumulou as condecorações de Oficial da Ordem Militar de Santiago da Espada, de Comendador da Ordem Militar de Cristo, da Ordem da Instrução Pública, bem como da Ordem de Mérito Civil de Espanha e da Ordem de Isabel a Católica, de Cavaleiro da Ordem de Leopoldo da Bélgica e Grande Oficial da Ordem da Casa da Itália.

(Foto: Hemeroteca de Lisboa)

(Foto: Hemeroteca de Lisboa)

 

O Largo Artur Bual em Marvila

Freguesia de Marvila (Foto: Rui Mendes)

Freguesia de Marvila
(Foto: Rui Mendes)

O Largo Artur Bual partilha o mesmo Edital de atribuição que o Largo Luís Dourdil, datado de 26/12/2001, na mesma freguesia de Marvila. Aliás, ambos se conheciam e Bual dedicou mesmo a Dourdil um Retrato Imaginário, no âmbito da Exposição/Homenagem realizada a Luís Dourdil na Galeria do Casino Estoril em 1990, para além de ambos os pintores serem citados como representantes do informalismo/minimalismo.

Dourdil ficou no arruamento com entrada pela Rua Dinah Silveira de Queiroz (Zona L de Chelas) e a Bual coube o largo formado pelas Ruas Q5A e Q5B da Zona L de Chelas. Pelo mesmo Edital foram também atribuídos arruamentos aos pintores Eduarda Lapa (Rua G da Zona L de Chelas), Mário Botas ( Rua Z da Zona L de Chelas) e Severo Portela (Rua B – B’ da Zona L de Chelas).

Artur Mendes de Sousa Bual (Lisboa/16.08.1926 – 11.01.1999/Amadora), cursou a Escola de Artes Decorativas de António Arroio e, em 1947, iniciou a sua carreira na pintura, tendo ainda entre 1959 e 1960 sido bolseiro da Gulbenkian em Paris. Foi um dos 24 escolhidos para o Salão da Jovem Pintura da Galeria de Março de 1953 e, na mesma década participou no I Salão de Arte Abstrata (1954), no I Salão Moderno da SNBA (1958) e no Salão dos Novíssimos do SNI (1959), tendo regressado à abstração nos anos 80 e utilizado as palavras espaço, desintegração, força, abismo, reflexo , despertar, fuga, dor, angústia e revolta como títulos de quadros seus. Entre 1952 e 1999 participou em mais de 60 exposições, individuais ou conjuntas, em Portugal e no estrangeiro, nomeadamente em França, no Brasil, nos EUA, na Holanda, na Bélgica, em Espanha e na Checoslováquia.

Artur Bual que cultivou também a escultura e a cerâmica foi mais destacado enquanto pintor da tendência do abstracionismo e, assim iniciador em Portugal do gestualismo em 1958, para além de cultor do expressionismo lírico e do  informalismo/minimalismo, tendo produzido inúmeros quadros com Cristo e com mulheres como temáticas. Colaborou ainda com Carlos Avilez e com Francisco Relógio como diretor plástico em várias cenografias no Teatro Experimental de Cascais e do Porto. Foi diretor gráfico da revista de arte e letras Contravento e, ilustrou livros como Instinto Supremo de Ferreira de Castro ou As Alegres Noites de Um Boticário de Miguel Barbosa. Executou também painéis cerâmicos para a estação da CP da Amadora de 1993.

A obra de Bual está representada no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, no Museu Nacional de Arte Contemporânea e no Museu Amadeo de Souza Cardoso de Amarante, assim como exposta no Palácio da Justiça de Lisboa, no Centro de Formação Profissional de Pegões, na sede do Governo Regional dos Açores, e em doze capelas do Alentejo e Ribatejo.

Como prémios somou, entre outros, o Prémio Nacional Amadeo de Souza Cardoso e o 3º Prémio do Sindicato dos Críticos de Arte na I Bienal de Paris (ambos em 1959), o 1º Prémio do II Salão de Arte Moderna da Junta de Turismo da Costa do Sol (1964), o  Prémio Artes Plásticas das revistas Eles e Elas e Nova Gente em 1983 e 1984, o Prémio Movimento Arte Contemporânea- Carreira (1997) e, a homenagem da Galeria Municipal da Amadora que passou a ter o seu nome deste artista no próprio ano da sua morte.

Freguesia de Marvila - Placa Tipo II (Foto: Rui Mendes)

Freguesia de Marvila – Placa Tipo II
(Foto: Rui Mendes)

Freguesia de Marvila

Freguesia de Marvila

A Rua do pintor Bernardo Marques dos Domingos de Lisboa

bernardo marques 1969

O algarvio Bernardo Marques que se estreou como artista plástico no III Salão dos Humoristas Portugueses e nos anos vinte tinha a crónica «Os Domingos de Lisboa», desde a década de 80 do século passado que integra a toponímia alfacinha.

Bernardo Marques nascido algarvio mas que na maior parte da sua vida residiu em Lisboa, primeiro no nº 6 da Calçada dos Caetanos (Rua João Pereira da Rosa a partir do Edital de 26/01/1963)  e depois, até ao final da sua vida, na Rua da Quintinha, entrou pela 1ª vez na toponímia alfacinha pelo edital de 12/08/1982, para denominar justamente a Rua da Quintinha. Contudo, os moradores protestaram a alteração, conforme se constata no edital de 23/11/1982,  e voltou a denominar-se Rua da Quintinha «por se ter reconhecido ser do interesse das populações locais, a Rua Bernardo Marques retoma a sua anterior denominação». E assim, só volvidos 19 anos e no âmbito das comemorações do seu centenário Bernardo Marques voltou à toponímia de Lisboa, desta feita no Impasse à Rua 8 do Alto do Lumiar, pelo edital de 03/01/2001.

Placa de evocativa de Bernardo Marques no prédio com o nº 6 da Rua João Pereira da Rosa

Placa  evocativa de Bernardo Marques no prédio com o nº 6 da Rua João Pereira da Rosa

Bernardo Loureiro Marques (Silves/21.11.1898 – 28.09.1962/Lisboa) que se estreou em 1920 com 15 desenhos no III Salão dos Humoristas, em Lisboa, distinguiu-se como pintor e ilustrador, numa obra em que amplamente representou Lisboa, sobretudo a cidade modernista dos anos 20 que o convidava à anedota pictural por ser uma Lisboa mundana e provinciana, revelando no seu traço a influência de Georg Grosz.  De 1925 a 1929, também manteve no Diário Notícias uma crónica semanal intitulada «Os Domingos de Lisboa», bastante irónica e impiedosa.

A sua obra impressa passou por capas, ilustrações e vinhetas nos jornais ABC, ABC a Rir, O Sempre Fixe, O Século (1921), Notícias Ilustrado (1929 a 1931) e Diário de Notícias, bem como pelas revistas Ilustração (de 1926 a 1934), Ilustração Portuguesa, Imagem, Kino, GirassolEuropa (1924), Civilização (1928 a 1930) e até na ilustração de livros de Eça de Queirós, Cesário Verde e Aquilino Ribeiro e David Mourão-Ferreira. Foi diretor gráfico da revista turística Panorama (1941-1949) e da Colóquio (1959-1962), tendo também sucedido a Luís de Montalvor na direção artística e técnica da Editorial Ática.

bernardo marques Paragem_A

Mas também se empenhou como cenógrafo e figurinista, para teatro e cinema, como na peça Soror Amor (1928) e nos filmes Ver e Amar (1930) ou O Trevo de Quatro Folhas (1936), ambos de Chianca de Garcia e, ainda foi consultor artístico do filme Rapsódia Portuguesa (1958) de João Mendes.

Bernardo Marques foi também o autor da decoração da parede de fundo do Café A Brasileira (1925) , no Chiado e, de outras na Exposição Colonial de Paris (1931), nas Festas da Cidade de Lisboa (1934 e 1935), no pavilhão português da exposição internacional parisiense (1937) e nas feiras de Nova Iorque e São Francisco (1939), no Pavilhão da Colonização da Exposição do Mundo Português (1940) e nas Feiras da Indústria Portuguesa, de 1949 a 1951.

Como pintor, em vida apenas expôs em mostras coletivas , embora possa ser considerado o maior paisagista da sua geração e, as suas individuais foram todas póstumas. Encontra-se representado no Museu do Chiado, no Centro de Arte Moderna da Gulbenkian, Fundação que também o galardoou com o Prémio de Aguarela e Desenho da Gulbenkian (1957). Bernardo Marques foi ainda agraciado com o Prémio de Desenho da Exposição Iconográfica das Pescas (1955), o Prémio de Desenho no Salão Mar Português (1957) e o Prémio Especial de Pintura do Salão de Almada (1958) e, os CTT lançaram um selo comemorativo do centenário do seu nascimento, assim como a Câmara Municipal de Lisboa dois dias antes do centenário, em 19 de novembro de 1999,  descerrou uma placa evocativa no prédio da Rua João Pereira da Rosa onde ele residiu.

Freguesia de Santa Clara (Foto: Sérgio Dias)

Freguesia de Santa Clara
(Foto: Sérgio Dias)

Freguesia do Lumiar

Freguesia de Santa Clara